Articulação de cuidados pelo médico de Medicina Geral e Familiar: promovendo a melhoria da qualidade de vida em doente terminal

  • Luís Filipe Cavadas Unidade de Saúde Familiar Lagoa - Centro de Saúde Senhora da Hora
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Prestação Integrada de Cuidados de Saúde, Continuidade da Assistência ao Paciente

Resumo

Introdução: De acordo com a definição do papel do especialista de Medicina Geral e Familiar (EMGF), apresentada na declaração da Wonca Europeia de 2002, uma das suas características é a capacidade de coordenação de cuidados e gestão da interface com outras especialidades. Contudo, existem graves problemas de articulação entre os níveis assistenciais, de que é exemplo a descontinuidade dos cuidados quando os doentes são hospitalizados. Com o objetivo de dar a conhecer e analisar um caso particular de articulação entre os cuidados de saúde primários (CSP) e hospitalares e o quão importante é o sucesso de uma boa articulação, relatou-se um caso clínico. Desenvolvimento: Doente do sexo masculino, de 50 anos de idade, raça caucasiana, inserido em uma família nuclear na fase VI do Ciclo de Duvall. Aos 49 anos de idade é diagnosticado, pela sua Médica de Família (MF), um adenocarcinoma gástrico. Referenciado com urgência à consulta de Cirurgia Geral, é internado e operado, sofrendo longos internamentos por diversas intercorrências cirúrgicas. É confirmado um adenocarcinoma gástrico pouco diferenciado e infiltrativo no estádio T3 N1 Mx, com mau prognóstico. Desde então existiu grave desarticulação de cuidados e lacunas de informação entre os cuidados hospitalares e os CSP. Assistiu-se a uma má prestação de cuidados ao doente, com agravamento do seu estado geral. Por insistência da MF a articulação passou a ser efetiva, havendo melhoria da qualidade dos cuidados prestados e do estado geral do doente. Conclusão: Uma boa articulação de cuidados contribuiu para uma melhor qualidade de vida e satisfação do doente, com repercussões positivas para a sua família, para os profissionais de saúde envolvidos e para o Serviço Nacional de Saúde. A realização plena das competências nucleares do EMGF só será possível quando houver um conhecimento e reconhecimento do papel desse especialista por todos os outros profissionais de saúde.

Nota: A denominação da especialidade varia de acordo com o país; no Brasil, recebe o nome de Medicina de Família e Comunidade. Em Portugal, país de origem do autor deste trabalho, tal especialidade é chamada de Medicina Geral e Familiar. Foram mantidos na linguagem original outros termos e expressões contidos neste texto.

 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luís Filipe Cavadas, Unidade de Saúde Familiar Lagoa - Centro de Saúde Senhora da Hora
Interno de Medicina Geral e Familiar da Unidade de Saúde Familiar Lagoa da Unidade Local de Saúde de Matosinhos. Portugal.

Referências

World Organization of National Colleges, Academies and Academic Associations of General Practitioners/Family Physicians (Wonca) [Internet]. Definição Europeia de Medicina Geral e Familiar, WONCA EUROPA 2002 [acedido em 2008 Dez 1]. Disponível em: http://www.apmcg.pt/files/54/documentos/2007060115471793311.pdf

Núñez RT, Lorenzo IV, Vázques Navarrete ML. La coordinación entre niveles asistenciales: una sistematización de sus instrumentos y medidas. Gac Sanit. 2006; 20(6): 485-95.

Stille CJ, Jerant A, Bell D, Meltzer D, Elmore JG. coordinating care across diseases, settings, and clinicians: a key role for the generalist in practice. Ann Intern Med. 2005; 142: 700-08.

Mitchell GK, Tieman JJ, Shelby-James TM. Multidisciplinary care planning and teamwork in primary care. Med J Aust. 2008; 188(8 Suppl): S61-4.

Powell Davies G, Williams AM, Larsen K, Perkins D, Roland M, Harris MF. Coordinating primary health care: an analysis of the outcomes of a systematic review. Med J Aust. 2008; 188 (8 Suppl): S65-8.

Caeiro R. Registos Clínicos em Medicina Familiar. Instituto de Clínica Geral da Zona Sul. Ministério da Saúde: Direcção-Geral dos Cuidados de Saúde Primários; 1999.

Graffar, M. Une méthode de classification sociale d’échantillons de population. Courier. 1956. v. 6. p. 455.

Gérvas J y Seminario de Innovación en Atención Primaria 2006. La polivalencia clínica médica y el contexto social y organizativo. Rev Adm Sanit. 2008; 6(2): 357-66.

Arvantes J [internet]. Q&A With Primary Care Aficionado: Barbara Starfield, M.D. Focuses on Primary Care and Health Care Reform. Aafp news now; 2009 [acedido em 2009 Set 3]. Disponível em: http://www.aafp.org/online/en/home/publications/news/news-now/professionalissues/20090902starfield-q-a.html

Magrinyà AP. Como organizar las relaciones externas del equipo de Atencíon Primaria? In: Semfyc ediciones. Guía de Actuación en Atención Primaria. 3ª. Edición. Barcelona; 2006. p.1214-15.

Publicado
2011-02-28
Como Citar
Cavadas, L. F. (2011). Articulação de cuidados pelo médico de Medicina Geral e Familiar: promovendo a melhoria da qualidade de vida em doente terminal. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 6(18), 63-70. https://doi.org/10.5712/rbmfc6(18)96
Seção
Casos Clínicos