Editorial

Leonardo Vieira Targa

Resumo


Os determinantes de saúde apresentam diferenças nos meios rural e urbano. Isto gera diferentes resultados de saúde entreestes meios, o que está bastante documentado, seja nos indicadores clássicos de saúde como mortalidade infantil1, seja nafrequência de alguns agravos2. Além disso, os diferentes níveis de acessibilidade ao sistema de saúde em seus diversos serviçose recursos, as dificuldades para o cuidado longitudinal, integral e coordenado somam-se para as diferenças encontradas entrea saúde urbana e rural3 e ajudam a determinar uma pior autopercepção de saúde2.Entre os fatores responsáveis por estas dificuldades, está a carência de profissionais de saúde, em especial médicos, forados grandes centros urbanos4. Ampla literatura revisa as estratégias e políticas de diversas partes do mundo que procuramreduzir este déficit5-7. Uma combinação de fatores pessoais, com estratégias de acesso à universidade, acrescentada a políticas demelhoria das condições de vida e trabalho do profissional e sua família, o que inclui possibilidades de carreira e aproximaçãoacadêmica, parecem ser a melhor combinação e constam nas recomendações da Organização Mundial de Saúde4.A Associação Mundial de Médicos de Família (Wonca), através de seu grupo de trabalho em medicina rural (WorkingParty on Rural Practice), vem produzindo conhecimento e estimulando reflexões relacionadas a esta problemática em nívelmundial. Este suplemento procura ajudar na divulgação especialmente nos países de língua portuguesa dos principaisdocumentos deste grupo, ao qual o Grupo de Trabalho em Medicina Rural da Sociedade Brasileira de Medicina de Famíliae Comunidade está associado.Estes documentos ajudam a suprir uma grande deficiência de material em português sobre os temas saúde rural e medicinarural e servirá de referência importante para futuras produções. Inicialmente, membros do GT rural da SBMFC resenhamos documentos que traduziram e, numa segunda parte, os documentos na íntegra estão disponíveis. Esperamos com istocontribuir para fortalecer o entendimento das especificidades desta área de atuação dos profissionais de saúde, em especialdos médicos de família e comunidade e ajudar a despertar o interesse para as discussões na área.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Departamento da População e Indicadores Sociais. Evolução e perspectivas da mortalidade

infantil no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 1999.

Dachs JNW. Determinantes das desigualdades na auto-avaliação do estado de saúde no Brasil: análise dos dados da PNAD/1998. Cienc Saude

Colet. 2002; 7(4): 641-657. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000400004

Targa LV. Área Rural. In: Gusso G, Lopes JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. Porto Alegre: Artmed; 2012. v. 1, p. 431-442.

Organização Mundial de Saúde - OMS. Increasing access to health workers in remote and rural areas through improved retention. Genebra: OMS; 2010.

Wilson NW, Couper ID, De Vries E, Reid S, Fish T, Marais BJ. A critical review of interventions to redress the inequitable distribution of healthcare

professionals to rural and remote areas. Rural Remote Health. 2009; 9(2): 1060. [online]. [acesso em 2011 jan.]. Disponível em: http://www.rrh.org.au

Kapadia RK, McGrath BM. Medical school strategies to increase recruitment of rural-oriented physicians: the Canadian experience. Can J Rural

Med 2011; 16(1): 13-19.

Hancock C, Steinbach A, Nesbitt TS, Adler SR, Auerswald CL. Why doctors choose small towns: A developmental model of rural physician recruitment

and retention. Soc Sci Med. 2009; 69(9): 1368-76. http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2009.08.002




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc8(1)722

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia