O direito ao aborto no Brasil e a implicação da Atenção Primária à Saúde

Camila Giugliani, Angela Ester Ruschel, Maura Carolina Belomé da Silva, Melanie Noël Maia, Denize Ornelas Pereira Salvador de Oliveira

Resumo


Apesar dos importantes progressos ocorridos no âmbito da saúde pública no Brasil, as mortes maternas por abortos inseguros representam um desafio persistente. Por tratar-se de condição prevalente na população, a mulher que busca o serviço de saúde por questões relacionadas ao aborto deve encontrar no serviço de atenção primária uma porta de entrada segura e um espaço de diálogo aberto. Considerando que o contexto legal do Brasil é um dos mais restritivos do mundo em relação ao aborto, este texto apresenta ideias de como o(a) médico(a) de família e comunidade pode atuar frente a uma situação de gravidez indesejada, baseado na experiência de outros países, considerando os atributos da atenção primária e o código de ética médica. Por fim, a experiência do Fórum Aborto Legal RS é relatada, no intuito de compartilhar ações concretas visando à qualificação do atendimento às mulheres que recorrem a um aborto permitido por lei. Conclui-se que, no nosso meio, um primeiro passo para avançar no direito ao aborto é fazer cumprir a lei que garante a sua realização em situações específicas e que a atuação dos(as) profissionais da atenção primária na redução de danos parece ser uma estratégia chave para evitar abortos inseguros e, por consequência, reduzir a mortalidade materna.


Palavras-chave


Aborto Induzido; Aborto Legal; Atenção Primária à Saúde; Medicina de Família e Comunidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


Kryiakos N, Fiorini E. A dimensão legal do aborto no Brasil. In: Aborto Legal: Implicações Éticas e Religiosas. São Paulo: Cadernos Católicas pelo Direito de Decidir; 2002. p. 131-46.

Fleury-Teixeira E, Meneghel SN. Dicionário Feminino da Infâmia: acolhimento e diagnóstico de mulheres em situação de violência. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2015.

Silva BGC, Lima NP, Silva SG, Antúnez SF, Seerig LM, Restrepo-Méndez MC, et al. Mortalidade materna no Brasil no período de 2001 a 2012: tendência temporal e diferenças regionais. Rev Bras Epidemiol. 2016;19(3):484-93. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201600030002

Victora CG, Aquino EML, Leal MC, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Saúde de mães e crianças no Brasil: progressos e desafios. Lancet. 2011;32-46. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60138-4

Diniz D, Medeiros M, Madeiro A. Pesquisa Nacional de Aborto 2016. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(2):653-60. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017222.23812016

Madeiro AP, Diniz D. Serviços de aborto legal no Brasil – um estudo nacional. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(2):563-72. DOI: 0.1590/1413-81232015212.10352015

Fórum Brasileiro de Segurança Pública – FBSP. Anuário brasileiro de segurança pública. São Paulo: Edição VIII; 2014.

Cerqueira D, Coelho DSC. Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da saúde. Brasília: Ipea; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Assistência Integral à Saúde da Mulher: Bases da Ação Programática. Brasília: Ministério da Saúde; 1984.

Cerqueira D, Coelho DSC, Ferreira H. Estupro no Brasil: vítimas, autores, fatores situacionais e evolução das notificações no sistema de saúde entre 2011 e 2014. Rio de Janeiro: IPEA; 2017.

Código Penal Brasileiro de 1940. Decreto-Lei No. 2.848 de 7 de dezembro de 1940. Brasília: Rio de Janeiro; 1940.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica. Brasília: Ministério da Saúde; 1999.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria No 528 de 1 de abril de 2013. Define regras para a habilitação do funcionamento dos serviços de Atenção Integral às Pessoas em Situação de Violência Sexual no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Prevenção e Tratamento dos Agravos Resultantes da Violência Sexual contra Mulheres e Adolescentes: norma técnica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Talib R, Citeli MT. Serviços de Aborto Legal em hospitais Públicos brasileiros (1989-2004) Dossiê. São Paulo: Cadernos Católicas pelo Direito de Decidir; 2005.

Faúndes A, Duarte GA, Osis MJD, Andalaft Neto J. Variações no conhecimento e nas opiniões dos ginecologistas e obstetras brasileiros sobre o aborto legal, entre 2003 e 2005. Rev Bras Ginecol Obstet. 2007;29(4):192-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032007000400005

G1. Turma do STF abre precedente para descriminalizar aborto até terceiro mês [Internet]. [acesso 2018 Jun 27]. Disponível em: http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/11/turma-no-supremo-derruba-prisao-de-equipe-medica-de-clinica-de-aborto.html

Expresso. O que diz a PEC 181. E qual seu impacto sobre o aborto legal [Internet]. [acesso 2018 Jun 27]. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/11/10/O-que-diz-a-PEC-181.-E-qual-seu-impacto-sobre-o-aborto-legal

Theme-Filha MM, Baldisserotto ML, Fraga AC, Ayers S, da Gama SG, Leal MD. Factors associated with unintended pregnancy in Brazil: cross-sectional results from the Birth in Brazil National Survey, 2011/2012. Reprod Health. 2016;13(Suppl 3):118. http://dx.doi.org/10.1186/s12978-016-0227-8

Zamberlin N, Romero M, Ramos S. Latin American women’s experiences with medical abortion in settings where abortion is legally restricted. Reprod Health. 2012;9(1):34. http://dx.doi.org/10.1186/1742-4755-9-34

Briozzo L, Vidiella G, Rodríguez F, Gorgoroso M, Faúndes A, Pons JE. A risk reduction strategy to prevent maternal deaths associated with unsafe abortion. Int J Gynaecol Obstet. 2006;95(2):221-6. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijgo.2006.07.013

Pan American Health Organization - PAHO. Changing relationships in the health care context: the Uruguayan model for reducing the risk and harm of unsafe abortions. Montevideo: Pan American Health Organization; 2012. 30 p.

Grossman D, Baum SE, Andjelic D, Tatum C, Torres G, Fuentes L, et al. A harm-reduction model of abortion counseling about misoprostol use in Peru with telephone and in-person follow-up: A cohort study. PLoS One. 2018;13(1):e0189195. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0189195

Matía MG, Trumper EC, Fures NO, Orchuela J. A replication of the Uruguayan model in the province of Buenos Aires, Argentina, as a public policy for reducing abortion-related maternal mortality. Int J Gynaecol Obstet. 2016;134(S1):S31-4. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijgo.2016.06.008

Faúndes A. Abortamento. In: Duncan BB, Schimdt MI, Giugliani ER, Duncan MS, Giugliani C, eds. Medicina Ambulatorial: Condutas de Atenção Primária baseadas em evidências. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Starfield B. Primary care: concept, evaluation, and policy. New York: Oxford University Press; 1992.

Brasil. Ministério da Saúde. secretaria de atenção à saúde. departamento de ações Programáticas estratégicas. Atenção humanizada ao aborto: norma técnica. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

World Health Organization - WHO. Reproductive health strategy to accelerate progress towards the attainment of international development goals and targets. Geneva: World Health Organization; 2004.

Conselho Federal de Medicina. Código de Ética Médica. Resolução CFM nº 1.931, de 17 de setembro de 2009. Brasília: Conselho Federal de Medicina; 2010.

Organização Mundial de Saúde - OMS. Abortamento seguro: orientação técnica e de políticas para sistemas de saúde. 2ª ed. Genebra: Organização Mundial de Saúde; 2013.

Rubin SE, Godfrey E, Gold M. Patient attitudes toward early abortion services in the family medicine clinic. J Am Board Fam Med. 2008;21(2):162-4. http://dx.doi.org/10.3122/jabfm.2008.02.070158

Fernandes KG, Camargo RP, Duarte GA, Faúndes A, Sousa MH, Maia Filho NL, et al. Knowledge of medical abortion among Brazilian medical students. Int J Gynaecol Obstet. 2012;118 Suppl 1:S10-4. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijgo.2012.05.004

Lesnewski R, Prine L, Gold M. New research abortion training as an integral part of residency training. Fam Med. 2003;35(6):386-7.

Herbitter C, Bennett A, Schubert FD, Bennett IM, Gold M. Management of early pregnancy failure and induced abortion by family medicine educators. J Am Board Fam Med. 2013;26(6):751-8. http://dx.doi.org/10.3122/jabfm.2013.06.120248

Brahmi D, Dehlendorf C, Engel D, Grumbach K, Joffe C, Gold M. A descriptive analysis of abortion training in family medicine residency programs. Fam Med. 2007;39(6):399-403.

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Currículo baseado em competências para Medicina de Família e Comunidade, org. Lermen Junior N. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2015. [acesso 2018 Jan 29]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/documentos/biblioteca_em_saude/00

_material_saude_curriculo_competencias_mfc.pdf




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1791

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia