Qualidade dos dados de assistência pré-natal na Atenção Básica em prontuário eletrônico e relação com apoio matricial, Vitória, Espírito Santo, 2013-2014: corte transversal

Gustavo Enrico Cabral Ruschi, Fernanda Ferrão Antônio, Eliana Zandonade, Angélica Espinosa Miranda

Resumo


Objetivo: Avaliar as dimensões de qualidade dos dados de prontuários eletrônicos de gestantes acompanhadas na Atenção Primária à Saúde de Vitória, Espírito Santo, e comparar sua completude por modelos de assistência em saúde (Unidades Básicas Tradicionais e Saúde da Família com e sem Apoio Matricial). Métodos: Estudo transversal, das dimensões de qualidade da ficha clínica de pré-natal do prontuário eletrônico de gestantes do município de Vitória, Espírito Santo, Brasil, no período de 1 de janeiro de 2013 a 31 de dezembro de 2014. Foram avaliadas: cobertura, não duplicidade, acessibilidade, oportunidade, clareza metodológica, completude, consistência e confiabilidade. Resultados: Excluídas as duplicidades de cadastro, foram analisados 690 prontuários. A cobertura pré-natal, considerando o início do pré-natal, foi de 80%. Mesmo com a restrição de acesso, de oportunidade e a falta de clareza metodológica, a ficha clínica apresentou consistência e completude excelentes nos campos de procedimentos obstétricos e exames laboratoriais. As variáveis raça materna, situação conjugal, planejamento da gravidez e risco gestacional apresentaram completude ruim, variando conforme modelo de assistência em saúde. A confiabilidade mostrou discordâncias com o Sistema de Informação de Nascidos Vivos. Conclusão: Há potencial do prontuário eletrônico como fonte de informação epidemiológica sobre a assistência pré-natal. Contudo, sua confiabilidade é prejudicada pela falta de integração dos dados com os demais níveis de atenção e sistemas de informação e sua completude é deficiente em alguns aspectos. Os dados sugerem que a presença do Apoio Matricial não influencia significativamente a completude do prontuário. Maior ênfase no preenchimento do prontuário e integração com outros níveis de atenção é necessária.


Palavras-chave


Sistemas Computadorizados de Registros Médicos. Cuidado Pré-Natal. Sistemas de Informação. Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


White KL. Information for health care: an epidemiological perspective. Inquiry. 1980;17(4):296-312.

Andersen RM. Revisiting the behavioral model and access to medical care: does it matter? J Health Soc Behav. 1995;36(1):1-10.

Oba MDV, Tavares MSG. A precariedade dos registros de assistência pré-natal em uma unidade básica de saúde no município de Ribeirão Preto. Rev Latino Am Enferm. 1998;6(1):53-61. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11691998000100008

Prefeitura Municipal de Vitória. Lei Nº 8.601 de 23 de dezembro de 2013. Dispõe sobre o Sistema Rede Bem Estar, a certificação dos registros e dá outras providências. Vitória: Diário Oficial; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: Atenção Qualificada e Humanizada. Manual Técnico/Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Humanização do Parto. Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento (PHPN). Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Bezerra E, Dimenstein M. CAPS and networking: constructing matricial support in basic health care. Psicol Ciênc Prof. 2008;28(3):632-45. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932008000300015

Lima CRA, Schramm JMA, Coeli CM, Silva MEM. Revisão das dimensões de qualidade dos dados e métodos aplicados na avaliação dos sistemas de informação em saúde. Cad Saúde Pública. 2009;25(10):2095-109. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001000002

Romero DE, Cunha CB. Avaliação da qualidade das variáveis sócio-econômicas e demográficas dos óbitos de crianças menores de um ano registrados no Sistema de Informações sobre Mortalidade do Brasil (1996/2001). Cad Saúde Pública. 2006;22(3):673-84. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000300022

Brasil. Ministério da Saúde/Secretaria Executiva/Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS. Índice de Desempenho do SUS (IDSUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2012. [acessado 2016 Jun 19]. Disponível em: http://legado.vitoria.es.gov.br/regionais/indicadores/idsus1.asp

Brasil. Ministério da Saúde/Departamento de Informática do SUS/DATASUS. SISPRENATAL - Sistema de Acompanhamento da Gestante. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. [acessado 2016 Jun 5]. Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/sistemas-e-aplicativos/epidemiologicos/sisprenatal

Prefeitura de Vitória. Secretaria Municipal de Saúde. Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade do Serviço de Saúde do Município de Vitória - PMAQ-Vitória. Vitória; 2012. [acessado 2016 Jun 27]. Disponível em: http://www.vitoria.es.gov.br/arquivos/20121009_instrutivo_pmaq_vitoria.pdf

Andreucci CB, Cecatti JG, Macchetti CE, Sousa MH. Sisprenatal como instrumento de avaliação da qualidade da assistência à gestante. Rev Saúde Pública. 2011;45(5):854-64. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000064

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Nogueira da Gama SG, Theme Filha MM, Costa JV, et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saúde Pública. 2014;30(Suppl.1):S85-100. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00126013

Pedraza DF. Qualidade do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc): análise crítica da literatura. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(10):2729-37. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001000021

Panitz LM. Registro eletrônico de saúde e produção de informações da atenção à saúde no SUS [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz; 2014.

Santos Neto ET, Leal MC, Oliveira AE, Zandonade E, Nogueira da Gama SG. Concordância entre informações do Cartão da Gestante e da memória materna sobre assistência pré-natal. Cad Saúde Pública. 2012;28(2):256-66. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000200005

Pogliani RBS, Santos Neto ET, Zandonade E. Informações dos cartões de gestantes e dos prontuários da atenção básica sobre assistência pré-natal. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014;36(6):269-75. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-720320140004907

Silva DSB, Araujo LROS, Silva AOB, Santos IMM. Pré-natal através do Sistema de Acompanhamento do Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento. Enferm Obstet. 2014;1(3):81-5.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Manual de Instruções para o preenchimento da Declaração de Nascido Vivo. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Mello-Jorge MHP, Gotlieb SLD, Soboll MLMS, Almeida MF, Oliveira H. Avaliação do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos: primeira avaliação dos dados brasileiros. Rev Saúde Pública. 1993;27Suppl:1-45.

Almeida MF, Alencar GP, França I Jr, Novaes HMD, Siqueira AAF, Schoeps D, et al. Validade das informações das declarações de nascidos vivos com base em estudo de caso-controle. Cad Saúde Pública. 2006;22(3):643-52. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000300019

Costa JMBS, Frias PG. Avaliação da completude das variáveis da Declaração de Nascido Vivo de residentes em Pernambuco, Brasil, 1996 a 2005. Cad Saúde Pública. 2009;25(3):613-24. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000300016




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1612

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia