A implementação de Programas de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade em uma capital da Região Sudeste, Brasil: relato de experiência

Thiago Dias Sarti, Marcello Dala Bernardina Dalla, Tânia Mara Machado, Mary Cristina França de Oliveira Fonseca, Sandra Mara Soeiro Bof, José de Almeida Castro Filho, Mônica Cola Carriello Correa, Sérgio Renato Miranda Torres, Sheila Cristina de Souza Cruz

Resumo


Objetivo: Discutir o processo de implantação de três Programas de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade (PRM-MFC) em uma capital da Região Sudeste do Brasil na perspectiva da interface dos programas com a organização do sistema de saúde local. Método: Trata-se de um relato de experiência oriundo das vivências dos supervisores dos programas e da equipe técnica do município responsável pela gestão da integração ensino-serviço. Foi produzida uma narrativa significativa aos atores do processo em momento presencial coletivo. Uma matriz SWOT foi elaborada para elencar os fatores que influenciam a implementação dos PRM-MFC na rede de serviços. Resultados: Há três PRM-MFC em atividade no município, todos em estágio inicial de implementação, totalizando nove vagas de R1. Os residentes são beneficiados por uma rede de serviços bem estruturada, diversificada e informatizada, incluindo preceptores sensibilizados e um forte apoio multiprofissional. Contudo, há questões que dificultam esse processo, como a incipiente política de valorização da preceptoria, as insuficiências do modelo de atenção primária existente para a formação médica, as dificuldades na gestão compartilhada do processo e a pouca legitimidade da RM perante a comunidade e os trabalhadores do serviço. Conclusão: Há íntima relação entre o desenvolvimento da rede local de saúde, em particular da APS, com a qualidade do PRM. Assim, é fundamental ter em vista não apenas as questões pedagógicas, mas também todo um conjunto de dispositivos de gestão compartilhada e qualificação da rede de serviços.


Palavras-chave


Internato e Residência; Medicina de Família e Comunidade; Política de Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Berger CB, Dallegrave D, Castro Filho ED, Pekelman R. A formação na modalidade Residência Médica: contribuições para a qualificação e provimento médico no Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-10. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1399

Alessio MM, Sousa MF. Regulação da formação de especialistas: inter-relações com o Programa Mais Médicos. Physis. 2016;26(2):633-67. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312016000200015

Vicente VC, Pitz PB, Arenal JMC, Ferrández ES, Gonzales FS. La Medicina familiar y comunitaria y la universidad. Informe SESPAS 2012. Gac Sanit. 2012;26(Supl.):69-75. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.gaceta.2011.07.018

van der Leeuw RM, Lombarts KMJMH, Arah OA, Heineman MJ. A systematic review of the effects of residency training on patient outcomes. BMC Medicine. 2012;10:65. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1741-7015-10-65

Macinko J, Starfield B, Shi L. Quantifying the health benefits of primary care physician supply in the United States. Int J Health Serv. 2007;37(1):111-26. DOI: http://dx.doi.org/10.2190/3431-G6T7-37M8-P224

World Health Organization. The world health report 2008 – Primary health care: Now more than ever. World Health Organization; 2008.

Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde; 2002.

Macinko J, Starfield B, Shi L. The contribution of primary care systems to health outcomes within Organization for Economic Cooperation and Development (OECD) countries, 1970-1998. Health Serv Res. 2003;38(3):831-65. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/1475-6773.00149

Justino ALA, Oliver LL, Melo TP. Implantação do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2016;21(5):1471-80. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015215.04342016

Falk JW. A Medicina de Família e Comunidade e sua entidade nacional: histórico e perspectivas. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2004;1(1):5-10. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc1(1)2

Poli Neto P. O Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do município de Curitiba. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(31):192-4. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(31)904

Lermen Jr N. O Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do município de Florianópolis. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(32):300-3. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(32)992

Storti MMT, Oliveira FP, Xavier AL. A expansão de vagas de residência de Medicina de Família e Comunidade por municípios e o Programa Mais Médicos. Interface (Botucatu). 2017;21(Suppl 1):1301-

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0511

Trindade TG. Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade [palestra]. Ministério da Educação. 25 Agosto 2015.

Castells MA, Campos CEA, Romano VF. Residência em Medicina de Família e Comunidade: atividades da preceptoria. Rev. bras. educ. med. 2016;40(3):461-69. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v40n3e02862014

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama. [acesso em 2018 jan 30]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/vitoria/panorama

Siqueira MP. Regulação assistencial e integralidade na assistência à saúde em Vitória, sob a perspectiva da Análise Institucional [dissertação]. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo; 2010.

Prefeitura de Vitória. Plano Municipal de Saúde: 2014-2017. Vitória; 2013.

Ministério da Saúde. Histórico de cobertura da Saúde da Família. Brasília: Departamento de Atenção Básica; 2018c. [acesso em 2018 jan 30]. Disponível em:

http://dab.saude.gov.br/portaldab/historico_cobertura_sf.php

Dias HS, Lima LD, Teixeira M. A trajetória da política nacional de reorientação da formação profissional em saúde no SUS. Ciênc. saúde coletiva. 2013;18(6):1613-24. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000600013

Secretaria Municipal de Saúde de Vitória. Manual de orientação das práticas de integração ensino serviço no município de Vitória - ES. Vitória: ETSUS; 2013. [acesso em 2018 jan 5]. Disponível em: http://m.vitoria.es.gov.br/arquivos/20100222_manual_praticas.pdf

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Currículo baseado em competências para Medicina de Família e Comunidade. Rio de Janeiro; 2014.

Sarti TD. A (Bio) política da Saúde da Família: adoecimento crônico, micropolítica do trabalho e o governo da vida [tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/T.6.2015.tde-16072015-113309

Tesser CD, Norman AH. Repensando o acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família. Saude soc. 2014;23(3):869-83. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000300011

Norman AH, Tesser CD. Acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família: equilíbrio entre demanda espontânea e prevenção/promoção da saúde. Saude soc. 2015;24(1):165-79. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902015000100013

Dornan T, Littlewood S, Margolis SA, Scherpbier A, Spencer J, Ypinazar V. How can experience in clinical and community settings contribute to early medical education? A BEME systematic review. Med Teach. 2006;28(1):3-18. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/01421590500410971




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1684

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia