Urbanização da leishmaniose visceral: aspectos clínicos e epidemiológicos em Aracaju, Sergipe, Brasil

Autores

  • Marco Aurélio Oliveira Góes Universidade Federal de Sergipe (UFS). Lagarto, SE
  • Verònica de Lourdes Sierpe Jeraldo Universidade Tiradentes (UNIT). Aracaju, SE
  • Alex Santana Oliveira Faculdade Estácio de Sá (FASE). Aracaju, SE

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc9(31)685

Palavras-chave:

Leishmaniose Visceral, Urbanização, Vigilância Epidemiológica, Letalidade

Resumo

Objetivo: Este estudo tem como objetivo descrever aspectos clínicos e epidemiológicos da Leishmaniose Visceral (LV) na cidade de Aracaju-SE, no período de 2007 a 2011. Métodos: Estudo epidemiológico retrospectivo, descritivo, utilizando dados oriundos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação da Secretaria de Saúde do Estado de Sergipe, com análise estatística pelo Epi Info 6.04d. Resultados: Foram registrados 128 casos de LV no município, representando média anual de 25,6 casos, e um coeficiente de incidência de 23,5 casos para cada 100 mil habitantes. Houve predomínio do sexo masculino (65,6%) e uma maior concentração de casos ocorreu em crianças até quatro anos (26,6%). As manifestações clínicas mais encontradas foram: febre (96,1%); esplenomegalia (89,1%); hepatomegalia (79,7%); fraqueza (82,0%), e emagrecimento (77,3%). O critério de confirmação foi clínico-laboratorial em 95,5% dos casos. O coeficiente de letalidade geral no período estudado foi de 7,8% (dez óbitos) e de 26,7% em pessoas entre 40 e 49 anos (quatro óbitos). No período, foi identificado pelo menos um caso de LV em 65,8% dos 38 bairros de Aracaju, distribuídos em todas as regiões da cidade. Conclusões: Verifica-se no estudo uma ampla distribuição da LV no município, além de uma alta letalidade. Para o enfrentamento adequado da LV, além das medidas relacionadas às intervenções ambientais e ao controle vetorial, é necessária a constante atualização dos profissionais de saúde, principalmente dos médicos da atenção primária e das unidades de pronto-atendimento, para que consigam identificar precocemente os casos suspeitos a fim de que o diagnóstico e o tratamento ocorram de forma oportuna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marco Aurélio Oliveira Góes, Universidade Federal de Sergipe (UFS). Lagarto, SE

MÉDICO, RESIDÊNCIA EM DOENÇAS INFECCIOSAS, ESPECIALIZAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA, MESTRE EM SAUDE E AMBIENTE, PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO DE SÁUDE DA FAMÍLIA DA FANESE/SE, Professor Assistente de Medicina, ênfase em Saúde Coletiva/Saúde Pública da Universidade Federal de Sergipe

Verònica de Lourdes Sierpe Jeraldo, Universidade Tiradentes (UNIT). Aracaju, SE

Doutora em Parasitologia. Professora do Mestrado de Saúde e Ambiente.

Alex Santana Oliveira, Faculdade Estácio de Sá (FASE). Aracaju, SE

Farmacêutico e acadêmico de enfermagem.

Referências

Alvar J, Aparicio P, Aseffa A, Boer MD, Canavete C, Dedet JP, et al. The relationship between leishmaniasis and AIDS: the second 10 years. Clin Microbiol Rev. 2008;21(2):334-359. http://dx.doi.org/10.1128/CMR.00061-07 DOI: https://doi.org/10.1128/CMR.00061-07

World Health Organization (WHO). Report of the Fifth Consultative Meeting on Leishmania/HIV Coinfection. Addis Ababa: WHO; 2007. Disponível em: http://www.who.int/leishmaniasis/resources/Leishmaniasis_hiv_coinfection5.pdf

Ministério da Saúde (BR). Guia de vigilância epidemiológica: Leishmaniose visceral. 7ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Ministério da Saúde (BR). Leishmaniose visceral: recomendações clínicas para redução da letalidade. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Albuquerque PLMM, Silva Júnior GB, Freire CCF, Oliveira SBC, Almeida DM, Silva HF, et al. Urbanization of visceral leishmaniasis (kala-azar) in Fortaleza, Ceará, Brazil. Rev Panam Salud Publica. 2009;26(4):330-3. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892009001000007 DOI: https://doi.org/10.1590/S1020-49892009001000007

Marzochi MCA, Fagundes A, Andrade MV, Souza MB, Madeira MF, Mouta-Confort E, et al. Visceral leishmaniasis in Rio de Janeiro, Brazil: eco-epidemiological aspects and control. Rev Soc Bras Med Trop. 2009;42(5):570-580. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822009000500017 DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822009000500017

Silva AR, Tauil PL, Cavalcante MNS, Medeiros MN, Pires BN, Gonçalves EGR. Situação epidemiológica da leishmaniose visceral na Ilha de São Luís, Estado do Maranhão. Rev Soc Bras Med Trop. 2008;41(4):358-64. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822008000400007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822008000400007

Maia-Elkhoury ANS, Alves WA, Sousa-Gomes ML, Sena JM, Luna EA. Visceral leishmaniasis in Brazil: trends and challenges. Cad Saúde Pública. 2008;24(12):2941-47. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001200024 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001200024

Mestre GLC, Fontes CJF. A expansão da epidemia da visceral leishmaniose visceral no Estado de Mato Grosso, 1998-2005. Rev Soc Bras Med Trop. 2007;40(1):42-48. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822007000100008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822007000100008

Oliveira JM, Fernandes AC, Dorval MEC, Alves TP, Fernandes TD, Oshiro ET, et al. Mortalidade por leishmaniose visceral: aspectos clínicos e laboratoriais. Rev Soc Bras Med Trop. 2010;43(2):188-93. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822010000200016 DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822010000200016

Tavares LMSA, Tavares ED. Incidência, distribuição geográfica e aspectos ambientais das áreas endêmicas da Leishmaniose Visceral em Sergipe.

Inf Epidemiol SUS. 1999;8(1):47-52. http://dx.doi.org/10.5123/S0104-16731999000100006 DOI: https://doi.org/10.5123/S0104-16731999000100006

Jeraldo VLS, Góes MAO, Casanova C, Melo CM, Araújo ED, Brandão-Filho SP, et al. Sandfly fauna in an area endemic for visceral leishmaiasis in

Aracaju, State of Sergipe, Northeast Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2012;45(3):318-322.

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822012000300008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822012000300008

Góes MAO, Melo CM, Jeraldo VLS. Time series of visceral leishmaniasis in Aracaju, state of Sergipe, Brazil (1999 to 2008): human and canine

aspects. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(2):298-307. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2012000200007 DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2012000200007

Pastorino AC, Jacob CMA, Oselka GW, Carneiro-Sampaio MMS. Leishmaniose visceral: aspectos clínicos e laboratoriais. J

Pediatr. 2002;78(2):120-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000200010 DOI: https://doi.org/10.1590/S0021-75572002000200010

Xavier-Gomes LM, Costa WB, Prado PF, Oliveira-Campos M, Leite MTS. Características e epidemiológicas da leishmaniose visceral em crianças

internadas em um hospital universitário de referência no norte de Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2009;12(4):549-55.

http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2009000400005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2009000400005

Gil-Prieto R, Walter S, Alvar J, Miguel AG. Epidemiology of leishmaniasis in Spain based on hospitalization records (1997-2008). Am J Trop Med

Hyg. 2011;85(5):820-825. http://dx.doi.org/10.4269/ajtmh.2011.11-0310 DOI: https://doi.org/10.4269/ajtmh.2011.11-0310

Nunes WS, Araújo SR, Calheiros CML. Epidemiological profile of leishmaniasis at a reference service in the State of Alagoas, Brazil, from

January 2000 to September 2008. Braz J Infect Dis. 2010;14(4):342-5. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-86702010000400005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-86702010000400005

Rigo RS, Rigo L, Honer MR. Aspectos Clínicos e Laboratoriais na Leishmaniose Visceral Americana. J Bras Nefrol. 2009;31(1):48-54.

Disponível em: http://www.jbn.org.br/detalhe_artigo.asp?id=9

Romero GAS, Boelaert M. Control of visceral leishmaniasis in Latin America - A systematic review. PLoS Negl Trop Dis. 2010;4(1):1-17.

http://dx.doi.org/10.1371/journal.pntd.0000584 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0000584

Rosenthal E, Delaunay P, Jeandel PY, Haas H, Pomares-Estran C, Marty P. Liposomal amphotericin B as treatment for visceral leishmaniasis in

Europe, 2009. Med Mal Infect 2009;39(10):741-4. http://dx.doi.org/10.1016/j.medmal.2009.05.001 DOI: https://doi.org/10.1016/j.medmal.2009.05.001

Bern C, Adler-Moore J, Berenguer J, Boelaert M, Den Boer M, Davidson RN, et al. Liposomal amphotericin B for the treatment of visceral

leishmaniasis. Clin Infect Dis. 2006;43(7):917-24. http://dx.doi.org/10.1086/507530 DOI: https://doi.org/10.1086/507530

Sundar S, Chakravarty J. Liposomal amphotericin B and leishmaniasis: dose and response. J Glob Infect Dis. 2010;2(2):159-166.

http://dx.doi.org/10.4103/0974-777X.62886 DOI: https://doi.org/10.4103/0974-777X.62886

Chappuis F, Alirol E, Worku DT, Mueller Y, Ritmeijer K. High mortality among older patients treated with pentavalent antimonials for visceral

leishmaniasis in East Africa and rationale for switch to liposomal amphotericin B. Antimicrob Agents Chemother. 2011;55(1):455-456.

http://dx.doi.org/10.1128/AAC.01298-10 DOI: https://doi.org/10.1128/AAC.01298-10

Ministério da Saúde (BR). SVS divulga novo protocolo de tratamento da leishmaniose visceral. Portal Saúde. 2013 Sep 25 [acesso em 2013

Sept 20]. Disponível em http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/profissional-e-gestor/vigilancia/noticias-vigilancia/7700-

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Letalidade por Leishmaniose Visceral no Brasil, 1990 a 2011. Brasília 2012 [acesso

em 2013 Dec 28]. Disponível em http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/2012_11_letalidade_por_lv_entre_1990_e_2011.pdf

Alvarenga DG, Escalda PMF, Costa ASV, Monreal MTFD. Leishmaniose visceral: estudo retrospectivo de fatores associados à letalidade. Rev Soc

Bras Med Trop. 2010;43(2):194-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822010000200017 DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822010000200017

Luz ZMP, Carneiro M, Schall V, Rabello A. The organization of health services and visceral leishmaniasis: an integrated intervention to improve

diagnosis and treatment. Cad Saúde Pública. 2009;25(5):1177-1184. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000500024 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000500024

Downloads

Publicado

2013-11-26

Como Citar

1.
Góes MAO, Jeraldo V de LS, Oliveira AS. Urbanização da leishmaniose visceral: aspectos clínicos e epidemiológicos em Aracaju, Sergipe, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 26º de novembro de 2013 [citado 30º de novembro de 2021];9(31):119-26. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/685

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.