Funcionamento 24 horas para Unidades de Saúde da Família: uma solução para ampliação de acesso? Um ensaio sobre as “Upinhas” do Recife

Palavras-chave: Plantão Médico. Controle de Acesso. Atenção Primária à Saúde. Medicina de Família e Comunidade.

Resumo

A Atenção Primária à Saúde é via preferencial de acesso ao sistema de saúde, tendo em vista seu papel ordenador, os benefícios da continuidade do cuidado e resolutividade deste nível de atenção. Diversas barreiras de acesso, dentre eles o horário restrito de funcionamento, fazem com que esse primeiro contato não seja facilitado. No Recife, novos equipamentos de Atenção Primária à Saúde vêm sendo implantados desde o ano de 2013: as “Upinhas 24 horas”. O objetivo deste trabalho é analisar o modelo “Upinha” apresentado como uma solução para ampliação de acesso. Foi realizada uma revisão da literatura sobre diversas estratégias existentes de ampliação do acesso, a partir das quais se analisou criticamente o modelo “Upinha 24 horas” às lentes dos modelos vigentes. Horário estendido, acesso avançado e acolhimento à demanda espontânea foram os modelos de ampliação de acesso revisados para embasar a discussão. O impacto do horário estendido na ampliação do acesso pode ser minimizado se outras medidas, como mudanças no modelo de agendamento, priorizando o acesso avançado, não forem concomitantemente implantadas. O modelo “Upinha 24 horas”, da forma como se apresenta, parece ser baseado na concepção de uma Atenção Primária à Saúde que funciona como complemento para “desafogar” os serviços de atendimento às urgências já existentes e não como ordenadora do serviço de atenção às urgências. Apesar de apontar numa direção inicialmente acertada, a implantação das “Upinhas 24 horas” parece ainda ser uma proposta incipiente na garantia de acesso.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Bruno Henrique Soares Pessoa, Secretaria de Saúde do Recife
Preceptor do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da SESAU Recife
Eneline de Andrade Heráclio Gouveia, Secretaria de Saúde do Recife
Preceptor do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da SESAU Recife
Isabel Brandão Correia, Secretaria de Saúde do Recife
Coordenadora do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da SESAU Recife

Referências

Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002. 726 p.

Gérvas J, Fernández MP. Uma Atenção Primária forte no Brasil. Relatório sobre como fortalecer os acertos e corrigir as fragilidades da Estratégia de Saúde da Família. 2011. [acesso em 2017 Set 18]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/file/documentos/relatoriofinal_portugues.pdf

Giesen P, Franssen E, Mokkink H, van den Bosch W, van Vugt A, Grol R. Patients either contacting a general practice cooperative or accident and emergency department out of hours: a comparison. Emerg Med J. 2006;23(9):731-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/emj.2005.032359

Fischer L, Begley C, Giardino A. The Impact of Extended Hours Primary Care on Emergency Department Use Among Medicaid/SCHIP Enrollees in Houston, TX Houston: University of Texas; [Internet] 2011. [acesso 2017 Set 19]. Disponível em: https://sph.uth.edu/content/uploads/2011/12/Impact_of_Extended_Hours_Primary_Care.pdf

O’Malley AS. After-hours access to primary care practices linked with lower emergency department use and less unmet medical need. Health Aff (Millwood). 2013;32(1):175-83. DOI: http://dx.doi.org/10.1377/hlthaff.2012.0494

Murray M, Tantau C. Same-day appointments: exploding the access paradigm. Fam Pract Manag. 2000;7(8):45-50.

JC Online. Upinhas ajudam na atenção básica. Recife [Internet]; 2014 Aug 26;1. [acesso 2017 Set 19]. Disponível em: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/saude/noticia/2014/08/26/upinhas-ajudam-na-atencao-basica-142254.php

Rose KD, Ross JS, Horwitz LI. Advanced access scheduling outcomes: a systematic review. Arch Intern Med. 2011;171(13):1150-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1001/archinternmed.2011.168

Degani N. Impact of advanced (open) access scheduling on patients with chronic diseases: an evidence-based analysis. Ont Health Technol Assess Ser. 2013;13(7):1-48.

Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica: Acolhimento à demanda espontânea. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Prefeitura Municipal de Curitiba: Com 44 novas equipes do Saúde da Família, Curitiba vai ampliar horário de oito unidades de saúde - Prefeitura de Curitiba [Internet]. 2013 [Acesso 2017 abr 3]. Disponível em: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/com-44-novas-equipes-do-saude-da-familia-curitiba-vai-ampliar-horario-de-oito-unidades-de-saude/29004

Cejam: Centro de Estudos e Pesquisas “DR. João Amorim”: USF 24 Horas Jundiapeba [Internet]. [acesso 2017 Abr 3]. Disponível em: http://www.cejam.org.br/index.php?local_id=5&uni_id=66&fnc=unidade&pg=servicos_saude

Cejam: Centro de Estudos e Pesquisas “DR. João Amorim”: USF 24 Horas Jardim Universo [Internet]. [acesso 2017 Abr 3]. Disponível em: http://www.cejam.org.br/index.php?local_id=5&uni_id=67&fnc=unidade&pg=servicos_saude

Unidades de Saúde oferecem horários estendidos em Boa Vista [Internet]. 2016 [acesso 2017 Abr 3]. Disponível em: http://g1.globo.com/rr/roraima/noticia/2016/06/unidades-de-saude-oferecem-horarios-estendidos-em-boa-vista.html

Huibers L, Giesen P, Wensing M, Grol R. Out-of-hours care in western countries: assessment of different organizational models. BMC Health Serv Res. 2009;9:105. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1472-6963-9-105

Leibowitz R, Day S, Dunt D. A systematic review of the effect of different models of after-hours primary medical care services on clinical outcome, medical workload, and patient and GP satisfaction. Fam Pract. 2003;20(3):311-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/fampra/cmg313

Prefeitura do Recife. Nona Upinha começa a funcionar no Recife. [Internet]. [acesso 2017 Abr 3]. Disponível em: http://www2.recife.pe.gov.br/noticias/12/04/2016/nona-upinha-comeca-funcionar-no-recife

Prefeitura do Recife: Secretaria Municipal de Saúde. Plano Municipal De Saúde 2014-2017. Recife: Secretaria de Saúde do Recife; 2014. p. 1-84.

O ’Donnell CA, Foster H, Macdonald S, Burns N, Gannon M, Gannon MM, et al. Out-of-Hours Primary Medical Care: What Can Research Tell Us? Findings From a Rapid Systematic Review and Qualitative Study Address for correspondence [Internet]; 2015. [acesso 2017 Set 19]. Disponível em: https://www.rairarubiabooks.com/related-pdf-1-gp-out-of-hours-palliative-care-handover-form.html

O’Malley AS, Samuel D, Bond AM, Carrier E. After-hours care and its coordination with primary care in the U.S. J Gen Intern Med. 2012;27(11):1406-15.

Gusso GDF, Knupp D, Trindade TG, Lermen Junior N, Poli Neto P. Bases para um Novo Sanitarismo. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(36):1-10. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(37)1255

Rocha SA, Bocchi SCM, Godoy MF. Acesso aos cuidados primários de saúde: revisão integrativa. Physis. 2016;26(1):87-111. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312016000100007

Gusso GDF, Poli Neto P. Gestão da clínica. In: Gusso G, Lopes JMC, eds. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: Princípios, Formação e Prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 183-90.

Zhou Y, Abel G, Warren F, Roland M, Campbell J, Lyratzopoulos G. Do difficulties in accessing in-hours primary care predict higher use of out-of-hours GP services? Evidence from an English National Patient Survey. Emerg Med J. 2015;32(5):373-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/emermed-2013-203451

Willems S, Peersman W, De Maeyer P, Buylaert W, De Maeseneer J, De Paepe P. The impact of neighborhood deprivation on patients’ unscheduled out-of-hours healthcare seeking behavior: a cross-sectional study. BMC Fam Pract. 2013;14:136. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2296-14-136

Publicado
2017-10-11
Como Citar
Pessoa, B. H. S., Gouveia, E. de A. H., & Correia, I. B. (2017). Funcionamento 24 horas para Unidades de Saúde da Família: uma solução para ampliação de acesso? Um ensaio sobre as “Upinhas” do Recife. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 12(39), 1-9. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1529
Seção
ENSAIO/ESPAÇO ABERTO