Experiência extensionista de estudantes de graduação em medicina inseridos no programa Mais Médicos para o Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2528

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Programa Mais Médicos para o Brasil, Educação em Saúde.

Resumo

Problema: As novas Diretrizes Curriculares Nacionais de Graduação em Medicina no Brasil propõem que os acadêmicos tenham contato com o sistema de saúde e seus usuários de forma precoce. No entanto, as atividades práticas na graduação mostraram-se insuficientes para o desenvolvimento adequado dessa nova perspectiva. Por conseguinte, as experiências de extensão universitária têm a proposta de preencher essa lacuna. Método: Este artigo objetivou relatar as experiências vivenciadas pelos bolsistas do Projeto de Extensão em Medicina de Família e Comunidade (ProMFC) no âmbito do Programa Mais Médicos para o Brasil (PMMB). Trata-se de estudo qualitativo, do tipo relato de experiência, com análise léxica e de conteúdo a partir do software IRaMutTeQ, versão 0.7 alpha 2, para estabelecer associação entre termos usados no discurso dos bolsistas do ProMFC. Resultados: Destacou-se a oportunidade de imersão em ambientes nos quais os estudantes podem conhecer as problemáticas e compartilhar o cotidiano da comunidade assistida. A troca de saberes e experiências entre estudantes, médicos atuantes na Atenção Primária à Saúde (bolsistas do PMMB, supervisores e tutores),  e gestores locais também foi relevante, assim como a possibilidade de os alunos desenvolverem/treinarem habilidades, como trabalho em equipe, comunicação assertiva e planejamento em saúde. Conclusão:  O PMMB, tutorado e integrado a um projeto de extensão, o Projeto de Extensão em Medicina de Família e Comunidade, mostrou-se como alternativa que, embora embrionária, tem inúmeras potencialidades, à medida que oportuniza aos extensionistas a inserção precoce na Atenção Primária à Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sarah Cavalcante Brandão, Faculdade de Medicina - Universidade Federal do Cariri

Médica pela Universidade Federal do Cariri. Pesquisadora em Educação Médica, Obesidade, Diabetes e Saúde Pública.

 

Sandra Barreto Fernandes Silva, Faculdade de Medicina - Universidade Federal do Cariri

Anestesiologista com experiência em “Dor”. É professora associada da Universidade Federal do Cariri. Tutor médico no “Programa Mais Médicos para o Brasil” e tem experiência em Educação Médica com ênfase em Extensão, Promoção da Saúde e Saúde Pública

Emmanuela Quental Callou de Sá , Faculdade de Medicina - Universidade Federal do Cariri

Endocrinologista com doutorado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo. É professora associada da Universidade Federal do Cariri. Tutor médico no “Programa Mais Médicos para o Brasil” e possui experiência em Educação Médica com ênfase em Extensão, Promoção da Saúde e Saúde Pública

Referências

(1) Lazarini WS, Sodré, F. O SUS e as políticas sociais: Desafios contemporâneos para a atenção primária à saúde. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade 2019; 14(41): 1904. Portuguese. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1904

(2) Liu J, Zhu B, Mao Y. Association between rural clinical clerkship and medical students’ intentions to choose rural medical work after graduation: A cross-sectional study in Western China. PloS one 2018; 13(4). PMID: 29608624 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0195266

(3) Zhu B, Hsieh CW, Mao Y. Addressing the Licensed Doctor Maldistribution in China: A Demand-And-Supply Perspective. International journal of environmental research and public health 2019; 16(10): 1753. PMID: 31108920 DOI: https://doi.org/10.3390/ijerph16101753

(4) Machado MH, Ximenes Neto FRG. Gestão da Educação e do Trabalho em Saúde no SUS: trinta anos de avanços e desafios. Ciência & Saúde Coletiva 2018; 23: 1971-1979. Portuguese. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.06682018

(5) Kaluf IDO, Sousa SGO, Luz S, Cesario RR. Sentimentos do Estudante de Medicina quando em Contato com a Prática. Revista Brasileira de Educação Médica 2019; 43(1): 13-22. Portuguese. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n1rb20180098

(6) Lurie N, Fremont A. Building bridges between medical care and public health. Jama 2019; 302(1): 84-86. DOI: https://doi.org/10.1001/jama.2009.959

(7) George E, Engel L. The clinical application of the biopsychosocial model. American Journal of Psychiatry 1980; 137(5): 535-544. DOI: https://doi.org/10.1176/ajp.137.5.535

(8) Ministério da Educação do Brasil, resolução n⁰ 3, de 20 de junho de 2014 [Internet]. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e de outras providências [mentioned as of May 12, 2020]. Available from: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15874-rces003-14&category_slug=junho-2014-pdf&Itemid=30192. Portuguese.

(9) Matias MCS. O desafio ético-estético-político do SUS para a formação médica: uma análise do Programa Mais Médicos [Internet]. Brasil: Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017 [mentioned as of May 12, 2020]; Available from: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/189123/PGSC0203-T.pdf?sequence=-1&isAllowed=y. Portuguese.

(10) Lima SVMA, Nunes J, Santos L, Silva G, Melo H, Chaves S. O programa mais médicos e a atenção básica no Brasil: uma revisão integrativa. Gestão e Sociedade 2017; 11(30): 1963-1975. Portuguese. DOI: https://doi.org/10.21171/ges.v11i30.2216

(11) Tempski PZ. Qualidade de Vida e Resiliência do Estudante de Medicina e da Escola Médica [Internet]. Brasil: Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018 [mentioned as of May 12, 2020]; Available from: http://www.fm.usp.br/cedem/conteudo/publicacoes/Qualidade_de_Vida_e_Resiliencia_do_Estudante_de_Medicina_e_da_Escola_Medica-compressed.pdf. Portuguese.

(12) Gonçalves Júnior J et al. Programa Mais Médicos: Analysis of the Impressions of the Actors Involved in Brazil. Journal of family medicine & community health. 2020; 7:1173-9.

(13) Gonçalves Júnior J, Brandão SC, Silva SBF, Sá EQC. Rev Bras Med Famil Comunid 2020; 15(42):2526-2531.

(14) Mendes FRP, Zangão MOB, Gemito MLGP, Serra ICC. Social Representations of nursing students about hospital assistance and primary health care. Revista Brasileira de Enfermagem 2016; 69(2): 321-8.

(15) Brasil, resolução nº 510, de 7 de abril de 2016 [Internet]. Ética na Pesquisa na área de Ciências Humanas e Sociais: conquista dos pesquisadores [mentioned as of May 12, 2020]. Available from: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Portuguese.

(16) Brasil, Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 [Internet]. Conselho Nacional de Saúde [mentioned as of May 12, 2020]. Available from: https://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Portuguese.

(17) Amorim LM, Júnior JG, Rolim-Neto ML. Ensaio sobre a educação médica brasileira frente às vantagens e desvantagens do problem-based learning (PBL). Revista E-Ciência 2017; 5(1). Portuguese. DOI: https://doi.org/10.19095/rec.v5i1.195

(18) Lucey CR. Medical education: part of the problem and part of the solution. JAMA internal medicine 2013; 173(17): 1639-1643. PMID: 23857567 DOI: https://doi.org/10.1001/jamainternmed.2013.9074

(19) Farias LABG. Estudantes de medicina e ação comunitária: estamos no caminho certo? Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade 2017; 12(39): 1-2. Portuguese. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1640

(20) Pinto HA, Andreazza R, Ribeiro RJ, Loula MR, Reis AACD. O Programa Mais Médicos e a mudança do papel do Estado na regulação e ordenação da formação médica. Interface-Comunicação, Saúde, Educação 2019; 23: e170960. Portuguese. DOI: https://doi.org/10.1590/interface.190003

(21) Dias MMDS, Carvalho JLD, Landim LOP, Carneiro C. A Integralidade em Saúde na Educação Médica no Brasil: o Estado da Questão. Revista Brasileira de Educação Médica 2018; 42(4): 123-133. Portuguese. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n4rb20180094

(22) Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras [Internet]. Política nacional de extensão universitária, 2012 [mentioned as of May 12, 2020]. Available from: http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2018-pdf/95681-texto-referencia-audiencia-publica-diretrizes-politica-de-extensao/file. Portuguese.

(23) Ribeiro MRF, de Araújo Pontes VM, Silva EA. A contribuição da extensão universitária na formação acadêmica: desafios e perspectivas. Revista Conexão UEPG 2017; 13(1): 52-65. Portuguese. DOI: https://doi.org/10.5212/Rev.Conexao.v.13.i1.0004

(24) Arantes AR, Deslandes MS. A extensão universitária como meio de transformação social e profissional. Sinapse Múltipla 2017; 6(2): 179-183. Portuguese.

(25) Santos WD, Comes Y, Pereira LL, Costa AM, Merchan-Hamann E, Santos LMP. Evaluation of the More Doctors Program: experience report. Saúde em Debate 2019; 43: 256-268. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201912019

(26) Phillips RL, Kaufman A, Mold JW, Grumbach K, Vetter-Smith M, Berry A, et al. The primary care extension program: a catalyst for change. The Annals of Family Medicine 2013; 11(2): 173-178. PMID: 23508605 DOI: https://doi.org/10.1370/afm.1495

(27) Ferreira SMSP, Santos CML, Almeida CS, Moreira AVO, de Oliveira PA, Santos RS, et al. Ensino da saúde coletiva nos cursos de graduação: interdisciplinaridade e integração academia, serviço e comunidade em foco. Textura 2019; 13(21): 53-61. Portuguese. DOI: https://doi.org/10.22479/desenreg2019v13n21p53-61

(28) da Silva TS, de Melo RO, Sodré MP, Moreira RDCR, do Nascimento Souza ZCS. A extensão universitária e a prevenção da violência obstétrica. Revista Ciência em Extensão 2017; 13(1): 176-189. Portuguese

(29) Ministério da Saúde do Brasil, portaria nº 2436, de 21 de Setembro de 2017 [Internet]. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). [mentioned as of December 12, 2020]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Portuguese.

(30) World Health Organization (WHO) [Internet]. Increasing access to health workers in remote and rural areas through improved retention: global policy recommendations, 2010 [mentioned as of May 12, 2020]. Available from: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44369/9789241564014_eng.pdf;jsessionid=3351EC831F708FD6412A1C4C95A0ED6E?sequence=1

(31) Borracci R, Arribalzaga EB, Couto JL, Dvorkin M, Guerrero RAA, Fernandez C, et al. Factors affecting the willingness to practice medicine in underserved areas: a survey of Argentinian medical students. Rural Remote Health 2015; 15(4): 3485.

(32) Jones MP, Bushnell JA, Humphreys JS. Are rural placements positively associated with rural intentions in medical undergraduates? Medical Education 2014; 48(4): 405-416.

(33) Wilkinson D, Laven G, Pratt N, Beilby J. Impact of undergraduate and postgraduate rural training, and medical school entry criteria on rural practice among Australian general practitioners: national study of 2414 doctors. Medical education 2003; 37(9): 809-814.

(34) Grobler L, Marais BJ, Mabunda S. Interventions for increasing the proportion of health professionals practicing in rural and other underserved areas. Cochrane database of systematic reviews 2015; (6).

(35) Edwards S, Da Silva ALS, Rapport FL, McKimm J, Williams R. Recruitment of doctors to work in ‘our hinterland’: first results from the Swansea Undergraduate Entry Program in Medicine. Rural and Remote Health 2015; 15: 3187.

(36) Azer SA, Simmons D, Elliott SL. Rural training and the state of rural health services: effect of rural background on the perception and attitude of first‐year medical students at the University of Melbourne. Australian Journal of Rural Health 2001; 9(4): 178-185.

(37) Zhang L, Bossert T, Mahal A, Hu G, Guo Q, Liu Y. Attitudes towards primary care career in community health centers among medical students in China. BMC family practice 2016; 17(1): 75.

Publicado

2021-05-30

Como Citar

1.
Gonçalves Júnior J, Brandão SC, Silva SBF, Sá EQC de. Experiência extensionista de estudantes de graduação em medicina inseridos no programa Mais Médicos para o Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 30º de maio de 2021 [citado 29º de novembro de 2021];16(43):2528. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2528

Edição

Seção

Relatos de Experiência