Conhecimentos, atitudes e prática de médicos e enfermeiros da Estratégia Saúde da Família em relação à incontinência urinária feminina

Ana Carolinne Portela Rocha, Adriana Barbieri Feliciano, Maristela Carbol, Cecilia Candolo, Fernanda Vieira Rodovalho Callegari

Resumo


Objetivo: Analisar conhecimentos, atitudes e prática de médicos e enfermeiros da Estratégia Saúde da Família (ESF) em relação à incontinência urinária (IU) feminina. Métodos: O estudo foi realizado nas 19 equipes da ESF de um município no interior paulista, as quais possuíam 41 profissionais elegíveis (22 médicos e 19 enfermeiros). Foi desenvolvido e utilizado um questionário autoaplicável com questões sobre conhecimentos, atitudes e prática dos profissionais na atenção às mulheres com IU. Resultados: Responderam ao questionário 33 profissionais (80% da população alvo), sendo 15 médicos e 18 enfermeiros. A maioria dos participantes possuía um nível de conhecimento adequado em relação à propedêutica clínica da IU e considerou que suas atribuições englobam a investigação diagnóstica e o tratamento da IU não complicada. Entretanto, uma parcela significativa desconhecia os exames complementares e a conduta terapêutica para a abordagem inicial das mulheres com IU, principalmente naquelas com IU de Urgência. Quanto à prática, um número expressivo desses profissionais não prescrevia exercícios de fortalecimento do assoalho pélvico, não realizava ações de educação em saúde com as mulheres ou promovia atividades de educação permanente com a equipe de trabalho. Conclusão: Os déficits de investigação diagnóstica e tratamento da IU feminina identificados sugerem a necessidade de educação permanente e integração de equipes de apoio matricial à ESF, a fim de promover um cuidado mais integral à população. Tais equipes podem ser provenientes dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) e/ou de parcerias com as universidades locais.


Palavras-chave


Conhecimentos, Atitudes e Prática em Saúde. Profissionais da Saúde. Incontinência Urinária. Estratégia Saúde da Família. Saúde da Mulher.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Saúde da Família. Rev Saúde Pública. 2000;34(3):316-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000300018

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde, Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1997. [Acesso 23 Mai 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd09_16.pdf

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011. [Acesso 23 Mai 2016]. Disponível em: http://apsredes.org/site2012/wp-content/uploads/2012/03/Redes-de-Atencao-mendes2.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília; 2007. [Acesso 23 Mai 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/abcad19.pdf

Buckley BS, Lapitan MC; Epidemiology Committee of the Fourth International Consultation on Incontinence, Paris, 2008. Prevalence of urinary incontinence in men, women, and children--current evidence: findings of the Fourth International Consultation on Incontinence. Urology. 2010;76(2):265-70. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.urology.2009.11.078

Haylen BT, de Ridder D, Freeman RM, Swift SE, Berghmans B, Lee J, et al. An International Urogynecological Association (IUGA)/International Continence Society (ICS) joint report on the terminology for female pelvic floor dysfunction. Int Urogynecol J. 2010;21(1):5-26. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s00192-009-0976-9

Abrams P, Andersson KE, Artibani W, Birder L, Bliss D, Bubaker L, et al. International Consultation on Incontinence Recommendations of the International Scientific Committee: evaluation and treatment of urinary incontinence, pelvic organ prolapsed, and faecal incontinence. In: Abrams P, Cardozo L, Khouri S, Wein A, eds. 5th ed. Incontinence. Paris: ICUD-EAU; 2013. p. 895-1929 [Acesso 23 Mai 2016]. Disponível em: http://www.icud.info/incontinence.html

Price N, Dawood R, Jackson SR. Pelvic floor exercise for urinary incontinence: a systematic literature review. Maturitas. 2010;67(4):309-15. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.maturitas.2010.08.004

Boyle R, Hay-Smith EJ, Cody JD, Mørkved S. Pelvic floor muscle training for prevention and treatment of urinary and faecal incontinence in antenatal and postnatal women. Cochrane Database Syst Rev. 2012;10:CD007471. http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD007471.pub2

Hay-Smith EJ, Bø K, Berghmans LC, Hendriks HJ, de Bie RA, van Waalwijk van Doorn ES. WITHDRAWN: Pelvic floor muscle training for urinary incontinence in women. Cochrane Database Syst Rev. 2007;(1):CD001407. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/14651858.CD001407.pub2/abstract

Subak LL, Brubaker L, Chai TC, Creasman JM, Diokno AC, Goode PS, et al.; Urinary Incontinence Treatment Network. High costs of urinary incontinence among women electing surgery to treat stress incontinence. Obstet Gynecol. 2008;111(4):899-907. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/AOG.0b013e31816a1e12

Higa R, de Rivorêdo CRSF, Campos LK, Lopes MHM, Turato ER. Vivências de mulheres brasileiras com incontinência urinária. Texto Contexto Enferm. 2010;19(4):627-35. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072010000400004

Volkmer C, Monticelli M, Reibnitz KS, Brüggemann OM, Sperandio FF. Incontinência urinária feminina: revisão sistemática de estudos qualitativos. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(10):2703-15. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001000019

Menezes GMD, Pinto FJM, Silva FAA, Castro ME, Medeiros CRB. Queixa de perda urinária: um problema silente pelas mulheres. Rev Gaúch Enferm. 2012;33(1):100-8. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472012000100014&script=sci_arttext

Coyne KS, Wein A, Nicholson S, Kvasz M, Chen CI, Milsom I. Economic burden of urgency urinary incontinence in the United States: a systematic review. J Manag Care Pharm. 2014;20(2):130-40. http://www.amcp.org/JMCP/2014/February/17595/1033.html DOI: http://dx.doi.org/10.18553/jmcp.2014.20.2.130

Higa R, Lopes MHBM. Porque profissionais de enfermagem com incontinência urinária não buscam tratamento. Rev Bras Enferm. 2007;60(5):503-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672007000500004

Silva L, Lopes MHBM. Incontinência urinária em mulheres: razões da não procura por tratamento. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(1):72-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000100009

Barbosa SS, Oliveira LDR, Lima JLDA, Carvalho GM, Lopes MHBM. Como profissionais de saúde da rede básica identificam e tratam a incontinência urinária feminina. Mundo Saúde. 2009;33(4):449-56. [online] [Acesso 23 Mai 2016]. Disponível em: http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/70/449a456.pdf

Rios AA, Cardoso JR, Rodrigues MA, de Almeida SH. The help-seeking by women with urinary incontinence in Brazil. Int Urogynecol J. 2011;22(7):879-84. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s00192-010-1352-5

Guarda RI, Gariba M, Nohama P, do Amaral VF. Tratamento conservador da incontinência urinária de esforço. FEMINA. 2007;35(4):219-27. [online] [Acesso 23 Mai 2016]. Disponível em: http://www.febrasgo.org.br/site/wp-content/uploads/2013/05/Femina354p219-28.pdf

Shaw C, Das Gupta R, Williams KS, Assassa RP, McGrother C. A survey of help-seeking and treatment provision in women with stress urinary incontinence. BJU Int. 2006;97(4):752-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1464-410X.2006.06071.x

Harris SS, Link CL, Tennstedt SL, Kusek JW, McKinlay JB. Care seeking and treatment for urinary incontinence in a diverse population. J Urol. 2007;177(2):680-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.juro.2006.09.045

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília; 2012. [Acesso 23 Mai 2016]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Marinho LAB, Costa-Gurgel MS, Cecatti JG, Osis MJD. Conhecimento, atitude e prática do auto-exame das mamas em centros de saúde. Rev Saude Publica. 2003;37(5):576-82. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102003000500005

Kaliyaperumal K. Guideline for Conducting a Knowledge, Attitude and Practice (KAP) Study. AECS Illumination. 2004;4(1):7-9. [online] [Acesso 23 Mai 2016]. Disponível em: http://www.birds.cornell.edu/citscitoolkit/toolkit/steps/effects/resource-folder/Guideline%20for%20Conducting%20a%20KAP%20Study%20%28PDF%29.pdf

Saxer S, de Bie RA, Dassen T, Halfens RJ. Nurses’ knowledge and practice about urinary incontinence in nursing home care. Nurse Educ Today. 2008;28(8):926-34. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.nedt.2008.05.009

Yuan H, Williams BA. Knowledge of urinary incontinence among Chinese community nurses and community-dwelling older people. Health Soc Care Community. 2010;18(1):82-90. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2524.2009.00876.x

Candeias NMF, Marcondes RS. Diagnóstico em educação em saúde: um modelo para analisar as relações entre atitudes e práticas na área da saúde pública. Rev Saúde Pública. 1979;13(2):63-8.

Abrams P, Andersson KE, Birder L, Brubaker L, Cardozo L, Chapple C, et al.; Members of Committees; Fourth International Consultation on Incontinence. Fourth International Consultation on Incontinence Recommendations of the International Scientific Committee: Evaluation and treatment of urinary incontinence, pelvic organ prolapse, and fecal incontinence. Neurourol Urodyn. 2010;29(1):213-40. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/nau.20870

Efron B, Tibshirani RJ. An Introduction to the Bootstrap. London: Chapman & Hall; 1993.

Dallosso HM, McGrother CW, Matthews RJ, Donaldson MM; Leicestershire MRC Incontinence Study Group. The association of diet and other

lifestyle factors with overactive bladder and stress incontinence: a longitudinal study in women. BJU Int. 2003;92(1):69-77. DOI: http://dx.doi.org/10.1046/j.1464-410X.2003.04271.x

Mendes EV. Os Sistemas de serviços de saúde: o que os gestores deveriam saber sobre essas organizações complexas. Fortaleza: Escola de Saúde Pública do Ceará; 2002.

Melo VH, Rio SMP, Bonito RF, Lodi CTC, Fonseca MTM, Amaral E. Dificuldades dos médicos que atuam na Estratégia Saúde da Família de Minas Gerais para proverem atenção à saúde das mulheres. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(30):3-12. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(30)550

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Documento para gestores e trabalhadores do SUS. (Série B. Textos Básicos de Saúde). Brasília; 2010. [Acesso 23 Mai 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_documento_gestores_trabalhadores_sus.pdf

Ceccim R. Educação Permanente em Saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(4):975-86. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000400020

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. (Série A. Normas e Manuais Técnicos. Caderno de Atenção Básica). Brasília: Ministério da Saúde; 2010. [Acesso 23 Mai 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_basica_diretrizes_nasf.pdf

de Castro VS, Nóbrega-Therrien SM. Residência de Medicina de Família e Comunidade: uma estratégia de qualificação. Rev Bras Educ Med. 2009;33(2):211-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000200008

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Competências profissionais e o processo de formação na residência multiprofissional em Saúde da Família. Saúde Soc. 2010;19(4):814-27. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902010000400009




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1146

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia