A implementação de Programas de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade em uma capital da Região Sudeste, Brasil: relato de experiência

Autores

  • Thiago Dias Sarti Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Vitória, ES
  • Marcello Dala Bernardina Dalla Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo
  • Tânia Mara Machado Escola Técnica do SUS, Secretaria Municipal de Saúde de Vitória
  • Mary Cristina França de Oliveira Fonseca Escola Técnica do SUS, Secretaria Municipal de Saúde de Vitória
  • Sandra Mara Soeiro Bof Escola Técnica do SUS, Secretaria Municipal de Saúde de Vitória
  • José de Almeida Castro Filho Médico de Família e Comunidade, Unimed Vitória
  • Mônica Cola Carriello Correa Escola Técnica do SUS, Secretaria Municipal de Saúde de Vitória
  • Sérgio Renato Miranda Torres Escola Técnica do SUS, Secretaria Municipal de Saúde de Vitória
  • Sheila Cristina de Souza Cruz Escola Técnica do SUS, Secretaria Municipal de Saúde de Vitória

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1684

Palavras-chave:

Internato e Residência, Medicina de Família e Comunidade, Política de Saúde

Resumo

Objetivo: Discutir o processo de implantação de três Programas de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade (PRM-MFC) em uma capital da Região Sudeste do Brasil na perspectiva da interface dos programas com a organização do sistema de saúde local. Método: Trata-se de um relato de experiência oriundo das vivências dos supervisores dos programas e da equipe técnica do município responsável pela gestão da integração ensino-serviço. Foi produzida uma narrativa significativa aos atores do processo em momento presencial coletivo. Uma matriz SWOT foi elaborada para elencar os fatores que influenciam a implementação dos PRM-MFC na rede de serviços. Resultados: Há três PRM-MFC em atividade no município, todos em estágio inicial de implementação, totalizando nove vagas de R1. Os residentes são beneficiados por uma rede de serviços bem estruturada, diversificada e informatizada, incluindo preceptores sensibilizados e um forte apoio multiprofissional. Contudo, há questões que dificultam esse processo, como a incipiente política de valorização da preceptoria, as insuficiências do modelo de atenção primária existente para a formação médica, as dificuldades na gestão compartilhada do processo e a pouca legitimidade da RM perante a comunidade e os trabalhadores do serviço. Conclusão: Há íntima relação entre o desenvolvimento da rede local de saúde, em particular da APS, com a qualidade do PRM. Assim, é fundamental ter em vista não apenas as questões pedagógicas, mas também todo um conjunto de dispositivos de gestão compartilhada e qualificação da rede de serviços.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thiago Dias Sarti, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Vitória, ES

É Professor Assistente do Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES). Possui graduação em Medicina pela Escola de Medicina da Santa Casa de Misericordia de Vitória (2004). É especialista em Medicina de Família e Comunidade e em Gestão em Saúde pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É Mestre em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduacão em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Referências

Berger CB, Dallegrave D, Castro Filho ED, Pekelman R. A formação na modalidade Residência Médica: contribuições para a qualificação e provimento médico no Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-10. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1399 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1399

Alessio MM, Sousa MF. Regulação da formação de especialistas: inter-relações com o Programa Mais Médicos. Physis. 2016;26(2):633-67. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312016000200015 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312016000200015

Vicente VC, Pitz PB, Arenal JMC, Ferrández ES, Gonzales FS. La Medicina familiar y comunitaria y la universidad. Informe SESPAS 2012. Gac Sanit. 2012;26(Supl.):69-75. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.gaceta.2011.07.018 DOI: https://doi.org/10.1016/j.gaceta.2011.07.018

van der Leeuw RM, Lombarts KMJMH, Arah OA, Heineman MJ. A systematic review of the effects of residency training on patient outcomes. BMC Medicine. 2012;10:65. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1741-7015-10-65 DOI: https://doi.org/10.1186/1741-7015-10-65

Macinko J, Starfield B, Shi L. Quantifying the health benefits of primary care physician supply in the United States. Int J Health Serv. 2007;37(1):111-26. DOI: http://dx.doi.org/10.2190/3431-G6T7-37M8-P224 DOI: https://doi.org/10.2190/3431-G6T7-37M8-P224

World Health Organization. The world health report 2008 – Primary health care: Now more than ever. World Health Organization; 2008.

Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde; 2002.

Macinko J, Starfield B, Shi L. The contribution of primary care systems to health outcomes within Organization for Economic Cooperation and Development (OECD) countries, 1970-1998. Health Serv Res. 2003;38(3):831-65. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/1475-6773.00149 DOI: https://doi.org/10.1111/1475-6773.00149

Justino ALA, Oliver LL, Melo TP. Implantação do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2016;21(5):1471-80. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015215.04342016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015215.04342016

Falk JW. A Medicina de Família e Comunidade e sua entidade nacional: histórico e perspectivas. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2004;1(1):5-10. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc1(1)2 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc1(1)2

Poli Neto P. O Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do município de Curitiba. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(31):192-4. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(31)904 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(31)904

Lermen Jr N. O Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do município de Florianópolis. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(32):300-3. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(32)992 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(32)992

Storti MMT, Oliveira FP, Xavier AL. A expansão de vagas de residência de Medicina de Família e Comunidade por municípios e o Programa Mais Médicos. Interface (Botucatu). 2017;21(Suppl 1):1301-

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0511 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0511

Trindade TG. Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade [palestra]. Ministério da Educação. 25 Agosto 2015.

Castells MA, Campos CEA, Romano VF. Residência em Medicina de Família e Comunidade: atividades da preceptoria. Rev. bras. educ. med. 2016;40(3):461-69. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v40n3e02862014 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v40n3e02862014

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama. [acesso em 2018 jan 30]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/vitoria/panorama

Siqueira MP. Regulação assistencial e integralidade na assistência à saúde em Vitória, sob a perspectiva da Análise Institucional [dissertação]. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo; 2010.

Prefeitura de Vitória. Plano Municipal de Saúde: 2014-2017. Vitória; 2013.

Ministério da Saúde. Histórico de cobertura da Saúde da Família. Brasília: Departamento de Atenção Básica; 2018c. [acesso em 2018 jan 30]. Disponível em:

http://dab.saude.gov.br/portaldab/historico_cobertura_sf.php

Dias HS, Lima LD, Teixeira M. A trajetória da política nacional de reorientação da formação profissional em saúde no SUS. Ciênc. saúde coletiva. 2013;18(6):1613-24. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000600013 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000600013

Secretaria Municipal de Saúde de Vitória. Manual de orientação das práticas de integração ensino serviço no município de Vitória - ES. Vitória: ETSUS; 2013. [acesso em 2018 jan 5]. Disponível em: http://m.vitoria.es.gov.br/arquivos/20100222_manual_praticas.pdf

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Currículo baseado em competências para Medicina de Família e Comunidade. Rio de Janeiro; 2014.

Sarti TD. A (Bio) política da Saúde da Família: adoecimento crônico, micropolítica do trabalho e o governo da vida [tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/T.6.2015.tde-16072015-113309 DOI: https://doi.org/10.11606/T.6.2015.tde-16072015-113309

Tesser CD, Norman AH. Repensando o acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família. Saude soc. 2014;23(3):869-83. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000300011 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000300011

Norman AH, Tesser CD. Acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família: equilíbrio entre demanda espontânea e prevenção/promoção da saúde. Saude soc. 2015;24(1):165-79. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902015000100013 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902015000100013

Dornan T, Littlewood S, Margolis SA, Scherpbier A, Spencer J, Ypinazar V. How can experience in clinical and community settings contribute to early medical education? A BEME systematic review. Med Teach. 2006;28(1):3-18. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/01421590500410971 DOI: https://doi.org/10.1080/01421590500410971

Downloads

Publicado

2018-04-17

Como Citar

1.
Sarti TD, Dalla MDB, Machado TM, Fonseca MCF de O, Bof SMS, Castro Filho J de A, Correa MCC, Torres SRM, Cruz SC de S. A implementação de Programas de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade em uma capital da Região Sudeste, Brasil: relato de experiência. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 17º de abril de 2018 [citado 16º de maio de 2022];13(40):1-12. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1684

Edição

Seção

Especial Residência Médica