Acupuntura e Atenção Primária à Saúde: análise sobre necessidades de usuários e articulação da rede

Daniela Dallegrave, Camila Boff, Juliano André Kreutz

Resumo


A inserção de práticas integrativas e complementares no Sistema Único de Saúde remonta à discussão do movimento da reforma sanitária brasileira. Desde a aprovação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares, em 2006, a oferta de acupuntura tem crescido nos serviços públicos de saúde como prática multidisciplinar. Os usuários que acessam o Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição (Porto Alegre, no Rio Grande do Sul) podem ser encaminhados para a realização de acupuntura por meio da central de marcação de consultas do município. O presente estudo teve como objetivo explorar os encaminhamentos para acupuntura realizados no Serviço de Saúde Comunitária. Trata-se de um estudo de caráter descritivo, com abordagem quantitativa. As fontes de coleta de dados foram os formulários de referência e contrarreferência dos encaminhamentos para acupuntura dentro do Serviço de Saúde Comunitária. Os resultados apontaram maior proporção de mulheres e pessoas com idade acima de 50 anos entre os pacientes referenciados. Observaram-se diferenças significativas nas medianas de ‘dias de espera’ para consulta entre as unidades de saúde vinculadas ao Serviço de Saúde Comunitária. Ainda, confirmou-se a hipótese inicial de que o principal motivo de encaminhamento para realização de acupuntura seria ‘dor’, inscrevendo-se na lógica ocidental de pensar a saúde e os diagnósticos.

Palavras-chave


Acupuntura; Atenção Primária à Saúde; Terapias Complementares; Sistema Único de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição. Serviço de Saúde Comunitária. [homepage na Internet]. Porto Alegre; 2011. [acesso em 2011 Nov 15]. Disponível em: http://www.ghc.com.br/default.asp?idMenu=2&idSubMenu=5

Starfield B. Atenção Primária: Equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

Scognamillo-Szabo MVR, Bechara GH. Acupuntura: histórico, bases teóricas e sua aplicação em Medicina Veterinária. Cienc Rural. 2010; 40(2): 491-500. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782010005000004

Maike SRL, Fundamentos Essenciais da Acupuntura Chinesa. São Paulo: Ícone; 1995. p. 29-31.

Jianping L, Yanliang C, Renhua S. Chinese acupuncture and moxibustion: a practical English - Chinese Library of Traditional Chinese Medicine. São Paulo: Publishing House of Shanghai College of Traditional Chinese Medicine; 1988. p. 2-12.

Prefeitura Municipal de São Paulo. Secretaria Municipal de Saúde. Caderno Temático da Medicina Tradicional Chinesa. São Paulo; 2002. [acesso em 2010 Fev 27]. Disponível em: http://ww2.prefeitura.sp.gov.br//arquivos/secretarias/saude/areas_tematicas/0047/MTC_CadernoTematico.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Ross J. Zang Fu: sistemas de órgãos e vísceras da medicina tradicional chinesa. São Paulo: Roca; 1994.

Lutaif S. George Soulié de Morant e Sua Tradução Ocidental do Saber Médico Chinês. 2005. [dissertação]. Pontifícia Universidade Católica: Porto Alegre; 2005.

World Health Organization (WHO). Guidelines on Basic Training and Safety in Acupuncture. 1999. [acesso em 2010 Fev 28]. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/hq/1999/WHO_EDM_TRM_99.1.pdf

Kurebayashi LFS, Oguisso T, Campos PFS, Freitas GF. Acupuntura na enfermagem brasileira: uma história em construção. Rev Paulista Enferm. 2007; 26 (2):127-33.

Shoji R. Imigração Chinesa e Coreana. 2004. [acesso em 2010 mar 6]. Disponível em: http://www.pucsp.br/rever/rv3_2004/p_shoji.pdf

Kang S, Razzouk D, Mari JJ, Shirakawa I. The mental health of Korean immigrants in São Paulo, Brazil. Cad Saúde Pública. 2009; 25(4): 819-26. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000400013

Gonçalves RB. O sincretismo de culturas sob a ótica da arquitetura vernácula do imigrante japonês na cidade de Registro, São Paulo. An Mus Paul. 2008; 16(1): 11-46. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-47142008000100002

Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Mais uma conquista: Acupuntura é especialidade Farmacêutica. 2009. [acesso em 2010 mar 10]. Disponível em: http://www.crfsp.org.br/joomla/index.php?option=com_content&view=article&id=1839:mais-uma-conquista-acupuntura-e-especialidade-farmaceutica-&catid=40:noticias&Itemid=60

Brasil. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília; 1988.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 971, de 3 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Brasília; 2006. [acesso em 2010 fev 28]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/PNPIC.pdf

Prodanov CC, Freitas EC. Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Amburgo: Feevale; 2009. 288p.

Rouquayrol MZ, Almeida Filho N. Epidemiologia e Saúde. 5ª ed. Rio de Janeiro: Medsi; 1999.

Viacava F, Travassos C, Pinheiro R, Brito A. Gênero e Utilização de Serviços de Saúde no Brasil. [acesso em 2011 set 21]. Disponível em: http://ris.bvsalud.org/finals/BRA-3020.pdf




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc6(21)291

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia