A “cadeia alimentar” no mercado da saúde: do disease mongering ao doctor shopping

José Agostinho Santos

Resumo


Nos anos mais recentes, têm surgido na literatura médica diferentes conceitos, tais como disease mongering, selling sickness e doctor shopping. Estes são três grandes fenômenos do atual mercado de saúde, que enfrenta o desafio de aumentar o lucro obtido intervindo em pessoas não doentes. Nesse sentido, têm se tornado notórias as inter-relações entre estes conceitos: o disease mongering alimenta um selling sickness, ao gerar o receio que impele a pessoa não doente à busca de uma tranquilização com procedimentos clínicos sem benefícios comprovados. A procura da prevenção ou do controle de alterações encontradas (que são normais, mas veiculadas como potencialmente patológicas) faz crescer um doctor shopping. Esta sequência estimuladora de um crescimento do consumo nada mais é do que uma autêntica cadeia alimentar. O médico de família e comunidade (MFC), enquanto advogado de defesa de seus pacientes, sentir-se-á envolvido pelo ímpeto de protegê-los de intervenções excessivas e inúteis, que iriam comprometer seu bem-estar biopsicossocial.


Palavras-chave


Qualidade de Vida; Setor de Assistência à Saúde; Mau Uso de Serviços de Saúde; Medicalização Prevenção Quaternária

Texto completo:

PDF

Referências


Melo M. A promoção da doença. A quem interessa? Rev Port Clin Geral. 2007;23:361-4.

Moynihan R, Heath I, Henry D. Selling sickness: the pharmaceutical industry and disease mongering. BMJ. 2002;324:886-91. PMid:11950740 PMCid:PMC1122833. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.324.7342.886

McDonald DC, Carlson KE. Estimating the prevalence of opioid diversion by “Doctor Shoppers” in the United States. PLoS One. 2013;8(7):e69241 PMid:23874923 PMCid:PMC3714248. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0069241

Sansone RA, Sansone LA. Doctor Shopping: a phenomenon of many themes. Innov Clin Neurosci. 2012;9(11-12):42-6. Pmid:23346518. Disponível em: http://innovationscns.com/doctor-shopping-a-phenomenon-of-many-themes/.

Melo M. A prevenção quaternária contra os excessos da Medicina. Rev Port Clin Geral. 2007;23(3):289-93. Disponível em: http://www.rpmgf.pt/ojs/index.php?journal=rpmgf&page=article&op=view&path%5B%5D=10361.

World Organization of Family Doctors (Wonca Europa). A definição europeia de Medicina Geral e Familiar(Clínica Geral / Medicina Familiar). Portugal: Wonca Europa; 2002. p. 6-14. Disponível em: http://www.woncaeurope.org/content/portugal-defini%C3%A7%C3%A3o-europeia-de-medicina-geral-e-familiar-cl%C3%ADnica-geral-medicina-familiar.

Gérvas J, Pérez Fernández M. Uso y abuso del poder médico para definir enfermedad y factor de riesgo, en relación con la prevención cuaternaria. Gac Sanit. 2006;20(Suppl 3):66-71. PMid:17433203. http://dx.doi.org/10.1157/13101092




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(31)853

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia