Avaliação genética itinerante de crianças e adolescentes com deficiência vinculadas à Estratégia Saúde da Família

Daniela Koeller Rodrigues Vieira, Dafne Dain Gandelman Horovitz, Juan Clinton Llerena Júnior

Resumo


As doenças genéticas atingem cerca de 3% a 10% da população e podem levar a problemas de saúde crônicos e deficiências. O objetivo deste trabalho foi descrever uma experiência nacional inédita de assistência na área da genética clínica por meio de uma equipe itinerante de especialistas que avaliou pacientes selecionados pela atenção primária a partir da ficha complementar de cadastro de pessoas com deficiências. Foi realizado estudo descritivo e transversal dos pacientes identificados a partir da ficha complementar de cadastro de pessoas com deficiências, avaliados pela equipe em 2005, 2008 e 2009, num total de 324 famílias. A etiologia da deficiência foi definida como genética em 38% dos casos e ambiental em 32,7%. A prevalência de malformações congênitas foi de 31,8%. A utilização da ESF como porta de entrada ampliou o acesso a serviços de alta complexidade para pessoas com doenças de origem genética, defeitos congênitos e deficiências. Os resultados expõem a necessidade de interiorização da genética médica e suas interfaces com a atenção primária, reforçando a importância da implementação de políticas de saúde nesta área.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Defeitos Congênitos; Genética Médica; Deficiência; Diagnóstico

Texto completo:

PDF/A

Referências


Horovitz DDG, Llerena Junior JC, Mattos RA. Atenção aos defeitos congênitos no Brasil: panorama atual. Cad Saúde Pública. 2005; 21(4): 1055-1064. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000400008

Kim CA, Albano LMJ, Bertola DR. Distúrbios Genéticos e o Pediatra. In: Kim CA, Albano LMJ, Bertola DR. Genética na Prática Pediátrica. São Paulo: Manole; 2010. p. 3-10.

Rappo PD. The care of children with cronic illness in primary care practice: implications for the pediatric generalist. Pediatr Ann. 1997; 26(11): 687-695. PMid:9397449.

Khoury MJ, Burke W, Thomson EJ, editors. Genetics and Public Health in the 21st Century: Using Genetic Information to Improve Health and Prevent Disease. Oxford: Oxford University Press; 2000. 5 p.

Ramalho AS, Silva RBP. Genética Comunitária: uma nova disciplina e sua aplicação no Brasil . Cad. Saúde Pública. 2000; 16(1): 261-263. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2000000100029

Horovitz DDG, Cardoso MHCA, Llerena Junior JC, Mattos RA. Atenção aos defeitos congênitos no Brasil: características do atendimento e propostas para formulação de políticas públicas em genética clínica. Cad. Saúde Pública. 2006; 22(12): 2599-2609. PMid:17096039.

Meira JGC, Acosta AX. Políticas de saúde pública aplicadas à genética médica no Brasil. Rev ciênc méd biol (Salvador). 2009; 8(2): 189-197.

Llerena Junior JC. Genética Médica, Sistema único de Saúde Brasileiro (SUS) e integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Ciênc saúde coletiva. 2002; 7(1): 21-25.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 648/GM de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para PSF e PACS. Brasília: Departamento de Atenção Básica, Nacional de Atenção Básica; 2006. v. 4, p. 7-41. Série Pactos pela Saúde.

Melo DG, Gomes TLCS. Capacitação em Genética Médica para residentes em Medicina de Família e Comunidade: Relato de Experiência. Rev APS. 2009; 12(1): 83-87.

Castilla EE, Lopes-Camelo JS, Paz JE, Orioli IM, Dutra ME. Prevencion Primaria de los Defectos Congênitos. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1996.

Horovitz DDG, Ferraz VEF, Dain S, Marques-De-Faria AP. Genetic Services and Testing in Brazil. J Community Genet. 2012. Ahead of print. http://dx.doi.org/10.1007/s12687-012-0096-y

Vieira DKR. Projeto de Atenção Integral à Pessoa com Deficiência. Secretaria Municipal de Saúde de Angra dos Reis - Rio de Janeiro; 2002. Reprografia.

Vieira DKR. Estudo Descritivo da Atenção à Pessoa com Deficiência a partir dos Programas Agentes Comunitários de Saúde e Saúde da Família no Município de Angra dos Reis. [Tese]. Rio de Janeiro: Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz, 2008.

Angra dos Reis. Fundação Municipal de Saúde. Plano Municipal de Saúde - 2010-2013. Reprografia.

Llerena Junior RJC, Santa-Rosa AA, Correia P, Horovitz D, Silva EJC, Mascarenhas EF et al. Investigação do Retardo Mental e Doenças Genéticas a partir de um estudo transversal em escolas do Estado do Rio de Janeiro. Inf Epidemiol SUS. 2000; 9(4): 251-262.

Jones KL. Smith reconizable pattern of human malformation. Philadelphia: W. B. Saunders Company; 1997.

Vianna ALD, Dal Poz MR. A reforma do sistema de saúde no Brasil e o Programa de Saúde da Família. Physis. 2007; 15(supl): 225-264.

Guerra FAR, Llerena Junior JC, Gama SGN, Cunha CB, Theme Filha MM. Defeitos congênitos no Município do Rio de Janeiro, Brasil: uma avaliação através do SINASC (2000-2004). Cad Saúde Pública. 2008; 24(1): 140-149. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100014

Branco MAF. Sistemas de informação em saúde no nível local. Cad Saúde Pública. 1996; 12(2): 267-270. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1996000200016

Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad Saúde Pública. 2004; 20(2 supl.): 190-198.

Marques CMS, Padilha EM. Contexto e Perspectivas da formação profissional do Agente Comunitário de Saúde. Trab Educ Saúde. 2004; 2(2): 345-352.

Silva já, Dalmaso ASW. Agente comunitário de Saúde: o ser, o saber, o fazer. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2002.

Nunes MO, Trad LB, Almeida BA, Homem CR, Melo MCIC. O agente comunitário de saúde: construção da identidade deste personagem híbrido e polifônico. Cad Saúde Pública. 18(6): 1639-1646. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000600018

Sala A, Simões O, Luppi CG, Mazziero MC. Cadastro ampliado em saúde da família como instrumento gerencial para diagnóstico de condições de vida e saúde. Cad Saúde Pública. 2004; 20(6): 1556-1564. PMid:15608857.

Vieira DKR, Duarte NO, Attianezi M, Llerena Junior JC. Registro de adolescentes com deficiência no Sistema de Informação da Atenção Básica: experiência do município do município de Angra dos Reis – Rio de Janeiro, Brasil. Adolesc Saude. 2011; 8(3): 10-17.

Burke W, Emery J. Genetic Education for primary-care providers. Nat Rev Genet. 2002; 3: 561-567. PMid:12094234. http://dx.doi.org/10.1038/nrg845

Chagas AMR. O Portador de Deficiência no Brasil, 1991. Brasília: CORDE, 1998. 38 p. XVII Série Estatística Especializada, v. 7.

Batshaw ML. Retardo Mental. Clínicas Pediátricas da América do Norte: A criança com deficiências do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Interlivros; 1993. v. 3, p. 549-566.

Vieira DKR. A atenção ao Portador de Deficiência: Um perfil dos Alunos da Sociedade Pestalozzi de Angra dos Reis. [Dissertação]. Niterói: Universidade Federal Fluminense; 2000.

Verloove-Vanhorick SP, Veen S, Ruys JH, Ens-Dokkum MH, Schreuder AM, Brand R. Sex difference in Disability and Handicap at five years of age in children born at very short gestation. Pediatrics. 1994; 94(4): 576- 579.

Vasconcelos MM. Retardo Mental. J Pediatr. 2004; 80(2 supl): 71-82.

Silva EJC, Llerena Junior JC, Cardoso MHCA. Estudo seccional descritivo de crianças com deficiência auditiva atendidas no Instituto Nacional de Educação de Surdos, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007; 23(3): 627-636. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300021




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc7(24)485

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2012 Daniela Koeller Rodrigues Vieira, Dafne Dain Gandelman Horovitz, Juan Clinton Llerena Júnior

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia