Diagnóstico de doença de Addison por meio de lesão cutânea na Atenção Primária

relato de caso

Autores

  • Izabela Brugugnolli Centro Universitário Padre Albino
  • Ana Olívia Guedes Leite Centro Universitário Padre Albino – UNIFIPA – Catanduva, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-3276-7332
  • Giovanna Emanuella Piffer Soares Arantes Universidade de Marília – UNIMAR – Marília SP, Brasil
  • Leonardo Valentini Arf Centro Universitário Padre Albino – UNIFIPA – Catanduva, SP, Brasil
  • João Pedro Martoneto Faccioli Centro Universitário Padre Albino – UNIFIPA – Catanduva, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-0675-006X
  • Luis Gustavo Cunha Claudino Médico de Família e Comunidade, Preceptor de Medicina de Família e Assistente Técnico do Centro Universitário Padre Albino – UNIFIPA – Catanduva, SP Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2823

Palavras-chave:

Doença de Addison, Insuficiência adrenal, Relatos de casos, Atenção primária à saúde.

Resumo

A doença de Addison, ou insuficiência adrenal primária, é uma doença insidiosa e rara, que pode apresentar altas taxas de morbi-mortalidade quando o seu diagnóstico não é reconhecido e o seu tratamento não é iniciado precocemente. Apresenta sintomas variados, entre eles destacando-se hipotensão arterial, hiperpigmentação cutânea, hiponatremia e hipercalemia. Quando não tratada, pode evoluir com crise adrenal e colapso cardiovascular. O diagnóstico da doença de Addison é feito clinicamente e através dos achados, em exames laboratoriais, de concentrações elevadas do hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) e de baixas concentrações de cortisol no plasma.  O tratamento depende da causa e requer abordagem multidisciplinar, mas em geral se faz com reposição de glicocorticoides e, ocasionalmente, demais hormônios. Este artigo descreve um caso de Doença de Addison diagnosticada na Atenção Primária à saúde, situação esta que não é comum, já que a doença apresenta sintomas clínicos bastante inespecíficos, principalmente em seus estágios iniciais, e frequentemente não é um diagnóstico considerado.

Palavras Chave: Doença de Addison; Insuficiência Adrenal Primária; Relato de caso; Atenção primária à saúde.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Coordenação Geral de Média e Alta Complexidade. Diretrizes para atenção integral às pessoas com doenças raras no Sistema Único de Saúde – SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. [cited on Mar 23, 2022]. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_integral_pessoa_doencas_raras_SUS.pdf

Betterle C, Presotto F, Furmaniak J. Epidemiology, pathogenesis, and diagnosis of Addison's disease in adults. J Endocrinol Invest 2019;42(12):1407-33. https://doi.org/10.1007/s40618-019-01079-6 DOI: https://doi.org/10.1007/s40618-019-01079-6

Hellesen A, Bratland E, Husebye ES. Autoimmune Addison's disease – an update on pathogenesis. Ann Endocrinol (Paris) 2018;79(3):157-63. https://doi.org/10.1016/j.ando.2018.03.008 DOI: https://doi.org/10.1016/j.ando.2018.03.008

Bornstein SR, Allolio B, Arlt W, Barthel A, Don-Wauchope A, Hammer GD, et al. Diagnosis and treatment of primary adrenal insufficiency: an endocrine society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab. 2016;101(2):364-89. https://doi.org/10.1210/jc.2015-1710 DOI: https://doi.org/10.1210/jc.2015-1710

Stewart PM, Newell-Price JDC. The adrenal cortex. In: Melmed S, Polonsky KS, Larsen PR, Kronenberg HM. Williams textbook of endocrinology: 12th ed. Philadelphia: Elsevier Inc; 2011. p. 489-555. DOI: https://doi.org/10.1016/B978-0-323-29738-7.00015-0

Silva RC, Castro M, Kater CE, Cunha AA, Moraes AM, Alvarenga DB, et al. Insuficiência adrenal primária no adulto: 150 anos depois de Addison. Arq Bras Endocrinol Metab 2004;48(5):724-38. https://doi.org/10.1590/S0004-27302004000500019 DOI: https://doi.org/10.1590/S0004-27302004000500019

Jabbour SA. Cutaneous manifestations of endocrine disorders: a guide for dermatologists. Am J Clin Dermatol 2003;4(5):315-31. https://doi.org/10.2165/00128071-200304050-00003 DOI: https://doi.org/10.2165/00128071-200304050-00003

Gatti RF, Prohmann CM, Dantas CA, Barcelo e Silva L, Machado TM, Mattar FRO, et al. Hyperpigmentation in Addison’s Disease: Case Report. Journal of the Portuguese Society of Dermatology and Venereology. 2017;75(2):169-72. https://doi.org/10.29021/spdv.75.2.772 DOI: https://doi.org/10.29021/spdv.75.2.772

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. [cited on Mar 23, 2022]. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_basica_2006.pdf

Teixeira RR. Humanização e atenção primária à saúde. Ciênc Saúde Coletiva 2005;10(3):585-97. https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000300016 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000300016

Machado FA, Venturini RR, Manzan ALA, Silva GR. Relação do paciente com o serviço em Unidades Básicas de Saúde sob a óptica dos médicos e dos pacientes. Rev Bras Med Fam Comunidade 2015;10(37):1-11. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(37)773 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(37)773

Publicado

2022-09-29

Como Citar

1.
Brugugnolli I, Leite AOG, Arantes GEPS, Arf LV, Faccioli JPM, Claudino LGC. Diagnóstico de doença de Addison por meio de lesão cutânea na Atenção Primária: relato de caso. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 29º de setembro de 2022 [citado 9º de dezembro de 2022];17(44):2823. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2823

Edição

Seção

Casos Clínicos

Plaudit