Avaliação da satisfação e resolubilidade da plataforma telessaúde redes no estado do Pará, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2411

Palavras-chave:

Telemedicina, Telemonitoramento, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Introdução: As tecnologias da informação modernizaram diversos ramos de atuação humana, inclusive a medicina. Nesse contexto, surge a telemedicina como um avanço das tecnologias de comunicação aplicadas nessa área. No Brasil, o Telessaúde é uma ferramenta da telemedicina a serviço da saúde pública e funciona com o propósito de elevar a resolubilidade da Atenção Primária à Saúde (APS). No Pará, Norte do Brasil, o núcleo Telessaúde presta assistência aos 144 municípios do estado. Objetivo: Avaliar a resolubilidade dos casos enviados por teleconsultorias e a satisfação dos profissionais solicitantes no Telessaúde Redes Núcleo Pará, de 2015 a 2019. Métodos: Foi realizado um estudo observacional, transversal e quantitativo de série histórica, no qual se consultou a plataforma Telessaúde para verificação dos dados sobre resolubilidade, satisfação profissional e status de utilização do serviço, com base em perguntas geradas automaticamente na plataforma. Resultados: Verificou-se que a resolubilidade variou ao longo dos anos com 45,6 a 70% de referenciamentos evitados, demonstrando-se relativamente pouco variável. Já a satisfação dos profissionais usuários demonstrou-se elevada, variando de 77,9 a 95,45%, estando os solicitantes majoritariamente “satisfeitos” ou “muito satisfeitos” com o serviço. Conclusões: Os dados sugerem a relevância do programa no que tange ao apoio à APS, com efeitos diversos na saúde pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Taiane do Socorro Silva Natividade, Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.

  • Fisioterapeuta, graduada pela Universidade Federal do Pará.
  • Aperfeiçoamento em Fisioterapia Respiratória Ambulatorial pela Universidade Federal do Pará/Hospital Universitário João de Barros Barreto.
  • Atualmente é acadêmica de graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Pará, realizando pesquisas no âmbito de telemedicina.

Michelle Amaral Gehrke, Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.

  • Acadêmica do curso de Medicina na Universidade do Estado do Pará, realiza pesquisas na área da telemedicina.

Paola dos Santos Dias, Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.

  • Acadêmica de medicina na Universidade do Estado do Pará, monitora do Núcleo Telessaúde Redes Pará.

Paula Yasmin Camilo Coelho, Centro Universitário Metropolitano da Amazônia – Belém (PA), Brasil.

  • Atualmente é acadêmica de graduação em Medicina no Centro Universitário da Amazônia (CEUMA)

Patrícia Oliveira Bezerra, Centro Universitário Metropolitano da Amazônia – Belém (PA), Brasil.

  • Atualmente é acadêmica de graduação em Medicina no Centro Universitário da Amazônia (CEUMA).

Ana Carla Carvalho de Magalhães, Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.

  • Odontologa.
  • Professora adjunto da Universidade Federal do Para.
  • Possui mestrado em Ciências pela fundação Oswaldo Cruz - Rio de janeiro. Com área de atuação em Saúde coletiva, Epidemiologia, Educação em Saúde.
  • Atuando como coordenadora de campo do Núcleo Telessaúde Redes Pará.

Napoleão Braun Guimarães, Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.

  • Médico graduado pela Universidade Federal do Pará.
  • Professor na Universidade do Estado do Pará no departamento de Saúde comunitária, com área de atuação em Medicina de Família e Comunidade.
  • Atua como coordenador do Núcleo Telessaúde Redes Para.

Referências

(1) Organização Mundial de Saúde. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde. Declaração de Alma-Ata. Alma-Ata, URSS, 6-12 de setembro de 1978. Disponível em: https://web.archive.org/web/20090419121612/http://www.opas.org.br/coletiva/uploadArq/Alma-Ata.pdf

(2) Brasil. Ministério da Saúde. 8a Conferência Nacional de Saúde. Brasília: Centro de Documentação do Ministério da Saúde; 1986. Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/cns/pdfs/8conferencia/8conf_nac_anais.pdf

(3) Mayema MA, Jasper CH, Nilson LG, Dolny LL, Cutolo LRA. Health promotion as technology for social transformation. Revista Brasileira de Tecnologias Sociais 2015;2(2):129-43. https://doi.org/10.14210/rbts.v2.n2.p129-143 DOI: https://doi.org/10.14210/rbts.v2n2.p129-143

(4) Whitten P, Holtz B. Provider utilization of telemedicine: the elephant in the room. Telemed J E Health 2008;14(9):995-7. https://doi.org/10.1089/tmj.2008.0126 DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2008.0126

(5) Wootton R. Telemedicine support for the developing world. J Telemed Telecare 2008;14 (3):109-14. https://doi.org/10.1258/jtt.2008.003001 DOI: https://doi.org/10.1258/jtt.2008.003001

(6) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Telessaúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

(7) Brasil. Ministério da Saúde. Programa Telessaúde Brasil para apoio à Estratégia de Saúde da Família no Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

(8) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Apresentação da produção de atividades dos Núcleos de Telessaúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

(9) Forbes RC, Rybacki DB, Johnson TB, Hannah-Gillis A, Shaffer D, Hale DA. A cost comparison for telehealth utilization in the kidney transplant waitlist evaluation process. Transplantation 2018;102(2):279-83. https://doi.org/10.1097/TP.0000000000001903 DOI: https://doi.org/10.1097/TP.0000000000001903

(10) Fragidis LL, Chatzoglou PD. Implementation of a nationwide electronic health record (EHR). Int J Health Care Qual Assur 2018;31(2):116-30. https://doi.org/10.1108/IJHCQA-09-2016-0136 DOI: https://doi.org/10.1108/IJHCQA-09-2016-0136

(11) Hofmeyer J, Leider JP, Satorius J, Tanenbaum E, Basel D, Knudson A. Implementation of telemedicine consultation to assess unplanned transfers in rural long-term care facilities, 2012–2015: a pilot study. J Am Med Dir Assoc 2016;17(11):1006-10. https://doi.org/10.1016/j.jamda.2016.06.014 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jamda.2016.06.014

(12) Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de informática do Sistema Único de Saúde. Informações de saúde, epidemiológicas e morbidade: banco de dados. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

(13) Organizacion Panamericana de la Salud. Informe Dawson sobre el futuro de los servicios médicos y afines, 1920. Washington: Organizacion Panamericana de la Salud; 1964. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/1133/42178.pdf?sequence=1&isAllowed=y

(14) Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0253.pdf

(15) Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Asuntos Jurídicos. Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

(16) Harzheim E, Gonçalves MR, Umpierre RN, Siqueira ACS, Katz N, Agostinho MR, et al. Telehealth in Rio Grande do Sul, Brazil: bridging the gaps. Telemed J E Health 2016;22(11):938-44. https://doi.org/10.1089/tmj.2015.0210 DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2015.0210

(17) Godoy SCB, Guimarães EMP, Assis DSS. Avaliação da capacitação dos enfermeiros em unidades básicas de saúde por meio da telenfermagem. Esc Anna Nery 2014;18(1):148-55. http://doi.org/10.5935/1414-8145.20140022 DOI: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20140022

(18) Castro Filho ED, Harzheim E, Schmitz CAA, Siqueira AC. Telessaúde para atenção primária. In: Gusso G, Lopes, JMC (orgs.). Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 395-403.

(19) Schmitz CAA. Telessaúde como suporte assistencial para a Atenção Primária à Saúde no Brasil [tese de doutorado]. Rio Grande do Sul: Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2015.

(20) Barbosa AF. Banda larga no Brasil: um estudo sobre a evolução do acesso e da qualidade das conexões à internet. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil; 2018.

(21) Fernandes MM. Desenvolvimento de modelo de gestão de tecnologias no Instituto Nacional de Câncer [dissertação de mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2009.

(22) Maeyama MA, Calvo MCM. The Integration of telehealth in regulation centrals: the teleconsulting as a mediator between primary care and specialized care. Rev Bras Educ Med 2018;42(2):63-72. http://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n2rb20170125 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n2rb20170125

(23) Mendes EV. A construção social da atenção da Atenção Primária à saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde; 2015.

(24) Cifuentes C, Romero E, Godoy J. Design and implementation of a telemedicine primary-level hospital and low-cost system to reduce unnecessary patient transfers. Telemed J E Health 2017;23(6):521-6. https://doi.org/10.1089/tmj.2016.0180 DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2016.0180

(25) Spaulding R, Belz N, DeLurgio S, Williams AR. Cost savings of telemedicine utilization for child psychiatry in a rural Kansas community. Telemed J E Health 2010;16(8):867-71. https://doi.org/10.1089/tmj.2010.0054 DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2010.0054

(26) Department of Health & Human Services. Telehealth services. Rural health fact sheet series. Centers for Medicare & Medicaid Services; 2014. Disponível em: https://telepsychiatry.ecu.edu/wp-content/pv-uploads/sites/350/2020/09/telehealth-services-fact-sheet.pdf

(27) Kahn JM, Le TQ, Barnato AE, Hravnak M, Kuza CC, Pike F, et al. ICU telemedicine and critical care mortality: a national effectiveness study. Med Care 2016;54(3):319-25. https://doi.org/10.1097/MLR.0000000000000485 DOI: https://doi.org/10.1097/MLR.0000000000000485

(28) Ferreira IG, Godoi DF, Perugini ER, Lancini AB, Zonta R. Teledermatologia: uma interface entre a atenção primária e atenção especializada em Florianópolis. Rev Bras Med Fam Comunidade 2019;14(41):e2003. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2003 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2003

(29) Morley JE. Telemedicine: coming to nursing homes in the near future. J Am Med Dir Assoc 2016;17(1):1-3. https://doi.org/10.1016/j.jamda.2015.10.012 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jamda.2015.10.012

(30) Daras LC, Wang JM, Ingber MJ, Ormond C, Breg NW, Khatutsky G, et al. What are nursing facilities doing to reduce potentially avoidable hospitalizations? J Am Med Dir Assoc 2017;18(5):442-44. https://doi.org/10.1016/j.jamda.2017.02.007 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jamda.2017.02.007

(31) Oliveira GL, Cardoso CS, Ribeiro ALP, Caiaffa WT. Physician satisfaction with care to cardiovascular diseases in the municipalities of Minas Gerais: cardiosatis-TEAM scale. Rev Bras Epidemiol 2011;14(2):240-52. http://doi.org/10.1590/S1415-790X2011000200006 DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2011000200006

(32) Garcia-Barbero M. El valor educativo de la telemedicina. Educ Méd 2006;9(suppl 2):38-43. DOI: https://doi.org/10.33588/fem.9S02.50

(33) Andrade CSGC. Agentes comunitários de saúde e os desafios da educação permanente: reflexões sobre a experiência do programa telessaúde Brasil: núcleo Rio de Janeiro. J Bras Tele 2012;1(2):51-2. https://doi.org/10.12957/jbrastele.2012.6408 DOI: https://doi.org/10.12957/jbrastele.2012.6408

(34) Cunha IS. Educação permanente em saúde e planejamento estratégico situacional: o caso da Secretaria Estadual de Saúde do Piauí [dissertação de mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2009.

(35) Cunha NCH, Zilberman V, Sales MRM, Santucci LAC. A tecnologia audiovisual utilizada para informar e capacitar os trabalhadores da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. São Paulo: Secretaria Municipal de Saúde; 2011.

(36) Faria MGA, David HMSL. Telessaúde Brasil redes – núcleo Rio de Janeiro: a educação permanente no trabalho de enfermeiros da atenção básica. J Bras Tele 2012;1(1):23-4. https://doi.org/10.12957/jbrastele.2012.6402 DOI: https://doi.org/10.12957/jbrastele.2012.6402

(37) Rezende EJC, Melo MCB, Tavares EC, Santos AF, Souza C. Ética e telessaúde: reflexões para uma prática segura. Rev Panam Salud Pública 2010;28(1):58-65. DOI: https://doi.org/10.1590/S1020-49892010000700009

(38) Organização Pan-Americana da Saúde. Gestão do Conhecimento em Saúde no Brasil: avanços e perspectivas. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2009. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/34953/9788579670039_por.pdf?sequence=1&isAllowed=y

(39) Pessoa CG, Sousa L, Ribeiro AL, Oliveira TB, Silva JLP, Alkmim MBM, et al. Description of factors related to the use of the teleconsultation system of a large telehealth service in Brazil – the Telehealth Network of Minas Gerais. Journal of the International Society for Telemedicine and EHealth 2016;4(e4):1-9. Disponível em: https://journals.ukzn.ac.za/index.php/JISfTeH/article/view/133

(40) Oliveira DG, Frias PG, Vanderlei LCM, Vidal SA, Novaes MA, Souza WV. Análise da implantação do Programa Telessaúde Brasil em Pernambuco, Brasil: estudo de casos. Cad Saúde Pública 2015;31(11):2379-89. https://doi.org/10.1590/0102-311X00125914 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00125914

(41) Okoroafor IJ, Chukwuneke FN, Ifebunandu N, Onyeka TC, Ekwueme CO, Agwuna KK. Telemedicine and biomedical care in Africa: prospects and challenges. Niger J Clin Pract 2017;20(1):1-5. https://doi.org/10.4103/1119-3077.180065 DOI: https://doi.org/10.4103/1119-3077.180065

(42) Santos AF, D'Agostinho M, Bouskela MS, Fernandéz A, Messina LA, Alves HJ. Uma visão panorâmica das ações de telessaúde na América Latina. Rev Panam Salud Pública 2014;35(5/6):465-70.

Publicado

2021-12-29

Como Citar

1.
Natividade T do SS, Gehrke MA, Dias P dos S, Coelho PYC, Bezerra PO, Magalhães ACC de, Guimarães NB. Avaliação da satisfação e resolubilidade da plataforma telessaúde redes no estado do Pará, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 29º de dezembro de 2021 [citado 16º de maio de 2022];16(43). Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2411

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa