Percepção masculina sobre violência: um olhar dos usuários de serviços de saúde em Marília, São Paulo, Brasil

Carolina Barretos Fernandes, Vinicius Spazzapan Martins, Janiele dos Santos, Nathalia Mendes da Silva, Juliana Carvalho Bortoleto, Sueli Moreira Pirolo

Resumo


Objetivo: este estudo buscou analisar a percepção masculina de violência a partir da sua compreensão de atos violentos. Métodos: trata-se de um estudo transversal, descritivo e exploratório no qual foram entrevistados 600 homens, entre 18 e 59 anos, pacientes ou acompanhantes de pacientes de um pronto atendimento de referência para a Estratégia Saúde da Família, de um pronto-socorro e de um ambulatório de especialidades do Departamento Regional de Saúde de Marília-SP. A coleta de dados ocorreu por meio de um questionário estruturado a respeito de identificação e de julgamento sobre atos violentos. Resultados: agressão à criança com arma de fogo, gritar e bater em criança foram caracterizados pelos homens entrevistados como atos extremamente violentos. Atos de agressão física como: socos, ameaças e tapas, foram considerados como muito violentos. Situações de média violência foram discussões entre casais, cenas de empurrão, homem segurando mulher pelos cabelos e mulher que chuta um homem. Atitudes consideradas como pouco violentas foram quando a mulher é autora de violência psicológica no casal. Conclusão: identificou-se um processo de naturalização de ações violentas pela ótica dos homens, o que requer um debate coletivo, tanto no setor de saúde quanto na sociedade em geral, para que ocorram soluções coletivas para o enfrentamento da violência enquanto problema de saúde pública.


Palavras-chave


Violência; Atenção Primária à Saúde; Masculino

Texto completo:

PDF

Referências


Minayo MCS, Souza ER. É possível prevenir a violência? Reflexões a partir do campo da saúde pública. Ciênc Saúde Coletiva. 1999;4(1):7-23. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81231999000100002

Day VP, Telles LEB, Zoratto PH, Azambuja MRF, Machado DA, Silveira MB, et al. Violência doméstica e suas diferentes manifestações. Rev Psiquiatr Rio Gd Sul. 2003;25(1):9-21 http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082003000400003

Dahlberg LL, Krug EG. Violência: um problema global de saúde pública. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11:1163-1178. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000500007

Burke P. Violência social e civilização. São Paulo: Braudel Papers; 1995.

Corsi J. Maltrato y abuso en el ámbito doméstico. Buenos Aires: Paidós; 2003.

Marty F. Adolescência, violência e sociedade. Agora. 2006;9(1):119-31. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-14982006000100009

Gomes NP, Diniz NMF, Araujo AJS, Coelho TMF. Compreendendo a violência doméstica a partir das categorias gênero e geração. Acta Paul Enferm. 2007;20(4):504-508. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002007000400020

Ministério da Saúde (Brasil). Política nacional de atenção integral à saúde do homem. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

World Health Organization (WHO). Putting women first: ethical and safety recommendations for research on domestic violence against women. Geneva: WHO; 2001. Document WHO/EIP/GPE/01.1 Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/hq/2001/WHO_FCH_GWH_01.1.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Crianças e adolescentes: indicadores sociais. Rio de Janeiro: IBGE; 1989. p. 28-29.

Minayo MC, Assis SG. Saúde e violência na infância e na adolescência. J Pediatr. 1994;70(5):263-266. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.685

Sociedade Brasileira de Pediatria. Guia de atuação frente a maus-tratos na infância e adolescência: orientação para pediatras e demais profissionais de saúde. 2ª ed. Rio de Janeiro: SBP; 2011.

Brito AMA, Zanetta DMT, Mendonça RC, Barison SZ, Andrade AV. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: estudo de um programa de intervenção. Ciênc Saude Coletiva. 2005;10(1):143-149. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100021

Brasil. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da criança e do adolescente e da outras providencias. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília; 1990 jul. 13.

Brasil. Projeto de Lei nº 2654/2003. Dispõe sobre a alteração da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, o Estatuto da Criança e do Adolescente, e da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, o Novo Código Civil estabelecendo o direito da criança e do adolescente a não serem submetidos a qualquer forma de punição corporal, mediante a adoção de castigos moderados ou imoderados, sob a alegação de quaisquer propósitos, ainda que pedagógicos, e dá outras providências. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília; 2007 jun. 26.

Gawryszewisk V. Homicídios no município de São Paulo: perfil e subsídios para um sistema de vigilância epidemiológica [Tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2002.

Reichenheim ME, Souza ER, Moraes CL, Jorge MHPM, Silva CMFP, Minayo MCS. Violência e lesões no Brasil: efeitos, avanços alcançados e desafios futuros. London: The Lancet; 2011. p. 75-89. Série Saúde no Brasil, 5.Disponível em: http://download.thelancet.com/flatcontentassets/pdfs/brazil/brazilpor5.pdf.

Silva LL, Coelho EBS, Caponi SNC. Violência silenciosa: violência psicológica como condição da violência física doméstica. Interface. 2007;11(21):93-103. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832007000100009




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(31)553

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia