O papel do profissional da Atenção Primária à Saúde em cuidados paliativos

  • Mariana Lobato dos Santos Ribeiro Silva Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Unidade Básica de Saúde Vila Dalva , São Paulo, SP
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Cuidados Paliativos, Saúde da Família

Resumo

Introdução: O cuidado a pacientes em fase final da vida é cada vez mais frequente nos serviços de saúde devido ao progressivo envelhecimento da população e o consequente aumento de pacientes com doenças graves. No Brasil, os poucos serviços de cuidados paliativos geralmente estão ligados a hospitais especializados, mas, em vários países, a Atenção Primária à Saúde (APS) é considerada o melhor nível de assistência para a prestação e coordenação dos cuidados paliativos de seus usuários. Métodos: Neste estudo realizou-se uma revisão integrativa de literatura, objetivando compreender quais os papéis dos profissionais da APS em cuidados paliativos. Resultados: Os textos selecionados foram submetidos à análise temática, emergindo oito categorias que descrevem o papel dos profissionais de APS em cuidados paliativos e evidenciam que sua participação é essencial: 1) Possibilitar o cuidado domiciliar; 2) Garantir assistência com integralidade; 3) Utilizar a longitudinalidade como ferramenta de cuidado; 4) Responsabilizar-se pelo cuidado paliativo com a família; 5) Buscar aprimoramento profissional em cuidados paliativos; 6) Viabilizar a coordenação do cuidado; 7) Facilitar o acesso do paciente a cuidados paliativos e sua família; 8) Trabalhar em parcerias dentro e fora da APS. Conclusão: O acesso facilitado a cuidados paliativos, próximo ao lar, associado ao manejo constante dos sintomas e à sensibilidade para com a realidade das famílias, faz toda a diferença para os pacientes em fase final da vida.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mariana Lobato dos Santos Ribeiro Silva, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Unidade Básica de Saúde Vila Dalva , São Paulo, SP
Mestre em Ciências pela Escola de Enfermagem da USP. Especialista em Promoção à Saúde pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, em Pediatria pela Universidade Federal de São Paulo e Saúde da Família pela Universidade Aberta do SUS - UNIFESP. Cursou graduação e Licenciatura em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Atualmente é enfermeira da Estratégia Saúde da Família pela Fundação Faculdade de Medicina e cursa especialização em Linhas de Cuidado em Enfermagem - Atenção Psicossocial pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

Schneider N, Lueckmann SL, Kuehne SLF, Klindtworth K, Behmann M. Developing targets for public health initiatives to improve palliative care. BMC Public Health. 2010; 10:222. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2458-10-222

Florianí CA, Schramm SR. Moral and operational challenges for the inclusion of palliative care in primary health care. Cad Saúde Pública. 2007; 23(9): 2072- 80. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000900015

World Health Organization. Palliative care for older people: better practices. Denmark: WHO; 2011. Disponível em: http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0017/143153/e95052.pdf

Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP). Manual de cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Diagraphic; 2009.

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Cuidado Paliativo. São Paulo: CREMESP; 2008.

Brasil. Lei nº 10.424, de 15 de abril de 2002. Acrescenta capítulo e artigo à Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento de serviços correspondentes e dá outras providências, regulamentando a assistência domiciliar no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da Repúblia Federativa do Brasil; Abr 2002. [acessado 2012 Jun 6]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10424.htm

Rabelo CAFG, Rodrigues PHA. Saúde da Família e cuidados paliativos infantis: ouvindo os familiares de crianças dependentes de tecnologia. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15(Supl. 2): 3157-66. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-1232010000200013

Borgsteede SD, Deliens L, Wal GVD, Francke AL, Stalman WAB, Eijk JTME. Interdisciplinary cooperation of GPs in palliative care at home: A nationwide survey in the Netherlands. Scand J Prim Health Care, 2007. 25: 226-31. http://dx.doi.org/10.1080/02813430701706501

Barnes EA, Fan G, Harris K, Barbera L, Tsao M, Doyle M et al. Involvement of Family Physicians in the Care of Cancer Patients Seen in the Palliative Rapid Response Radiotherapy Program. J Clin Oncol. 2007; 25(36): 5758-62. http://dx.doi.org/10.1200/JCO.2007.13.3082

Verhoeven AAH, Schuling J, Maeckelber ELM. The death of a patient: a model for reflection in GP training. BMC Fam Pract. 2011; 12(2): 8-15. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2296-12-8

Walshe C, Todd C, Caress AL, Graham CC. Judgements about fellow professionals and the management of patients. Br J Gen Pract. 2008; 58: 264-72. http://dx.doi.org/10.3399/bjgp08X279652

McDaniel SH, Campbell ThL, Hepworth J, Lorenz A. Family-Oriented Primary Care. New York: Springer; 2005.

Starlfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_primaria_p1.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília; 1997. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd09_16.pdf

Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs. 2005; 52(5): 546-553. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2648.2005.03621.x

Braun V, Clarke V. Using thematic analysis in psychology. Qual Res Psychol. 2006;(3): 77-101. http://dx.doi.org/10.1191/1478088706qp063oa

Fereday J, Muir-Cochrane E. Demonstrating Rigor using thematic analysis: a hybrid approach of inductie and deductive coding and theme development. Int J Qual Methods. 2006; 5(1): 8-15. http://dx.doi.org/10.1063/1.2011295

Neergaard MA, Vedstesd P, Olesen F, Solkolowski I, Jensen AB, Sondergaad J. Associations between successful palliative trajectories, place of death and GP involvement. Scand J of Prim Health Care. 2010; 28: 138-145. http://dx.doi.org/10.3109/02813432.2010.505316

Marshall D, Howell D, Brazil K, Howard M, Taniguchi A. Enhancing family physician capacity to deliver quality palliative home care: An end-of-life, shared-care model. Can Fam Physician. 2008; 54: 1703.e1-7 Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2602612/?tool=pubmed

Han PKJ, Rayson D. The Coordination of Primary and Oncology Specialty Care at the End of Life. J Natl Cancer Inst Monogr. 2010; 40: 31-7. http://dx.doi.org/10.1093/jncimonographs/lgq003

Valente SH, Teixeira MB. Estudo fenomenológico sobre a visita domiciliária do enfermeiro à família no processo de terminalidade. Rev Esc Enferm USP. 2009; 43(3): 665-61. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000300022

Benedetto MAC, Castro AG, Carvalho E, Sanogo R, Blasco PG. From suffering to transcendence: Narratives in palliative care. Can Fam Physician. 2007; 53(8): 1277-79. Disponível em: http://www.cfp.ca/content/54/12/1703.full

Shipman C, Gysels M, White P, Worth A, Murray SA, Barclay S et al. Improving generalist end of life care: national consultation with practitioners, commissioners, academics, and service user groups. BMJ. 2008; 11: 337(7674). http://dx.doi.org/10.1136/bmj.a1720

Pinheiro TRP, Benedetto MAC, Levites MR, Giglio A, Blasco PG. Teaching Palliative Care to Residents and Medical Students. Fam Med. 2010; 42(8): 580-2. Disponível em: http://www.stfm.org/fmhub/fm2010/September/Thais%20Raquel580.pdf

McGrath P. Care of the hematology patient and their family The GP viewpoint. Aust Fam Physician. 2007; 36(9): 779-81.

Groot MM, Vernooij-Dassen MLFL, Verhagen SCA, Crul BJP, Grol RPTM. Obstacles to the delivery of primary palliative care as perceived by GPs. Palliat Med. 2007; 21(8): 697-703. http://dx.doi.org/10.1177/0269216307083384

Johansen ML, Holtedahl KA, Rudebeck CE. A doctor close at hand: How GPs view their role in cancer care. Scand J Prim Health Care. 2010; 28: 249-55. http://dx.doi.org/10.3109/02813432.2010.526792

Silva MCLSR, Silva L, Bousso RZ. A abordagem à família na Estratégia Saúde da Família: uma revisão integrativa da literatura. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(5): 1250-1255. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000500031

Ministério da Saúde (BR). Portaria GM nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Diário Oficial da Repúblia Federativa do Brasil; 25 Jan 2008. [n. 18]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis../gm/2008/prt0154_24_01_2008.html

Publicado
2013-11-02
Como Citar
Silva, M. L. dos S. R. (2013). O papel do profissional da Atenção Primária à Saúde em cuidados paliativos. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 9(30), 45-53. https://doi.org/10.5712/rbmfc9(30)718
Seção
ARTIGOS DE REVISÃO