Experiências com estágios externos na Residência de Medicina de Família e Comunidade da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Gustavo Kang Hong Liu, Marcus Vinícius Camargo Garcia de Pontes, Kamila Vieira Silva, Tatiana Milla Mandia, Bianca Luiza de Sá e Silva, José Benedito Ramos Valladão Júnior

Resumo


Introdução: A formação do médico de família e comunidade tem nos serviços de Atenção Primária à Saúde o principal cenário de práticas. Além destes, outros estágios têm sido empregados para o aprimoramento de competências específicas. Objetivo: Descrever o perfil de estágios externos realizados pelos médicos residentes no programa de residência em Medicina de Família e Comunidade da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Resultados: Os estágios externos acontecem durante 2 meses no segundo ano de residência e são divididos igualmente em estágio eletivo (em que é necessário vínculo com a instituição) e optativo (podem ser selecionados livremente). A maioria destes estágios ocorre no Brasil e através de vínculos informais, sem haver uma parceria ou arranjo oficial entre instituições e/ou serviços. Os principais estágios buscados são em medicina rural e no National Health Service (Reino Unido). Conclusão: Estágios externos enriquecem a formação do residente e possibilitam o aprimoramento do programa de residência. Grande parte dos estágios é solicitada por contato informal, o que aponta para o desafio de firmar vínculos entre pessoas, serviços e instituições, visando fortalecer cada vez mais a formação em Medicina de Família e Comunidade.


Palavras-chave


Educação Médica; Estágio Clínico; Internato e Residência; Medicina de Família e Comunidade; Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Augusto DK. Residência em Medicina de Família e Comunidade. In: Gusso G, Lopes JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: Princípios, Formação e Prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 381-6.

Brasil. Secretaria de Educação Superior. Resolução n° 1, de 25 de Maio de 2015. Regulamenta os requisitos mínimos dos programas de residência médica em Medicina Geral de Família e Comunidade - R1 e R2 e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2015 Mai 26; Seção 1. [Acesso 2018 Fev 01]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=20741-res01-25052015-cnrm-regulamenta-requisitos-pdf&category_slug=setembro-2015-pdf&Itemid=30192

Castro RCL, Diercks MLMS, Corrêa FA, Gyrão NB, Pekelman R, Umpierre RN. O programa teórico da residência em Medicina de Família e Comunidade do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, RS. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(33):375-83. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(33)855

Justino ALA, Oliver LL, Melo TP. Implantação do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2016 [citado 2018 Fev 01]; 21(5):1471-80. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015215.04342016

WONCA Working Party on Education. WONCA global standards for postgraduate family medicine education. [Internet] 2013. [citado 2018 Fev 01]. Disponível em: http://www.globalfamilydoctor.com/site/DefaultSite/filesystem/documents/Groups/Education/WONCA%20ME%20stds_edit%20for%20web_250714.pdf

Costa A, Pedro R, Magalhães S. Medicina Geral e Familiar em Portugal. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(32):295-9. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(32)935

Casado V, Luzón L. Razones, retos y aportaciones del programa de la especialidad de Medicina Familiar y Comunitaria en España. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(31):195-205. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(31)876

Coordenação do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar de Lisboa e Vale do Tejo. Manual de Formação Versão 2018.a [Internet]. 2018 Jan 09. [citado 2018 Jan 30] Disponível em: http://www.arslvt.min-saude.pt/uploads/writer_file/document/5282/Manual_de_Formac_a_o_2018-a.pdf

Family Medicine 360º (FM360°) webpage. [Internet] [citado 2018 Fev 01]. Disponível em: https://sites.google.com/site/familymedicine360/home

Evensen A, Wondimagegn D, Zemenfes Ashebir D, Rouleau K, Haq C, Ghavam-Rassoul A, et al. Family Medicine in Ethiopia: Lessons from a Global Collaboration. J Am Board Fam Med. 2017;30(5):670-7. DOI: http://dx.doi.org/10.3122/jabfm.2017.05.170086




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1608

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia