Violência contra mulher em contexto de vulnerabilidade social na Atenção Primária: registro de violência em prontuários

Telma Libna Rodrigues Borburema, Alice Pinto Pacheco, Anelise Alves Nunes, Carmen Leontina Ojeda Ocampo Moré, Scheila Krenkel

Resumo


Objetivo: Investigar o registro dos tipos de violência sofridos e as condutas tomadas, por profissionais de saúde, incluindo a notificação, frente ao relato de situação de violência por mulheres em contexto de vulnerabilidade social atendidas na Atenção Primária à Saúde. Método: Estudo quantitativo, transversal, descritivo e observacional, pela análise de prontuários, considerando todos os registros realizados até o último dia do ano de 2015, de mulheres acima de 18 anos que residam nas áreas de abrangência de dois Centros de Saúde, consideradas áreas de vulnerabilidade social. Resultados: A amostra final foi de 769 prontuários, sendo que em 3,77% havia relato de violência sofrida. Destes, 45% foi do tipo física, seguido por 24%, psicológica; o principal agressor foi o parceiro íntimo (41%); 58% dos relatos foram registrados por médicos, em Centros de Saúde. Houve algum tipo de conduta para 89% dos casos (medicação, encaminhamento ou retorno). Apenas 7% dos casos foram notificados. Conclusões: Os dados desse estudo sugerem que possa haver sub-registro das situações de violência em áreas de vulnerabilidade social em Florianópolis, tendo em vista os poucos casos registrados e notificados em um conjunto de 729 prontuários. Observou-se que esteja relacionada a isso a falta ou pouca sensibilização e capacitação dos profissionais para identificar situações de violência, bem como registrar, notificar e dar prosseguimento ao acompanhamento às pessoas que vivem nessa situação. Portanto, é necessário difundir e capacitar os profissionais de saúde para a detecção, registro, condutas, notificação e seguimento das situações de violência.


Palavras-chave


Violência contra a Mulher. Vulnerabilidade Social. Atenção Primária à Saúde. Registros de Saúde Pessoal.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Organização Pan-Americana de Saúde - OPAS. Prevención de la violencia: La evidencia. El Paso, TX: OPS. (Série de orientações sobre prevención de la violencia). [Internet] 2013. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/85671/1/9789275317488_spa.pdf?ua=1

Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R. World report on violence and health. Geneva: World Health Organization; 2000. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.opas.org.br/wp-content/uploads/2015/09/relatorio-mundial-violencia-saude.pdf

World Health Organization - WHO. Global status report on violence prevention 2014. Geneva: World Health Organization; 2014. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.who.int/violence_injury_prevention/violence/status_report/2014/report/report/en

Waiselfisz JJ. Mapa da Violência 2015: homicídio de mulheres do Brasil. Brasília; 2015. [Internet] 2015. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf

United Nations. General Assembly. Declaration of the elimination of violence against women. Proceedings of the 85th Plenary Meeting. Geneva: United Nations; 1993. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.un.org/documents/ga/res/48/a48r104.htm

Brasil. Lei Nº11.340, de 7 de agosto de 2006. Brasília; 2006. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Schraiber LB, d’Oliveira AFPL, França-Junior I, Pinho AA. Violência contra a mulher: estudo em uma unidade de atenção primária à saúde. Rev Saúde Pública. 2002;6(4):470-7. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102002000400013&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000400013

Santos ACW, Moré CLOO. Impacto da violência no sistema familiar de mulheres vítimas de agressão. Psicol Ciênc Prof. 2011;31(2):220-35. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932011000200003&lng=en&nrm=iso. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932011000200003

Gregory A, Ramsay J, Agnew-Davies R, Baird K, Devine A, Dunne D, et al. Primary care identification and referral to improve safety of women experiencing domestic violence (IRIS): protocol for a pragmatic cluster randomised controlled trial. BMC Public Health. 2010;10-54. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://bmcpublichealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/1471-2458-10-54 DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2458-10-54

Kronbauer JFD, Meneghel SN. Perfil da violência de gênero perpetrada por companheiro. Rev Saúde Pública. 2005;39(5):695-701. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102005000500001&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000500001

Ayres JRCM. França-Junior I, Calazans GJ, Saletti Filho HC. O Conceito de Vulnerabilidade e as Práticas de Saúde: novas perspectivas e desafios. In: Czeresnia D, Freitas CM, orgs. Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2003. p.117-39.

Kind L, Orsini MLP, Nepomuceno V, Gonçalves L, Souza GA, Ferreira MFF. Subnotificação e (in)visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública. 2013;29(9):1805-15. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: ttp://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013000900020&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00096312

Schraiber LB, d’Oliveira AFPL, Couto MT. Violência e saúde: contribuições teóricas, metodológicas e éticas de estudos da violência contra a mulher. Cad Saúde Pública. 2009;25(Supl.2):S205-16. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009001400003&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001400003

Pedrosa CM, Spink MJP. A violência contra mulher no cotidiano dos serviços de saúde: desafios para a formação médica. Saude Soc. 2011;20(1):124-35. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902011000100015&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000100015

De Ferrante FG, Santos MA, Vieira EM. Violência contra a mulher: percepção dos médicos das unidades básicas de saúde da cidade de Ribeirão Preto, São Paulo. Interface (Botucatu). 2009;13(31):287-99. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832009000400005&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000400005

Signorelli MC, Taft A, Pereira PPG. Intimate partner violence against women and healthcare in Australia: charting the scene. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(4):1037-48. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000400025&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000400025

Galindo SRW, Souza MR. O perfil epidemiológico dos casos

notificados por violência doméstica, sexual e/ou outras violências interpessoais em Chapadão do Sul (MS). BIS Bol Inst Saúde. 2013;14(3):296-302. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-18122013000400007&lng=es

Medronho RA, Bloch KV. Epidemiologia. 2º ed. São Paulo: Atheneu; 2009.

Prefeitura Municipal de Florianópolis. Secretaria Municipal de Saúde. Áreas de Interesse Social por Unidades Locais de Saúde e Regionais de Saúde. 2007. [acesso 2017 Ago 25]. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/10_11_2009_9.21.48.f59ae736583946fb6056d553e15d1581.pdf

IBM Corp. Released 2010. IBM SPSS Statistics for Windows, Version 19.0. ArmonkY: IBM Corp; 2010.

Valdez-Santiago R, Ruiz-Rodríguez M. Violencia doméstica contra las mujeres: ¿cuándo y cómo surge como problema de salud pública? Salud Pública Méx. 2009;51(9):501-11. [Internet]. 2009. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036-36342009000600009&lng=es DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0036-36342009000600009

Oliveira CC, Almeida MAS, Morita I. Violência e saúde: concepções de profissionais de uma Unidade Básica de Saúde. Rev Bras Educ Med. 2011;35(3):412-20. [Internet]. 2011 [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022011000300016&lng=en&nrm=iso DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022011000300016

Schraiber LB, d’Oliveira AFPL, França-Junior I, Diniz S, Portella AP, Ludermir AB, et al. Prevalência da violência contra a mulher por parceiro íntimo em regiões do Brasil. Rev Saúde Pública. 2007;41(5):797-807. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102007000500014&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000500014

Moura LBA, Gandolfi L, Vasconcelos AMN, Pratesi R. Violências contra mulheres por parceiro íntimo em área urbana economicamente vulnerável, Brasília, DF. Rev Saúde Pública. 2017;43(6):944-53. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102009000600005&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000069

Büchele MLC, Philippi JMS. Mapeamento da Violência Contra a Mulher em Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rede Feminista de Saúde. Florianópolis; 2015. [acesso 2017 Jan 1]. Disponível em: http://redesaude.org.br/comunica/wp-content/uploads/2015/03/MAPEAMENTO-DA-VIOL%C3%8ANCIA-CONTRA-A-MULHER-EM-FLORIAN%C3%93POLIS.pdf

d’Oliveira AFPL, Schraiber LB, França-Junior I, Ludermir AB, Portella AP, Diniz CS, et al. Fatores associados à violência por parceiro íntimo em mulheres brasileiras. Rev Saúde Pública. 2009;43(2):299-311. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102009000200011&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000013

Terra MF, d’Oliveira AFPL, Schraiber LB. Medo e vergonha como barreiras para superar a violência doméstica de gênero. Athenea Digit. 2015;15(3):109-25. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://atheneadigital.net/article/view/v15-n3-terra-doliveira-schraiber/1538. DOI: http://dx.doi.org/10.5565/rev/athenea.1538

Rodrigues EAS. Abordagem da violência na Atenção Primária à Saúde: correspondência entre as percepções e vivências de profissionais e usuários. Dissertação (Dissertação de mestrado): Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina Belo Horizonte; 2014. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/BUBD-A2MH89

Osis MJD, Duarte GA, Faúndes A. Violência entre usuárias de unidades de saúde: prevalência, perspectiva e conduta de gestores e profissionais. Rev Saúde Pública. 2012;46(2):351-8. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102012000200018&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012005000019

d’Oliveira AFPL, Schraiber LB. Mulheres em situação de violência: entre rotas críticas e redes intersetoriais de atenção. Rev Med. 2013;92(2):134-40. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/79953. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v92i2p134-140

Vasconcelos MS, Holanda VR, Albuquerque TT. Perfil do agressor e fatores associados à violência contra mulheres. Cogitare Enferm. 2006;21(1):1-10. [Internet]. 2016 [acesso 2017 Jan 20]; Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/41960. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i1.41960

Silva LEL, Oliveira MLC. Violência contra a mulher: revisão sistemática da produção científica nacional no período de 2009 a 2013. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(11):3523-32. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015001103523&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152011.11302014

Moré CLOO, Krenkel S. Violência no contexto familiar. 1º ed. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2014.

Sousa MH, Bento SF, Osis MJD, Ribeiro MP, Faúndes A. Preenchimento da notificação compulsória em serviços de saúde que atendem mulheres que sofrem violência sexual. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(1):94-107. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000100094&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201500010008

d’Oliveira AFPL, Schraiber LB, Hanada H, Durand J. Atenção integral à saúde de mulheres em situação de violência de gênero - uma alternativa para a atenção primária em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(4):1037-50. [Internet]. [acesso 2017 Jul 9]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000400011&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000400011




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1460

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Telma Libna Rodrigues Borburema, Alice Pinto Pacheco, Anelise Alves Nunes, Carmen Leontina Ojeda Ocampo Moré, Scheila Krenkel

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia