Dor lombar e transtornos mentais comuns na Estratégia Saúde da Família: uma associação pouco reconhecida

Janete Alves Araujo, Mônica Rodrigues Campos, Marcos Vinícius Ferreira dos Santos, Daniel Almeida Gonçalves, Jair de Jesus Mari, Luis Fernando Tófoli, Dinarte Ballester, Sandra Fortes

Resumo


Objetivo: Descrever o perfil sociodemográfico dos pacientes atendidos na Estratégia Saúde da Família de quatro capitais brasileiras (Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Fortaleza) com dor lombar e investigar a associação entre dor lombar e depressão, ansiedade e somatização. Métodos: Estudo de corte transversal com 1857 pacientes atendidos nos anos de 2009 (setembro a novembro) e 2010 (junho a agosto). Instrumentos: rastreio de somatização (SOMS-2), avaliação de ansiedade e depressão (HAD), Questionário Geral do Paciente, para dados sociodemográficos e o Formulário do Profissional Assistente, com as informações referentes as consultas. A dor lombar foi analisada a partir da frequência de três diferentes formas de apresentação: queixa autorreferida pelo paciente, sintoma registrado pelo médico e diagnóstico de lombalgia confirmado pelo médico. Resultados: 77,3% eram mulheres com mais de quatro anos de estudo e renda per capita inferior a um salário mínimo e meio. Encontramos associação significativa de queixa de dor lombar com ansiedade (OR=1,5, 95% IC 1,02-2,16) e somatização (OR=1,8, 95% IC 1,12-2,88), mas não com depressão. Pacientes que apresentavam queixa de dor lombar, porém sem registro do sintoma pelo médico, apresentaram associações ainda mais fortes com ansiedade (OR=1,6, 95% IC 1,03-2,63) e somatização (OR=2,3, 95% IC 1,33-3,99). A confirmação do diagnóstico de dor lombar pelo médico não se associou significativamente com nenhum transtorno. Conclusão: Considerando a dor lombar como uma das queixas de maior prevalência na Atenção Primária e sua associação significativa com ansiedade e somatização, recomenda-se a abordagem da ansiedade e somatização em pacientes com queixa de dor lombar.


Palavras-chave


Dor Lombar; Atenção Primária à Saúde; Depressão; Ansiedade; Transtornos Somatoformes

Texto completo:

PDF/A

Referências


Global Burden of Disease Study 2013 Collaborators. Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 301 acute and chronic diseases and injuries in 188 countries, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. 2015;386(9995):743-800. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(15)60692-4

Gore M, Sadosky A, Stacey BR, Tai KS, Leslie D. The burden of chronic low back pain: clinical comorbidities, treatment patterns, and health care costs in usual care settings. Spine (Phila Pa 1976). 2012;37(11):E668-77. http://dx.doi.org/10.1097/BRS.0b013e318241e5de

World Health Organization - WHO. Chronic diseases and health promotion. Geneva: WHO; 2011. [acesso 2017 Mar 10]. Disponível em: http://www.who.int/chp/topics/rheumatic/en/

Mata MS, Costa FA, Souza TO, Mata ANS, Pontes JF. Dor e funcionalidade na atenção básica à saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(1):221-30. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000100025

Cordeiro Q, El Khouri M, Ota D, Ciampi D, Corbett CE. Lombalgia e cefaleia como aspectos importantes da dor crônica na atenção primária à saúde em uma comunidade da região amazônica brasileira. Acta Fisiatr. 2008;15(2):101-5.

Pimentel IRS, Coelho BC, Lima JC, Ribeiro FG, Sampaio FPC, Pinheiro RP, et al. Caracterização da demanda em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2011;6(20):175-81.

Vieira A, Nonnenmacher LFQ, Bartz PT, Bueno AF, Macedo DS. Perfil de usuários com dores musculoesqueléticas crônicas encaminhadas ao “grupo da coluna”. Rev Baiana Saúde Pública. 2014;38(3):571-84. http://dx.doi.org/10.5327/Z0100-0233-2014380300006

Tófoli LF, Fortes S, Gonçalves DA, Chazan LF, Ballester D. Somatização e sintomas físicos inexplicáveis para o médico de família e comunidade. Programa de Atualização em Medicina de Família e Comunidade PROMEF. SEMCAD. 2007;3(2):9-56.

Rosendal M, Olde Hartman TC, Aamland A, van der Horst H, Lucassen P, Budtz-Lilly A, et al. “Medically unexplained” symptoms and symptom disorders in primary care: prognosis-based recognition and classification. BMC Fam Pract. 2017;18(1):18. http://dx.doi.org/10.1186/s12875-017-0592-6

Steinbrecher N, Koerber S, Frieser D, Hiller W. The prevalence of medically unexplained symptoms in primary care. Psychosomatics. 2011;52(3):263-71. http://dx.doi.org/10.1016/j.psym.2011.01.007

Tófoli LF, Andrade LH, Fortes S. Somatization in Latin America: a review of the classification of somatoform disorders, functional syndromes and medically unexplained symptoms. Rev Bras Psiquiatr. 2011;33 Suppl 1:S59-80.

Melzack R. Gate control theory: On the evolution of pain concepts. Pain Forum. 1996;5(2):128-38. http://dx.doi.org/10.1016/S1082-3174(96)80050-X

Bener A, Verjee M, Dafeeah EE, Falah O, Al-Juhaishi T, Schlogl J, et al. Psychological factors: anxiety, depression, and somatization symptoms in low back pain patients. J Pain Res. 2013;6:95-101. http://dx.doi.org/10.2147/JPR.S40740

Darlow B, Fullen BM, Dean S, Hurley DA, Baxter GD, Dowell A. The association between health care professional attitudes and beliefs and the attitudes and beliefs, clinical management, and outcomes of patients with low back pain: a systematic review. Eur J Pain. 2012;16(1):3-17. http://dx.doi.org/10.1016/j.ejpain.2011.06.006

Gatchel RJ, Peng YB, Peters ML, Fuchs PN, Turk DC. The biopsychosocial approach to chronic pain: scientific advances and future directions. Psychol Bull. 2007;133(4):581-624. http://dx.doi.org/10.1037/0033-2909.133.4.581

Koerich MHAL. O cuidado das pessoas com dor lombar crônica e o modelo de cuidado na atenção básica à saúde [Tese de doutorado]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2016. 380 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea: queixas mais comuns na Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Mendes EV. A atenção primária à saúde no SUS. Fortaleza: Escola de Saúde Pública do Ceará; 2002. 89 p.

Goncalves DA, Fortes S, Campos M, Ballester D, Portugal FB, Tófoli LF, et al. Evaluation of a mental health training intervention for multidisciplinary teams in primary care in Brazil: a pre- and posttest study. Gen Hosp Psychiatry. 2013;35(3):304-8. http://dx.doi.org/10.1016/j.genhosppsych.2013.01.003

Gonçalves DA, Mari Jde J, Bower P, Gask L, Dowrick C, Tófoli LF, et al. Brazilian multicentre study of common mental disorders in primary care: rates and related social and demographic factors. Cad Saude Publica. 2014;30(3):623-32. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00158412

Fortes S, Villano LA, Lopes CS. Nosological profile and prevalence of common mental disorders of patients seen at the Family Health Program (FHP) units in Petrópolis, Rio de Janeiro. Rev Bras Psiquiatr. 2008;30(1):32-7. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462006005000066

Fortes S, Lopes CS, Villano LAB, Campos MR, Gonçalves DA, Mari JJ. Transtornos mentais comuns em Petrópolis-RJ: um desafio para a integração da saúde mental com a estratégia de saúde da família. Rev Bras Psiquiatr. 2011;33(2):150-6. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462011000200010

Botega NJ, Bio MR, Zomignani MA, Garcia Jr C, Pereira WAB. Transtornos do humor em enfermaria de clínica médica e validação de escala de medida (HAD) de ansiedade e depressão. Rev Saúde Pública. 1995;29(5):359-63. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101995000500004

Fabião C, Costa E Silva C, Fleming M, Barbosa A. SOMS-2: translation into portuguese of the screening for Somatoform Disorders. Acta Med Port. 2008;21(3):241-6.

Mari JJ, Williams P. A comparison of the validity of two psychiatric screening questionnaires (GHQ-12 and SRQ-20) in Brazil, using Relative Operating Characteristic (ROC) analysis. Psychol Med. 1985;15(3):651-9. http://dx.doi.org/10.1017/S0033291700031500

Villano LA. Nanhay ALG, Moraes LR, Costa e Silva JA. Results from the Rio de Janeiro center. In: Ütbs N, ed. Mental Illness in General Health Care: an International Study. Chichester: John Wiley & Sons; 1995.

Villano LA. Problemas psicológicos e morbidade psiquiátrica em serviços de saúde não-psiquiátricos: o ambulatório de clínica geral [Tese de doutorado]. São Paulo: UNIFESP; 1998.

Gili M, Bauzá N, Vives M, Moreno S, Magallón R, Roca M. Validación de la versión española de la escala Screening for Somatoform Symptoms-2 para la evaluación de síntomas somáticos en Atención Primaria. Aten Primaria. 2014;47(5):273-8. http://dx.doi.org/10.1016/j.aprim.2014.07.001

Manchikanti L, Pampati V, Fellows B, Beyer CD, Damron KS, Barnhill RC, et al. Characteristics of chronic low back pain in patients in an interventional pain management setting: a prospective evaluation. Pain Physician. 2001;4(2):131-42.

Reme SE, Tangen T, Moe T, Eriksen HR. Prevalence of psychiatric disorders in sick listed chronic low back pain patients. Eur J Pain. 2011;15(10):1075-80. http://dx.doi.org/10.1016/j.ejpain.2011.04.012

Reme SE, Lie SA, Eriksen HR. Are 2 questions enough to screen for depression and anxiety in patients with chronic low back pain? Spine (Phila Pa 1976). 2014;39(7):E455-62. http://dx.doi.org/10.1097/BRS.0000000000000214

Mirzamani-Bafghi SM, Sadidi A, Sahrai J. Psychological aspects of low back pain. Arch Iran Med. [Internet]. 2003 [acesso 2016 Jul 12]; 6(2):91-4. Available from: http://www.ams.ac.ir.htm

Pinheiro MB, Ferreira ML, Refshauge K, Ordoñana JR, Machado GC, Prado LR, et al. Symptoms of Depression and Risk of New Episodes of Low Back Pain: A Systematic Review and Meta-Analysis. Arthritis Care Res (Hoboken). 2015;67(11):1591-603.

http://dx.doi.org/10.1002/acr.22619

Ponte C. Lombalgia em cuidados de saúde primários: Sua relação com características sociodemográficas. Rev Port Clin Geral. 2005;21(3):259-67.

Bener A, El-Rufaie OF, Kamran S, Georgievski AB, Farooq A, Rysavy M. Disability, depression and somatization in a low back pain population. APLAR J Rheumatol. 2006;9(3):257-63. http://dx.doi.org/10.1111/j.1479-8077.2006.00210.x

Flora FAM. As origens históricas da Clínica e suas implicações sobre a abordagem dos problemas psicológicos na prática médica. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2006;2(7):203-16. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc2(7)56

Balint M. O médico, seu paciente e a doença. Rio de Janeiro: Atheneu; 1984 p.11.

Vescovi RGL, Souza LGS, Avellar LZ. Usuários poliqueixosos: representações sociais construídas por médicos da atenção primária à saúde. Psicol Est. 2015;20(1):71-82. http://dx.doi.org/10.4025/psicolestud.v20i1.25519

Campos GWS. A mediação entre conhecimento e práticas sociais: a racionalidade da tecnologia leve, das práxis e da arte. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(7):3033-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000800002

Fortes S, Tófoli LF, Chazan LF, Ballester D. Queixas Somáticas sem Explicação Médica. In: Duncan BB, Schimidt MI, Giugliani ERJ, Duncan MS, Giugliani C, orgs. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. Porto Alegre: Artmed; 2013. p.1138-

Ferreira MS, Navega MT. Efeitos de um programa de orientação para adultos com lombalgia. Acta Ortop Bras. 2010;18(3):127-31. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-78522010000300002

Borges RG, Vieira A, Noll M, Bartz PT, Candotti CT. Efeitos da participação em um Grupo de Coluna sobre as dores musculoesqueléticas, qualidade de vida e funcionalidade dos usuários de uma Unidade Básica de Saúde de Porto Alegre - Brasil. Motriz. 2011;17(4):719-27.

Bartz PT, Bueno AF, Vieira A. Grupo da coluna na atenção básica. Cad Educ Saúde Fisiot. 2015;2(3):53-65.

Lancet. Low back pain. Executive Summary. [acesso 2018 Jul 20]. Disponível em: https://www.thelancet.com/series/low-back-pain

Hartvigsen J, Hancock MJ, Kongsted A, Louw Q, Ferreira ML, Genevay S, et al.; Lancet Low Back Pain Series Working Group. What low back pain is and why we need to pay attention. Lancet. 2018;391(10137):2356-67. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(18)30480-X

Foster NE, Anema JR, Cherkin D, Chou R, Cohen SP, Gross DP, et al.; Lancet Low Back Pain Series Working Group. Prevention and treatment of low back pain: evidence, challenges, and promising directions. Lancet. 2018;391(10137):2368-83. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(18)30489-6

Buchbinder R, van Tulder M, Öberg B, Costa LM, Woolf A, Schoene M, et al.; Lancet Low Back Pain Series Working Group. Low back pain: a call for action. Lancet. 2018;391(10137):2384-8. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(18)30488-4

Chiaverini DH, org. Guia prático de matriciamento em Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde, Centro de Estudos e Pesquisa em Saúde Coletiva; 2011.

Fonseca MLG, Guimarães MBL, Vasconcelos EM. Sofrimento difuso e transtornos mentais comuns: uma revisão bibliográfica. Rev APS. 2008;11(3):285-94.

Stewart M, Brown JB, Weston W, Mc Whinney IA, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina Centrada na Pessoa: Transformando o método clínico. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Bonfim IG, Bastos ENE, Gois CWL, Tofoli LF. Apoio matricial em saúde mental na atenção primária à saúde: uma análise da produção científica e documental. Interface (Botucatu). 2013;17(45):287-300. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832013005000012




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1740

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia