Prevenção quaternária: um olhar sobre a medicalização na prática dos médicos de família

Raquel Vaz Cardoso

Resumo


A medicalização é um fenômeno social complexo e disseminado no qual estão envolvidos diferentes agentes e instituições, tais como a indústria médica/farmacêutica, governos, profissionais/sistemas de saúde e cidadãos. Por sua vez, médicos e profissionais de saúde desempenham importante papel na reprodução e no enfrentamento da medicalização haja visto que a medicina e os cuidados em saúde podem gerar tanto danos como benefícios. Médicos de família lidam diariamente com a sobremedicalização e seus fenômenos associados (i.e. sobrediagnóstico, sobretratamento, comercialização de doenças) por desempenharem função-filtro nos sistemas de saúde. Por serem o primeiro ponto de contato, esses profissionais e suas equipes acolhem as demandas e necessidades sociais trazidas pelas pessoas e comunidades sob seus cuidados, que comumente estão influenciadas por uma perspectiva médica intervencionista e pelo marketing da saúde. Este artigo discute alguns conceitos principais da medicalização e seus determinantes, em especial as contribuições da ciência biomédica e suas bases epistemológicas para o fenômeno. Ele também desenvolve, sucintamente, algumas reflexões sobre a medicalização na prática do médico de família
e comunidade, no contexto brasileiro. Por fim, analisa o enfoque da prevenção quaternária acerca da medicalização, que propõe mudanças de objeto e de atitude na prática médica, evitando, assim, intervenções desnecessárias e protegendo os pacientes dos excessos da medicina.


Palavras-chave


Medicalização; Sobremedicalização; Relações Médico-Paciente; Prevenção Quaternária; Medicina de Família e Comunidade

Texto completo:

PDF/A (English) PDF/A

Referências


Cardoso RV. Medicalization and health care in the family strategy (Medicalização e o Cuidado em Saúde na Estratégia de Saúde da Família). (Master thesis). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Brazil; 2014:268p. Portuguese. Available at: http://www.ph3c.org/PH3C/docs/27/000281/0000605.pdf.

Foucault M. Crise da medicina ou crise da antimedicina. Verve. 2010;(18):167-194. Available at: http://revistas.pucsp.br/index.php/verve/article/view/8646 (acesso 20 Setembro 2014).

Illich I. A expropriação da saúde – Nêmesis da Medicina. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1975.

Conrad P, Mackie T, Mehrotra A. Estimating the costs of medicalization. Social Sci Med. 2010 Jun;70(12):1943-7. doi:10.1016/j.socscimed.2010.02.019. (acesso 10 Dezembro 2014).

Illich I. Medicalization and Primary Care. Journal of the Royal College of General Practitioners. 1982 Aug: 463-470. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1972593/ (acesso 10 Dezembro 2014).

Torres JMC. Medicalizing to demedicalize: Lactation consultants and the (de) medicalization of breastfeeding. Social Science & Medicine. 2014 ; 100 : 159-166. doi:10.1016/j.socscimed.2013.11.013 (acesso 10 Dezembro 2014).

Halfmann D. Recognizing medicalization and demedicalization: Discourses, practices and identities. Health (London). 2011 May 3 ; 1-22. DOI: 10.1177/1363459311403947 (acesso 10 Agosto 2014).

Campos GWS. A clínica do sujeito: por uma clínica reformulada e ampliada. In: Campos GWS. Saúde paidéia. São Paulo: Hucitec; 2003. p. 55. Disponível em: http://www.hc.ufmg.br/gids/textos_seminarios/clinica_do_sujeito.pdf (acesso 17 Novembro 2014)

Bedrikow R, Campos GWS. Clínica: a arte de equilibrar a doença e o sujeito. Rev. Assoc. Med. Bras. [serial on the Internet]. 2011 Dec [cited 2015 Mar 03]; 57( 6 ): 610-613. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302011000600003&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302011000600003. (acesso 10 Outubro 2014)

Stewart M, Brown JB, Weston WW, Mc Whinney IA, Mc William CL, Freeman TR. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Jamoulle M. Prevenção quaternária: a propósito de um desenho. Rev Port Med Geral Fam 2012;28:398-9. http://www.apmgf.pt/ficheiros/rpmgf/v28n6a/v28n6a02.pdf (acesso 11 Agosto 2014).

Jamoulle M. Quaternary prevention, an answer of family doctors to overmedicalization. Int J Health Policy Manag 2015; 4: x–x. doi: 10.15171/ijhpm.2015.24 (acesso 07 Fevereiro 2015)

Foucault M. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2013.

Zola IK. Medicine as an institution of social control. Sociol Rev. 1972 Nov;20(4):487-504. DOI: 10.1111/j.1467-954X.1972.tb00220.x (acesso 07 Julho 2014).

Nye RA. The evolution of the concept of medicalization in the late twentieth century. J Hist Behav Sci. 2003 Spring;39(2):115-29. DOI: 10.1002/jhbs.10108 (acesso 07 Julho 2014).

Conrad P. The shifting engines of medicalization. J Health Soc Behav. 2005 Mar;46(1):3-14. doi: 10.1177/002214650504600102 (acesso 07 Julho 2014).

Foucault M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro Edições Graal. 1979.

Poli Neto P; Caponi S. Medicalização: revisitando definições e teorias. In: Tesser CD. Medicalização social e atenção à saúde no SUS. São Paulo: Hucitec; 2010. p.35-51.

Metzl JM; Herzig RM. Medicalisation in the 21st century: Introduction. Lancet. 2007 Feb; 369:697-98. http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736%2807%2960317-1/abstract (acesso 08 Setembro 2014).

Nogueira RP. Higiomania: a obsessão com a saúde na sociedade contemporânea. In: Vasconcelos EM, organizador. A Saúde nas palavras e nos gestos: reflexões das redes de educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec; 2001. p.63-72.

Bell SE, Figert AE. Medicalization and pharmaceuticalization at the intersections: Looking backward, sideways and forward. Soc Sci Med. 2012 Sep;75(5):775-83. doi: 10.1016/j.socscimed.2012.04.002. (acesso 08 Agosto 2014).

Nogueira RP. Da Medicina Preventiva à Medicina Promotora. In: Arouca S. O dilema preventivista: contribuição para a compreensão e crítica da medicina preventiva. São Paulo: UNESP; Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p.175-182.

Zorzanelli RT, Ortega F, Bezerra Júnior B. An overview of the variations surrounding the concept of medicalization between 1950 and 2010. Ciênc. saúde coletiva. 2014;19(6):1859-1868. DOI: 10.1590/1413-81232014196.03612013 (acesso 08 Setembro 2014).

McWhinney IR. The importance of Being Different. British Journal of General Practice. 1996; 46: 433-6. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1239699/ (acesso 08 Setembro 2014).

Camargo Jr KR. A Biomedicina. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva. 2005 ; 15(suppl) : 177-201. http://www.scielo.br/pdf/physis/v15s0/v15s0a09.pdf (acesso 08 Setembro 2014).

Camargo Jr KR. As armadilhas da “Concepção Positiva de Saúde”. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva. 2007; 76(1): 63-76. http://www.scielo.br/pdf/physis/v17n1/v17n1a05.pdf (acesso 08 Setembro 2014).

Cunha GT. A construção da clínica ampliada na atenção básica. 2a ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

Canguilhem G. O normal e o patológico. 7a ed. Editora Forense Universitária. 2011.

Puttini RF, Pereira Jr A. Além do mecanicismo e do vitalismo: a “normatividade da vida” em Georges Canguilhem. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva. 2007; 17(3):451-464. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000300003 (acesso 08 Setembro 2014).

Tesser CD. A biomedicina e a crise da atenção à saúde: um ensaio sobre a desmedicalização [master thesis]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 1999. Portuguese. http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000199171 (acesso 12 Maio 2014)

Conrad P. Medicalization and Social Control. Annual Review of Sociology. 1992;18:209-32. DOI: 10.1146/annurev.so.18.080192.001233 (acesso 08 Setembro 2014).

Rose G. Estratégias da Medicina Preventiva. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Moynihan R, Heath I, Henry D. Selling sickness: the pharmaceutical industry and disease mongering. British Medical Journal. V. 324. April, 2002. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1122833/ (acesso 12 Outubro 2013).

Conrad P, Bergey MR. The impending globalization of ADHD: Notes on the expansion and growth of a medicalized disorder. Social Science & Medicine. 2014; 122: 31-43. http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2014.10.019. (acesso 10 Dezembro 2014)

Jamoulle M. From Illich to Moynihan, medicine can be dangerous for your health. In: Jamoulle M et al. Quaternary Prevention, addressing the limits of medical practice. Wonca World Conference. Workshop. Prague, 2013. Disponível em: http://www.ph3c.org/PH3C/docs/27/000322/0000469.pdf (acesso 02 Novembro 2013)

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_basica.pdf (acesso 20 Agosto 2014).

Franco TB, Merhy EE. PSF: contradições e novos desafios. Belo Horizonte/Campinas, 1999. http://www.datasus.gov.br/cns/temas/tribuna/PsfTito.htm (acesso 20 Novembro 2013).

Merhy EE. Gestão da produção do cudiado e clínica do corpo sem órgãos : novos compontentes dos processos de produção do cuidado em saúde. Desafios para os modos de produzir o cuidado centrados nas atuais profissões. 2007. http://www.uff.br/saudecoletiva/professores/merhy/artigos-25.pdf (acesso 25 Agosto 2013).

Gérvas J, Pérez-Fernández M. Como construir uma Atenção Primária Forte no Brasil? Resumo Técnico para Políticos, Gestores e Profissionais de Saúde com responsabilidade em organização e docência do relatório de: É possível transformer o círculo vicioso de má qualidade em um círculo virtuoso de boa qualidade, no trabalho clínico e comunitário na Atenção Primária no Brasil. 2011.

http://www.sbmfc.org.br/media/file/Visita_Espanhois_2011/Brasil,%20Relatorio%20Resumo%20final%202011.pdf (acesso 15 Janeiro 14).

Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Ministério da Saúde/UNESCO. 2002.

Tesser CD, Poli Neto P, Campos GWS. Acolhimento e (des)medicalização social : um desafio para as equipes de saúde da família. Ciência e Saúde Coletiva. 2010 ; 15(3) : 3615-3624. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000900036 (acesso 20 Agosto 2014)

Gérvas J. Cómo mantener la calidad de la atención médica ante pacientes exigentes y frente a una sociedad expectante ? 2012. http://equipocesca.org/pt/como-mantener-la-calidad-de-la-atencion-medica-ante-pacientes-exigentes-y-frente-a-una-sociedad-expectante/ (acesso 05 Novembro 2014).

Mangin D, Toop L. The Quality and Outcomes Framework: what have you done to yourselves? Br J Gen Pract. 2007 Jun 1; 57(539): 435–437. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2078175/pdf/bjpg57-435.pdf (acesso 10 Dezembro 2014)

Hoffmann TC, Del Mar C. Patients’ Expectations of the Benefits and Harms of Treatments, Screening, and Tests A Systematic Review. JAMA Intern Med. 2015;175(2):274-286. doi:10.1001/jamainternmed.2014.6016. (acesso 01 Fevereiro 2015)

Matumoto S, Fortuna CM, Mishima SM, Pereira MJB, Domingos NAM. Supervisão de equipes no Programa de Saúde da Família: reflexões acerca do desafio da produção de cuidados. Interface (Botucatu) [online]. 2005; 9(16):9-24. ISSN 1807-5762. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832005000100002. (acesso 15 Novembro 2014)

Jamoulle M, Roland M. Quaternary prevention; from Wonca world Hong Kong 1995 to Wonca world Prague 2013 Wonca world congress Poster# 336. Prague 2013. (abstract) http://www.ph3c.org/PH3C/docs/27/000284/0000439.pdf (acesso 20 Novembro 2014)

Norman AH, Tesser CD. Prevenção quaternária: as bases para sua operacionalização na relação médico-paciente. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(35):1011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1011.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1117

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Raquel Vaz Cardoso

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia