Demanda espontânea e planejamento estratégico situacional no Programa Saúde da Família de Pindamonhangaba

Milena Lopes Santana

Resumo


A partir de pesquisa qualitativa embasada na triangulação de métodos, objetivou-se avaliar a percepção de gerentes, técnicos e usuários de quatro unidades de saúde da família de Pindamonhangaba (SP), quanto à condução da demanda espontânea, no intuito de averiguar se ela está contemplada no Planejamento Estratégico Situacional. Foram encontradas as seguintes estruturas de análise relacionadas à condução da demanda espontânea: acolhimento, processo de trabalho, registros, prioridades, planos, comunicação e educação permanente. Os momentos explicativo, normativo, estratégico e operacional foram os temas pertinentes ao planejamento estratégico. A análise das falas sugere que o processo de trabalho é fragmentado, hierarquizado e centrado no enfermeiro. As prioridades de atendimento não se dão por meio de critérios técnicos, mas pelo senso comum, o que resulta no descontentamento do usuário e na oferta de assistência de baixa qualidade. Os profissionais envolvidos não promovem processo comunicativo capaz de uniformizar a linguagem, útil na elaboração de um objetivo comum. Não há, portanto, sinergia da equipe para o alcance de melhores formas de se conduzir a demanda espontânea, as quais resultam de um plano mental, da “tentativa e erro” e da experiência cotidiana, em detrimento de um pensamento estratégico. O estudo revela que o atual modelo de gestão deve ser revisto, sob o risco de comprometer o desenvolvimento ’sócio regional, e propõe a implantação de educação permanente para os trabalhadores de saúde do município, com ênfase no planejamento estratégico, na apropriação e reinterpretação das características do território e situações vivenciadas.

Palavras-chave


Planejamento Estratégico; Programa Saúde da Família; Acolhimento

Texto completo:

PDF

Referências


Poli P, Norman AH. Acolhimento e (des) medicalização: reflexões sobre essa prática em um Centro de Saúde. 8º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade e 2º Encontro Luso-brasileiro de Medicina Geral, Familiar e Comunitária; 2006; São Paulo. São Paulo: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2006. p. 246.

Campinas LLSL. O acolhimento ao doente com tuberculose: estudo comparativo entre uma unidade de saúde da família e um ambulatório de especialidades médicas [Tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2003.

Fracolli LA, Bertolozzi MR. A abordagem do processo saúde-doença das famílias e do coletivo. In: Brasil. Instituto para o Desenvolvimento da Saúde. Universidade de São Paulo. Ministério da Saúde. Manual de Enfermagem: Programa Saúde da Família. São Paulo: Ministério da Saúde; 2001. p. 4-8.

Silva RMV, Fracolli LA, Zoboli ELCP. O acolhimento no PSF: da proposta teórica para a operacionalização na prática. Saúde e Sociedade. 2005; 14 Supl. 1: 245-6.

Pereira JG, Fracolli LA. Acolhimento e reorganização das práticas em saúde. Saúde e Sociedade. 2005; 14 Supl 1. p. 23.

Pinheiro R. As práticas do cotidiano na relação oferta e demanda dos serviços de saúde: um campo de estudo e construção da integralidade. In: Pinheiro R, Mattos RA organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS-UERJ; 2001. p. 65-112.

Gomes MCPA, Pinheiro R. Acolhimento e vínculo: práticas de integralidade na gestão do cuidado em saúde em grandes centros urbanos. Interface – Comunic, Saúde, Educ. 2005; 9(17): 287-301 doi: 10.1590/S1414-32832005000200006

Wolcott HF. Transforming qualitative data: description, analysis, and interpretation. Londres: Sage Publication; 1994.

Ciampone MHT, Peduzzi M. Planejamento Estratégico como instrumento de gestão e assistência. In: Brasil. Instituto para o Desenvolvimento da Saúde. Universidade de São Paulo. Ministério da Saúde. Manual de Enfermagem: Programa Saúde da Família. São Paulo; 2001. p. 23-28.

Kamimura QP. Microrregionalização: uma proposta metodológica, organizacional e estratégica para os serviços de saúde de alta e médica complexidade no Litoral Norte Paulista. [Dissertação]. Taubaté: Universidade de Taubaté; 2004.

Rocha PM. Avaliando a qualidade em Atenção Primária em Saúde. Rev Bras Med Fam e Com. 2006; 1(4): 132-140.

Minayo MCS, Assis, SG, Souza ER. Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

Minayo MCS. Conceito de avaliação por triangulação de métodos. In: Minayo MCS, Assis SG, Souza ER. Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005. p. 19-51.

Gomes R, et al. Organização, processamento, análise e interpretação de dados: o desafio da triangulação. In: Minayo MCS, Assis SG, Souza ER, organizadores. Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005. p. 185-221.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1979.

Santana ML. Demanda espontânea e Planejamento Estratégico Situacional no Programa Saúde da Família de Pindamonhangaba. [Dissertação]. Taubaté: Universidade de Taubaté; 2008.

Matus C. Fundamentos da planificação situacional e os métodos do VII Plano da Nação. In: Rivera FJU, organizador. Planejamento e programação em saúde: um enfoque estratégico. São Paulo: Cortez/ABRASCO; 1989. p. 107-149.

Lana FCF, Gomes ELR. Reflexões sobre o planejamento em saúde e o processo da reforma sanitária brasileira. Rev Latinoam Enferm. 1996; 4(1): 97-110.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Uribe FJ. Reflexões sobre a subjetividade na gestão a partir do paradigma da organização que aprende. Ciênc saúde coletiva. 2001; 6(1): 209-19 doi: 10.1590/S1413-81232001000100017

Meyer CA. Planejamento formal e seus resultados: um estudo de caso. Caderno de Pesquisas em Administração. 1997; 2(5): 39-46.

Brasil. Ministério da Saúde [Internet]. Programa Saúde da Família. [acesso em 7 maio 2006]. Disponível em: http://www.saude.gov.br

Carvalho AO, Paula Eduardo MB. Sistemas de Informação em Saúde para Municípios. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 1998.

Bourget Ir MMM, organizador. Programa Saúde da Família: guia para o planejamento local. Coleção O Cotidiano do PSF. São Paulo: Martinari; 2005.

Vanderlei MIG,. O gerenciamento na estratégia da saúde da família: o processo de trabalho dos gestores e dos gerentes municipais de saúde em municípios do estado do Maranhão. [Tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2005.

Oliveira MRCT, Ituassu CT. Uma análise dos impactos do treinamento e desempenho de profissionais e gerentes. Encontro Nacional de Pós-Graduação em Administração; 2004; Curitiba. Curitiba: Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração; 2004.

Malik AM, et al. Gestão de Recursos Humanos. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 1998.

Cianciarullo TI. Saúde da Família – Avaliação da nova estratégia assistencial no cenário das políticas públicas. In: Cianciarullo TI, Silva GTR, Cunha ICKO. Uma nova estratégia em foco: o Programa de Saúde da Família: identificando as suas características no cenário do SUS. São Paulo: Ícone; 2005.

Friedrich DBC, Pierantoni CR. O trabalho das equipes da saúde família: um olhar sobre as dimensões organizativa do processo produtivo, político-ideológica e econômica em Juiz de Fora. Physis. 2006; 16(1): 83-97 doi: 10.1590/S0103-73312006000100006

Campos GWS. Um método para análise e co-gestão de coletivos. 3ª ed. São Paulo: Hucitec; 2007.

Hossmann H, Lourenço DM. A elevada demanda de pacientes versus qualidade na atenção primária à saúde. 8º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade e 2º Encontro Luso-brasileiro de Medicina Geral, Familiar e Comunitária; 2006; São Paulo. São Paulo: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2006. p. 195.

Doria SCB, Polidoro MA. Implementação do acolhimento resolutivo na unidade básica de saúde da família e pronto atendimento do Jardim Macedônia, São Paulo; II Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família; 2004; Brasília. Brasília: Trabalhos premiados; 2004. p. 76-86.

Daft RL. Administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning; 2005.

Artmann E, Azevedo CS, Castilho Sá M. Possibilidades de aplicação do enfoque estratégico de planejamento no nível local de saúde: análise comparada de duas experiências. Cad Saúde Públ. 1997; 13(4): 723-40 doi: 10.1590/S0102-311X1997000400015




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc6(19)163

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia