Tendência de classificação no Capítulo Z da CIAP-2 entre 2006 e 2011 em um centro de saúde de Medicina Familiar em Coimbra, Portugal

Luiz Miguel Santiago, Paula Ricardo Miranda, Phililppe Botas

Resumo


Objetivo: Estudar a tendência evolutiva da classificação com a CIAP-2 no Capítulo Z, no período de 2006 a 2011 quanto a: variação de frequência do número total de componentes de sinais e sintomas; volume de “classificação ajustada à população” e, através da coleta de informação SOAP, quais dos seus componentes foram mais frequentemente registrados nos campos Subjetivo (S) e Avaliação (A). Métodos: Estudo transversal, observacional e descritivo dos registros eletrônicos efetuados por todos os médicos na plataforma Serviço de Apoio ao Médico (SAM) utilizando a ferramenta de coleta de dados (SAM-Estatísticas) em agosto de 2012 em um centro de saúde em Coimbra, região central de Portugal. O volume de codificação foi estudado em código/1.000 hab./dia, tendo como base de cálculo a metade de cada ano estudado. Foram selecionados os seis códigos mais frequentes de cada ano. Resultados: Verificou-se uma dinâmica de crescimento positivo nos componentes registrados nos campos Subjetivo e Avaliação entre 2006 e 2011, tanto no número total de códigos (S:+4,83 e A:+6,44) e volume de codificação – código/1.000 hab./dia (S:+4,40 e A:+6,44) como na percentagem de diferentes componentes de sinais e sintomas do Capítulo Z (S:+0,30; A:+0,56). Conclusão: Entre 2006 e 2011 verificou-se uma dinâmica de crescimento positivo na classificação no Capítulo Z da CIAP-2 que foi mais importante no campo Avaliação e nos tipos de componente. O desenvolvimento profissional e a educação médica continuada são necessários para melhorar o desempenho na tarefa de classificar e registrar adequadamente, bem como no criterioso registro das anotações clínicas feitas na consulta, evitando perda de informação clínica.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Medicina de Família e Comunidade; Classificação; Cuidado Periódico; Iniquidade Social; Classificação Internacional de Doenças; CIAP; Classificação Internacional de Atenção Primária

Texto completo:

PDF/A

Referências


European Academy of Teachers in General Practice. The European Definition Of General Practice / Family Medicine. Short Version Euract; 2005. [online] [acesso em 2012 Ago 25]. Disponível em: http://www.euract.eu/official-documents/finish/3-official-documents/95-european-definition-of-general-practicefamily-medicine-2005-short-version.

Sousa JC. Ups! Será que é MUPS? Rev Port Clin Geral. 2006; 22: 277-9.

Royal College of General Practitioners - RCGP. [online] [acesso em 2012 Ago 23]. Disponível em: http://www.rcgp.org.uk/PDF/MUS_Guidance_A4_4pp_6.pdf.

World Health Organization - WHO. Classifications of Diseases. [online] [acesso em 2012 Ago 25]. Disponível em: http://www.who.int/classifications/icd/adaptations/CIAP2/en/index.html.

5.National Institute for Public Health and the Environment – RIVM. Manual for the Use of the ICPC2-ICD10 Thesaurus. [online] [acesso em 2012 Ago 25]. Disponível em: http://www.rivm.nl/whofic/cdromthesaurus/Manual%20Thesaurus%20bilingual_files/frame.htm.

Weed LL. Medical records that guide and teach. N Engl J Med. 1968 Mar 14; 278(11): 593-600. http://dx.doi.org/10.1056/NEJM196803142781105

Weed LL Medical records that guide and teach N Engl J Med. 1968 Mar 21; 278(12): 652-7 concl.

Botica MV, Zele I, Renar IP, Markovi? BB, Grgurevi? SS, Botica I. Structure of visits persons with diabetes in Croatian family practice: analysis of reasons for encounter and treatment procedures using the CIAP-2. Coll Antropol. 2006 Sep; 30(3): 495-9.

Witry MJ, Doucette WR, Daly JM, Levy BT, Chrischilles EA. Family physician perceptions of personal health records. Perspect Health Inf Manag. 2010 Jan 1; 7: 1d.

Administração Central do Sistema de Saúde - ACSS. Sistema de Apoio ao Médico - SAM. [online]. Disponível em: http://dis.dgs.pt/2010/10/01/sistema-de-apoio-ao-medico-sam/.

Rodrigues JG. Why do patients consult their Family doctor? Rev Port Clin Geral 2000; 16: 442-52.

Ordem dos Médicos. Código Deontológico. [online] [acesso em 2012 Ago 25]. Disponível em: https://www.ordemdosmedicos.pt/?lop=conteudo&op=9c838d2e45b2ad1094d42f4ef36764f6.

Portugal. Comissão Nacional de Protecção de Dados. Lei nº 12/2005, de 26 de janeiro de 2005. Informação genética pessoal e informação de saúde. Diário da República de Portugal, Lisboa, 26 jan. 2005. Série 1, n. 18. [online] [acesso em 2012 Ago 25]. Disponível em: http://www.cnpd.pt/bin/legis/nacional/Lei12-2005.pdf.

Braga R. Os registos clínicos e a classificação. Rev Port Med Geral Fam. 2012; 28: 155-6.

Lopes JMC. Consulta e abordagem centrada na pessoa. In: Lopes JMC, Gusso GDF, editores. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. São Paulo: Artmed; 2012. p. 112-123.

Borrel Carrió F, Dohms M. Relação clínica na prática do médico de família. In: Lopes JMC, Gusso GDF, editores. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. São Paulo: Artmed, 2012. p. 124-134.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc8(27)639

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia