A integralidade do cuidado na saúde do homem: um enfoque na qualidade de vida

Gabriela Romano Oliveira, Matheus Luis Castelan Trilico, Felipe Sanches Paro, Marinei yuko Kijimura, Sueli Moreira Pirolo

Resumo


Objetivo: analisar o conceito e a percepção dos homens sobre qualidade de vida. Métodos: empregou-se o método de pesquisa descritivo-exploratória com abordagem qualitativa, realizada com homens, moradores adstritos a uma unidade da Estratégia Saúde da Família do município de Marília, São Paulo, integrada ao Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde). Foi empregada a técnica de construção de Discursos do Sujeito Coletivo utilizando as seguintes perguntas norteadoras: O que é qualidade de vida? e Como está sua qualidade de vida? Resultados: os discursos analisados evidenciaram que a maioria dos homens não compreende o sentido amplo do conceito qualidade de vida, fundamentando-o predominantemente na dimensão biológica. Conclusão: a política da saúde do homem constitui importante estratégia de promoção da saúde, todavia requer agilidade e criatividade dos profissionais da atenção primária para lidarem com a singularidade masculina e suas vulnerabilidades.


Palavras-chave


Qualidade de Vida; Saúde do Homem; Homens; Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Carrara S, Russo JA, Faro L. A política de atenção à saúde do homem no Brasil: os paradoxos da medicalização do corpo masculino. Physis. 2009; 19(3): 659-78.

Pinheiro RS, Viacava F, Travassos C, Brito SA. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2002; 7(4): 687-707. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000400007

Couto MT, Pinheiro TF, Valença O, Machin R, Silva GSN, Gomes R, et al. O homem na atenção primária à saúde: discutindo (in)visibilidade a partir da perspectiva de gênero. Interface Comun Saúde Educ. 2010; 14(33): 257-70.

Schraiber LB. Equidade de gênero e saúde: o cotidiano das práticas no Programa Saúde da Família do Recife. In: Villela W, Monteiro S, editores. Gênero e saúde: Programa Saúde da Família em questão. Rio de Janeiro: Abrasco; 2005. p. 39-61

Macdonald, JJ. Shifting paradigms: a social-determinants approach to solving problems in mens’s health policy and practice. MJA. 2006 Oct [cited 2004 Maio]; 185(8). Disponível em: http://www.mja.com.au/public/issues/185_08_161006/mac10104_fm.html

Seidl EMF, Zannon CMLC. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad Saúde Pública. 2004; 20: 580-8.

Bub MB, Medrano C, Silva CD, et al. A noção de cuidado de si mesmo e o conceito de autocuidado na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2006;15: 152-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000500018

Cecílio LCO. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, editores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: Ed. UERJ; 2001. p. 113-26.

Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc Saúde Coletiva. 2000; 5(1): 163-77. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000100014

Lefevre F, Lefevre AM. O sujeito coletivo que fala. Interface Comun Saúde Educ. 2006; 10(20): 517-24. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832006000200017

Minayo MCS, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc Saúde Coletiva. 2000; 5(1): 7-18. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000100002

Schraiber LB, Gomes R, Couto MT. Homens na pauta da saúde coletiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2005; 10: 7-17. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100002

Gomes R. Sexualidade masculina e saúde do homem: proposta para uma discussão. Ciênc Saúde Coletiva. 2003; 8(3): 825-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000300017

Wang ML, Jablonski B, Magalhães. As identidades masculinas: limites e probabilidades. Psicol Rev. 2006; 12(19): 54-65.

Carvalho SR. As contradições da promoção à saúde em relação à produção de sujeitos e a mudança social. Ciênc Saúde Coletiva. 2004; 9(3): 669-78. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000300018




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc8(28)676

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia