Intercâmbio internacional na era COVID-19

por que Portugal?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2723

Palavras-chave:

Intercâmbio Educacional Internacional, Estágio Clínico, Educação Médica, Medicina de Família e Comunidade, Medicina de Emergências.

Resumo

Problema: O intercâmbio internacional é um excelente instrumento de formação para estudantes e Portugal apresenta diversas vantagens para os alunos brasileiros. No entanto, a literatura brasileira carece de relatos de experiência sobre tais atividades e os estudantes frequentemente encontram- se preocupados sobre quais atividades serão desenvolvidas, sobre que tipo de sistema de saúde encontrarão e, recentemente, sobre como a pandemia se desenrolou no país de destino. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência, referente a um estágio internacional na área da saúde, realizado por um acadêmico brasileiro em Portugal. O trabalho foi elaborado a partir de pesquisas bibliográficas e resgate mnemônico da experiência. Resultados: O sistema de saúde português funciona de forma semelhante ao brasileiro, baseado na atenção primária à saúde e na descentralização, e apresentou bom desempenho em relação à pandemia da COVID-19. O intercâmbio foi realizado na área de medicina geral e familiar e de medicina de emergência pela Universidade de Lisboa, no início de 2020, e foi composto por uma vasta gama de atividades desenvolvidas, principalmente o acompanhamento de consultas. Os aprendizados do estágio incluem os conteúdos técnicos das consultas acompanhadas, os conhecimentos não científicos ensinados durante a rotina e as experiências sociais vivenciadas na viagem. Conclusão: Os estudantes brasileiros encontrarão familiaridades e diferenças positivas no sistema de saúde português e observarão excelentes números em relação ao controle da pandemia da COVID-19. O intercâmbio em Portugal possibilitou o crescimento profissional e pessoal do estudante e é recomendado para os estudantes brasileiros da área da saúde interessados em uma experiência transcultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rodrigo Alberton da Silva, Universidade de Passo Fundo (UPF), Passo Fundo, RS

Acadêmico de Medicina da Universidade de Passo Fundo (ATM 2022/1 - FM-UPF), com experiências na área de pesquisa científica, educação médica e representação estudantil.

Carlos Rodrigues da Silva Filho, Faculdade Estadual de Medicina de Marília

Médico. Coordenador das Disciplinas de Medicina Interna e Epidemiologia Clínica/Medicina Baseada em Evidências da Faculdade Estadual de Medicina de Marília (FAMEMA). Possui dois momentos de pós-doutorado pela Universidade de Ottawa, no Canadá. Tem experiência na área de Clínica Médica e Educação Médica.

Referências

(1) Jacobs F, Stegmann K, Siebeck M. Promoting medical competencies through international exchange programs: benefits on communication and effective doctor-patient relationships. BMC Med Educ. 2014 Mar;14:43. DOI: https://doi.org/10.1186/1472-6920-14-43

(2) Ferreira IG, Carreira LB, Botelho NM. Mobilidade internacional na graduação em medicina: relato de experiência. ABCS Health Sci. 2017 Ago;42(2):115-9. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/abcshs.v42i2.1013

(3) Branco BJS, Ribeiro CR. How international internships enrich a medical career. Braz J Cardiovasc Surg. 2018;33(4):428-30. DOI: https://doi.org/10.21470/1678-9741-2018-0142

(4) Barata AN, Rigon S. Family medicine 360°: global exchanges in family medicine. J Fam Med Prim Care. 2015;4(3):305-9. DOI: https://doi.org/10.4103/2249-4863.161302

(5) Iorio JC, Nogueira SG. O acolhimento de estudantes internacionais: brasileiros e timorenses em Portugal. REMHU, Rev Interdiscip Mobil Hum. 2019 Ago;27(56):197-215. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-85852503880005611

(6) Iorio J, Fonseca ML. Estudantes brasileiros no ensino superior português: construção do projeto migratório e intenções de mobilidade futura. Finisterra. 2018 JAn;53(109):3-20. DOI: http://dx.doi.org/10.18055/Finis15650

(7) Ogrinc G, Davies L, Goodman D, Batalden P, Davidoff F, Stevens D. SQUIRE 2.0 (Standards for Quality Improvement Reporting Excellence): revised publication guidelines from a detailed consensus process. BMJ Qual Safe. 2016 Dec;25(12):986-92. DOI: https://doi.org/10.1136/bmjqs-2015-004411

(8) Simões J, Augusto GF, Fronteira I, Hernández-Quevedo C. Portugal: health system review. Health Syst Transit. 2017 Mar;19(2):1-184.

(9) Massuda A, Hone T, Leles FAG, Castro MC, Atun R. The Brazilian health system at crossroads: progress, crisis and resilience. BMJ Glob Health. 2018;3(4):e000829. DOI: https://doi.org/10.1136/bmjgh-2018-000829

(10) Santos NR. SUS 30 anos: o início, a caminhada e o rumo. Ciênc Saúde Coletiva. 2018 Jun;23(6):1729-36. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.06092018

(11) Bravo MIS. A saúde no Brasil e em Portugal na atualidade: o desafio de concretizar direitos. Serv Soc Soc. 2010;(102):205-21. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-66282010000200002

(12) Lei no 48/90, de 24 de agosto de 1990 (PT). Lei de bases da saúde. Diário da República, Lisboa (PT); 24 aug 1990: no 195/1990: Série I: 3452-9; [acesso em 2020 Ago 20]. Disponível em: https://dre.pt/web/guest/pesquisa/-/search/574127/details/normal?l=1

(13) Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990 (BR). Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 20 set 1990; [acesso em 2020 Ago 20]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

(14) Ministério da Saúde (BR). SUS – princípios e conquistas [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2020; [acesso em 2020 Ago 08]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sus_principios.pdf

(15) Ministério da Saúde (BR). Regionalização [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013; [acesso em 2020 Ago 08]. Disponível em: https://www.saude.gov.br/gestao-do-sus/articulacao-interfederativa/827-articulacao-interfederativa/40853-regionalizacao

(16) Pasternak J. Que futuro tem o Sistema Único de Saúde brasileiro?. Einstein (São Paulo). 2018;16(4):eED4811. DOI: https://doi.org/10.31744/einstein_journal/2018ED4811

(17) Campos GWS. SUS: o que e como fazer?. Ciênc Saúde Coletiva. 2018 Jun;23(6):1707-14. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.05582018

(18) Rod JE, Oviedo-Trespalacios O, Cortes-Ramirez J. A brief-review of the risk factors for Covid-19 severity. Rev Saúde Publica. 2020 Jul;54:60. DOI: http://doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054002481

(19) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Projeções e estimativas da população do Brasil e das Unidades da Federação [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): IBGE; 2020; [acesso em 2020 Jun 17]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/index.html-utm_source=portal&utm_medium=popclock&utm_campaign=novo_popclock

(20) Instituto Nacional de Estatística (INE). População residente [Internet]. Lisboa: INE; 2020; [acesso em 2020 Jun 17]. Disponível em: https://www.ine.pt/xportal/xmainxpid=INE&xpgid=ine_indicadores&contecto=pi&indOcorrCod=0008273&selTab=tab0

(21) World Health Organization (WHO). Noncommunicable diseases country profiles 2018. Geneva: WHO; 2018.

(22) The Global Burden of Disease Study (GBD). GBD 2017 compare [Internet]. Seattle, WA: Institute for Health Metrics and Evaluation University of Washington; 2017; [acesso em 2020 Set 13]. Disponível em: https://www.thelancet.com/lancet/visualisations/gbd-compare

(23) Marchalik D, Petrov D. From literature to medicine. Seeing COVID-19 through José Saramago’s blindness. Lancet [Internet]. 2020 Jun; [citado 2020 Ago 20]; 395:1899. Disponível em: https://www.thelancet.com/pdfs/journals/lancet/PIIS0140-6736(20)31352-0.pdf

(24) Ribeiro H, Lima VM, Waldman EA. In the COVID-19 pandemic in Brazil, do brown lives matter?. Lancet Glob Health. 2020 Ago;8(8):E976-E7. DOI: https://doi.org/10.1016/S2214-109X(20)30314-4

(25) The Lancet. COVID-19 in Brazil: “so what?”. Lancet. 2020 Mai;395(10235):1461. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)31095-3

(26) Barberia LG, Gómez EJ. Political and institutional perils of Brazil’s COVID-19 crisis. Lancet. 2020 Ago;396(10248):367-8. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)31681-0

(27) Ferguson NM, Laydon D, Nedjati-Gilani G, Imai N, Ainslie K, Baguelin M. Report 9: Impact of non-pharmaceutical interventions (NPIs) to reduce COVID-19 mortality and healthcare demand. Imperial College London. 2020 Mar 16; [Epub ahead of print]. DOI: https://doi.org/10.25561/77482

(28) Helmy YA, Fawzy M, Elaswad A, Sobieh A, Kenney SP, Shehata AA. The COVID-19 pandemic: a comprehensive review of taxonomy, genetics, epidemiology, diagnosis, treatment, and control. J Clin Med. 2020 Abr;9(4):1225. DOI: https://doi.org/10.3390/jcm9041225

(29) Chu DK, Akl EA, Duda S, Solo K, Yaacoub S, Schünemann HG. Physical distancing, face masks, and eye protection to prevent person-to-person transmission of SARS-CoV-2 and COVID-19: a systematic review and meta-analysis. Lancet. 2020 Jun;395(10242):1973-87. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)31142-9

(30) Campos LP, Lins T. Pandemia à Portuguesa: um relato sobre o Covid-19 em Portugal. Espaço Economia. 2020;17:1-12. DOI: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.10369

(31) Aquino EML, Silveira IH, Pescarini JM, Aquino R, Souza-Filho JA, Rocha AS, et al. Medidas de distanciamento social no controle da pandemia de COVID-19: potenciais impactos e desafios no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2020 Jun;25(Supl 1):2423-46. DOI: https://doi.org/10.1590/1413- 81232020256.1.10502020

(32) Antunes BBP, Peres IT, Baião FA, Ranzani OT, Bastos LSL, Silva AAB, et al. Progressão dos casos confirmados de COVID-19 após implantação de medidas de controle. Rev Bras Ter Intensiva. 2020;32(2):213-23. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-507X.20200028

(33) Harzheim E, Martins C, Wollmann I, Pedebos LA, Faller LA, Marques MC, et al. Ações federais para apoio e fortalecimento local no combate ao COVID-19: a Atenção Primária à Saúde (APS) no assento do condutor. Ciênc Saúde Coletiva. 2020;25(Supl 1):2493-7. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020256.1.11492020

(34) World Health Organization (WHO). WHO coronavirus disease (COVID-19) dashboard [internet]. Genebra: WHO; 2020; [acesso em 2020 Out 28]. Disponível em: https://covid19.who.int

(35) Prado MF, Antunes BBP, Bastos LSL, Peres IT, Silva AAB, Dantas LF, et al. Análise da subnotificação de COVID-19 no Brasil. Rev Bras Ter Intensiva. 2020;32(2):224-8. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-507X.20200030

(36) Agência Brasil (BR). Pesquisa aponta que 10,9% da população da capital teve covid-19 [Internet]. Brasília (DF): Agência Brasil; 2020 Ago; [acesso em 2020 Set 13]. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-08/sp-pesquisa-aponta-que-109-da-populacao- da-capital-teve-covid-19

(37) Serviço Nacional de Saúde (SNS). Bilhete de identidade dos cuidados de saúde primários [Internet]. Lisboa: SNS; 2020; [acesso em 2020 Mar 18]. Disponível em: https://bicsp.min-saude.pt/pt/Paginas/default.aspx

(38) Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, E.P.E. Hospital de Santa Maria. Página inicial [Internet]. Lisboa: Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte; 2020; [acesso em 2020 Mar 18]. Disponível em: http://www.chln.pt/index.php

(39) Pimentel IRS, Coelho BC, Lima JC, Ribeiro FG, Sampaio FPC, Pinheiro RP, et al. Caracterização da demanda em uma Unidade de Saúde da família.. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2011 Ago;6(20):175-81. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc6(20)95

(40) Santos KPB, Ribeiro MTAM. Motivos de consulta mais comuns das pessoas atendidas por uma equipe de saúde da família em Fortaleza - CE. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015 Dez;10(37):1-11. DOI: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/831

(41) Anderson MIP, Demarzo MMP, Rodrigues RD. A medicina de família e comunidade, a atenção primária à saúde e o ensino de graduação: recomendações e potencialidades. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2007 Nov;3(11):157-72. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc3(11)334

(42) Gomes MS, Chirelli MQ, Elisabete T. Unidade educacional eletiva: experiência de intercâmbio internacional na graduação em medicina. Ver Bras Educ Med. 2019 Set;43(3):196-203. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n3rb20180225

(43) Dalmolin IS, Pereira ER, Silva RMCRA, Gouveia MJB, Sardinheiro JJ.Intercâmbio acadêmico cultural internacional:uma experiência de crescimento pessoal e científico. Rev Bras Enferm. 2013 Jun;66(3):442-7. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000300021

(44) Neves AL. A experiência de um estágio internacional de cuidados de saúde primários em Boston, EUA. Rev Port Clin Geral. 2011;27(2):168-74. DOI: http://dx.doi.org/10.32385/rpmgf.v27i2.10837

Downloads

Publicado

2021-01-26

Como Citar

1.
Silva RA da, Silva Filho CR da. Intercâmbio internacional na era COVID-19: por que Portugal?. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 26º de janeiro de 2021 [citado 18º de maio de 2021];16(43):2723. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2723

Edição

Seção

Relatos de Experiência