Prevalência de excesso de peso entre estudantes de ensino fundamental de escola pública e privada em Sorocaba, São Paulo, Brasil

  • Inês Maria Pardo Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
  • Mariana Pacifico Mercadante Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
  • Mayara Franco Zanatta Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
  • Valéria Cristina Santucci Ramos Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
  • Sandra Dantas Nascimento Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
  • José Eduardo Bueno Miranda Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
Palavras-chave: IMC, Índice de Massa Corporal, Adolescentes, Classe Social

Resumo

Objetivo: Este estudo teve como objetivo avaliar a prevalência de sobrepeso e obesidade em um grupo de estudantes e investigar se há correlacão entre IMC (índice de massa corporal) e renda familiar. Métodos: Estudo tipo transversal, realizado com 213 estudantes do ensino fundamental de escola pública (EPU) e privada (EPR), com idade entre 10 e 14 anos, aprovado pelo comitê de ética local e mediante assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido pelos estudantes e os responsáveis por eles. Os estudantes foram pesados e medidos e o IMC foi calculado; os dados foram avaliados com base  nos gráficos da OMS para IMC conforme o sexo. Os estudantes responderam ao questionário socioeconômico segundo o critério da ABEP. A análise dos dados foi realizada usando o programa SPSS. Foi adotado nível de significância de 5%. Resultados: Prevalência global de excesso de peso (sobrepeso) na amostra estudada foi de 41,3%. Na comparação dos resultados isolados, a frequência de excesso de peso foi maior em alunos da escola particular (47,3%) do que nos da escola pública (32,1%), com significância estatística (p=0,03). A frequência de excesso de peso nos meninos da EPR foi maior do que nos da EPU (23,3% versus 14,3%; p=0,05). Nas meninas, verificou-se a mesma tendência, sem,  todavia, significância estatística (24,0% versus 17,9%; p=0,18). Houve correlação positiva entre IMC e renda familiar (r=0,14, p=0,04). Conclusão: Cerca de 40% dos estudantes entrevistados apresentaram excesso de peso, com prevalência maior entre os meninos da escola particular. É relevante o desenvolvimento de estratégias de prevenção da obesidade em todos os níveis da sociedade, pois há potenciais riscos à saúde na vida adulta.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Inês Maria Pardo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Professora Doutora em Pediatria

Departamento de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas e de Saúde da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP

Mariana Pacifico Mercadante, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
Acadêmica do curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas e de Saúde da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP
Mayara Franco Zanatta, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
Acadêmica do curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas e de Saúde da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP
Valéria Cristina Santucci Ramos, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Mestre em Pediatria

Departamento de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas e de Saúde da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP

Sandra Dantas Nascimento, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Mestre em Pediatria

Departamento de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas e de Saúde da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP

José Eduardo Bueno Miranda, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
Doutor em Pediatria - Departamento de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas e de Saúde da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP

Referências

Zaida G. A criança, os comerciais de televisão e a cultura alimentar: uma análise crítica. Educ Soc. 1992; 43: 505-21.

Silva RCR, Malina RM. Nível de atividade física em adolescentes do Município de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2000; 16(4): 1091-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2000000400027

World Health Organization, International Diabetes Federation. Fight childhood obesity to help prevent diabetes. WHO; 2005. Available from: http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2004/pr81/en/index.html.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa de Orçamento familiar 2008-2009: antropometria e análise do estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa nacional de saúde do escolar. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2009.

Frisancho AR. Prenatal compared with parental origins of adolescent fatness. Am J Clin Nutr 2000; 72: 1186-90.

Damiani D, Damiani D, Oliveira RG. Obesidade: fatores genéticos ou ambientais? Pediatr Mod. 2002; 38(3): 57-80.

Abrantes MM, Lamounier JA, Colosimo EA. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes das regiões Sudeste e Nordeste. J Pediatr. 2002; 78(4): 335-40. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000400014

Oliveira AMA, Oliveira AC, Almeida MS, Almeida FS, Ferreira JBC, Silva CEP, et al. Fatores ambientais e antropométricos associados à hipertensão arterial infantil. Arq Bras Endocrinol Metab. 2004; 48(6): 849-54. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302004000600011

Vande Weyer M, Bolterys S, Guzman E. L’approche pluridisciplinaire de l’enfant obèse à l’Internat Diététique de “Clairs Vallons”. Rev Med Brux. 2005; 26: S215-8.

Monteiro P, Victora C, Barros F. Fatores de risco sociais, familiares e comportamentais para obesidade em adolescentes. Rev Panam Salud Publica. 2004; 16(4): 250-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892004001000004

Saldiva SRD, Escuder MML, Venâncio SI, Benicio D’Aquino MH. Prevalence of obesity in preschool children from five towns in São Paulo State, Brazil. Cad Saúde Pública 2004; 20(6): 1627-32. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000600021

Leão LS, Araujo LM, Moraes LT, Assis AM. Prevalência de obesidade em escolares de Salvador, Bahia. Arq Bras Endocrinol Metab 2003; 47: 151-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302003000200007

Laboratório de Epidemiologia e Estatística - Lee. São Paulo: Cálculo do tamanho amostral. [acesso em 2011 mar.]. Disponível em: http://www.lee.dante.br/pesquisa/amostragem/amostra.html.

Associação Brasileira de Estudos Populacionais - ABEP. O novo critério padrão de classificação econômica Brasil [Internet]. Disponível em: http://www.viverbem.fmb.unesp.br/docs/classificaçãobrasil.pdf.

Organização Mundial da Saúde - OMS. OMS growth charts 2007 [Internet]. Disponível em: http://www.189,28.128/nutricao/docs/geral/sisvan_norma_tecnica_criancas.pdf.

SPSS for Windows. release 12.0.0 [computer program]. Chicago: SPSS; 2003.

Baker JL, Olsen LW, Sørensen TIA, Sci M. Childhood bodymass index and the risk of coronary heart disease in adulthood. N Engl J Med. 2007; 357(23): 2329-37. http://dx.doi.org/10.1056/NEJMoa072515

Torres LP, Lamas RP, Arbelo TF, Alonso MCV, Martinez R. Hígado graso no alcohólico en niños obesos. Rev Cuba Pediatr. 2006; 78(1).

Peres SV, Latorre MRDO, Slater B, Tanaka LF, Silva MVS. Prevalência de excesso de peso e seus fatores associados em adolescentes da rede de ensino público de Piracicaba, São Paulo. Rev Paul Pediatr. 2012; 30(1): 57-64.

Portal da Saúde. Vigitel 2011 [Internet]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1521.

Suñé FR, Dias-da-Costa JS, Olinto MT, Pattussi MP. Prevalence of overweight and obesity and associated factors among schoolchildren in a southern Brazilian city. Cad Saude Publica 2007; 23: 1361-71.

Vieira MF, Araújo CL, Hallal PC, Madruga SW, Neutzling MB, Matijasevich A, et al. Nutritional status of first to fourth-grade students of urban schools in Pelotas, Rio Grande do Sul State, Brazil. Cad Saude Publica 2008; 24: 1667-74.

Vilela JE, Lamounier JA, Oliveira RG, Ribeiro RQ, Gomes EL, Barros Neto JR. Assesment of eating attitudes of children and adolescents in Belo Horizonte City. Psiquiatr Biol. 2001; 9: 121-30.

Conti MA, Costa LS, Peres SV, Toral N. The body dissatisfaction of adolescents: an exploratory research. Physis. 2009; 19: 509-28.

Frisancho AR. Anthropometric Standards for the assessment of growth and nutritional status. Ann Arbor: University of Michigan Press; 1990.

Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Saúde. Secretaria Municipal de Educação. II Pesquisa de Saúde e Nutrição em Escolares. Rio de Janeiro; 2000. n. 2, p. 1-4.

Pereira SF, Veiga GV. Avaliação do estado nutricional de adolescentes estudantes das Escolas Municipais de Cuiabá - MT. Pediatr Mod. 1998; 34(6): 279-90.

Pereira RA. Avaliação antropométrica do estado nutricional. In: Sichieri R, editor. Epidemiologia da obesidade. Rio de Janeiro: UERJ; 1998. p.43-64.

Toral N, Slater B, Silva MV. Consumo alimentar e excesso de peso de adolescentes de Piracicaba, São Paulo. Rev. Nutr. 2007; 20(5): 449-459.

Neutzling M, Taddei JA, Rodrigues EM, Sigulem DM. Overweight and obesity in Brazilian adolescents. Int J Obes. 2000; 24(7): 869-74.

Guedes DP, Rocha GD, Silva AJRM, Carvalhal IM, Coelho EM. Effects of social and environmental determinants on overweight and obesity among Brazilian schoolchildren from a developing region. Rev Panam Salud Publica. 2011; 30(4): 295-302.

Fernandes RA, Christofaro DG, Freitas Junior IF, Cardoso R, Kawaguti SS, Oliveira AR, et al. Socioeconomic status as determinant of risk factors for overweight in adolescents. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16(10): 4051-4057.

Publicado
2013-02-16
Como Citar
Pardo, I. M., Mercadante, M. P., Zanatta, M. F., Ramos, V. C. S., Nascimento, S. D., & Miranda, J. E. B. (2013). Prevalência de excesso de peso entre estudantes de ensino fundamental de escola pública e privada em Sorocaba, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 8(26), 43-50. https://doi.org/10.5712/rbmfc8(26)545
Seção
Artigos de Pesquisa