Percepção das gestantes de uma unidade de saúde da família de Maceió-AL sobre fatores relacionados à mortalidade infantil

Autores

  • Gabriela Ferreira da Silva Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Maceió, AL
  • Maria José Ribeiro Sampaio Silva Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Maceió, AL
  • Maria Lucélia da Hora Sales Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Maceió, AL

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc9(33)733

Palavras-chave:

Fatores de Risco, Mortalidade Infantil, Gravidez

Resumo

Objetivo: identificar a percepção das gestantes sobre fatores de risco que podem contribuir para a mortalidade infantil. Métodos: pesquisa observacional, transversal, descritiva, com abordagem quantitativa e qualitativa, realizada com 40 gestantes da Unidade de Saúde da Família (USF) de Guaxuma, Maceió-AL. Resultados: o perfil sociodemográfico das gestantes estudadas foi semelhante ao padrão das mulheres com maior mortalidade infantil, já sabidamente conhecido: idades entre 10 e 19 anos e acima de 30 anos, multiparidade, intervalo interpartal menor que dois anos e baixa escolaridade. Na análise dos discursos dessas gestantes, destacaram-se como fatores de risco a prática incorreta da amamentação, a busca tardia de assistência no período gestacional, no parto, no puerpério e na puericultura e a não inserção da família na assistência à gestante. Conclusão: as gestantes do estudo, que apresentavam perfil sociodemográfico condizente com maior risco para mortalidade infantil, demonstraram um bom conhecimento sobre os fatores de risco.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabriela Ferreira da Silva, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Maceió, AL

Atuo na área da saúde, em específico da enfermagem.

Referências

Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Avanços e desafios: a redução da mortalidade infantil em Alagoas. Brasília; 2012 [acesso em 2012 Dec 11]. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/pt/br_livro_mortalidade_alagoas.pdf.

Victora CG, Barreto ML, Leal MC, Monteiro CA, Schmidt MI, Paim J, et al. Health conditions and health-policy innovations in Brazil: the way forward. Lancet. 2011;377(9782):2042-53. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60055-X. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60055-X

United Nations Children’s Fund (UNICEF). Committing to child survival: a promise renewed. Progress report 2013. New York: UNICEF; 2013.

Lefevre F, Lefevre AMC. O sujeito que fala. Interface (Botucatu). 2006;10(20):517-524. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832006000200017. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832006000200017

Moscovici S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar; 1978.

Oliveira EFV, Gama SGN, Silva CMFP. Gravidez na adolescência e outros fatores de risco para mortalidade fetal e infantil no município do Rio de Janeiro. Cad Saúde Pública. 2010;26(3):567-78. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000300014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000300014

Geib LTC, Freu CM, Brandão M, Nunes ML. Determinantes sociais e biológicos da mortalidade infantil em coorte de base populacional em Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Ciência Saúde Coletiva. 2010;15(2):367-70. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000200011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000200011

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) [Internet]. Síntese de Indicadores Sociais. 2005. [acesso em 2012 Dec 11]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2005/

Cruz MCC. O impacto da amamentação sobre a desnutrição e a mortalidade infantil, Brasil [dissertação] Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2001. 80 p.

Ministério da Saúde (BR). Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. (Cadernos de Atenção Básica, n. 23).

Ministério da Saúde (BR). Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. (Cadernos de Atenção Básica, n 33).

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento da Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. (Cadernos de Atenção Básica, n 32).

Figueiredo PP, Lunardi FWD, Lunardi VL, Pimpão FD. Mortalidade infantil e pré-natal: contribuições da clínica à luz de Canguilhem e Foucault. Rev Latino-Am Enfermagem. 2012;20(1):201-10. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692012000100026. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692012000100026

Franco MLPB. Representações sociais, ideologia e desenvolvimento da consciência. Cad Pesqui. 2004 [acesso em 2012 Dec 11];34(121):169‑86. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742004000100008&lng=pt&nrm=iso. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742004000100008

Ribeiro EM. As várias abordagens da família no cenário do programa/estratégia de saúde da família (PSF). Rev Latino-Am Enfermagem. Disponível em: 2004;12(4):658-664. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692004000400012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692004000400012

Downloads

Publicado

2014-10-04

Como Citar

1.
Silva GF da, Silva MJRS, Sales ML da H. Percepção das gestantes de uma unidade de saúde da família de Maceió-AL sobre fatores relacionados à mortalidade infantil. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 4º de outubro de 2014 [citado 6º de julho de 2022];9(33):317-22. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/733

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa