“A sua consulta tem cor?” Incorporando o debate racial na Medicina de Família e Comunidade

um relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2255

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Medicina de Família e Comunidade, População Negra, Racismo.

Resumo

A Atenção Primária à Saúde (APS), a medicina e, em especial a Medicina de Família e Comunidade, sob a perspectiva do mito da democracia racial, contribuem para o racismo institucional na saúde, à medida em que silenciam e invisibilizam as iniquidades em saúde vivenciadas pela população negra brasileira e os impactos do racismo no processo de saúde e adoecimento. Este artigo traz o relato de experiência da construção e aplicação de uma oficina, intitulada “A sua consulta tem cor?”, que objetiva promover debate sobre a saúde da população negra entre profissionais de saúde da APS e estudantes de medicina, com o intuito de sensibilização ao  tema e promoção de uma prática de cuidado antirracista. Com a construção e aplicação da oficina, foi possível perceber a falta de conhecimento dos participantes sobre como reconhecer e abordar situações de racismo na prática da APS. Como potencialidades, a oficina promoveu sensibilização e reflexão crítica sobre a importância de abordar a temática racial, possibilitou o protagonismo e representatividade de profissionais de saúde e estudantes de medicina negros na facilitação dos grupos, promoveu espaços institucionais para o debate do tema e formou novos facilitadores para estimular a multiplicação da oficina nos mais diversos cenários. Como desafios, a falta de interesse no tema por parte de gestores e instituições torna a abordagem do tema incerta e dependente da vontade e comprometimento de um ou outro indivíduo. Além disso, a oficina aborda múltiplos temas, mas não encerra a necessidade de seguir e aprofundar a discussão sobre os impactos do racismo na saúde da população negra brasileira. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rita Helena Borret, Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro / Universidade Estácio de Sá - Rio de Janeiro / Escola Nacional de Saúde Pública - FIOCRUZ

NegreX, GT SPN, AMFaC-RJ

Referências

(1) Garaeis VH. A história da escravidão negra no Brasil. Portal Geledés [Internet]. 2012 Jul. Disponível em: www.geledes.org.br

(2) Freyre G. Casa grande & senzala. Rio de Janeiro (RJ): José Olympio; 1969.

(3) Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Portaria nº 992, de 13 de maio de 2009. Institui a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. Diário Oficial União, Brasília (DF), 13 mai 2009.

(4) Senado Federal (BR). Secretaria de Editoração e Publicações. Coordenação de Edições Técnicas. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. Brasília (DF): Senado Federal; 2016.

(5) Lopes F. Experiências desiguais ao nascer, viver, adoecer e morrer: tópicos em saúde da população negra no brasil. In: Seminário Nacional de Saúde da População Negra. Brasília, Distrito Federal, 18-20 ago 2004. Brasília (DF): Ministério da Saúde/Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial; 2004.

(6) Perpétuo IHO. Raça e acesso às ações prioritárias na agenda de saúde reprodutiva. Jornal da Rede Feminista de Saúde. 2000 Jun;22:10-6.

(7) Giovanetti MR, Santos NJS, Westin CP, Darré D, Gianna MC. A implantação do quesito cor/raça nos serviços de DST/Aids no Estado de São Paulo. Saúde Soc. 2007 Ago;16(2):163-70.

(8) Jones CP. Confronting institutionalized racism. Phylon. 2002;50(1-2):7-22.

(9) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Indicadores de Vigilância em Saúde, analisados segundo a variável raça/cor. Brasília (DF): Ministério da Saúde. 2015;46(10):1-35.

(10) Jaccoud L, Silva J, Soares S, Rosa W. Igualdade racial. In: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ed. Políticas sociais – acompanhamento e análise no 16, 2008. Brasília (DF): Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); 2008 Nov;(16). No prelo.

(11) Instituto da Mulher Negra (Geledés). Centro Feminista de Estudos e Assessoria (CFEMEA). Guia de enfrentamento do racismo institucional. São Paulo (SP): Ibraphel Gráfica; 2013.

(12) Paixão M, Rossetto I, Montovanele F, Carvano LM. Relatório anual das desigualdades raciais no Brasil; 2009-2010. Constituição cidadã, seguridade social e seus efeitos sobre as assimetrias de cor ou raça. Rio de Janeiro (RJ): Garamond Universitária; 2014.

(13) Carmichael S, Ture K, Hamilton CS. Black power: the politics of liberation. New York (NY): Vintage Books; 1967.

(14) Werneck J. Racismo institucional e saúde da população negra. Saúde Soc. 2016;25(3):535-49.

(15) Theophilo RL, Rattner D, Pereira EL. Vulnerabilidade de mulheres negras na atenção ao pré-natal e ao parto no SUS: análise da pesquisa da Ouvidoria Ativa. Ciênc Saúde Coletiva. 2018 Nov;23(11):3505-16.

(16) Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme Filha MM, Costa JV, et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saúde Pública. 2014;30(Supl 1):S85-S100.

(17) Marinho A, Cardoso SS, Almeida VV. Desigualdade de transplantes de órgãos no Brasil: análise do perfil dos receptores por sexo e raça/cor. Brasília (DF): Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); 2011.

(18) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Universidade de Brasília, Observatório de Saúde de Populações em Vulnerabilidade. Óbitos por suicídio entre adolescentes e jovens negros 2012 a 2016. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2018.

(19) Buss PM, Pellegrini Filho A. Iniquidades em saúde no Brasil, nossa mais grave doença: comentários sobre o documento de referência e os trabalhos da Comissão Nacional sobre determinantes sociais da saúde. Cad Saúde Pública. 2006 Set;22(9):2005-8.

(20) Matos CC, Tourinho FS. Saúde da população negra: percepção de residentes e preceptores de Saúde da Família e Medicina de Família e Comunidade. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018;13(40):1-12.

(21) Hone T, Rasella D, Barreto ML, Majeed A, Millet C. Association between expansion of primary healthcare and racial inequalities in mortality amenable to primary care in Brazil: a national longitudinal analysis. PLoS Med. 2017 Mai;14(5):e1002306.

(22) Ayres JRCM. Sujeito, intersubjetividade e práticas de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2001;6(1):63-72.

(23) Senna DM, Lima TF. Saúde da população negra na atenção primária à saúde: a questão da violência. In: Batista LE, Werneck J, Lopes F, orgs. Saúde da população negra. Petrópolis (RJ): DP et Alii; 2012. p. 153-71.

(24) Allen J, Gay B, Crebolder H, Heyrman J, Svab I, Ram P. Evans P, eds. A definição europeia de medicina geral e familiar (clínica geral/medicina familiar). Ljubljana, Slovenia: WONCA Europa; 2002.

(25) Lermen Junior N. Currículo baseado em competências para medicina de família e comunidade. Rio de Janeiro (RJ): Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC); 2015.

(26) Silva MF, Souza PGA. Luta, resistência e transformação na medicina: um quilombo chamado NegreX. In: Canavese D, Soares EO, Bairros F, Polidoro M, Rosado RM, orgs. Equidade étnicorracial no SUS: pesquisas, reflexões e ações em saúde da população negra e dos povos indígenas. Série: Atenção Básica e Educação na Saúde [Internet]. Porto Alegre (RS): Editora Rede Unida; 2018; [acesso em 2019 Out 12]; 15:128-37. Disponível em: http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/serie-atencao-basica-e-educacao-na-saude/equidade-etnicorracial-no-sus-web

(27) Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC). Grupo de Trabalho em Saúde da População Negra (GT-SPN). Ata de fundação e eixos/objetivos [Internet]. Curitiba (PR): SBMFC/GT-SPN; 2017 Nov; [acesso em 2020 Mai 18]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/wp-content/uploads/media/file/GT%20SPN%20-%20Ata%20alterada%20(2).pdf

(28) Cineclube Atlântico Negro. Anamnese [animação/vídeo]. Rio de Janeiro (RJ): Cineclube Atlântico Negro; 2016 Nov; [acesso em 2019 Out 12]. Disponível em: https://vimeo.com/193686465

(29) McWhinney IR, Freeman T. Manual de medicina de família e comunidade. 3ª ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2010.

(30) Twine FW. A white side of black Britain: the concept of racial literacy. Ethn Racial Stud. 2004;27(6):878-907.

(31) Schucman LV. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana [tese]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo (USP)/Instituto de Psicologia - Psicologia Social; 2012.

(32) Monteiro MCS. Desafios da inclusão da temática étnico-racial na educação permanente em saúde. In: Batista LE, Werneck J, Lopes F, orgs. Saúde da população negra. Coleção negras e negros: pesquisas e debates. 2ª ed. Petrópolis (RJ): Ministério da Saúde; 2012. p. 142-52.

(33) Scheffer M, Cassenote A, Guilloux AGA, Miotto BA, Mainardi GM. Demografia médica no Brasil 2018. São Paulo (SP): FMUSP/CFM/CREMESP; 2018.

Downloads

Publicado

2020-11-18

Como Citar

1.
Borret RH, Silva MF da, Jatobá LR, Vieira RC, Oliveira DOPS de. “A sua consulta tem cor?” Incorporando o debate racial na Medicina de Família e Comunidade : um relato de experiência. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 18º de novembro de 2020 [citado 17º de outubro de 2021];15(42):2255. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2255

Edição

Seção

Relatos de Experiência