Perfil do profissional de nível superior nas equipes da Estratégia Saúde da Família em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil

Simone de Melo Costa, Maria Clara Martins Prado, Thais Nunes Andrade, Eva Patrícia Pereira Araújo, Waldir de Souza e Silva Junior, Zenilton Charles Gomes Filho, Carlos Alberto Quintão Rodrigues

Resumo


Objetivo: o presente trabalho teve por objetivo conhecer o perfil do profissional de nível superior que integra as equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) no município de Montes Claros, norte de Minas Gerais, Brasil. Método: trata-se de estudo quantitativo, transversal e de caráter censitário. A coleta de dados deu-se por meio de um questionário semiestruturado e autoaplicado. Resultados: participaram 95 profissionais entre enfermeiros, médicos e cirurgiões dentistas, o que correspondeu a 83,33% dos profissionais de nível superior da ESF. A maioria era do sexo feminino (80,0%), pós-graduado (85,3%), que se sentia preparado para o setor público de saúde (98,9%), com participação em atividades de educação permanente (97,9%) e com atuação exclusiva no setor público (77,7%). Conclusão: a qualificação profissional e a dedicação exclusiva ao sistema público de saúde revelaram características de perfil profissional importantes e condizentes com as exigências do trabalho junto à Estratégia Saúde da Família.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde, Saúde da Família, Recursos Humanos

Texto completo:

PDF/A

Referências


Martines WRV, Chaves EC. Vulnerabilidade e sofrimento no trabalho do agente comunitário de saúde no Programa de Saúde da Família. Rev. Esc. Enferm USP. 2007; 41(3): 426-33. [citado 2012 Mar 20]. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000300012

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas Públicas. Guia prático do Programa de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. [Internet]. Disponível em: http://dtr2002.saude.gov.br/caadab/arquivos%5Cguia_psf1.pdf

Cotta RMM, Schott M, Azeredo CM, Franceschini SCC, Priore SE, Dias G. Organização do trabalho e perfil dos profissionais do Programa Saúde da Família: um desafio na reestruturação da atenção básica em saúde. Epidemiol Serv Saúde 2006; 15(3):7-18. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742006000300002

Peduzzi M, Guerra DAD, Braga CP, Lucena FS, Silva JAM. Atividades educativas de trabalhadores na atenção primária: concepções de educação permanente e de educação continuada em saúde presentes no cotidiano de Unidades Básicas de Saúde em São Paulo. Interface. Comunic., Saúde, Educ.?2009; 13(30): 121-134. [citado 2012 fev 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000300011

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Conselho Nacional de Saúde; 1996.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 1 802, de 26 de agosto de 2008. Institui o Programa Nacional de Educação pelo Trabalho para a Saúde – PET Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília; 27 ago. 2008. Seção 1, p. 27.

Pinto ESG, Menezes RMP, Villa TCS. Situação de trabalho dos profissionais da Estratégia Saúde da Família em Ceará-Mirim. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(3): 657-64. [citado 2012 mar 23]. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000300015

Costa SM, Durães SJA, Abreu MHNG. Feminização do curso de odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros [Internet]. Ciênc. saúde coletiva 2010; 15(supp.1): 1865-73. [citado 2012 fev 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700100

Brasil. Ministério da Saúde. Pró-saúde: programa nacional de reorientação da formação profissional em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Medeiros CRG, Junqueira AGW, Schwingel G, Carreno I, Jungles LAP, Saldanha OMFL. A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15(suppl.1): 1521-31. [citado 2012 fev 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700064

Gil CRR. Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectiva. Cad Saúde Pública. 2005; 21(2): 490-8. [citado 2012 fev 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000200015

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Loch-Neckel G, Seemann G, Eidt HB, Rabuske MM, Crepaldi MA. Desafios para a ação interdisciplinar na atenção básica: implicações relativas à composição das equipes de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2009; 14 (suppl.1): 1463-72. [citado 2012 fev 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000800019

Romano VF. A busca de uma identidade para o médico de família. Physis. 2008; 18(1): 13-25. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312008000100002

Moretti-Pires RO, Bueno SMV. Freire e formação para o Sistema Único de Saúde: o enfermeiro, o médico e o odontólogo. Acta Paul Enferm. 2009; 22(4): 439-44. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002009000400015

Costa SM, Dias OV, Oliveira GS, Nascimento JE, Fonseca VIV, Silva LMC. Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde: Perfil e Atuação Profissional dos Facilitadores de Microrregiões do Norte de Minas Gerais. Rev Pró-univerSUS 2011; 2(1): 75-82.

Cotrim-Guimarães IMA. Programa de educação permanente e continuada da equipe de enfermagem da clínica médica do Hospital Universitário Clemente de Faria: análise e proposições. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2009. Disponível em: http://bvssp.icict.fiocruz.br/pdf/25620.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 648 de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica estabelecendo a revisão das diretrizes e normas para a organização da Atenção básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.027, de 25 de agosto de 2011. Altera a Portaria nº 648/GM/MS, de 28 de março de 2006, na parte que dispõe sobre a carga horária dos profissionais médicos que compõem as Equipes de Saúde da Família (ESF) e na parte que dispõe sobre a suspensão do Piso de Atenção Básica (PAB Variável) [internet]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília; 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2027_25_08_2011.html

Murofuse NT, Rizzotto MLF, Muzzolon ABF, Nicola AL. Diagnóstico da situação dos trabalhadores em saúde e o processo de formação no polo regional de educação permanente em saúde. Rev Latino-Am Enferm. 2009; 17(3): 314-20. [citado 2012 mar 12]. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692009000300006

Tomasi E, Facchini LA, Piccini RX, Thumé E, Silveira DS, Siqueira FV, et al. Perfil sócio-demográfico e epidemiológico dos trabalhadores da atenção básica à saúde nas regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008; 24 (suppl.1):193-201. [citado 2012 abr 06]. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300023




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc8(27)530

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2013 Simone de Melo Costa, Maria Clara Martins Prado, Thais Nunes Andrade, Eva Patrícia Pereira Araújo, Waldir de Souza e Silva Junior, Zenilton Charles Gomes Filho, Carlos Alberto Quintão Rodrigues

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia