Motivos de consulta mais comuns das pessoas atendidas por uma equipe de saúde da família em Fortaleza - CE

Karina de Paula Bastos Santos, Marco Túlio Aguiar Mourão Ribeiro

Resumo


Objetivo: conhecer os principais motivos de consulta da população atendida em uma equipe de saúde do município de Fortaleza - CE. Métodos: estudo de caráter quantitativo, exploratório e transversal. Os dados foram coletados a partir dos registros dos atendimentos médicos efetuados durante o primeiro semestre de 2012, extraídos de banco de dados secundário, classificados com a CIAP-2, tabulados no Excel e analisados pelo Epi-Info. Resultados: houve um total de 1044 encontros, 68% para o sexo feminino e 32%, masculino. A faixa etária predominante consistiu de pessoas entre 20-39 anos. Foram encontrados 1985 motivos de consulta. Os capítulos mais comuns foram Geral e Inespecífico, Respiratório, Digestivo, Músculo-Esquelético e Circulatório. Os 30 principais motivos de consulta corresponderam a 51,49% do total. Houve grande variedade de demandas trazidas pelas pessoas e a maioria dos motivos esteve relacionada com a demanda programada. Conclusão: a CIAP-2 possibilitou uma avaliação minuciosa da demanda. Esse estudo pode servir como instrumento para auxiliar a equipe de saúde no cuidado das pessoas, por meio de capacitação, organização da clínica e ações comunitárias e individuais para enfrentamento dos problemas.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Classificação de Doenças; Registros Médicos

Texto completo:

PDF/A

Referências


Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002. 726p.

McWhinney IR, Freeman T. Manual de medicina de família e comunidade. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2010. p.472.

Gusso GDF. Diagnóstico de demanda em Florianópolis utilizando a classificação internacional de atenção primária. 2a ed (CIAP 2) [Tese de doutorado]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2009. 212p.

Lamberts H, Meads S, Wood M. Classification of reasons why persons seek primary care: pilot study of a new system. Public Health Rep. 1984;99(6):597-605.

Soler JK, Okkes I, Wood M, Lamberts H. The coming of age of ICPC: celebrating the 21st birthday of the International Classification of Primary Care. Fam Pract. 2008;25(4):312-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/fampra/cmn028

Lebrão ML. Classificação internacional de motivos da consulta para atenção primária: testes em algumas áreas brasileiras. Rev Saúde Pública. 1985;19(1):69-78. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101985000100008

Landsberg GAP, Savassi LCM, Sousa AB, Freitas JMR, Nascimento JLS, Azagra R. Análise de demanda de Medicina de Família no Brasil utilizando a Classificação Internacional de Atenção Primária. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):3025-36. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001100019

Gusso GDF. Classificação Internacional de Atenção Primária (CIAP 2) [Tese de Doutorado]. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2009.

Pimentel IRS, Coelho BC, Lima JC, Ribeiro FG, Sampaio FPC, Pinheiro RP et al. Caracterização da demanda em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Bras Med Fam. 2011;6(20):175-81. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc6(20)95

Okkes IM, Polderman GO, Fryer GE, Yamada T, Bujak M, Oskam SK, et al. The role of family practice in different health care systems: a comparison of reasons for encounter, diagnoses, and interventions in primary care populations in the Netherlands, Japan, Poland, and the United States. J Fam Pract. 2002;51(1):72-3. http://www.jfponline.com/pages.asp?aid=1085.

Wun Y, Lu X, Liang W, Dickinson J. The work by the developing primary care team in China: a survey in two cities. Fam Pract. 2000;17(1):10-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/fampra/17.1.10

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Saúde Sexual e Saúde Reprodutiva. Cadernos de Atenção Básica número 26. Brasília; 2010.

Mash B, Fairall L, Adejayan O, Ikpefan O, Kumari J, Mathee S, et al. A morbidity survey of South African primary care. PLoS One. 2012;7(3):e32358. DOI: http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0032358

Moth G, Olesen F, Vedsted P. Reasons for encounter and disease patterns in Danish primary care: changes over 16 years. Scand J Prim Health Care. 2012;30(2):70-5. DOI: http://dx.doi.org/10.3109/02813432.2012.679230

Rosendal M, Vedsted P, Christensen KS, Moth G. Psychological and social problems in primary care patients - general practitioners’ assessment and classification. Scand J Prim Health Care. 2013;31(1):43-9. DOI: http://dx.doi.org/10.3109/02813432.2012.751688

Gusso GDF, Poli Neto P. Gestão da Clínica. In: Gusso GDP, Lopes JMC, eds. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p.159-66.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(37)831

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia