Funcionamento 24 horas para Unidades de Saúde da Família: uma solução para ampliação de acesso? Um ensaio sobre as “Upinhas” do Recife

Bruno Henrique Soares Pessoa, Eneline de Andrade Heráclio Gouveia, Isabel Brandão Correia

Resumo


A Atenção Primária à Saúde é via preferencial de acesso ao sistema de saúde, tendo em vista seu papel ordenador, os benefícios da continuidade do cuidado e resolutividade deste nível de atenção. Diversas barreiras de acesso, dentre eles o horário restrito de funcionamento, fazem com que esse primeiro contato não seja facilitado. No Recife, novos equipamentos de Atenção Primária à Saúde vêm sendo implantados desde o ano de 2013: as “Upinhas 24 horas”. O objetivo deste trabalho é analisar o modelo “Upinha” apresentado como uma solução para ampliação de acesso. Foi realizada uma revisão da literatura sobre diversas estratégias existentes de ampliação do acesso, a partir das quais se analisou criticamente o modelo “Upinha 24 horas” às lentes dos modelos vigentes. Horário estendido, acesso avançado e acolhimento à demanda espontânea foram os modelos de ampliação de acesso revisados para embasar a discussão. O impacto do horário estendido na ampliação do acesso pode ser minimizado se outras medidas, como mudanças no modelo de agendamento, priorizando o acesso avançado, não forem concomitantemente implantadas. O modelo “Upinha 24 horas”, da forma como se apresenta, parece ser baseado na concepção de uma Atenção Primária à Saúde que funciona como complemento para “desafogar” os serviços de atendimento às urgências já existentes e não como ordenadora do serviço de atenção às urgências. Apesar de apontar numa direção inicialmente acertada, a implantação das “Upinhas 24 horas” parece ainda ser uma proposta incipiente na garantia de acesso.


Palavras-chave


Plantão Médico. Controle de Acesso. Atenção Primária à Saúde. Medicina de Família e Comunidade.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002. 726 p.

Gérvas J, Fernández MP. Uma Atenção Primária forte no Brasil. Relatório sobre como fortalecer os acertos e corrigir as fragilidades da Estratégia de Saúde da Família. 2011. [acesso em 2017 Set 18]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/file/documentos/relatoriofinal_portugues.pdf

Giesen P, Franssen E, Mokkink H, van den Bosch W, van Vugt A, Grol R. Patients either contacting a general practice cooperative or accident and emergency department out of hours: a comparison. Emerg Med J. 2006;23(9):731-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/emj.2005.032359

Fischer L, Begley C, Giardino A. The Impact of Extended Hours Primary Care on Emergency Department Use Among Medicaid/SCHIP Enrollees in Houston, TX Houston: University of Texas; [Internet] 2011. [acesso 2017 Set 19]. Disponível em: https://sph.uth.edu/content/uploads/2011/12/Impact_of_Extended_Hours_Primary_Care.pdf

O’Malley AS. After-hours access to primary care practices linked with lower emergency department use and less unmet medical need. Health Aff (Millwood). 2013;32(1):175-83. DOI: http://dx.doi.org/10.1377/hlthaff.2012.0494

Murray M, Tantau C. Same-day appointments: exploding the access paradigm. Fam Pract Manag. 2000;7(8):45-50.

JC Online. Upinhas ajudam na atenção básica. Recife [Internet]; 2014 Aug 26;1. [acesso 2017 Set 19]. Disponível em: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/saude/noticia/2014/08/26/upinhas-ajudam-na-atencao-basica-142254.php

Rose KD, Ross JS, Horwitz LI. Advanced access scheduling outcomes: a systematic review. Arch Intern Med. 2011;171(13):1150-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1001/archinternmed.2011.168

Degani N. Impact of advanced (open) access scheduling on patients with chronic diseases: an evidence-based analysis. Ont Health Technol Assess Ser. 2013;13(7):1-48.

Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica: Acolhimento à demanda espontânea. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Prefeitura Municipal de Curitiba: Com 44 novas equipes do Saúde da Família, Curitiba vai ampliar horário de oito unidades de saúde - Prefeitura de Curitiba [Internet]. 2013 [Acesso 2017 abr 3]. Disponível em: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/com-44-novas-equipes-do-saude-da-familia-curitiba-vai-ampliar-horario-de-oito-unidades-de-saude/29004

Cejam: Centro de Estudos e Pesquisas “DR. João Amorim”: USF 24 Horas Jundiapeba [Internet]. [acesso 2017 Abr 3]. Disponível em: http://www.cejam.org.br/index.php?local_id=5&uni_id=66&fnc=unidade&pg=servicos_saude

Cejam: Centro de Estudos e Pesquisas “DR. João Amorim”: USF 24 Horas Jardim Universo [Internet]. [acesso 2017 Abr 3]. Disponível em: http://www.cejam.org.br/index.php?local_id=5&uni_id=67&fnc=unidade&pg=servicos_saude

Unidades de Saúde oferecem horários estendidos em Boa Vista [Internet]. 2016 [acesso 2017 Abr 3]. Disponível em: http://g1.globo.com/rr/roraima/noticia/2016/06/unidades-de-saude-oferecem-horarios-estendidos-em-boa-vista.html

Huibers L, Giesen P, Wensing M, Grol R. Out-of-hours care in western countries: assessment of different organizational models. BMC Health Serv Res. 2009;9:105. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1472-6963-9-105

Leibowitz R, Day S, Dunt D. A systematic review of the effect of different models of after-hours primary medical care services on clinical outcome, medical workload, and patient and GP satisfaction. Fam Pract. 2003;20(3):311-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/fampra/cmg313

Prefeitura do Recife. Nona Upinha começa a funcionar no Recife. [Internet]. [acesso 2017 Abr 3]. Disponível em: http://www2.recife.pe.gov.br/noticias/12/04/2016/nona-upinha-comeca-funcionar-no-recife

Prefeitura do Recife: Secretaria Municipal de Saúde. Plano Municipal De Saúde 2014-2017. Recife: Secretaria de Saúde do Recife; 2014. p. 1-84.

O ’Donnell CA, Foster H, Macdonald S, Burns N, Gannon M, Gannon MM, et al. Out-of-Hours Primary Medical Care: What Can Research Tell Us? Findings From a Rapid Systematic Review and Qualitative Study Address for correspondence [Internet]; 2015. [acesso 2017 Set 19]. Disponível em: https://www.rairarubiabooks.com/related-pdf-1-gp-out-of-hours-palliative-care-handover-form.html

O’Malley AS, Samuel D, Bond AM, Carrier E. After-hours care and its coordination with primary care in the U.S. J Gen Intern Med. 2012;27(11):1406-15.

Gusso GDF, Knupp D, Trindade TG, Lermen Junior N, Poli Neto P. Bases para um Novo Sanitarismo. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(36):1-10. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(37)1255

Rocha SA, Bocchi SCM, Godoy MF. Acesso aos cuidados primários de saúde: revisão integrativa. Physis. 2016;26(1):87-111. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312016000100007

Gusso GDF, Poli Neto P. Gestão da clínica. In: Gusso G, Lopes JMC, eds. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: Princípios, Formação e Prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 183-90.

Zhou Y, Abel G, Warren F, Roland M, Campbell J, Lyratzopoulos G. Do difficulties in accessing in-hours primary care predict higher use of out-of-hours GP services? Evidence from an English National Patient Survey. Emerg Med J. 2015;32(5):373-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/emermed-2013-203451

Willems S, Peersman W, De Maeyer P, Buylaert W, De Maeseneer J, De Paepe P. The impact of neighborhood deprivation on patients’ unscheduled out-of-hours healthcare seeking behavior: a cross-sectional study. BMC Fam Pract. 2013;14:136. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2296-14-136




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1529

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia