A “boca amarga" para o paciente: competência comunicativa intercultural

Mayara Floss, Igor Oliveira Claber Siqueira, Tarso Pereira Teixeira, Arthur Ferronato Dall'Agnol

Resumo


Objetivo: demonstrar a compreensão dos usuários da Unidade de Saúde da Família (USF) Castelo Branco II da cidade de Rio Grande/RS-Brasil em relação à queixa “boca amarga” e discutir a competência comunicativa intercultural necessária à equipe de saúde para a abordagem desses usuários. Métodos: trata-se de um estudo descritivo exploratório de abordagem qualitativa. Os participantes da pesquisa foram agentes comunitários de saúde e usuários atendidos na USF Castelo Branco II. Resultados: a explicação da queixa “boca amarga” faz parte da linguagem do ideário popular e médico. Os tratamentos populares para a queixa envolvem: cura espontânea; uso de chás; medicamentos; e cuidados nutricionais. A maioria dos participantes da pesquisa nunca havia comentado com o seu médico ou outro profissional de saúde sobre a “boca amarga”, sendo que um dos participantes referiu que a “boca amarga” era um “tabu” e citou o constrangimento que existe em discutir o assunto. Conclusões: a população possui uma compreensão cultural própria da queixa “boca amarga”. No entanto, são necessários mais estudos sobre as doenças populares e uma abordagem mais aprofundada das mesmas. Este estudo constitui-se apenas em um enfoque inicial, indispensável para a compreensão da expressão “boca amarga” e da competência comunicativa cultural necessária para os profissionais de saúde. 


Palavras-chave


Competência Cultural; Medicina Tradicional; Antropologia Cultural

Texto completo:

PDF/A

Referências


Platt FW, Gaspar DL, Coulehan JL, Fox L, Adler AJ, Weston WW, et al. "Tell me about yourself": the patient-centered interview. Ann Intern Med. 2001;134:1079-85. http://dx.doi.org/10.7326/0003-4819-134-11-200106050-00020.

Langdon EJ, Wiik FB. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicado às ciências da saúde. Rev Latino-Am Enfermagem. 2010;18(3):9. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692010000300023.

Betancourt JR, Green AR, Carrillo JE, Ananeh-Firempong O. Defining cultural competence: a practical framework for addressing racial/ethnic disparities in health and health care. public health reports. 2003 [acesso em 2013 May 14];118:293-302. Disponível em: https://www.vdh.virginia.gov/ohpp/clasact/documents/CLASact/research3/118293.pdf.

Helman CG. Cultura, saúde e doença. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Juckett G. Cross-cultural medicine. American Family Physician. 2005 [acesso em 2013 May 04];72(11):2267-74. Disponível em: http://www.aafp.org/afp/2005/1201/p2267.html.

Gusso G, Lopes JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. Porto Alegre: Artmed; 2012.

Barrier PA, Li JTC, Jensen NM. Two words to improve physician-patient communication: what else? Mayo Clin Proc. 2003;78:211-4. http://dx.doi.org/10.4065/78.2.211.

Santos FV. O ofício das rezadeiras: um estudo antropológico sobre as práticas terapêuticas e a comunhão de crenças em Cruzeta/RN [dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2007 [acesso em 2013 Jun 25]. Portuguese. Disponível em: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/1/8854.

López M, Laurentys-Medeiros J. Semiologia médica: as bases do diagnóstico clínico. 5ª ed. Rio de Janeiro: Atheneu; 2004.

Boltong A, Keast RS, Aranda SK. A matter of taste: making the distinction between taste and flavor is essential for improving management of dysgeusia. Support Care Cancer. 2011 Apr;19(4):441-2. http://dx.doi.org/10.1007/s00520-011-1085-0.

Berg BL. Qualitative research methods for the Social Sciences. 4a ed. Long Beach: Allyn & Bacon; 2001.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8a ed. São Paulo: Hucitec; 2004.

Pearson J, Dudley HA. Bodily perceptions in surgical patients. BMJ. 1982;284(6328):1545–6. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.284.6328.1545.

Oliveira FA. Antropologia nos serviços de saúde: integralidade, cultura e comunicação. Interface Comun Saúde Educ. 2002;6(10):62-74. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832002000100006.

Silva Júnior AA. Essentia Herba - plantas bioativas. Florianópolis: Epagri; 2006.

. Morais SM, Cavalcanti ESB, Costa SMO, Aguiar LA. Ação antioxidante de chás e condimentos de grande consumo no Brasil. Rev Bras Farmacogn. 2009;19(1):315-20. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2009000200023.

Steffen CJ. Plantas medicinais - usos populares tradicionais. São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas/UNISINOS; 2010.

Couto MEO. Coleção de plantas medicinais aromáticas e condimentares. Pelotas: EMBRAPA; 2006.

Grandi TSM, Trindade JA, Pinto MJF, Ferreira FL, Catella AC. Plantas Medicinais de Minas Gerais, Brasil. Acta Bot Bras. 1989;3(2):185-224. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33061989000300018.

Ministério da Saúde (BR). Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília: MS; 2006 [acesso em 2013 Aug 18]. 60 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf.

Uchôa E, Vidal JM. Antropologia médica: elementos conceituais e metodológicos para uma abordagem da saúde e da doença. Cad Saúde Públ. 1994;10:497-504. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1994000400010.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(32)841

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia