Pacientes com diabetes mellitus tipo 2 em uso de medicamentos via judicial

há monitorização clínica e laboratorial?

Autores

  • Gustavo Costa Ferreira Undergraduate student of medicine - Curso de Medicina - Federal University of São João Del-Rei (UFSJ) – Campus Centro-Oeste Dona Lindu (CCO) https://orcid.org/0000-0003-0077-5212
  • Thays Santos Mendonça PhD student - Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde-Federal Universityof São João Del-Rei (UFSJ) – Campus Centro-Oeste Dona Lindu(CCO) https://orcid.org/0000-0002-7005-8780
  • Eduardo Sérgio Silva PhD - Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde -Federal University of São João Del-Rei (UFSJ) – Campus Centro-Oeste Dona Lindu (CCO). https://orcid.org/0000-0001-7409-9216
  • Mariana Linhares Pereira PhD - Federal University of São João Del-Rei (UFSJ) – Campus Centro-Oeste Dona Lindu (CCO). https://orcid.org/0000-0002-3214-2789
  • Vinícius Silva Belo PhD - Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde -Federal University of São João Del-Rei (UFSJ) – Campus Centro-Oeste Dona Lindu (CCO). https://orcid.org/0000-0003-0183-1175
  • Vitor Costa Ferreira Undergraduate student of medicine - Curso de Medicina - Federal University of São João Del-Rei (UFSJ) – Campus Centro-Oeste Dona Lindu (CCO) https://orcid.org/0000-0003-0681-6599
  • André de Oliveira Baldoni PhD - Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde -Federal University of São João Del-Rei (UFSJ) – Campus Centro-Oeste Dona Lindu (CCO) https://orcid.org/0000-0001-6379-0415

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2561

Palavras-chave:

Diabetes Mellitus Tipo 2, Judicialização da Saúde, Acesso à Informação, Assistência Farmacêutica, Cobertura Universal do Seguro de Saúde

Resumo

Introdução: O aumento contínuo do número de processos de judicialização da saúde, a relevância epidemiológica do diabetes mellitus tipo 2 (DM2), a escassez de recursos utilizados para monitorar os investimentos dos processos judiciais e do seu alto custo para a saúde pública, diante disso torna-se necessário estudos que analisem o perfil da judicialização dos antidiabéticos, que é a principal classe de medicamentos alvo dos processos judiciais. Objetivo: Analisar se os pacientes com DM2 atendidos via judicial, foram acompanhados e monitorados no Sistema Único de Saúde (SUS) antes e após os processos judiciais. Além de analisar o perfil de medicamentos judicializados para tratamento da DM2. Métodos: Trata-se de um estudo longitudinal retrospectivo, que utilizou dados secundários, prontuários e arquivos de processos judiciais, de 56 pacientes com DM2 que adquiriram pelo menos um de seus medicamentos por meio da judicialização, no ano de 2019, em um município mineiro. Os dados foram analisados 12 meses antes e 12 meses após a judicialização. Resultados: Dentre as 56 ações judiciais, 39% se concentraram em apenas três unidades de saúde do município. Somente 30 pacientes (53%) antes e 29 (51%) após a judicialização tiveram consultas no SUS. Além disso, apenas 15 (26%) e 13 (23%) pacientes, respectivamente antes e após a judicialização, apresentaram algum exame laboratorial realizado pelo SUS. As insulinas Levemir Flex Pen® (13%), Novo Rapid® (11%) e Lantus® (7%) foram os medicamentos mais judicializados. Conclusão: Observou-se que apesar do SUS prover o insumo terapêutico de elevado custo por meio de uma porta de entrada não convencional, não há monitorização clínica e laboratorial para avaliação da efetividade do uso da tecnologia, conforme recomendam os protocolos clínicos e dispositivos legais brasileiros sobre acesso a medicamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

(1) Ministério da Justiça (BR). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 05 out 1988.

(2) Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 (BR). Lei orgânica da saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 19 set 1990.

(3) Catanheide ID, Lisboa ES, Souza LEPF. Características da judicialização do acesso a medicamentos no Brasil: uma revisão sistemática. Physis. 2016;26(4):1335-56.

(4) Chagas VO, Provin MP, Mota PAP, Guimarães RA, Amaral RG. Institutional strategies as a mechanism to rationalize the negative effects of the judicialization of access to medicine in Brazil. BMC Health Serv Res. 2020 Fev;20(1):80.

(5) Santos ECB, Teixeira CRS, Zanetti ML, Istilli PT, Pereira LHTR, Torquato MTCG. Judicialização da saúde: acesso ao tratamento de usuários com diabetes mellitus. Texto Contexto - Enferm. 2018;27(1):e0800016.

(6) Paim LFNA, Batt CR, Saccani G, Guerreiro ICK. Qual é o custo da prescrição pelo nome de marca na judicialização do acesso aos medicamentos?. Cad Saúde Coletiva. 2017;25(2):201-9.

(7) Vargas-Pelaez CM, Rover MRM, Soares L, Blatt CR, Mantel-Teeuwisse AK, Rossi FA, et al. Judicialization of access to medicines in four Latin American countries: a comparative qualitative analysis. Int J Equity Health. 2019 Jun;18(1):68.

(8) Ministério da Saúde (BR). Resolução nº 338, de 06 de maio de 2004. Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica. Diário Oficial União, Brasília (DF), 06 mai 2004.

(9) Nisihara RM, Possebom AC, Borges LMC, Shwetz ACA, Bettes FFB. Judicial demand of medications through the Federal Justice of the State of Paraná. Einstein (São Paulo). 2017;15(1):85-91.

(10) Chieffi AL, Barradas RDCB, Golbaum M. Legal access to medications: a threat to Brazil’s public health system?. BMC Health Serv Res. 2017 Jul;17(1):499.

(11) Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 (BR). Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde-SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 19 set 2011.

(12) Lei nº 12.401, de 28 de abril de 2011 (BR). Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a assistência terapêutica e a incorporação de tecnologia em saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 19 set 2011.

(13) International Diabetes Federation (IDF). IDF diabetes atlas. 9th ed. Brussels: FID; 2019.

(14) World Health Organization (WHO). World health statistics 2018: monitoring health for the SDGs, sustainable development goals. Geneva: WHO; 2018.

(15) Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). Diretrizes sociedade brasileira de diabetes 2019-2020. São Paulo: Clannad Editora Científica; 2019.

(16) Paixão ALS. Reflexões sobre a judicialização do direito à saúde e suas implicações no SUS. Ciênc Saúde Colet. 2019;24(6):2167-72.

(17) Rodrigues NLP, Zaia V, Viana JM, Nascimento PR, Montagna E. Economic evaluation of an active search system to monitor the outcomes of health-related claims. Einstein (São Paulo). 2019;18:eGS5129.

(18) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1° de julho de 2019 [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): IBGE; 2019; [acesso em 2020 Abr 05]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=resultados

(19) Camargos AMT, Gonçalves ACO, Cazarim MS, Sanches C, Pereira LRL, Baldoni AO. Patients lacking glycemic control place more burdens on health services with the use of medications. Diabetes Metab Syndr. 2017 Dez;12(3):279-83.

(20) Carvalho RC, Nishi FA, Ribeiro TB, França GG, Aguiar PM. Association between intra-hospital uncontrolled glycemia and health outcomes in patients with diabetes: a systematic review of observational studies. Curr Diabetes Rev. 2020 Jan 29; [Epub ahead of print]. DOI: https://doi.org/10.2174/1573399816666200130093523

(21) Nishijima M, Sarti FM, Vodenska I, Zhang G. Effects of decentralization of primary health care on diabetes mellitus in Brazil. Public Health. 2019 Jan;166:108-20.

(22) Salci MA, Meirelles BHS, Silva DMGV. Atenção primária a pacientes com diabetes mellitus na perspectiva do modelo de atenção às condições crônicas. Rev Latino-Am Enfermagem. 2017;25:e2882.

(23) Cruz‐Cobo C, Santi‐Cano MJ. Efficacy of diabetes education in adults with diabetes mellitus type 2 in primary care: a systematic review. J Nurs Scholarsh. 2020 Mar;52(2):155-63.

(24) Nogueira M, Otuyama LJ, Rocha PA, Pinto VB. Pharmaceutical care-based interventions in type 2 diabetes mellitus: a systematic review and meta-analysis of randomized clinical trials. Einstein (São Paulo). 2020;18:eRW4686.

(25) American Diabetes Association (ADA). 10. cardiovascular disease and risk management: standards of medical care in diabetes – 2019. Diabetes Care. 2019 Jan;42(Supl 1):S103-S23.

(26) Maduro LCS, Pereira LRL. Processos judiciais para obter medicamentos em Ribeirão Preto. Rev Bioét. 2020 Mar;28(1):166-72.

(27) Ministério da Saúde (BR). Secretatia de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Insulinas análogas de ação prolongada para o tratamento de diabetes mellitus tipo II. Relatório de recomendação. Brasília (DF): Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (CONITEC); 2019.

(28) Fullerton B, Siebenhofer A, Jeitler K, Horvath K, Semlitsch T, Berghold A, et al. Short-acting insulin analogues versus regular human insulin for adult, non-pregnant persons with type 2 diabetes mellitus. Cochrane Database Syst Rev. 2018 Dez;12(12):CD013228.

(29) Ministério da Saúde (BR). Empagliflozina e dapagliflozina para o tratamento de diabetes mellitus tipo 2. Relatório de Recomendação. Brasília (DF): Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (CONITEC); 2019.

(30) Lei nº 9.787, de 10 de fevereiro de 1999 (BR). Altera a Lei no 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 10 fev 1997.

(31) Schwartz LM, Woloshin S. Medical marketing in the United States, 1997-2016. JAMA. 2019 Jan;321(1):80-96.

(32) Governo do Estado de Minas Gerais (MG). Secretaria de Estado de Saúde. Deliberação CIB-SUS/MG nº 3.013, de 23 de outubro de 2019. Aprova o Ajuste/2019 do Plano Diretor de Regionalização PDR/SUSMG e dá outras providências. Belo Horizonte (MG): Governo do Estado de Minas Gerais; 2019.

(33) Públio RN, Couto BRGM, Valadão AF, Rezende EM. Perfil das solicitações de medicamentos de alto custo ao Sistema Único de Saúde em Minas Gerais. Rev Adm Pública. 2014 Dez;48(6):1567-85. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-76121513

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

1.
Ferreira GC, Mendonça TS, Silva ES, Pereira ML, Belo VS, Ferreira VC, Baldoni A de O. Pacientes com diabetes mellitus tipo 2 em uso de medicamentos via judicial: há monitorização clínica e laboratorial?. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 26º de novembro de 2020 [citado 10º de abril de 2021];15(42):2561. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2561

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa