Violência doméstica contra a mulher e os profissionais da APS

Predisposição para abordagem e dificuldades com a notificação

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Violência contra a Mulher, Violência Doméstica, Pesquisa Qualitativa, Notificação

Resumo

Introdução: As notificações de casos de violência doméstica contra a mulher são essenciais para o dimensionamento epidemiológico dessa questão. As unidades de saúde brasileiras devem realizá-las, embora essas notificações compulsórias tenham sido repetidamente apontadas pela literatura da área da saúde como não efetivadas ou realizadas com muitas incompletudes. Objetivos: Contribuir para compreender as dificuldades subjetivas de notificar a violência doméstica contra a mulher por profissionais da atenção primária à saúde no Brasil. Métodos: Uma amostra intencional de 14 profissionais da atenção primária à saúde foi entrevistada; eles tinham diferentes formações educacionais e trabalhavam em uma cidade do interior do estado de São Paulo, Brasil. As transcrições das entrevistas semiestruturadas, com questões abertas, foram submetidas a uma análise de conteúdo. Resultados: A análise resultou em seis categorias temáticas: falta de conhecimento dos meios de notificação; serviços de saúde “apropriados” para notificar; boletim de ocorrência policial como principal instrumento de notificação; a notificação seria opcional; o papel da notificação para a prevenção; e a burocracia excessiva. Discussão: Levanta-se a hipótese de uma oposição entre uma disposição atitudinal positiva para atender as mulheres vítimas de violência e aprender como relatar essas situações e, por outro lado, a falta de preparação profissional para realizar as notificações; a oposição entre notificar e denunciar também é discutida, dada a ambiguidade dos termos utilizados na ficha de notificação e no próprio Código Penal brasileiro. Discute-se também se a violência contra a mulher é considerada pelos entrevistados como uma questão de atenção básica à saúde.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alessandra de Cássia Leite, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem - UFSCar
Mestre em Enfermagem, tendo sido discente do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
Bruno José Barcellos Fontanella, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). São Carlos, SP
Médico graduado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); por esta instituição concluiu também residência médica em psiquiatria (1988), mestrado em Saúde Mental (1991) e doutorado em Ciências Médicas (2000). Desde 2006 é professor da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos - SP) em dedicação exclusiva junto ao Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (Departamento de Medicina e PPG em Enfermagem). Até abril de 2011 encontra-se em estágio pós-doutoral no Instituto Fernandes Figueira da Fiocruz (RJ). Pesquisa com abordagem qualitativa questões sobre saúde relacionadas à relação profissional-paciente, ao uso de substâncias psicoativas, sexualidade e gênero. Estuda metodologia da pesquisa qualitativa em saúde.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq

Referências

Delziovo CR, Bolsoni CC, Lindner SR, Coelho EBS. Qualidade dos registros de violência sexual contra a mulher no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) em Santa Catarina, 2008-2013*. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2018 Mar [acesso 2019 Mar 26];27(1):e20171493. https://doi.org/10.5123/S1679-49742018000100003

Saliba O, Garbin CAS, Garbin AJI, Dossi AP. Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Rev Saúde Pública [Internet]. 2007 Jun [acesso 2019 Mar 25];41(3):472-7. https://doi.org/10.1590/S0034-89102007000300021

Moreira TNF, Martins CL, Feuerwerker LCM, Schraiber LB. A construção do cuidado: o atendimento às situações de violência doméstica por equipes de Saúde da Família. Saúde Soc [Internet]. 2014 Set [acesso 2019 Mar 25];23(3):814-27. https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000300007

Osis MJD, Duarte GA, Faúndes A. Violência entre usuárias de unidades de saúde: prevalência, perspectiva e conduta de gestores e profissionais. Rev Saúde Pública [Internet]. 2012 Abr [acesso 2019 Mar 25];46(2):351-8. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012005000019

Gonçalves HS, Ferreira AL. A notificação da violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes por profissionais de saúde. Cad Saúde Pública [Internet]. 2002 Fev [acesso 2019 Mar 25];18(1):315-9. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2002000100032

Presidência da República (BR). Lei 10.778, de 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. Brasília: Diário Oficial da União; 2003 [acesso 2019 Mar 25]; [Internet]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.778.htm

Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução COFEN No 564/2017. O Conselho Federal de Enfermagem – Cofen, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 5.905, de 12 de julho de 1973, e pelo Regimento da Autarquia, aprovado pela Resolução Cofen nº 421, de 15 de fevereiro de 2012. Brasília: COFEN; 2017 [acesso 2019 Mar 25]; [Internet]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-5642017_59145.html

Conselho Federal de Medicina (CFM). Código de Ética Médica: Resolução CFM 1931 de 17 de setembro de 2009. Brasília: Conselho Federal de Medicina; 2010 [acesso 2019 Mar 25]; [Internet]. Disponível em: https://portal.cfm.org.br/images/stories/biblioteca/codigo de etica medica.pdf

Conselho Federal de Psicologia (CFP). Código de Ética Profissional do Psicólogo. Brasília: Conselho Federal de Psicologia; 2005 [acesso 2019 Mar 25]; [Internet]. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf

Conselho Federal de Farmácia (CFF). Código de Ética da Profissão Farmacêutica. Resoluções do CFF Nº 417, 418/2004 e 431/2005. Brasília: Conselho Federal de Farmácia; 2005 [acesso 2019 Mar 25]; [Internet]. Disponível em: http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/76/08-codigodeetica.pdf

Conselho Federal de Serviço Social (CFSS). Código de Ética do/a Assistente Social. Lei 8662/93 de Regulamentação da Profissão. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social; 2012 [acesso 2019 Mar 25]; [Internet]. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf

Conselho Federal de Odontologia (CFO). Código de Ética Odontológica. Aprovado pela Resolução CFO-118/2012. Brasília: Conselho Federal de Conselho Federal de Odontologia; 2013 [acesso 2019 Mar 25]; [Internet]. 2013. Disponível em: http://www.normaslegais.com.br/legislacao/resolucao-cfo-118-2012.htm

Signorelli MC, Auad D, Pereira PPG. Violência doméstica contra mulheres e a atuação profissional na atenção primária à saúde: um estudo etnográfico em Matinhos, Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2013 Jun [acesso 2019 Mar 25];29(6):1230-40. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2013000600019

Minayo MCS. Violência social sob a perspectiva da saúde pública. Cad Saúde Pública [Internet]. 1994 Jan [acesso 2019 Mar 25];10(Suppl 1):S7-18. https://doi.org/10.1590/S0102-311X1994000500002

Fontanella BJB, Campos CJG, Turato ER. Data collection in clinical-qualitative research: use of non-directed interviews with open-ended questions by health professionals. Rev Lat Am Enferm [Internet]. 2006 Out [acesso 2019 Mar 25];14(5):812-20. https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000500025

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 Jan [acesso 2019 Mar 25];24(1):17-27. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad Saúde Pública [Internet]. 2011 Fev [acesso 2019 Mar 25];27(2):388-94. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011000200020

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2010.

Silva EB, Padoin SMM, Vianna LAC, Silva EB, Padoin SMM, Vianna LAC. Women in situations of violence: limits of assistance. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2015 Jan [acesso 2019 Mar 25];20(1):249-58. https://doi.org/10.1590/1413-81232014201.21202013

Hasse M, Vieira EM. Como os profissionais de saúde atendem mulheres em situação de violência? Uma análise triangulada de dados. Saúde Debate [Internet]. 2014 [acesso 2019 Mar 25];38(102):482-93. https://doi.org/10.5935/0103-1104.20140045

Moreira SNT, Galvão LLLF, Melo COM, Azevedo GD. Violência física contra a mulher na perspectiva de profissionais de saúde. Rev Saúde Pública [Internet]. 2008 Out [acesso 2019 Mar 25];42(6):1053-9. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008005000058

Andrade JO, Castro SS, Heitor SFD, Andrade WP, Atihe CC. Indicators of violence against women according to the reports of health services in the state of minas Gerais-Brazil. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2016 Out [acesso 2019 Abr 12];25(3):e2880015. https://doi.org/10.1590/0104-07072016002880015

Kind L, Orsini MLP, Nepomuceno V, Gonçalves L, Souza GA, Ferreira MFF. Subnotificação e (in)visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública [Internet]. 2013 Set [acesso 2019 Mar 25];29(9):1805-15. https://doi.org/10.1590/0102-311X00096312

Cortizo M del C, Goyeneche PL. Judiciarização do privado e violência contra a mulher. Rev Katálysis [Internet]. 2010 Jun [acesso 2019 Mar 26];13(1):102-9. https://doi.org/10.1590/S1414-49802010000100012

Presidência da República (BR). Decreto-lei No 2848, de 7 de dezembro de 1940. Brasília: Diário Oficial da União; 1940 [acesso 2019 Mar 25]; [Internet]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm

Ministério da Saúde (BR). Aspectos Jurídicos do Atendimento às Vítimas de Violência Sexual: Perguntas e Respostas para Profissionais de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011 [acesso 2019 Mar 25]; [Internet]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/aspectos_juridicos_atendimento_vitimas_violencia_2ed.pdf

Spangaro J. What is the role of health systems in responding to domestic violence? An evidence review. Aust Heal Rev. 2017;41(6):639-45. https://doi.org/10.1071/AH16155

Almeida LR, Silva ATMC, Machado LS. O objeto, a finalidade e os instrumentos do processo de trabalho em saúde na atenção à violência de gênero em um serviço de atenção básica. Interface (Botucatu) [Internet]. 2014 [acesso 2019 Mar 25];18(48):47-60. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0560

Bonfim EG, Lopes MJM, Peretto M. Os registros profissionais do atendimento pré-natal e a (in)visibilidade da violência doméstica contra a mulher. Esc Anna Nery [Internet]. 2010 Mar [acesso 2019 Mar 25];14(1):97-104. https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000100015

Fontanella BJB, Magdaleno Júnior R. Saturação teórica em pesquisas qualitativas: contribuições psicanalíticas. Psicol Estud [Internet]. 2012 Mar [acesso 2019 Mar 25];17(1):63-71. https://doi.org/10.1590/S1413-73722012000100008

Publicado
2019-11-29
Como Citar
Leite, A. de C., & Fontanella, B. J. B. (2019). Violência doméstica contra a mulher e os profissionais da APS. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 14(41), 2059. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2059
Seção
Artigos de Pesquisa