Percepção de homens idosos sobre saúde e os serviços primários de saúde

Camila Polisello, Cassiana Morais de Oliveira, Mariana Pavan, Ricardo Gorayeb

Resumo


Objetivo: compreender a percepção de homens idosos acerca dos temas: “Saúde”, “Unidade de Saúde da Família” (USF) e “Grupos em Saúde”. Métodos: estudo exploratório-descritivo, de abordagem qualitativa, com amostra de conveniência. Para selecionar os participantes, utilizou-se uma lista elaborada pela equipe com os nomes dos homens idosos da área de cobertura da USF que utilizavam os serviços de saúde oferecidos pela unidade. Para a coleta de dados realizou-se entrevista semi-estruturada e os dados foram analisados de acordo com a Análise de Conteúdo Temática. Resultados: participaram desse estudo 11 homens idosos. Os entrevistados possuem um conceito ampliado de saúde, abordando aspectos biopsicossociais em suas descrições. Eles apresentaram um bom vínculo com a USF, frequentando-a para consultas e participação em grupos de prevenção e promoção. Os participantes referiram não se engajarem em tantas atividades preventivas quanto as mulheres. Avaliam os Grupos em Saúde como benéficos, com repercussões positivas para a saúde e para a vida. Alguns, no entanto, carregam modelos de grupos de outros contextos, principalmente do mundo do trabalho, os quais não coincidem com os modelos de Grupo em Saúde. Conclusão: os participantes, por serem idosos e terem maior disponibilidade de tempo e vínculo com a unidade, conseguiram se engajar em mais atividades de promoção e prevenção. Observa-se que a unidade de saúde e os grupos atuam como fatores protetores para essa população, favorecendo o cuidado e as relações socias. No entanto, percebe-se que fatores associados ao gênero ainda dificultam um melhor cuidado de saúde por parte de homens.


Palavras-chave


Saúde do Homem; Saúde do Idoso; Atenção Primária à Saúde; Promoção da Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. (Série E. Legislação em Saúde).

Ministério da Saúde (BR). Sistema Único de Saúde. Apresentação [Internet]. Brasília; c2014 [acesso em 2011 Nov 22]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/default.cfm.

Freitas MLA, Mandú ENT. Promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família: análise de políticas de saúde brasileiras. Acta Paul Enferm [Internet]. 2010 [acesso em 2012 Nov 1];23(2):200-205. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000200008.

Figueiredo WS. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2005 [acesso em 2011 Oct 05];10(1):105-109. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100017.

Schraiber LB, Gomes R, Couto MT. Homens e saúde na pauta da Saúde Coletiva. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2005 [acesso em 2011 Jul 13];10(1):7-17. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100002.

Gomes, R. Sexualidade masculina e saúde do homem: proposta para uma discussão. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2003 [acesso em 2011 Nov 10];8(3):825-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000300017.

Laurenti R, Jorge MHPM, Gotlieb SLD. Perfil epidemiológico da morbi-mortalidade masculina. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2005 [acesso em 2011 Oct 06];10(1):35-46. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100010.

Gomes R, Nascimento EF. A produção do conhecimento da saúde pública sobre a relação homem-saúde: uma revisão bibliográfica. Cad Saúde Pública [Internet]. 2006 [acesso em 2012 Nov 15];22(5):901-911. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000500003.

Keijzer B, Ayala G, Dorantes OA, Rosas EMR, Sánchez-Mejorada J, Barranca SM, Salud y gênero. Razões e emoções. São Paulo: 3Laranjas Comunicação; 2001 [acesso em 2013 Jan 15]. (Série Trabalhando com Homens Jovens, caderno 4). Disponível em: http://www.promundo.org.br/wp-content/uploads/2010/04/RazoeseEmocoes1.pdf.

Gomes R. A saúde do homem em foco. São Paulo: Editora UNESP; 2010.

Brasil. Rede Interagencial de informações para a saúde (RIPSA). Indicadores e Dados Básicos 2006 - Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2010 [acesso em 2013 May 14]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2006/matriz.htm.

Mckinlay E. Men and Health: a literature review [Internet] Wellington: Wellington School of Medicine as Health Science, Otago University; 2005 [acesso em 2012 Nov 30]. Disponível em: http://nhc.health.govt.nz/system/files/documents/publications/mens-health-literature-review.pdf.

Gomes R, Nascimento EF, Araujo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2007 [acesso em 2012 Nov 17];23(3):565-574. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015.

Fontanella BJ B, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 [acesso em 2014 Jul 25];24(1):17-27. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec/Abrasco; 1994.

Figueiredo WS, Schraiber LE. Concepções de gênero de homens usuários e profissionais de saúde de serviços de atenção primária e os possíveis impactos na saúde da população masculina, São Paulo, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2011;16(1):935-944. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000700025.

Camargo BV, Campos PHF, Torres TL, Stuhler GD, Matão MEL. Representações sociais de saúde e cuidado: um estudo multicêntrico sobre vulnerabilidade masculina. Temas Psicol [Internet]. 2011 [acesso em 2013 Apr 26];19(1):179-192. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2011000100014&lng=pt.

Knauth DR, Couto MT, Figueiredo WS. A visão dos profissionais sobre a presença e as demandas dos homens nos serviços de saúde: perspectivas para a análise da implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(10):2617-2626. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001000011.

Couto MT, Pinheiro TF, Valença OA, Machin R, Silva GSN, Gomes R, et al. O homem na atenção primária à saúde: discutindo (in)visibilidade a partir da perspectiva de gênero. Interface (Botucatu) [Internet]. 2010 [acesso em 2012 Oct 05];14(33):257-270. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832010000200003.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização. Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2010 [acesso em 2014 Jan 29]. (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Cadernos HumanizaSUS, vol. 2). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizasus_atencao_basica.pdf.

Gomes R, Moreira MCN, Nascimento EF, Rebello LEFS, Couto MT, Schraiber LB. Os homens não vêm! Ausência e/ou invisibilidade masculina na atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2011 [acesso em 2012 Sep 20];16(1):983-992. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000700030.

Nunes AA, Caccia-Bava MCGG, Bistafa MJ, Pereira LCR, Watanabe MC, Santos V, et al. Resolubilidade da estratégia saúde da família e unidades básicas de saúde tradicionais: contribuições do Pet-Saúde. Rev Bras Educ Med [Internet]. 2012 [acesso em 2013 Nov 16];36(1):27-32. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022012000200004.

Baker G. Trabalho não é tudo, mas é quase tudo: homens, desemprego e justiça social em Políticas Públicas. In: Medrado B, Lyra J, Azevedo M, Brasilino J, editors. Homens e masculinidades: práticas de intimidade e políticas públicas. Recife: Instituto PAPAI; 2010. p. 125-138.

Pinheiro RS, Viacava F, Travassos C, Brito AS. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2002 [acesso em 2013 Jan];7(4):687-707. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000400007.

Couto MT, Gomes R. Homens, saúde e políticas públicas: a equidade de gênero em questão. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2012 [acesso em 2013 Nov 27];17(10):2569-2578. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001000002.

Oliveira GR, Trilico MLC, Paro FS, Kijimura MY, Pirolo SM. A integralidade do cuidado na saúde do homem: um enfoque na qualidade de vida. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 2013 [acesso em 2013 Nov 13];8(28):208-212. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(28)676.

Vecchia RD, Ruiz T, Bocchi SCM, Corrente JE. Qualidade de vida na terceira idade: um conceito subjetivo. Rev Bras Epidemiol [Internet]. 2005 [acesso em 2014 Jan 29];8(3):246-252. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2005000300006.

Duarte CV, Melo-Silva LL. Expectativas diante da aposentadoria: um estudo de acompanhamento em momento de transição. Rev Bras Orientac Prof [Internet]. 2009 [acesso em 2014 Jan 29];10(1):45-54. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902009000100007&lng=pt&tlng=pt.

Harris E, Harris MF. Reducing the impact of unemployment on health: revisiting the agenda for primary health care. Med J Aust [Internet]. 2009 [acesso em 2013 May 14];191(2):119-122. Disponível em: http://mja.com.au/public/issues/191_02_200709/har10340_fm.html.

Giatti L, Barreto SM. Situação do indivíduo no mercado de trabalho e iniqüidade em saúde no Brasil. Rev Saúde Pública [Internet]. 2006 [acesso em 2013 Jan 10];40(1):99-106. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006000100016.

Coutinho RX, Acosta MAF. Ambientes Masculinos da terceira idade. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2009 [acesso em 2013 Jan 13];14(4):1111-1118. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000400017.

Horta NC, Sena RR, Silva MEO, Tavares TS, Caldeira IM. A prática de grupos como ação de promoção da saúde na estratégia saúde da família. Rev APS. 2009;12(3):293-301.

Brasil. Lei no. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União. 1990 Sep 20; Seção 1.

Brasil. Lei no. 8.142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS} e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União. 1990 Dec 31; Seção 1.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria-Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humaniza SUS. Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

Ministério da Saúde (BR), Secretário de Atenção à Saúde. Política nacional de atenção à saúde do homem: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Medrado B, Lyra J, Azevedo. ‘Eu Não Sou Só Próstata, Eu Sou um Homem!’ Por uma política pública de saúde transformadora da ordem de gênero. In: Gomes R, editor. Saúde do Homem em debate. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2011. p. 39-74.

Ciênc Saúde Coletiva. 2005 [acesso em 2013 Jan 13];10(1). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=1413-812320050001&lng=pt&nrm=iso

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.528 de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2006/GM/GM-2528.htm




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(33)797

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia