Gravidez na adolescência e violência doméstica no contexto da atenção primária à saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2401

Palavras-chave:

Gravidez na adolescência, Atenção Primária à Saúde, Gênero e Saúde, Violência Doméstica, Vulnerabilidade Social.

Resumo

Introdução: A gravidez na adolescência tem ainda alta incidência no Brasil, mesmo após grande redução nas últimas décadas, e pode estar relacionada a situações de vulnerabilidade social e de violência doméstica. A Estratégia de Saúde da Família (ESF) é fundamental na atenção à saúde do adolescente, entretanto tem se mostrado pouco atuante no enfrentamento das violências nessa faixa etária. Objetivo: Este estudo objetivou descrever o perfil socioeconômico e identificar características materno-fetais e situações de vulnerabilidade social das jovens com histórico de gravidez na adolescência, analisando possíveis associações com a ocorrência de violência doméstica.Metodologia: Trata-se de estudo transversal, com entrevista de 100 adolescentes entre 13 e 19 anos com histórico de gravidez em 2018 de bairro pobre de Fortaleza - CE. Foi aplicado questionário com 57 questões e as variáveis analisadas foram as relacionadas ao perfil sociodemográfico, ao seguimento do pré-natal, ao nascimento da criança e à exposição à violência doméstica durante a gestação. Foram realizados teste qui-quadrado (χ2) e Odds Ratio (OR) na análise. Resultados: A idade média das entrevistadas foi 17,5 anos (dp=1,65). A renda familiar média foi 1,18 salário-mínimo (dp=0,83), 91% eram negras ou pardas, 57% estavam em união consensual e 18% tinham emprego. Com relação à escolaridade, 71% haviam interrompido os estudos, sendo que 46,5% delas o fez antes da primeira gravidez e 35,2% pararam de estudar depois de engravidar. No seguimento de pré-natal, 96,3% realizaram pelo menos uma consulta, 62,1% iniciaram no primeiro trimestre e 69,1% realizaram 6 ou mais consultas. Dentre as crianças, 7,6% e 6,4% nasceram prematuras e com baixo peso respectivamente. A porcentagem de violência doméstica foi 26% e o principal agressor foi o companheiro. Sofrer violência doméstica teve associação estatisticamente significativa com baixa escolaridade (OR 4,06; IC95% 1,27-12,97), menor idade materna (OR 4,2; IC95% 1,43-12,32) e “história de internação de recém-nascido” (OR 3,83; IC95% 1,34-10,95). Conclusão: As mães adolescentes estavam inseridas em contexto de vulnerabilidade social e parte considerável foi vítima de violência durante a gestação, situação associada à baixa escolaridade e menor idade da adolescente. As consequências negativas para saúde do recém-nascido foram mais frequentes em situações de violência. Notou-se que as adolescentes tiveram boa frequência no pré-natal e isso pode ter influenciado positivamente os desfechos obstétricos e neonatais. A gestação é, muitas vezes, o primeiro contato dessa jovem com o serviço de saúde e acesso à assistência pré-natal na ESF pode reduzir complicações materno-infantis e auxiliar na identificação da violência doméstica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

(1) World Health Organization. WHO recommendations on adolescent sexual anda reproductive health and rights. WHO. 2018.

(2) United Nations Population Fund. UNFPA. Situação da População Mundial 2019. Um trabalho inacabado: a busca por direitos e escolhas para todos e todas. 2019. Disponível em: <https://brazil.unfpa.org/pt-br/publications/situacao-da-populacao-mundial-2019>. Acesso em: agosto de 2019.

(3) Bárbara Câmara. Mais de 4 mil crianças em Fortaleza nasceram de mães com idade entre 10 e 19 anos em 2019 [Internet]. Ceará:G1: [atualizado em 2020 Jan. 11; citado em 2020 Jul. 15]. Disponível em: <https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2020/01/11/mais-de-4-mil-criancas-em-fortaleza-nasceram-de-maes-comidade-entre-10-e-19-anos-em-2019.ghtml>.

(4) Heilborn ML, Salem T, Rohden F, Brandão E, Knauth D, Víctora C, et al. Aproximações socioantropológicas sobre a gravidez na adolescência. Horiz Antropológicos. junho de 2002;8(17):13–45.

(5) Aquino, Estela Maria L. de et al. Adolescência e reprodução no Brasil : a heterogeneidade dos perfis sociais. Cad Saúde Pública. 2003;19 (Supl 2):377-88.

(6) Ambromoway, Miriam, et al. Juventude, violência e Vulnerabilidade Social na América Latina; desafios para políticas públicas. Brasília. UNESCO. BID. 2002. 192 p.

(7) Vieira Netto MF, Deslandes SF. As Estratégias da Saúde da Família no enfrentamento das violências envolvendo adolescentes. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(5):1583-96.

(8) Macedo CM, Miura PO, Barrientos DMS, Lopes GA, Egry EY. Coping strategies for domestic violence against pregnant female adolescents: integrative review. Rev Bras Enferm. 2018;71(suppl 1):693-699.

(9) Minayo MC de S, Assis SG de, Njaine K, organizadores. Amor e violência: um paradoxo das relações de namoro e do “ficar” entre jovens brasileiros. Rio de Janeiro, RJ: Editora Fiocruz; 2011. 236 p.

(10) Gomes NP, Diniz NMF, Araújo AJS, Coelho TMF. Compreendendo a violência doméstica a partir das categorias gênero e geração. Acta Paul Enferm. 2007;20(4):504-8.

(11) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. PNUD. Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. IPEA. Fundação João Pinheiro. Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil de 2013. 2013. Disponível em: <http://www.atlasbrasil.org.br/2013/>. Acesso em: julho de 2019.

(12) R Core Team (2019) R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. URL https://www.R-project.org/.

(13) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Indicadores Sociais do Ceará. Fortaleza. IPECE. 2018. Disponível em:< https://www.ipece.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/45/2019/01/Indicadores_Sociais_2017.pdf>. Acesso em: julho de 2019.

(14) Vieira EM, Bousquat A, Barros CRDS, Alves MCGP. Adolescent pregnancy and transition to adulthood in young users of the SUS. Rev Saúde Pública 2017;51:1-11.

(15) Marino, Jennifer L; Lewis, Lucy N; Bateson, Deborah; Hickey, Martha and Skinner, SRachel. Teenage mothers [online]. Australian Family Physician, Vol. 45, No. 10, Oct 2016: 712-717.

(16) Brandão ER. Gravidez na adolescência: um balanço bibliográfico. In: Heilborn ML, Aquino EML, Knauth D, Bozon M, organizadores. O aprendizado da sexualidade: um estudo sobre reprodução e trajetórias sociais de jovens brasileiros. Rio de Janeiro: Garamond; 2006.

(17) Leite, V. Sexualidade Adolescente como direito? A visão de formuladores de políticas públicas. Rio de Janeiro. Editora Eduerj. 2013. Coleção Sexualidade, gênero e sociedade.

(18) Brito, M. B., Alves, F. S. S., Souza, M. Q., & Requião, S. R. (2018). Low Level of Knowledge of Contraceptive Methods among Pregnant Teens in Brazil. Journal of Pediatric and Adolescent Gynecology, 31(3), 281–284.

(19) Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN da, Theme Filha MM, Costa JV da, et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saúde Pública. agosto de 2014;30(suppl 1):S85–100.

(20) Varela PLR, Oliveira RR, Melo EC, Mathias TAF. Pregnancy complications in Brazilian puerperal women treated in the public and private health systems. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2017;25:e2949.

(21) Silva PC, Barbosa TLSM, Farias RAR, Lopes MLH, Silva EL, Nunes FBBF. Influence of maternal age in perinatal conditions in live births of São Luís, Maranhão. Rev Fun Care Online. 2020 jan/dez; 12:292-299.

(22) Karataşlı V, Kanmaz AG, İnan AH, Budak A, Beyan E. Maternal and neonatal outcomes of adolescent pregnancy. J Gynecol Obstet Hum Reprod. 2019;48(5):347-350.

(23) Farias RV, SoaresCFS e, AraújoR da S, AlmeidaVRS de, LeitãoD de S, SantosJS dos, Santos LS, NogueiraSD de A, Morais AC, Oliveira CBF. Gravidez na adolescência e o desfecho da prematuridade: uma revisão integrativa de literatura. REAS [Internet]. 13ago.2020 [citado 18out.2020];(56):e3977.

(24) Global Breastfeeding Collective (2017). Nurturing the health and wealth of nations: The investment case for breastfeeding. UNICEF/WHO/1000 days/Alive & Thrive.

(25) Wang, C S, Chou, P. Characteristics of males who father babies born to adolescents versus older adult women in Taiwan. Journal of Adolescent Health 2001; 28: 509–512.

(26) Bamishigbin ON Jr, Dunkel Schetter C, Stanton AL. The antecedents and consequences of adolescent fatherhood: A systematic review. Soc Sci Med. 2019;232:106-119.

(27) Camargo, N. F. et al. Adolescentes grávidas vítimas de violência: um desafio a ser enfrentado na Atenção Básica TT - Pregnant adolescents victims of violence: a challenge to be faced in primary care. BIS. Boletim do Instituto de Saúde. 2017; 2(17):29–36.

(28) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a política nacional de atenção básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da atenção básica, no âmbito do sistema único de saúde (SUS). Diário Oficial da União. 22 Set 2017.

Downloads

Publicado

2021-07-15

Como Citar

1.
Aguiar CM, Gomes KWL. Gravidez na adolescência e violência doméstica no contexto da atenção primária à saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 15º de julho de 2021 [citado 3º de dezembro de 2021];16(43):2401. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2401

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa