Uso de plantas medicinais por usuários do serviço público de saúde do município de Ijuí/RS

Christiane de Fátima Colet, Claudia Angelica Nunes Cavalheiro, Gislaine Tisott Dal Molin, Aline Wiliens Cavinatto, Morgana Schiavo, Karin Hepp Schwambach, Karla Renata Oliveira

Resumo


Este estudo buscou descrever o uso de plantas medicinais por usuários do Serviço Público de Saúde do município de Ijuí/RS. Métodos: trata-se de estudo transversal, com questionário estruturado, aplicado aos usuários que buscam atendimento no Serviço Público de Saúde do município de Ijuí/RS, nas unidades da Secretaria Municipal de Saúde/Unidade de Saúde do Centro - UESF -, que atende os bairros Luis Fogliatto e Alvorada, e UESF do Meio-Rural. A coleta de dados ocorreu entre março a setembro de 2012 e foi aprovado pelo CEP/UNIJUÍ. Resultados: dos 446 entrevistados, 81,0% utilizam plantas e 71,5% afirmaram utilizá-las por indicação de familiares. As espécies mais citadas foram: Achyrocline satureioides D.C. (Lam.) (marcela) 22,8%, Matricaria chamomilla L. (camomila) 13,5%, Lippia alba (Mill.) N.E. Br. ex Britton & P. Wilson (cidreira) 9,7%. Quanto às indicações terapêuticas atribuídas às plantas, as mais citadas foram as doenças do trato gastrointestinal, sistema nervoso, distúrbios metabólicos, aparelho respiratório e hipertensão. Algumas destas indicações não encontraram embasamento científico na literatura pesquisada. Conclusão: entende-se necessária a capacitação dos profissionais da área da saúde para garantir a correta orientação ao usuário, bem como o fomento à pesquisa com plantas medicinais para embasar a implementação de políticas públicas de fitoterapia.


Palavras-chave


Plantas Medicinais; Etnobotânica; Atenção Primária à Saúde; Farmácia

Texto completo:

PDF/A

Referências


Organização Mundial de Saúde (OMS). Traditional medicine: definitions. Nota descriptiva N°134 [Acesso: 19 Fev 2013]. Disponível em: http://www.who.int/medicines/areas/traditional/definitions/en/

Iserhard ARM, Budó MLD, Neves ET, Badke MR. Práticas culturais de cuidados de mulheres mães de recém-nascido de risco do Sul do Brasil. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(1):116-22. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452009000100016

Nicoletti MA, Oliveira-Júnior MSA, Bertasso CC, Caporossi PY, Tavares APL. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma. 2007;19(1/2):32-40.

Gonçalves NMT, Generutti M, Chaves DAS, Duarte MM, Vila C. A tradição popular como ferramenta para a implantação da fitoterapia no município de Volta Redonda - RJ. Rev Bras Farm. 2011;92(4):346-51.

Schwambach KH, Amador TA. Estudo da utilização de plantas Medicinais e medicamentos em um município do Sul do Brasil. Lat Am J Pharm. 2007;26(4):602-8. http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/10381/000597945.pdf?sequence=1.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Rio Grande do Sul, Ijuí, RS [Acesso: 13 Mar 2013]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=431020

Brasil. Ministério da Saúde. Série B. Textos Básicos de Saúde. Brasília-DF [Acesso: 17 Jun 2013]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/Relatorios/plano_nacional_saude_2012_2015.pdf

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 mar. 2010. Seção 1, p. 52-59. (2010) [Acesso 15 Jun 2013]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/legislacao/resolucao10_09_03_10.pdf

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira/Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa. p.126. (2011b) [Acesso 15 Jun 2013]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/hotsite/farmacopeiabrasileira/arquivos/2012/FNFB%202_Revisao_2_COFAR_setembro_2012_atual.pdf

Simões, CMO, Mentz LA, Schenkel EP, Irgang BE, Stehmann JR. Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. 6a ed. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2004.

Lins R, Vasconcelos FHP, Leite RB, Coelho-Soares RS, Barbosa DN. Avaliação clínica de bochechos com extratos de Aroeira (Schinus terebinthifolius) e Camomila (Matricaria recutita L.) sobre a placa bacteriana e a gengivite. Rev Bras Plantas Med. 2013;15:(1)112-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722013000100016

Costa AF. Farmacognosia. 6a ed. Lisboa: Fundation Calouste Gulbenkian; 2002. p.1031.

EMEA. CommunityherbalmonographonPeumusboldusmolinafolium. EMEA/HMPC [Acesso 05 Jun 2013]. Disponível em: http://www.ema.europa.eu/

Lopes GAD, Feliciano LM, Diniz RES, Alves MJQF. Plantas medicinais: indicação popular de uso no tratamento de hipertensão arterial sistêmica (HAS). Rev Cien Ext. 2010;6:(2)143-55.

Costa CA, Cury TC, Cassettari BO, Takahira RK, Flório JC, Costa M. Citrus aurantium L. essential oil exhibits anxiolytic-like activity mediated by 5-HT(1A)-receptors and reduces cholesterol after repeated oral treatment. BMC Complement Altern Med. 2013;13:42. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1472-6882-13-42

Oliveira IP, Oliveira LC, Moura CSFT. Frutas cítricas. Rev Fac Montes Belos. 2012;5(4):78-94.

Razavi SM, Zarrini G, Molavi G, Ghasemi G. Bioactivity of malva sylvestris L., a medicinal plant from Iran. Iran J Basic Med Sci. 2011;14(6):574-9.

Pirbalouti AG, Azizi S, Koohpayeh A. Healing potential of Iranian traditional medicinal plants on burn wounds in alloxan-induced diabetic rats. Rev Bras Farmacogn. 2012;22(2)397-403. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2011005000183

Oliveira Junior RG, Lavor EM, Oliveira MR, Souza EV, Silva MA, Silva MTNM, Nunes LMN. Plantas medicinais utilizadas por um grupo de idosos do município de Petrolina, Pernambuco. Rev Eletron Farm. 2012;9(3):16-28.

Petry K, Roman Júnior WA. Viabilidade de implantação de fitoterápicos e plantas medicinais no Sistema Único de Saúde (SUS) do município de Três Passos/RS. Rev Bras Farm. 2012;93(1):60-7.

Lima ARA, Vasconcelos MKP, Barbieri RL, Heck RM. Plantas medicinais utilizadas pelos octogenários e nonagenários de uma vila periférica de Rio Grande/RS, Brasil. Rev Enferm UFPE. 2011;5(5):329-36.

Hughes GD, Aboyade OM, Clark BL, Puoane TR. The prevalence of traditional herbal medicine use among hypertensives living in South African communities. BMC Complement Altern Med. 2013;13:38. http://dx.doi.org/10.1186/1472-6882-13-38. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1472-6882-13-38

Costa JR, Mitja D. Uso dos recursos vegetais por agricultores familiares de Manacapuru (AM). Acta Amaz. 2010;40(1):49-58. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672010000100007

Silva AG. Uso, conservação e diversidade de plantas aromáticas, condimentares e medicinais para fins medicinais na comunidade Vila Princesa, Porto Velho - RO. Rev Pesq Criac. 2011;10(2):21-35.

Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica n. 15. Hipertensão Arterial Sistêmica. Brasília, DF. 2006 [Acesso 14 Ago 2015]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_basica15.pdf

Oliveira CJ, Araújo TL. Plantas medicinais: usos e crenças de idosos portadores de hipertensão arterial. Rev Eletron Farm. 2007;9(1):93-105.

Santos MM, Nunes MGS, Martins RD. Uso empírico de plantas medicinais para tratamento de diabetes. Rev Bras Plantas Med. 2012;14(2):327-34. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722012000200012

Marliére LDP, Ribeiro AQ, Brandão MGL, Klein CH, Acurcio FA. Utilização de fitoterápicos por idosos: resultados de um inquérito domiciliar em Belo Horizonte (MG), Brasil. Rev Bras Farmacogn. 2008. 18(Supl.):754-60.

Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública. 2009;43(3):548-54. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000300020

Andrade SEO, Maracajá PB, Silva RA, Freires GF, Pereira AM. Estudo etnobotânico de plantas medicinais na comunidade Várzea Comprida dos Oliveiras, Pombal, Paraíba, Brasil. Rev Verde Agroecol Desenvolv Sustent. 2012;7(3):46-52.

Badke MR, Budó MLD, Silva FM, Ressel LB. Plantas medicinais na prática do cotidiano popular. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2011;15(1):132-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452011000100019

Oliveira ER, Menini Neto L. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do povoado de Manejo, Lima Duarte - MG. Rev Bras Plantas Med. 2012;14(2):311-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722012000200010

Ceolin T, Hech RM, Barbieri RL, Schwartz E, Muniz RM, Pillon CN 2011. Plantas medicinais: transmissão do conhecimento nas famílias de agricultores de base ecológica no Sul do RS. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(1):47-54. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000100007

Brasileiro BG, Pizziolo VR, Matos DS, Germano AM, Jamal CM. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, Governador Valadares, MG, Brasil. Rev Bras Ciênc Farm. 2008;44(4):629-36. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-93322008000400009

Suassuna JM. O uso de plantas medicinais pela população na Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF). Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem). Universidade Estadual da Paraíba. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Campina Grande; 2011.

Ethur LZ, Jobim JC, Ritter JG, Oliveira G, Trindade BS. Comércio formal e perfil de consumidores de plantas medicinais e fitoterápicos no município de Itaqui - RS. Rev Bras Plantas Med. 2011;13(2):121-8.

Macedo AF, Oshiiwa M, Guarido CF. Ocorrência do uso de plantas medicinais por moradores de um bairro do município de Marília - SP. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2007;28(1):123-8.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 886, de 20 de abril de 2010. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde; 2010.

Brasil, Ministério da Saúde. RDC Nº 18, de 3 de abril de 2013 Dispõe sobre os produtos magistrais e oficinais de plantas medicinais e fitoterápicos em farmácias vivas no âmbito do Sistema Único de Saúde; 2013.

Brasil. Conselho Federal de Farmácia (CFF). Resolução - RDC nº 546 de 21 de julho de 2011. Dispõe sobre a indicação farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos isentos de prescrição e o seu registro. Brasília, DF. Diário Oficial da União de 26/07/2011, Seção 1, Página 87; 2011.

Antonio GD, Tesser CD, Moretti-Pires RO. Contributions of medicinal plants to care and health promotion in primary healthcare. Interface (Botucatu). 2013;17(46):615-33. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832013005000014




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(36)930

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Christiane de Fátima Colet, Claudia Angelica Nunes Cavalheiro, Gislaine Tisott Dal Molin, Aline Wiliens Cavinatto, Morgana Schiavo, Karin Hepp Schwambach, Karla Renata Oliveira

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia