Alta adesão aos medicamentos prescritos apesar de baixo comparecimento às reuniões de grupo entre pacientes do programa HIPERDIA

Rafaella Boszczovski, Dilson Fronza, Mayara Angélica Bolson

Resumo


 Objetivo: O estudo teve por objetivo avaliar os índices de adesão às reuniões do grupo de hipertensos e diabéticos por meio do Sistema de Cadastramento e Acompanhamento de Hipertensos e Diabéticos (HIPERDIA), bem como o uso efetivo das pela retirada dos medicamentos da Unidade de Saúde da Família. Métodos: Durante o período de outubro de 2013 a março de 2014 foi realizado um estudo longitudinal e prospectivo, compreendendo uma coorte de pacientes de ambos os sexos, residentes na área de abrangência da Unidade de Saúde da Família São Francisco de Assis cadastrados no HIPERDIA. Os pacientes foram acompanhados durante as reuniões mensais nas comunidades, nas quais eram avaliadas as taxas de participação efetiva e a utilização das medicações por meio da checagem da saída mensal da medicação em estoque, vinculada ao paciente. Resultados: Dos 238 pacientes cadastrados no programa HIPERDIA, 226 deles (94%) aderiram ao tratamento, e 12 pacientes (6%) não utilizavam a medicação prescrita pelo médico da Unidade de Saúde. Apenas 34 pacientes (14,3%) participaram das reuniões e retiravam a medicação nos encontros do HIPERDIA. Outros 192 pacientes (80,7%) não participavam das reuniões e retiravam as medicações na Unidade de Saúde em algum momento durante o mês. Doze deles (5%) não participaram das reuniões nem retiraram a medicação junto à Unidade de Saúde. Conclusão: A adesão ao tratamento do diabetes e da hipertensão arterial sistêmica foi considerada satisfatória, apesar do baixo índice de participação dos grupos nas reuniões do HIPERDIA.


Palavras-chave


Hipertensão; Diabetes Mellitus; Terapêutica Saúde da Família; Cooperação do Paciente

Texto completo:

PDF/A

Referências


National Institute for Health and Clinical Excellence. Hypertension: Clinical management of primary hypertension in adults.

NICE clinical guideline 127. [Internet]. London; 011 [Cited 2016 Mar 4]. Available from: https://www.nice.org.uk/guidance/

cg127

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Estratégias Para o Cuidado

da Pessoa Com Doença Crônica. Diabetes Mellitus. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Sociedade Brasileira de Cardiologia/Sociedade Brasileira de Hipertensão/Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes

Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1supl.1):1-51.

Brasil. Ministério da Saúde. DATASUS, Sistemas e Aplicativos, Epidemiológicos. HIPERDIA - Sistema de Cadastramento e

Acompanhamento de Hipertensos e Diabéticos. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2008 [Cited 2016 Mar 4]. Available

from: http://hiperdia.datasus.gov.br/

Chow CK, Teo KK, Rangarajan S, Islam S, Gupta R, Avezum A, et al.; PURE (Prospective Urban Rural Epidemiology)

Study investigators. Prevalence, awareness, treatment, and control of hypertension in rural and urban communities in high-,

middle-, and low-income countries. JAMA. 2013;310(9):959-68. http://dx.doi.org/10.1001/jama.2013.184182 DOI: http://

dx.doi.org/10.1001/jama.2013.184182

Gomes TJO, Silva MVR, Santos AA. Controle da pressão arterial em pacientes atendidos pelo programa Hiperdia em uma

Unidade de Saúde da Família. Rev Bras Hipertens. 2010;17(3):132-9.

Dias RS, Ávila Neto AG, Marques BJT, Machado PAS. Análise da prevalência de doenças crônicas e fatores de risco.

Anais do Congresso Brasileiro de Medicina da Família e Comunidade; 2013 Maio 12. Belém, PA, Brasil.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção

Básica/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. 4a ed. Brasília: Ministério

da Saúde; 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Cadernos HumanizaSUS.

Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Carvalho Filha FSS, Nogueira LT, Viana LMM. Hiperdia: Adesão e percepção de usuários acompanhados pela estratégia

saúde da família. Rev Rene. 2011;12(n.esp.):930-6.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado

da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde,

Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não

Transmissíveis e Promoção de Saúde. Vigitel Brasil 2012: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas

por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em saúde, Departamento de Vigilância de Doenças

e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Groff DP, Simões PWTA, Fagundes ALSC. Adesão ao tratamento dos pacientes diabéticos tipo II usuários da estratégia

saúde da família situada no bairro Metropol de Criciúma, SC. Arq Catarin Med. 2011;40(3):43-8.

Barbosa RGB, Lima NKC. Índices de adesão ao tratamento anti-hipertensivo no Brasil e no mundo. Rev Bras Hipertens.

;13(1):35-8.

Bastos-Barbosa RG, Ferriolli E, Moriguti JC, Nogueira CB, Nobre F, Ueta J, et al. Adesão ao tratamento e controle da

pressão arterial em idosos com hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2012;99(1):636-41. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0066-

X2012005000054




DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc11(38)984

Apontamentos





Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia