Parasitoses intestinais: o que a comunidade sabe sobre este tema?

Autores

  • Maria Assunta Busato Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Chapecó, SC
  • Daniele Zanoni Dondoni Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Chapecó, SC
  • Alécio Leonardo dos Santos Rinaldi Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Chapecó, SC
  • Lucimare Ferraz Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Chapecó, SC

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)922

Palavras-chave:

Enteropatias Parasitárias, Meio Ambiente, Saúde Pública

Resumo

As enteroparasitoses constituem um importante problema de saúde pública, contribuindo para as taxas de morbimortalidade devido a doenças infecto-parasitárias em todo o mundo. Objetivo: conhecer as atitudes e percepções da comunidade a respeito de parasitoses intestinais. Métodos: foi aplicado um questionário semiestruturado a 72 pessoas entre 18 e 70 anos para identificar o que elas conheciam sobre parasitoses intestinais. Resultados: a medida de prevenção mais utilizada foi higiene pessoal (77,7%), e 66,6% dos respondentes concordaram que os vermes contaminam o meio-ambiente. Os sintomas mais citados foram dor de barriga e coceira e 72,2% mencionaram que procuram um médico quando suspeitam de contaminação. Conclusão: os resultados mostram uma forma simplificada de conhecimento, baseada no cotidiano da população, sendo esses achados úteis para o planejamento de futuras campanhas e projetos educacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Assunta Busato, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Chapecó, SC

Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde. Área de Ciências da Saúde

Daniele Zanoni Dondoni, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Chapecó, SC

Área de Ciências da Saúde

Alécio Leonardo dos Santos Rinaldi, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Chapecó, SC

Área de Ciências da Saúde

Lucimare Ferraz, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Chapecó, SC

Área de Ciências da Saúde

Referências

Duncan BB, Schmidt MI, Giuliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseada em evidências. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.

Moraes RG, Goulart EG, Leite IC. Parasitologia e micologia humana. 4a ed. Rio de Janeiro: Cultura Médica; 2000.

Santos JF, Correia JE, Gomes SSBS, Silva PC, Borges FAC. Estudo das parasitoses intestinais na comunidade carente dos bairros periféricos do município de Feira de Santana (BA), 1993-1997. Sitientibus. 1999;20:55-67. http://www2.uefs.br/sitientibus/pdf/20/estudo_das_parasitoses.pdf.

Alves Jr, Macedo HW, Ramos Jr AN, Ferreira LF, Gonçalves MLC, Araújo A. Parasitoses intestinais em região semi-árida do Nordeste do Brasil: resultados preliminares distintos das prevalências esperadas. Cad Saúde Pública. 2003;19(2):67-670. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000200034 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000200034

Ferreira UM, Ferreira CS, Monteiro CA. Tendência secular das parasitoses intestinais na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Rev Saúde Pública. 2000;34(6 Supl):73-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000700010 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102000000700010

Pedrazzani ES, Mello DA, Pizzigatti CP, Barbosa CAA. Aspectos educacionais da intervenção em helmintoses intestinais, no subdistrito de Santa Eudóxia, Município de São Carlos - SP. Cad Saúde Pública. 1990;6(1):74-75. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1990000100008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X1990000100008

Mello DA, Pripas S, Fucci M, Santoro MC, Pedrazzani ES. Helmintoses intestinais: I. conhecimentos, atitudes e percepção da população. Rev Saúde Pública. 1988;22(2):140-149. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101988000200010 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89101988000200010

Munhoz RAR, Faintuch MB, Valtorta A. Enteroparasitoses em pessoal de nutrição de um hospital geral: incidência e valor da repetição dos exames. Rev HospClinFac Med S Paulo. 1990;45(2):57-60.

Vinha C. Necessidade de uma política sanitária nacional para o combate às parasitoses intestinais. Rev Soc Bras Med Trop. 1975;10:297-301. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86821976000500005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86821976000500005

Poli G, Tonini P, Busato MA. Prevalência das parasitoses intestinais no município de Chapecó. Resumo apresentado no Seminário Integrado – Ciência Brasil. Unochapecó, Chapecó-SC;2009.

Brasil. Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil 2013 [Online]. [acesso em 2013 Jul 29]. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/perfil/chapeco_sc.

Fleury-Teixeira P. Uma introdução conceitual à determinação social da saúde.Saúde Debate. 2009;33(83):380-387. http://www.cebes.org.br/media/file/SDv33n83.pdf.

Santos MG, Moreira MM, Malaquias MLG, Schall VT. Educação em saúde em escolas pública de 1º grau da periferia de Belo Horizonte, MG, Brasil: II. Conhecimentos, opiniões e prevalência de helmintísase entre alunos e professores. Rev Inst Med Trop. 1993;35(6):573-579. http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46651993000600015 DOI: https://doi.org/10.1590/S0036-46651993000600015

Barbosa RN, Costa MMR, Lima AMS, Cavalcante ECC, Santos EM. Conhecimento de escolares frente às parasitoses intestinais. Serra Talhada, PE, 2009. [acesso em 2014 Dez 20]. Disponível em: http://www.eventosufrpe.com.br/jepex2009/cd/resumos/R0463-1.pdf.

Torrezan RM, Guimarães RB, Furlanetti MPFR. A importância da problematização na construção do conhecimento em Saúde Comunitária. Trab Educ Saúde. 2012;10(1):107-124. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462012000100007 DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462012000100007

Freire P. Pedagogia do oprimido.42a ed. São Paulo: Paz e Terra; 2005.

Braga WFL. O conhecimento.Faculdade de Direito de Campos. [acesso em 2014 Dez 20]. Disponível em: http://www.fdc.br/Artigos/..ArquivosArtigos14OConhecimento.pdf.

Aguiar LFP, Lima EM, Azevedo LA, Lira MG, Martildes MJR, Moreira AEMM, et al. Compreendendo a comunidade: experiência da equipe interdisciplinar do Bom Jardim - Fortaleza (CE). Rev Bras Med Fam Comunidade. 2008[acesso em 2014 Dez 20];4(14):140-145. Disponível em: http://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/197. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc4(14)197

Rodrigues CC, Ribeiro KSQS. Promoção da saúde: a concepção dos profissionais de uma unidade de saúde da família. TrabEduc Saúde. 2012;10(2):235-255. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462012000200004 DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462012000200004

Ferreira GR, Andrade CFS. Alguns aspectos socioeconômicos relacionados a parasitoses intestinais e avaliação de uma intervenção educativa em escolares de Estiva Gerbi, SP.RevSocBras Med Trop. 2005;38(5):402-405. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822005000500008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822005000500008

Freitas JD, Porto MF. Por uma epistemologia emancipatória da promoção da saúde. Trab Educ Saúde. 2011;9(2):179-200. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462011000200002 DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462011000200002

Downloads

Publicado

2015-03-31

Como Citar

1.
Busato MA, Dondoni DZ, Rinaldi AL dos S, Ferraz L. Parasitoses intestinais: o que a comunidade sabe sobre este tema?. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 31º de março de 2015 [citado 20º de maio de 2022];10(34):1-6. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/922

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa