O acolhimento e o Núcleo de Apoio à Saúde da Família no município do Rio de Janeiro: fragmentos, perspectivas e reflexões

  • Tarciso Feijó da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Rio de Janeiro, RJ
  • Valéria Ferreira Romano Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Rio de Janeiro, RJ http://orcid.org/0000-0002-5623-7475
Palavras-chave: Administração de Serviços de Saúde, Acolhimento, Estratégia Saúde da Família

Resumo

Objetivos: identificar a percepção de diferentes categorias profissionais da área da saúde sobre o acolhimento e sobre o trabalho do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) e analisar o modo como esses mesmos profissionais realizam o acolhimento. Métodos: abordagem qualitativa com utilização de técnicas de observação sistemática e entrevistas semiestruturadas com profissionais de duas Unidades Básicas de Saúde do município do Rio de Janeiro. Os dados foram analisados considerando as referências de Bardin, a partir da Análise de Conteúdo, onde as inferências são valorizadas. Resultados: foram observadas fragilidades importantes relacionadas ao acolhimento e um NASF pouco envolvido com o desenvolvimento de competências da equipe. Conclusão: o acolhimento, enquanto dispositivo que contribui para garantia do acesso, ampliação da clínica e aumento da resolutividade, foi visto como essencial para produção do cuidado, e o NASF, na medida em que qualifica as ações, como potente ferramenta de gestão.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tarciso Feijó da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Rio de Janeiro, RJ

 

Mestre em Atenção Primária com ênfase em Saúde da Família pela Escola Nacional de Saúde Pública

Pós-graduado em Gestão em Saúde da Família pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeiro pela Universidade Estácio de Sá

 

Valéria Ferreira Romano, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Rio de Janeiro, RJ

Professora Adjunta do Departamento de Medicina de Família e Comunidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Doutora em Saúde Coletiva Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Referências

Friedrich DBC, Pierantoni CR. O trabalho das equipes da saúde família: um olhar sobre as dimensões organizativa do processo produtivo, político-ideológica e econômica em Juiz de Fora. Physis. 2006 Jan [acesso em 2013 Sep 07];16(1):83-97. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312006000100006

Malik AM, Braga Junior D, Braga DG, Silva JC, Amorin JCM. Gestão de Recursos Humanos. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 1998. (Série Saúde & Cidadania, vol. 9)

Campos GWS. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 1999 May [acesso em 2013 Aug 03]; 4(2):393-403. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81231999000200013

Campos GWS. Subjetividade e administração de pessoal: considerações sobre modos de gerenciar o trabalho em equipes de saúde. In: Merhy EE, Onocko R, editors. Agir em saúde: um desafio para o público São Paulo: Hucitec; 1997. p. 229-66.

Merhy EE, Chakkour M, Stéfano E, Santos CM, Rodrigues RA, Oliveira PCP. Em busca de ferramentas analisadoras das tecnologias em saúde: A informação e o dia-a-dia de um serviço, interrogando e gerindo o trabalho em saúde. In: Merhy EE, Onocko R, editors. Agirem saúde: Um desafio para o público. São Paulo: Hucitec; 1997. p.113-50.

Merhy EE. O Ato de Cuidar: A Alma dos Serviços de Saúde. In: Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Ver – SUS Brasil: Cadernos de textos. Brasília: MS; 2004. p.108-137.

Santana ML. Demanda espontânea e planejamento estratégico no PSF de Pindamonhangaba. Rev Bras Med Fam Comunidade. Florianópolis, 2011 Abr-Jun; 6(19): 133-41. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc6(19)163

Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Carteira de serviços – relação de serviços prestados na Atenção Primária. Rio de Janeiro [acesso em 2013 Nov 09]. Disponível em: http://subpav.org/index.php?p=cart

Minayo MC. Desafio do Conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. 10ª ed. São Paulo: Hucitec; 2007.

Becker HSM. Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Hucitec; 1997.

Bardin L. Análise de conteúdo. Coimbra (PT): Lisboa; 1977.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea: queixas mais comuns na Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica. Brasília: MS; 2012.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família). Cadernos de Atenção Básica. Brasília: MS; 2009.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: MS; 2012.

Vieira AN, Silveira LC, Franco TB. A Formação clínica e a produção do cuidado em saúde e na enfermagem. Trab Educ Saúde. 2011 Mar/Jun [acesso em 2014 Nov 08]; 9(1):9-24. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462011000100002

Deslandes DF, Mendes CHF, Luz ES. Análise de desempenho de sistema de indicadores para o enfrentamento da violência intrafamiliar e exploração sexual de crianças e adolescentes. Ciênc Saúde Coletiva. 2014 Mar [acesso em 2014 Nov 09]; 19(3):865-874. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014193.06012013

Publicado
2015-03-31
Como Citar
da Silva, T. F., & Romano, V. F. (2015). O acolhimento e o Núcleo de Apoio à Saúde da Família no município do Rio de Janeiro: fragmentos, perspectivas e reflexões. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 10(34), 1-7. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)1010
Seção
Artigos de Pesquisa