Uma proposta de instrumento de avaliação pedagógica da preceptoria para residências em Medicina de Família e Comunidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2680

Palavras-chave:

Educação em Saúde, Preceptoria, Avaliação Educacional, Medicina de Família e Comunidade, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Introdução: Desde a Conferência de Alma-Ata, a importância do cuidado centrado na Atenção Primária à Saúde (APS) foi consolidada como objetivo mundial. No Brasil, a Estratégia Saúde da Família (ESF), composta por equipes multiprofissionais, visa à reorganização da APS, sendo o especialista em Medicina de Família e Comunidade (MFC) o médico indicado para atuação neste campo. A residência em MFC é considerada o padrão ouro da formação desse profissional, porém, para expansão da residência é necessário expansão da preceptoria. Preceptores são profissionais que utilizam seu conhecimento e sua experiência profissional para atuação docente junto aos residentes. No município do Rio de Janeiro houve expansão da APS, com aumento da cobertura ESF de 3,5% para 69,43% em 2018, o que trouxe a necessidade de investimento para expansão da residência, e, desta forma, demandou mais preceptores. No entanto, não pôde ser realizada uma capacitação completa em tempo hábil, sendo desejável que os preceptores continuassem sua qualificação concomitante à preceptoria. Dentre as atividades do preceptor, destacam-se os atributos pedagógicos, relacionados à responsabilidade docente no processo ensino-aprendizagem do residente. Objetivo: Apresentar uma proposta de instrumento para avaliação dos atributos pedagógicos da preceptoria das residências em Medicina de Família e Comunidade. Métodos: Para elaboração da proposta de instrumento para avaliação dos atributos pedagógicos foram realizadas entrevistas compreensivas, com preceptores em Medicina de Família e Comunidade da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, segundo um roteiro semiestruturado. Resultados: As entrevistas geraram espaços de reflexão sobre as práticas pedagógicas dos preceptores, motivando-os a construírem novos planos pedagógicos e a repensarem as potencialidades e os obstáculos enfrentados no trabalho pedagógico da preceptoria em MFC. Conclusão: A proposta de um instrumento para avaliação pedagógica se apresentou como formativa para a preceptoria em MFC no âmbito da APS do município do Rio de Janeiro, fazendo supor que produziu ressignificação, precursor de motivação e esperança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Pollyane Rodrigues Miranda, Unidade de Saúde da Família Barra do Jucu, Secretaria Municipal de Vila Velha, Vila Velha - ES, Brasil

Lattes: http://lattes.cnpq.br/8877711777615204

Valéria Ferreira Romano, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), PAPS, Rio de Janeiro, RJ

Lattes: http://lattes.cnpq.br/4203684334548525

 

Referências

(1) Ministério da Saúde (BR). Biblioteca Virtual em Saúde [Internet]. Declaração de Alma-Ata sobre Cuidados Primários. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2002 [Internet]; [acesso em 2018 Dez 4]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/declaracao_alma_ata.pdf

(2) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012 [Internet]; [acesso em 2020 Nov 22]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

(3) Ministério da Educação (BR). Secretaria de Educação Superior. Resolução CNRM nº 1, de 25 de maio de 2015. Regulamenta os requisitos mínimos dos programas de residência médica em Medicina Geral de Família e Comunidade - R1 e R2 e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 26 mai 2015 [Internet]; [acesso 2018 Nov 16]; Seção 1, 11-12. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=20741-res01-25052015-cnrm-regulamenta-requisitos-pdf&category_slug=setembro-2015-pdf&Itemid=30192

(4) Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-RJ). Subsecretaria de Atenção Primária, Vigilância e Promoção da Saúde (SUBPAV) [Internet]. Cobertura da ESF. Rio de Janeiro (RJ): Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro; 2020; [acesso em 2020 Abr 17]. Disponível em: <https://subpav.org/cnes/

(5) Izecksohn MMV, Teixeira Junior JE, Stelet BP, Jantsch AG. Preceptoria em Medicina de Família e Comunidade: desafios e realizações em uma Atenção Primária à Saúde em construção. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(3):737-746.

(6) Melo EA, Mendonça MHM, Teixeira, M. A crise econômica e a atenção primária à saúde no SUS da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2019; 24(12):4593-4598.

(7) Mendes CLA. Perfil do profissional médico na Estratégia de Saúde da Família no município do Rio de Janeiro: um modelo em transição [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2015.

(8) Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) [Internet]. Currículo Baseado Em Competências Para Medicina de Família e Comunidade. Rio de Janeiro (RJ): SBMFC; 2014; [acesso em 2018 Nov 11]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/Curriculo%20Baseado%20em%20Competencias(1).pdf

(9) Castells MA. Estudo dos programas de residência médica em medicina de família e comunidade do Rio de Janeiro: a questão da preceptoria. [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2014.

(10) Botti SHO, Rego STA. Docente-clínico: O complexo papel do preceptor na residência médica. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2011; 21(1):65-85, 2011.

(11) Villardi ML, Cyrino EG, Berbel NAN. Mudança de paradigma no ensino superior em saúde e as metodologias problematizadoras. In: Villardi ML, Cyrino EG, Berbel NAN, autoras. A problematização em educação em saúde: percepções dos professores tutores e alunos. São Paulo: Editora UNESP; 2015. p. 23-44.

(12) Freire P. Pedagogia do oprimido. 67ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2019.

(13) Hooks B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. 2ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes; 2017.

(14) Perrenoud P. Construir as Competências desde a Escola. Porto Alegre: Artmed Editora; 1999.

(15) Perrenoud P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed; 2000.

(16) Depresbiteris L. Avaliação da Aprendizagem do Ponto de Vista Técnico-Científico e Filosófico-Político. In: Série Ideias n. 8. São Paulo: FDE; 1998. p.161-172.

(17) Depresbiteris L. A avaliação na educação básica: ampliando a discussão. Estudos em Avaliação Educacional. 2001; (24):137-146.

(18) Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis-RJ: Editora Vozes; 2016.

(19) Kaufmann JC. A entrevista compreensiva: Um guia para pesquisa de campo. 3ª ed. Petrópolis-RJ: Editora Vozes; 2013.

(20) Haguette TMF. Metodologias Qualitativas na Sociologia. 14ª ed. Petrópolis-RJ: Editora Vozes; 2013.

(21) Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2016.

(22) Associação Brasileira de Saúde Coletiva – Abrasco [Internet]. Notas Oficiais ABRASCO: A crise que esmaga a saúde do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro(RJ): ABRASCO; 2018; [acesso em 2019 Nov 22]. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/noticias/posicionamentos-oficiais-abrasco/crivella-e-crise-que-esmaga-saude-do-rio-de-janeiro/38022

Downloads

Publicado

2021-04-06

Como Citar

1.
Miranda PR, Romano VF. Uma proposta de instrumento de avaliação pedagógica da preceptoria para residências em Medicina de Família e Comunidade . Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 6º de abril de 2021 [citado 19º de setembro de 2021];16(43):2680. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2680

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa