Telemedicina rural e COVID-19

ampliando o acesso onde a distância já era regra

Palavras-chave: Telemedicina, Saúde da População Rural, Medicina de Família e Comunidade, Atenção Primária à Saúde, COVID-19.

Resumo

Introdução: Diante da pandemia causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), evitar aglomerações e garantir o acesso aos serviços de saúde para aqueles que necessitam tem sido uma grande preocupação de profissionais e gestores. Na zona rural, as barreiras de acesso são ainda maiores. Métodos: Trata-se de relato de experiência da implantação de telemedicina via aplicativo de mensagens e chamadas por preceptor e residentes do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade de Ouro Preto, em uma Unidade Básica de Saúde rural. Após três semanas da introdução da ferramenta, foi gerado manualmente um banco de dados por meio do programa Microsoft Excel® 2016, com posterior análise estatística descritiva. Resultados: No período analisado houve 329 interações por meio do WhatsApp, uma média de 25,3 pessoas por dia. Todas as demandas foram atendidas no prazo máximo de 24 horas. As teleconsultas foram realizadas nos formatos de mensagem escrita, áudios e videochamadas. A demanda para renovação de prescrições de medicamentos de uso continuado correspondeu a 20% dos atendimentos e a solicitação para análise de resultados de exames 9%. Dúvidas administrativas representaram 22% dos contatos realizados. Setenta e quatro por cento das teleconsultas foram resolvidas virtualmente e em 26% dos casos foi necessária avaliação presencial. Houve uma percepção positiva em relação à satisfação dos pacientes atendidos virtualmente, de acordo com os relatos dos Agentes Comunitários de Saúde e por meio de mensagens recebidas diretamente pela equipe médica pelo aplicativo. Conclusão: O uso de aplicativo de mensagens e chamadas, como ferramenta de telemedicina, mostrou ser uma estratégia viável durante a pandemia de SARS-CoV-2, especialmente importante no meio rural. Outros estudos serão necessários para investigar seus impactos no sistema de saúde e nos desfechos relevantes para a população.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fábio Araujo Gomes de Castro, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Médico pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Residência em Medicina de Família e Comunidade pelo Hospital Metropolitano Odilon Behrens 

 Preceptor do Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade da Universidade Federal de Ouro Preto (PRMMFC-UFOP)

Referências

(1) World Health Organization (WHO). WHO releases guidelines to help countries maintain essential health services during the COVID-19 pandemic [Internet]. Geneva: WHO; 2020 Mar; [acesso em 2020 Abr 15]. Disponível em: https://www.who.int/news-room/detail/30-03-2020-who-releases-guidelines-to-help-countries-maintain-essential-health-services-during-the-covid-19-pandemic

(2) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Memórias da Saúde da Família no Brasil. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2010.

(3) Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): UNESCO/Ministério da Saúde; 2002.

(4) Landsberg G, Siqueira IOC, Pereira RPA. Primária: o essencial da atenção primária à saúde. Caratinga: FUNEC; 2012.

(5) Savassi LCM, Toneli BR, Santos AO, Pereira RPA. Saúde no caminho da roça. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2018.

(6) Scheil-Adlung X. Global evidence on inequities in rural health protection: new data on rural deficits in health coverage for 174 countries. Geneva: International Labour Organization; 2015.

(7) Gusso G, Lopes JM. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: princípios, formação e prática. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2019.

(8) Schmitz CAA, Gonçalves MR, Umpierre RN, Siqueira ACS, D’Ávila OP, Bastos CGM, et al. Teleconsulta: nova fronteira da interação entre médicos e pacientes. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-7. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1540 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1540

(9) Bashshur RL, Howell JD, Krupinski EA, Harms KM, Bashshur N, Doarn CR. The empirical foundations of telemedicine interventions in primary care. Telemed J e-Health. 2016 Apr;22(5):342-75. DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2016.0045 DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2016.0045

(10) Greenhalgh T, Wherton J, Shaw S, Morrison C. Video consultations for Covid-19. BMJ. 2020 Mar;368:m998. PMID: 32165352 DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.m998

(11) Greenhalgh T, Koh GCH, Car J. Covid-19: a remote assessment in primary care. BMJ. 2020 Mar;368:m1182. PMID: 32213507 DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.m1182

(12) Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 467, de 20 de março de 2020. Dispõe, em caráter excepcional e temporário, sobre as ações de Telemedicina, com o objetivo de regulamentar e operacionalizar as medidas de enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional previstas no art. 3º da Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, decorrente da epidemia de COVID-19. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 23 mar 2020: Edição: 56B: Seção 1 - Extra: 1.

(13) Lei n° 13.989, de 15 de abril de 2020 (BR). Dispõe sobre o uso da telemedicina durante a crise causada pelo coronavírus (SARS-CoV-2). Diário Oficial da União, Brasília (DF), 15 abr 2020. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2020/Lei/L13989.htm

(14) O’Sullivan DM, O’Sullivan E, O’Connor M, Lyons D, McManus J. WhatsApp Doc?. BMJ Innov. 2017;3:238-9. DOI: https://doi.org/10.1136/bmjinnov-2017-000239

(15) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS). Protocolo de manejo clínico do coronavírus (COVID-19) na Atenção Primária à Saúde [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2020 Mar; [acesso em 2020 Abr 10]; v.6. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/20200330_ProtocoloManejo_ver06_Final.pdf

(16) Vidal-Alaball J, Acosta-Roja R, Hernández NP, Luque US, Morrison D, Pérez SN, et al. Telemedicine in the face of the COVID-19 pandemic. Atención Primaria. 2020 Jun/Jul;52(6):418-22. DOI: https://doi.org/10.1016/j.aprim.2020.04.003 DOI: https://doi.org/10.1016/j.aprim.2020.04.003

(17) Orlando JF, Beard M, Kumar S. Systematic review of patient and caregivers’ satisfaction with telehealth videoconferencing as a mode of service delivery in managing patients’ health. PLoS ONE. 2019 Aug;14(8):e0221848. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0221848 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0221848

(18) Agha Z, Schapira RM, Laud PW, McNutt G, Roter DL. Patient satisfaction with physician–patient communication during telemedicine. Telemed J e-Health. 2009 Nov;15(9):830-9. DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2009.0030 DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2009.0030

(19) Harvey J, Powell J. Harnessing mobile devices to support the delivery of community-based clinical care: a participatory evaluation. BMC Med Inform Decis Mak. 2019 Jul;19(1):134. DOI: https://doi.org/10.1186/s12911-019-0869-x DOI: https://doi.org/10.1186/s12911-019-0869-x

(20) Stewart M. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

(21) Olson KE, O’Brien MA, Rogers WA, Charness N. Diffusion of technology: frequency of use for younger and older adults. Ageing Int [Internet]. 2011 Mar; [citado 2020 mar 05; 36(1):123-45. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22685360 DOI: https://doi.org/10.1007/s12126-010-9077-9

(22) Hart JT. The inverse care law. Lancet. 1971 Feb;297(7696):405-12. DOI: https://doi.org/10.1016/s0140-6736(71)92410-x DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(71)92410-X

Publicado
2020-06-24
Como Citar
Araujo Gomes de Castro, F., Oliveira dos Santos, Álisson, Valadares Labanca Reis, G., Brandão Viveiros , L., Hespanhol Torres, M., & de Oliveira Junior, P. P. (2020). Telemedicina rural e COVID-19: ampliando o acesso onde a distância já era regra. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 15(42), 2484. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2484
Seção
Relatos de Experiência