Conhecimentos dos agentes comunitários de saúde sobre crack e outras drogas

  • Analine Fernandes Universidade de Passo Fundo (UPF). Secretaria Municipal de Saúde de Passo Fundo (SMSPF). Passo Fundo, RS,
  • Airton Tetelbom Stein Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Porto Alegre, RS
  • Camila Giugliani Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, RS,
Palavras-chave: Saúde Mental, Atenção Primária à Saúde, Saúde da Família, Agentes Comunitários de Saúde, Conhecimento

Resumo

Objetivo: identificar os conhecimentos dos agentes comunitários de saúde (ACS), do município de Passo Fundo sobre o crack e outras drogas e descrever os perfis sociodemográfico e de saúde. Métodos: estudo descritivo realizado com 78 ACS de Passo Fundo. A coleta de dados ocorreu por meio da aplicação de um questionário estruturado e autoaplicável sobre dados demográficos e de saúde dos ACS, e de um questionário de investigação dos conhecimentos sobre crack e demais drogas. Foram realizados análise descritiva, teste de Tukey e correlações lineares de Pearson e Spearman. Resultados: todos os ACS eram do sexo feminino, com idade média de 41,1±9,6 anos, sendo que 57,7% delas possuíam o ensino médio completo e 69,2% eram casadas. Além disso, 11,5% eram tabagistas, 93,6% negaram dependência ao álcool, e a maioria tinha dependentes químicos em sua área de abrangência. Metade delas apresentou problemas familiares. Em relação à saúde, 29,5% obtiveram SRQ com pontuação sugerindo possibilidade de Transtornos Mentais Comuns, e 51,3% afirmaram ser portadoras de doenças crônicas. A prova de conhecimentos obteve 34,5% de média de acertos, sendo o maior número de respostas corretas entre as ACS com maior escolaridade (p=0,006). Conclusão: o baixo número de acertos em teste de conhecimento evidencia uma necessidade urgente: a de reforçar a formação das ACS. O perfil específico dessas profissionais suscita a necessidade de maior atenção à sua saúde, bem como de novas pesquisas na área. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Analine Fernandes, Universidade de Passo Fundo (UPF). Secretaria Municipal de Saúde de Passo Fundo (SMSPF). Passo Fundo, RS,

Médica de Família e Comunidade, Especialista em Saúde Coletiva pela Universidade de Passo Fundo/RS, Mestre em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Professora da Faculdade de Medicina da Universidade de Passo Fundo.

Airton Tetelbom Stein, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Porto Alegre, RS
Bolsista Produtividade em Pesquisa do CNPq. Possui graduação em Medicina pela PUCRS, especialização em medicina de família e comunidade pelo Murialdo, mestrado em Community Health For Developing Countries - London School Of Hygiene And Tropical Medicine, mestrado em Medicina: Ciências Médicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1989) e doutorado em Medicina: Ciências Médicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é Professor Titular de Saúde Coletiva da UFCSPA, Professor Adjunto do Curso de Pós-graduação de Saúde Coletiva da ULBRA, Coordenador do Núcleo de Avaliação de Tecnologia em Saúde do Gupo Hospitalar Conceição (GHC) e Presidente da Câmara Técnica da Medicina de Família e Comunidade e conselheiro do CREMERS. 
Camila Giugliani, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, RS,
Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, residência médica em Medicina de Família e Comunidade (Grupo Hospitalar Conceição) e Especialização em Saúde Pública (Hôpital Cochin, Paris), Doutorado no Programa de Pós Graduação em Epidemiologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente, é professora adjunta do Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Organização Mundial de Saúde. Relatório de saúde mental e desenvolvimento. 2010. Saúde mental e desenvolvimento. Um problema emergente: Integração Mental. OMS: 2011.

Ministério da Saúde (BR). Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 1997.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. 4a ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2007.

Ministério da Saúde (BR); Presidência da República, Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Relatório brasileiro sobre drogas.Brasília, DF: IME USP; 2009.

Pulcherio G, Stolf AR, Pettenon M, Fenstrseifer DP, Kessler F. Crack-da pedra ao tratamento. Rev AMRIGS. 2010;54(3):337-343.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 3088 de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Brasil: MS; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Guia prático do agente comunitário de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Andrade TM. Reflexões sobre políticas de drogas no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(12):4665-4674. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001300015

Mângia EF, Barros JO. Projetos Terapêuticos e serviços de saúde mental: caminhos para a construção de novas tecnologias de cuidado. Rev Ter Ocup. São Paulo. 2009;20(2):85-91.

Oliveira JF, McCallum CA, Costa COG. Representações sociais dos agentes comunitários de saúde acerca do consumo de drogas. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(3):611-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000300009

Medeiros JS. Representações sociais dos profissionais do Programa Saúde da Família sobre o uso de drogas psicoativas no município de Fortaleza [dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2006.

Barros MA, Pillon SC. Atitudes dos profissionais do Programa Saúde da Família diante do uso e abuso de drogas. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2007;11(4):655-62. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452007000400016

Nardi HC, Kroeff LR, Rigoni RQ. Sensibilização e capacitação em redução de danos: considerações dos agentes comunitários de saúde. Rev Psicolog Saúde. 2010;2(2):21-30.

Silva CJ. Impacto de um curso em diagnóstico e tratamento do uso nocivo e dependência do álcool sobre a atitude e conhecimento de profissionais da rede de atenção primária a saúde [tese]. São Paulo: Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Pauo; 2005.

Giugliani C, Harzheim E, Duncan MS, Duncan BB. Effectiveness of community health workers in Brazil: a systematic review j ambulatory care manage. 2011;34(4):326–338. http://dx.doi.org/10.1097/JAC.0b013e31822cbdfd

Resende MC, Azevedo RGS, Lourenço LR, Faria LS, Alves NF, Farina NP, et al. Saúde mental e ansiedade em agentes comunitários que atuam em saúde da família em Uberlândia (MG, Brasil). Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(4):2115-2121. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000400011

Silva ATC, Menezes PR. Esgotamento profissional e transtornos mentais comuns em agentes comunitários de saúde. Rev Saúde Pública. 2008;42(5):921-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000500019

Camelo SHH, Galon T, Marziale MHP. Formas de adoecimento pelo trabalho dos agentes comunitários de saúde e estratégias de gerenciamento. Rev Enferm UERJ. 2012 Dez;20(esp1):661-7.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2010 [acesso em: 2012 May 8]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.html

Prefeitura Municipal de Passo Fundo. Passo Fundo; 2012 [acesso em: 2012 May 9]. Disponível em: http://www.pmpf.rs.gov.br/secao.php?p=172&a=2&pm=1212

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP). Disponível em: http://www.abep.org. [acesso em 2012 Oct 08].

Gonçalves DM, Stein AT, Kapczinski F. Avaliação de desempenho do Self-Reporting Questionnaire como instrumento de rastreamento psiquiátrico: um estudo comparativo com o Structured Clinical Interview for DSM-IV-TR. Cad Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2008;24(2):380-390. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000200017

Masur J, Monteiro M. Validation of the CAGE alcoholism screening test in Brazilian Psychiatry Inpatient Hospital Setting. Braz J Med Biol Res. 1983;16:215-8. Disponível em: http://europepmc.org/abstract/MED/6652293/reload=0;jsessionid=Tl4YemOonpslTaMoNg1q.16

Ferreira VM, Ruiz T. Atitudes e conhecimentos de agentes comunitários de saúde e suas relações com idosos. Rev Saúde Pública. 2012;46(5):843-49. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012000500011

Machado MCHS, Oliveira JS, Parada CMGL, Venâncio SI, Tonete VLP, Carvalhaes MABL. Avaliação de intervenção educativa sobre aleitamento materno dirigido às agentes comunitárias de saúde. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2010;10(4):459-468. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292010000400006

Siqueira FCV, Nahas MV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E et al. Atividade física em profissionais de saúde do Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(9):1917-1928. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000900006

Publicado
2015-03-31
Como Citar
Fernandes, A., Stein, A. T., & Giugliani, C. (2015). Conhecimentos dos agentes comunitários de saúde sobre crack e outras drogas. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 10(34), 1-10. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)924
Seção
Artigos de Pesquisa