Prevalência de hipertensão arterial sistêmica em idosos no Brasil entre 2006 e 2010

Gisele Soares Mendes, Clayton Franco Moraes, Lucy Gomes

Resumo


Objetivo: observar a evolução da prevalência de hipertensão arterial sistêmica (HAS) em idosos entre 2006 e 2010 no Brasil. Métodos: estudo descritivo, ecológico, quantitativo, de um período entre 2006 e 2010, com dados coletados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) relacionados ao sexo, região e escolaridade na faixa etária de 65 anos ou mais.  Resultados: na análise entre regiões brasileiras, não houve diferença significativa nos anos analisados. Na comparação entre os sexos, a prevalência de HAS acima de 65 anos nas mulheres foi maior que nos homens. Com relação ao nível de escolaridade, foi encontrado que a prevalência no ano de 2006 foi significativamente menor do que nos anos de 2008 e 2009 entre pessoas com 9 a 11 anos de educação formal. Entre as regiões, quanto menor o nível de escolaridade, maior a prevalência de hipertensão. Conclusão: a prevalência da HAS acima dos 65 anos não seguiu uma tendência linear, mas manteve-se elevada, com predomínio em idosos do sexo feminino e em idosos com baixa escolaridade, chamando a atenção para a necessidade de ações de prevenção dos fatores de risco e acompanhamento em longo prazo dos idosos hipertensos.


Palavras-chave


Idoso; Hipertensão; Vigilância Sanitária; Prevalência; Brasil

Texto completo:

PDF/A

Referências


Fernández-Ballesteros R, Robine JM, Walker A, Kalache A. Active Aging: A Global Goal. Curr Gerontol Geriatr Res. 2013;2013:1-4. http://dx.doi.org/10.1155/2013/298012.

Tavares DMS, Dias FA. Capacidade funcional, morbidades e qualidade de vida de idosos. Texto Contexto Enferm. 2012;21(1):112-20. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000100013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativas da população residente no Brasil e unidades da Federação com data de referência em 1º de julho de 2013. Rio de Janeiro: IBGE; 2013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições da vida da população brasileira 2013. Rio de Janeiro: IBGE; 2013.

Brito CJ, Volp ACP, Nóbrega OT, Silva Júnior FL, Mendes EL, Roas AFCM, et al. Exercício físico como fator de prevenção aos processos inflamatórios decorrentes do envelhecimento. Motriz. 2011;17(3):544-55. http://dx.doi.org/10.1590/S1980-65742011000300017.

Montagner S, Costa A. Bases biomoleculares do fotoenvelhecimento. An Bras Dermatol. 2009;84(3):263-69. http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962009000300008.

Ferreira OGL, Maciel SC, Costa SMG, Silva AO, Moreira MASP. Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto Contexto Enferm. 2012;21(3):513-18. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000300004.

Boing AC, Boing AF. Hipertensão arterial sistêmica: o que nos dizem os sistemas brasileiros de cadastramentos e informações em saúde. Rev Bras Hipertens. 2007 [acesso em 2013 Jul 10];14(2):84-8. Disponível em: http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/14-2/06-hipertensao.pdf.

Gontijo MF, Ribeiro AQ, Kein CH, Rozenfeld S, Acurcio FA. Uso de anti-hipertensivos e antidiabéticos por idosos: inquérito em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012; 28(7): 1337-46. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000700012.

Paniz VMV, Fassa AG, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, et al. Free access to hypertension and diabetes medicines among the elderly: a reality yet to be constructed. Cad Saúde Pública. 2010;26(6):1163-74. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000600010.

Cesarino CB, Cipullo JP, Martin JFV, Ciorlia LA, Godoy MRP, Cordeiro JA, et al. Prevalência e fatores sociodemográficos em hipertensos de São José do Rio Preto – SP. Arq Bras Cardiol. 2008;91(1):31-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2008001300005.

Giroto E, Andrade SM, Cabrera MAS, Ridão EG. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em hipertensos cadastrados em unidade de saúde da família. Acta Sci, Health Sci. 2009;31(1):77-82. http://dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.v31i1.4492.

Borim FSA, Guariento ME, Almeida EA. Perfil de adultos e idosos hipertensos em unidade básica de saúde. Rev Soc Bras Clín Méd. 2011 [acesso em 2013 Jul 10];9(2):107-11. http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2011/v9n2/a1832.pdf.

Zattar LC. Prevalência e fatores associados à pressão arterial elevada, seu conhecimento e tratamento em idosos no sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(3):507-21. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000300009.

Gus I, Harzheim E, Zaslavsky C, Medina C, Gus M. Prevalência, reconhecimento e controle da hipertensão arterial sistêmica no estado do Rio Grande do Sul. Arq Bras Cardiol. 2004;83(5):424-28. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2004001700009.

Ferreira AD, César CC, Malta DC, Andrade ACS, Ramos CGC, Proletti FA, et al. Validade de estimativas obtidas por inquérito telefônico: comparação entre VIGITEL 2008 e Inquérito Saúde em Beagá. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(Suppl 1):16-30. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2011000500003.

Winer BJ, Brown DR, Michels KM. Statistical Principles in Experimental Design. 2a ed. New York: McGraw-Hill; 1971.

Allen M, Kelly K, Fleming I. Hypertension in elderly patients recommended systolic targets are not evidence based. Can Fam Physician. 2013 [acesso em 2013 Jul 10];59:19-21. Disponível em: http://www.cfp.ca/content/59/1/19.full.

Chrysant SG. Treating blood pressure to prevent strokes: the age factor. World J Cardiol. 2013;5(3):22-7. http://dx.doi.org/10.4330/wjc.v5.i3.22.

Olives C, Myerson R, Mokdad AH, Murray CJL, Lim SS. Prevalence, awareness, treatment, and control of hypertension in United States countries, 2001-2009. PloS ONE. 2013;8(4):1-8. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0060308.

Asekun-Olarinmoye EO, Akinwuse PO, Adebimpe WO, Isawumi MA, Hassan MB, Olowe OA, et al. Prevalence of hypertension in the rural adult population of Osun State, southwestern Nigeria. Int J Gen Med. 2013;6:317-22. http://dx.doi.org/10.2147/IJGM.S42905.

Gao Y, Chen G, Tian H, Lin L, Lu J, Weng J, et al. Prevalence of hypertension in China: a cross-sectional study. PLoS ONE. 2013;8(6):1-8. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0065938.

Diniz MA, Tavares DMS, Rodrigues LR. Características sócio-demográficas e de saúde entre idosos com hipertensão arterial. Ciênc Cuid Saúde. 2009;8(4):607-14. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v8i4.9689.

Oca-Rodríguez A, Naranjo-Herrera Y, Medina-González G, Hernández-Martinéz B, Jorge-Molina M. Características clínico-epidemiológicas de la hipertensión arterial con relación a variables modificables y no modificables. Rev Soc Peru Med Interna. 2012;25(2):70-3.

Barros MBA, Francisco PMSB, Lima MG, César CLG. Social inequalities in health among the elderly. Cad Saúde Pública. 2011;27(Suppl 2):198-208. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011001400008.

Zavatini MA, Obreli-Neto PR, Cuman RKN. Estratégia saúde da família no tratamento de doenças crônico-degenerativas: avanços e desafios. Rev Gaúcha Enferm. 2010 [acesso em 2013 Jul 10];31(4):647-54. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/13275.

Cotta RMM, Batista KCS, Reis RS, Souza GA, Dias G, Castro FAF, et al. Perfil sociossanitário e estilo de vida de hipertensos e/ou diabéticos, usuários do Programa de Saúde da Família no município de Teixeiras, MG. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(4):1251-60. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000400031.

Trindade TG. Associação entre extensão dos atributos de Atenção Primária e qualidade do manejo da hipertensão arterial em adultos adscritos à rede de Atenção Primária à Saúde de Porto Alegre [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2007.

Waldman EA, Novaes HMD, Albuquerque MFM, Latorre MRDO, Ribeiro MCSA, Vasconcellos M, et al. Inquéritos populacionais: aspectos metodológicos, operacionais e éticos. Rev Bras Epidemiol. 2008;11(Suppl 1):168-79. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2008000500018.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar. VIGITEL Brasil 2008: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Rio de Janeiro: MS; 2009.

Bernal R, Silva NN. Cobertura de linhas telefônicas residenciais e vícios potenciais em estudos epidemiológicos. Rev Saúde Pública. 2009;43(3):421-26. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000024.




DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(32)795

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia