Inserção da fitoterapia em unidades de saúde da família de São Luís, Maranhão: realidade, desafios e estratégias

Waleska Regina Machado Araujo, Rômulo Vieira Silva, Clemilson da Silva Barros, Flavia Maria Mendonça do Amaral

Resumo


Objetivo: analisar a inserção da fitoterapia em unidades de saúde da família (USF) no município de São Luís, Maranhão, Brasil. Métodos: estudo analítico, observacional e transversal, tendo sido empregado como instrumento de coleta de dados um questionário semiestruturado com perguntas diretas, fechadas e abertas, aplicado aos diretores de USF do município. As variáveis da pesquisa foram categoria profissional, implantação de serviços de fitoterapia nas USF, benefícios da terapêutica na atenção primária, capacitação na área e desafios para efetivação do serviço, com análise quantitativa e qualitativa. Resultados: foram entrevistados 18 diretores, predominando os enfermeiros (50%); 81% dos entrevistados desconheciam as normativas vigentes relacionadas à fitoterapia no âmbito das políticas nacionais de saúde; 94% acreditavam que a oferta da fitoterapia como terapia alternativa e/ou complementar traria benefícios à qualidade de vida da comunidade, sendo constatado ainda que 94% dos profissionais não tinham capacitação na área. Foram relatadas experiências pontuais referentes à fitoterapia por alguns diretores das unidades. Dentre os desafios citados pelos entrevistados, foi enfatizada a necessidade de estrutura física adequada e capacitação profissional. Conclusão: o estudo indica a real possibilidade da inserção da fitoterapia em USF mediante a promoção de mecanismos de capacitação profissional e educação permanente, a priorização do estudo de espécies vegetais locais de uso popular regional e a atuação efetiva da equipe multiprofissional, visando a qualificar a atenção primária e a ampliar o acesso às práticas alternativas e/ou complementares.


Palavras-chave


Fitoterapia; Estratégia Saúde da Família; Capacitação Profissional

Texto completo:

PDF/A

Referências


Pinheiro R, Mattos R, Camargo Jr KR. Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. 4ª ed. Rio de Janeiro: ABRASCO; 2007.

Minayo MCS, Coimbra Jr CEA. Críticas e atuantes: ciências sociais e humanas em saúde na América Latina. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

Andrade JT, Costa LFA. Medicina complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da Antropologia médica. Saúde Soc. 2010;19:497-508. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902010000300003.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Brasília: MS; 2006.

Pereira AMM, Castro ALB, Oviedo RAM, Barbosa LG, Gerassi CD, Giovanella L. Atenção primária à saúde na América do Sul em perspectiva comparada: mudanças e tendências. Saúde Debate. 2012;36(94):482-99. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042012000300019.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: MS; 2009.

Prefeitura de São Luís, Secretaria Municipal de Saúde. Guia de distritos. 2013. [acesso em 2013 Set 16]. Disponível em: http://www.saoluis.ma.gov.br/SEMUS.

Vanderlei MIG, Almeida MCP. A concepção e prática dos gestores e gerentes da estratégia de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(2):443-53. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200021.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1886 de 18 de dezembro de 1997. Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. Diário Oficial da União. 1997 Dec 22; Seção 1. Portuguese.

Rothbarth S, Wolff LDG, Peres AM. O desenvolvimento de competências gerenciais do enfermeiro na perspectiva de docentes de disciplinas de administração aplicada à enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2009;18(2):321-29. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072009000200016.

Cunha I, FRG XN. Competências gerenciais de enfermeiras: um novo velho desafio. Texto Contexto Enferm. 2006;15(3):479-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000300013.

Gil CRR. Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectivas. Cad Saúde Pública. 2005;21(2):490-98. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000200015.

Medeiros CRG, Junqueira A, Schwingel G, Carreno I, Jungles LAP, Saldanha O. A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;15(1):1521-31. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700064.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 154 de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Brasil: MS; 2008.

Fontenele RP, Sousa DMPd, Carvalho ALM, Oliveira FdA. Fitoterapia na Atenção Básica: olhares dos gestores e profissionais da Estratégia Saúde da Família de Teresina (PI), Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(8):2385-94. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000800023.

Cantarelli AP. Estudo da utilização de plantas medicinais pelos usuários do SUS e das práticas dos profissionais de saúde de Doutor Maurício Cardoso em relação à fitoterapia [Monografia]. Porto Alegre: Curso de Especialização em Gestão em Saúde EAD. Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2012. Portuguese. http://hdl.handle.net/10183/67671.

Thiago SCS, Tesser CD. Percepção de médicos e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família sobre terapias complementares. Rev Saúde Pública. 2011;45(2):249-57. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000002.

Ischkanian PC, Pelicioni MCF. Challenges of complementary and alternative medicine in the SUS aiming to health promotion. Journal of Human Growth and Development. 2012;22(2):233-38.

Silva MIG, Gondim APS, Nunes IFS, Sousa FCF. Utilização de fitoterápicos nas unidades básicas de atenção à saúde da família no município de Maracanaú (CE). Rev Bras Farmacogn. 2006;16(4):455-62. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2006000400003.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 886 de 20 de abril de 2010. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasil: MS; 2010.

Camargo EES, Bandeira MAM, Oliveira AGD. Diagnosis of public programs focused on herbal medicines in Brazil. Bol Latinoam Caribe Plantas Med Aromát. 2012;11(4):362-368.

Sampaio LA, Oliveira DR, Kerntopf MR, Brito Jr FE, Menezes IRA. Percepção dos enfermeiros da estratégia saúde da família sobre o uso da fitoterapia. REME Rev Min Enferm. 2012;17(1):76-84. http://dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20130007.

Rosa C, Câmara SG, Béria JU. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(1):311-18. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000100033.

Batista LM, Valença AMG. A fitoterapia no âmbito da Atenção Básica no SUS: realidades e perspectivas. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2012;12(2):293-96.

Schwambach KH, Amador TA. Estudo da utilização de plantas medicinais e medicamentos em um município do sul do Brasil. Latin American Journal Pharmacy. 2007;26(4):602. http://hdl.handle.net/10915/7523.

Agra MF, Freitas PF, Barbosa-Filho JM. Synopsis of the plants known as medicinal and poisonous in Northeast of Brazil. Rev Bras Farmacogn. 2007;17(1):114-40. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2007000100021.

Amaral F, Coutinho D, Ribeiro M, Oliveira M. Avaliação da qualidade de drogas vegetais comercializadas em São Luís/Maranhão. Rev Bras Farmacogn. 2003;13:27-30. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2003000300011.

Badke MR, Budó MLD, Alvim NAT, Zanetti GD, Heisler EV. Saberes e práticas populares de cuidado em saúde com o uso de plantas medicinais. Texto Contexto Enferm. 2012;21(2):363-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000200014.

Michiles E. Diagnóstico situacional dos serviços de fitoterapia no Estado do Rio de Janeiro. Rev Bras Farmacogn. 2004;14(1):16-19. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2004000300007.

Santos RL, Guimaraes GP, Nobre MSC, Portela AS. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Plantas Med 2011;13(4):486-91. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722011000400014.

Nunes MO, Trad LB, Almeida BA, Homem CR, Melo MCC. O agente comunitário de saúde: construção da identidade desse personagem híbrido e polifônico. Cad Saúde Pública. 2002;18(6):1639-46. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000600018.

Silvello CLC. O uso de plantas medicinais e de fitoterápicos no SUS: uma revisão bibliográfica [Monografia]. Porto Alegre: Escola de Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2010. Portuguese. http://hdl.handle.net/10183/28232.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(32)789

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia