Percepção e prática da promoção da saúde na estratégia saúde da família em um centro de saúde em São Paulo, Brasil

Andreia Kaori Sasaki, Maressa Priscila Daga de Souza Ribeiro

Resumo


A Atenção Primária à Saúde no Brasil tem na Estratégia Saúde da Família (ESF) uma proposta de reorganização dos serviços de saúde e, para isso, aposta em uma mudança de paradigma a partir dos preceitos da promoção da saúde. Considerando esse complexo cenário de transformação, este estudo pretende compreender e discutir as percepções dos profissionais da ESF e as ações realizadas à luz do referencial teórico da promoção da saúde. Trata-se de um estudo de caso com abordagem qualitativa, desenvolvido por meio da técnica de análise temática para análise dos dados. Os sujeitos da pesquisa são profissionais que compõem as equipes da ESF de uma Unidade de Saúde no extremo leste da cidade de São Paulo. Depois da análise dos dados, constatou-se que as formulações e práticas referentes à promoção da saúde parecem estar ligadas ao seu conceito mais restrito, reconhecido como prevenção de doenças. Quanto à organização do trabalho, os profissionais apontam uma estruturação em torno de ‘pacotes fechados’, destinados a grupos de risco, objetivando principalmente cura e prevenção, e destacam o lugar secundário da promoção. Conclui-se que são necessárias políticas públicas potentes e transversais, que consigam mudar a formação profissional e a organização dos serviços sob a ótica da promoção da saúde.


Palavras-chave


Programa Saúde da Família; Promoção da Saúde; Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Giovanella L, Mendonça MHM. Atenção Primária Saúde. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI, organizadores. Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008. p. 575-620.

Escorel S, Giovanella L, Mendonça MHM, Senna MCM. O Programa de Saúde da Família e a construção de um novo modelo para a atenção básica no Brasil. Rev Panam Salud Pública. 2007; 21(2): 164-176.

Viana ALD, Dal Poz MR. Reforma do sistema de Saúde no Brasil e o Programa de Saúde da Família. Physis: Rev. Saúde Coletiva. 2005; 15(Suppl): 225-264. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312005000300011

Gil CRL. Atenção primária, atenção básica e saúde da família: sinergias e singularidades do contexto brasileiro. Cad Saúde Pública 2006; 22(6): 1171-1181. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000600006

Horta NC, Sena RR, Silva MEO, Oliveira SR, Rezende VA. A prática das equipes de saúde da família: desafios para a promoção de saúde. Rev Bras Enferm. 2009; 62(4): 524-529. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000400005

Furtado MA. Promoção da saúde e seu alcance biopolítico: a ênfase no discurso da autonomia. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2010. Portuguese.

Buss PM. Uma introdução ao conceito de promoção da saúde. In: Czeresnia D, Freitas CM, organizadores. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. 3. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 15-37.

Resende SRC, Gastaldo D. Promoção à saúde e empoderamento: uma reflexão a partir das perspectivas crítico-social pós-estruturalista. Ciênc Saúde Coletiva 2008; 13(Suppl 2): 2029-2040. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000900007

Silva PFA. Os sentidos e disputas na construção da Política Nacional de Promoção da Saúde. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2012. 140 p. Portuguese.

Onocko RC. A promoção à Saúde e a clínica: O dilema “promocionista”. In: Castro A, Malo M, editors. SUS: Ressignificando a promoção da saúde. São Paulo: Hucitec: OPAS, 2006. p. 63-73.

Czeresnia D. O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In: Czeresnia D, Freitas CM, editors. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. 3. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 39-54.

Silva KL. Promoção da saúde em espaços sociais da vida Cotidiana. [Tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2009. Portuguese.

Minayo MCS. Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 26. ed. Petrópolis: Editora Vozes; 2007. 108 p.

Martins GA. Estudo de caso: uma reflexão sobre a aplicabilidade em Pesquisas no Brasil. RCO. 2008; 2( 2): 8-18.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: Hucitec/Rio de Janeiro: Abrasco, 2008. 407 p.

Ibañez N, Vecina Neto G. Modelos de gestão e o SUS. Ciênc Saúde Coletiva. 2007; 12(Suppl):1831-1840. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000700006

Rodrigues CC, Ribeiro KSQS. Promoção da saúde: a concepção dos profissionais de uma unidade de saúde da família. Trabalho, Educação e Saúde. 2012; 10(2): 235-255. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462012000200004

Alves GG, AertsD. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16(1):319-325. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000100034

Oliveira DL. A ‘nova’ saúde pública e a promoção da saúde via educação: entre a tradição e a inovação. Rev Latino-Am Enfermagem 2005; 13(3):423-31. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692005000300018

Dantas MBP, Silva MRF, Feliciano KVO. Subjetividade e diálogo na educação em saúde: práticas de agentes comunitários em equipe de saúde da família. Rev. APS. 2010; 13(4): 432-444.

Tesser CD, Garcia AV, Vendruscolo C, Argenta CE. Estratégia saúde da família e análise da realidade social: subsídios para políticas de promoção da saúde e educação permanente. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16(11): 4295-4306. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001200002

Sícoli JL, Nascimento PR. Promoção de saúde: concepções, princípios e operacionalização. Interface (Botucatu). 2003; 7(12): 101-122. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832003000100008

Souza MF. O Programa Saúde da Família no Brasil: análise do acesso à atenção básica. Rev Bras Enferm. 2008; 61(2): 153-158. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672008000200002

Campos GWS, Domitti AC. Apoio Matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad Saúde Pública. 2007; 23(2): 399-407. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200016

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Brasília; 2008 [acesso em 20 jun. 2010]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/legislacao/portaria154_04_03_08_re.pdf

Lancman S, Barros JO. Estratégia de Saúde da Família (ESF), Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) e terapia ocupacional: problematizando interfaces. Rev Ter Ocup Univ SP. 2011; 22(3): 263-269.

Rodrigues MP, Lima KC, Roncalli AG. A representação social do cuidado no programa saúde da família na cidade de Natal. Ciênc Saúde Coletiva. 2008; 13(1):71-82. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000100012

Tesser CD, Garcia AV, Carine Vendruscolo C, Argenta CE. Promoção da saúde e cuidado, símbolos e práticas. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16(11): 4307-4314.

Moretti-Pires RO. Complexidade em Saúde da Família e formação do futuro profissional de saúde. Interface. 2009; 13(30): 153-66. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000300013

Junqueira LAP. A gestão intersetorial das políticas sociais e o terceiro setor. Rev Saúde Soc. 2004; 13(1): 25-36. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/sausoc/article/view/7105

Montaño C. O projeto neoliberal de resposta à “questão social” e a funcionalidade do terceiro setor. Rev Lutas Sociais. 2002; (8):53-64.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc8(28)664

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia