Síndrome de Burnout em Médicos de Estratégia Saúde da Família de Montes Claros, MG, e Fatores Associados

Autores

  • Ariadna Janice Drumond Morais Programa de Pós-Graduação em Cuidado Primário em Saúde - Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)
  • Cristiane Borborema Teles Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)
  • Laryssa Ferreira Rocha Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)
  • Marise Fagundes Silveira Programa de Pós-Graduação em Cuidado Primário em Saúde - Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)
  • Lucinéia de Pinho Programa de Pós-Graduação em Cuidado Primário em Saúde - Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1751

Palavras-chave:

Esgotamento Profissional, Saúde da Família, Atenção Primária à Saúde, Qualidade de Vida, Saúde do Trabalhador

Resumo

Objetivo: O estudo objetivou investigar a prevalência da síndrome de Burnout em médicos da Estratégia Saúde da Família em Montes Claros, MG, e sua associação com estresse no trabalho, desequilíbrio esforço-recompensa e qualidade de vida. Métodos: Foi realizada uma pesquisa epidemiológica, quantitativa, telematizada, analítica e transversal. O questionário autoaplicável Maslach Burnout Inventory foi aplicado a 89 médicos para diagnóstico da síndrome. Os médicos também proveram dados sociodemográficos e preencheram os instrumentos Job Stress Scale, Escala Desequilíbrio-Esforço-Recompensa e WHOQOL-BREF para identificação de condições de trabalho. As variáveis categóricas foram analisadas por distribuição de frequências. A associação entre variáveis de fatores de risco e presença de síndrome de Burnout foi realizada pelo teste de Qui-quadrado de Pearson. Resultados: Houve 100% de prevalência da síndrome de Burnout moderada nos médicos avaliados. Os escores das dimensões Exaustão e Despersonalização, constituintes do instrumento avaliativo da síndrome de Burnout, tiveram correlação positiva com alta demanda psicológica e profissional, alto desgaste e esforço, comprometimento excessivo ao trabalho e desbalanço na razão esforço-recompensa. Eles também se relacionaram a atributos de qualidade de vida, tais quais má condição física, social e ambiental. Conclusão: Medidas preventivas e interventivas devem ser tomadas para a diminuição do estresse laboral dos médicos avaliados, assim reduzindo a ocorrência da síndrome de Burnout.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ariadna Janice Drumond Morais, Programa de Pós-Graduação em Cuidado Primário em Saúde - Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Programa de Pós-Graduação em Cuidado Primário em Saúde - Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Cristiane Borborema Teles, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Curso de Medicina

Laryssa Ferreira Rocha, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Curso de Medicina

Marise Fagundes Silveira, Programa de Pós-Graduação em Cuidado Primário em Saúde - Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Programa de Pós-Graduação em Cuidado Primário em Saúde - Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Lucinéia de Pinho, Programa de Pós-Graduação em Cuidado Primário em Saúde - Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Programa de Pós-Graduação em Cuidado Primário em Saúde - Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Referências

National Institute for Occupational Safety and Health. STRESS...At Work; 1999 [cited 2017 Apr 18]. Available from: http://www.cdc.gov/niosh/docs/99-101/

Trigo TR, Teng CT, Hallak JEC. Síndrome de Burnout ou estafa profissional e os transtornos psiquiátricos. Rev Psiq Clín. 2007;34(5):223-33. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832007000500004 DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-60832007000500004

Maslach C, Jackson SE. The measurement of experienced burnout. J Occup Behav. 1981;2:99-113. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/job.4030020205 DOI: https://doi.org/10.1002/job.4030020205

Kushnir T, Greenberg D, Madjar N, Hadari I, Yermiahu Y, Bachner YG. Is burnout associated with referral rates among primary care physicians in community clinics? Fam Pract. 2014;31(1):44-50. DOI: https://doi.org/10.1093/fampra/cmt060

Morelli, SG, Sapede M, Silva ATC. Burnout em médicos da Atenção Primária: uma revisão sistemática. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(34):1-9. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(34)958 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)958

Trindade LL, Lautert L. Síndrome de Burnout entre os trabalhadores da Estratégia de Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(2):274-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000200005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342010000200005

Benevides-Pereira AMT. O Estado da Arte do Burnout no Brasil. Rev Eletrônica InterAção Psy. 2003;1(1):68-75.

Freire PL, Trentin JP, de Avila-Quevedo L. Trends in burnout syndrome and emotional factors: an assessment of anesthesiologists in Southern Brazil, 2012. Psychol Health Med. 2016;21(4):413-23. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/13548506.2016.1139143 DOI: https://doi.org/10.1080/13548506.2016.1139143

Albuquerque FJB, Melo CF, Araújo Neto JL. Avaliação da síndrome de Burnout em profissionais da Estratégia Saúde da Família da capital paraibana. Psicol Reflex Crit. 2012;25(3):542-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722012000300014 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-79722012000300014

Martins LF, Laport TJ, Menezes VP, Medeiros PB, Ronzani TM. Esgotamento entre profissionais da Atenção primária à Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(12):4739-50. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320141912.03202013 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320141912.03202013

Malta DC, Santos MAS, Stopa SR, Vieira JEB, Melo EA, Reis AAC. A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(2):327-38. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015212.23602015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015212.23602015

Carlotto MS, Câmara SG. Propriedades psicométricas do Maslach Burnout Inventory em uma amostra multifuncional. Estud Psicol (Campinas). 2007;24(3):325-32. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2007000300004 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2007000300004

Karasek RA Jr. Job Demands, Job Decision Latitude, and Mental Strain: Implications for Job Redesign. Adm Sci Q. 1979;24(2):285-308. DOI: http://dx.doi.org/10.2307/2392498 DOI: https://doi.org/10.2307/2392498

Alves MGM, Chor D, Faerstein E, Lopes CS, Werneck GL. Versão resumida da “job stress scale”: adaptação para o português. Rev Saúde Pública. 2004;38(2):164-71. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102004000200003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000200003

Urbanetto JS, Silva PC, Hoffmeister E, de Negri BS, da Costa BEP, Figueiredo CEP. Workplace stress in nursing workers from an emergency hospital: Job Stress Scale analysis. Rev Latino-Am Enferm. 2011;19(5):1122-31. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692011000500009 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000500009

Siegrist J, Marmot M. Health inequalities and the psychosocial environment-two scientific challenges. Soc Sci Med. 2004;58(8):1463-73. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0277-9536(03)00349-6 DOI: https://doi.org/10.1016/S0277-9536(03)00349-6

The World Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQOL): development and general psychometric properties. Soc Sci Med. 1998;46(12):1569-85. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0277-9536(98)00009-4 DOI: https://doi.org/10.1016/S0277-9536(98)00009-4

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-BREF”. Rev Saúde Pública. 2000;34(2):178-83. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012

Cubillo ACM, Guevara JC, Bravo JJM, Riguera MJP, Castro MLG, Sanz AG. Evolución del burnout y variables asociadas em los médicos de atención primaria. Aten Primaria. 2012;44(9):532-9. DOI: https://doi.org/10.1016/j.aprim.2010.05.021

Shanafelt TD, Boone S, Tan L, Dyrbye LN, Sotile W, Satele D, et al. Burnout and satisfaction with work-life balance among US physicians relative to the general US population. Arch Intern Med. 2012;172(18):1377-85. DOI: http://dx.doi.org/10.1001/archinternmed.2012.3199 DOI: https://doi.org/10.1001/archinternmed.2012.3199

Dos Santos SCR, Viegas AIF, Morgado CIMO, Ramos CSV, Soares CND, Roxo HMCJ, et al. Prevalência de burnout em médicos residentes de Medicina Geral e Familiar em Portugal. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-9. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1430 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1430

Silva SCPS, Nunes MAP, Santana VR, Reis FP, Machado Neto J, Lima SO. A síndrome de burnout em profissionais da Rede de Atenção Primária à Saúde de Aracaju, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(10):3011-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152010.19912014 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.19912014

Lee S, McCann D, Messenger JC. Duração do trabalho em todo o mundo: tendências de jornadas de trabalho, legislação políticas numa perspectiva global comparada. Brasília: Organização Internacional do Trabalho; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Diário Oficial da União; 2017.

Moraes PN, Iguti AM. Avaliação do desempenho do trabalhador como forma peculiar de prescrição do trabalho: uma análise do PMAQ-AB. Saúde Debate. 2013;37(98):416-26. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-11042013000300005

Shimizu HE, Carvalho-Junior DA. O processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família e suas repercussões no processo saúde-doença. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(9):2405-14. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000900021 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000900021

Feliciano KVO, Kovacs MH, Sarinho SW. Burnout entre médicos da saúde da família: os desafios da transformação do trabalho. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(8):3373-82. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000900004 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000900004

Marcelino G, Cerveira JM, Carvalho I, Costa JA, Lopes M, Calado NE, et al. Burnout levels among Portuguese Family doctors: a nationwide survey. BMJ Open. 2012;2(3). pii: e001050. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2012-001050 DOI: https://doi.org/10.1136/bmjopen-2012-001050

Gonçalves CR, Cruz MT, Oliveira MP, Morais AJD, Moreira KS, Rodrigues CAQ, et al. Recursos humanos: fator crítico para as redes de atenção à saúde. Saúde Debate. 2014;38(100):26-34.

Carreiro GSP, Ferreira Filha MO, Lazarte R, Silva AO, Dias MD. O processo de adoecimento mental do trabalhador da Estratégia Saúde da Família. Rev Eletrônica Enferm. 2013;15(1):146-55. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v15i1.14084

Miranzi SSC, Mendes CA, Nunes AA, Iwamoto HH, Miranzi MAS, Tavares DMS. Qualidade de vida e perfil sociodemográfico de médicos da estratégia de saúde da família. Rev Med Minas Gerais. 2010;20(2):189-97.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.823, de 23 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Brasília: Diário Oficial da União; 2012.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União; 1991.

Downloads

Publicado

2018-08-18

Como Citar

1.
Morais AJD, Teles CB, Rocha LF, Silveira MF, Pinho L de. Síndrome de Burnout em Médicos de Estratégia Saúde da Família de Montes Claros, MG, e Fatores Associados. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 18º de agosto de 2018 [citado 16º de maio de 2022];13(40):1-15. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1751

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa