Compreensão do paciente idoso sobre sua prescrição médica na Atenção Primária em Saúde na cidade de Fortaleza (CE)

Autores

  • Rosiane Barros Pereira Centro Universitário Maurício de Nassau – Fortaleza (CE), Brasil.
  • Eveline Cordeiro Sousa Centro Universitário Maurício de Nassau – Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2438-4750
  • Diego da Silva Medeiros Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil
  • Malena Gadelha Cavalcante Universidade Federal do Ceará – Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1559-9218

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3075

Palavras-chave:

Idoso, Atenção Primária em Saúde, Prescrições Médicas, Envelhecimento, Medicamentos.

Resumo

Introdução: O envelhecimento é acompanhado por mudanças que colaboram para que os idosos precisem de farmacoterapia aumentada. Objetivo: Objetivou-se identificar a dificuldade de compreensão do paciente idoso quanto à prescrição de medicamentos na Atenção Primária na cidade de Fortaleza (CE). Métodos: Trata-se de um estudo descritivo e transversal com abordagem quantitativa, realizado em Unidade de Atenção Primaria à Saúde (UAPS) na cidade de Fortaleza/CE. Foi aplicado questionário estruturado em 105 idosos. As entrevistas aconteceram entre os meses de setembro e outubro de 2019. Resultados: Os resultados demonstraram que o sexo feminino foi prevalente em 88 (83%) participantes, a autopercepção da saúde predominante foi a regular com 39 (40,95%) membros e cem (95,2%) idosos fazem uso de medicamento contínuo. Uma parcela de 78 (74,28%) conhecia o nome do medicamento e 83 (79,04%) sua indicação. Quanto à posologia, 83 (80,95%) sabiam como tomar a medicação e 41 (39,05%) não sabiam como proceder em caso de esquecimento, 51 (53,54%) não conheciam os efeitos colaterais e 30 (28,58%) necessitavam de maiores informações sobre o tratamento. Conclusões: Conclui-se que existe uma lacuna entre o conhecimento do paciente idoso e o conhecimento a respeito dos seus medicamentos/tratamento, necessitando-se de maior atenção aos aspectos farmacológicos do tratamento e ao fornecimento de informação de forma clara, didática e objetiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rosiane Barros Pereira, Centro Universitário Maurício de Nassau – Fortaleza (CE), Brasil.

Centro Universitário Maurício de Nassau, Fortaleza-Ce.

Malena Gadelha Cavalcante, Universidade Federal do Ceará – Fortaleza (CE), Brasil.

Docente do Centro Universitário Maurício de Nassau, Fortaleza-CE.

Referências

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei no 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto da Pessoa Idosa e dá outras providências [Internet] 2003. [cited on Aug. 2, 2022]. Available at: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.741compilado.htm

Organização Pan-Americana da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2005.

Araujo TCN, Alves MIC. Perfil da população idosa no Brasil. Textos Envelhecimento 2000;3(3):7-19.

Mendonça AÉ, Silva ME, Araújo CP, Campos BR, Pereira AG, Santos LPR, et al. A promoção da saúde pelas ondas do rádio: um foco na propaganda de medicamentos. Vigil Sanit Debate 2014;2(2):96-101. https://doi.org/10.3395/vd.v2i2.123 DOI: https://doi.org/10.3395/vd.v2i2.123

Paradella R. Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. Agência IBGE Notícias; 2018. [Internet] 2018. [cited on Aug. 2, 2022]. Available at: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1 supl. 1):1-51. DOI: https://doi.org/10.1590/S0066-782X2010001700001

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública 2012;46(Supl):126-34. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000700017 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000700017

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM no 1.958/2010. Define e regulamenta o ato da consulta médica, a possibilidade de sua complementação e reconhece que deve ser do médico assistente a identificação das hipóteses tipificadas nesta resolução. Publicada no D.O.U. de 10 de janeiro de 2011, Seção I, p. 92. [Internet]. 2010 [cited on Mar. 22, 2019]. Available at: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2010/1958_2010.htm.

Hogerzeil HV, Barnes KI, Henning RH, Kocabasoglu YE, Möller H, et al. Guia do instrutor em práticas da boa prescrição médica. Geneva: Organização Mundial da Saúde; 2001.

Valladão MLF, Lisboa SM, Fernandes C. Receitas médicas e dispensação farmacêutica: uma questão de saúde. Rev Med Minas Gerais 2004;14(1):17-21.

Soares LSB, Polejack L. Comunicação em saúde: percepção dos usuários em um serviço de oncologia. Ciência & Saúde 2016;9(1):30-7. https://doi.org/10.15448/1983-652X.2016.1.22448 DOI: https://doi.org/10.15448/1983-652X.2016.1.22448

Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad Saúde Pública 2007;23(3):565-74. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015

Kilsztajn S, Rossbach A, Câmara MB, Carmo MSN. Serviços de saúde, gastos e envelhecimento da população brasileira. Rev Bras Estud Popul 2003;20(1):93-108.

Silva AL, Ribeiro AQ, Klein CH, Acurcio FA. Utilização de medicamentos por idosos brasileiros, de acordo com a faixa etária: um inquérito postal. Cad Saúde Pública 2012;28(6):1033-45. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012000600003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012000600003

Lima-Costa MF, Firmo JOA, Uchôa E. A estrutura da auto-avaliação da saúde entre idosos: projeto Bambuí. Rev Saúde Pública 2004;38(6):827-34. https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000600011 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000600011

Dachs JNW, Santos APR. Auto-avaliação do estado de saúde no Brasil: análise dos dados da PNAD/2003. Ciên Saúde Colet 2006;11(4):887-94. https://doi.org/10.1590/S1413-81232006000400012 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232006000400012

Araújo CL. Conhecimento de idosos sobre o uso de medicamentos e interação medicamentosa. RBCEH 2011;8(2):188-95. https://doi.org/ 10.5335/rbceh.2011.018

Batista JPS, Reis LAR, Ribeiro ÍAP, Mendes CMM. O uso de medicamentos por idosos e a frequência de quedas. Braz J Develop 2020;6(5):25050-67. https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-091 DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-091

Lima-Costa MF, Barreto SM, Giatti L. Condições de saúde, capacidade funcional, uso de serviços de saúde e gastos com medicamentos da população idosa brasileira: um estudo descritivo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Cad Saúde Pública 2003;19(3):735-43. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000300006 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000300006

Leite-Cavalcanti C, Rodrigues-Gonçalves MC, Rios-Asciutti LS, Leite-Cavalcanti A. Prevalência de doenças crônicas e estado nutricional em um grupo de idosos brasileiros. Rev Salud Pública 2009;11(6):865-77. DOI: https://doi.org/10.1590/S0124-00642009000600003

Passos VMA, Assis TD, Barreto SM. Hipertensão arterial no Brasil: estimativa de prevalência a partir de estudos de base populacional. Epidemiol Serv Saúde 2006;15(1):35-45. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742006000100003 DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742006000100003

Lima e Costa MFF, Guerra HL, Barreto SM, Guimarães RM. Diagnóstico da situação de saúde da população idosa brasileira: um estudo da mortalidade e das internações hospitalares públicas. Informe Epidemiológico do SUS 2000;9(1):23-41. http://dx.doi.org/10.5123/S0104-16732000000100003 DOI: https://doi.org/10.5123/S0104-16732000000100003

Arruda DCJ, Eto FN, Velten APC, Morelato RL, Oliveira ERA. Fatores associados a não adesão medicamentosa entre idosos de um ambulatório filantrópico do Espírito Santo. Rev Bras Geriatr Gerontol 2015;18(2):327-37. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14074 DOI: https://doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14074

Coelho Filho JM, Marcopito LF, Castelo A. Perfil de utilização de medicamentos por idosos em área urbana do Nordeste do Brasil. Rev Saúde Pública 2004;38(4):557-64. https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000400012 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000400012

Lebrão ML, Laurenti R. Saúde, bem-estar e envelhecimento: o estudo SABE no Município de São Paulo. Rev Bras Epidemiol 2005;8(2):127-41. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2005000200005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2005000200005

Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública 2009;43(3):548-54. https://doi.org/10.1590/S0034-89102009005000025 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102009000300020

Pereira KG, Peres MA, Iop D, Boing AC, Boing AF, Aziz M, et al. Polifarmácia em idosos: um estudo de base populacional. Rev Bras Epidemiol 2017;20(2):335-44. https://doi.org/10.1590/1980-5497201700020013 DOI: https://doi.org/10.1590/1980-5497201700020013

Rantucci MJ. Pharmacists talking with patients: a guide to patient counseling. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2007.

Pinto IVL, Reis AMM, Almeida-Brasil CC, Silveira MR, Lima MG, Ceccato MGB. Avaliação da compreensão da farmacoterapia entre idosos atendidos na Atenção Primária à Saúde de Belo Horizonte, MG, Brasil. Ciênc Saúde Colet 2016;21(11):3469-81. https://doi.org/10.1590/1413-812320152111.19812015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152111.19812015

Vianna LG, Vianna C, Bezerra AJC. Relação médico-paciente idoso: desafios e perspectivas. Rev Bras Educ Med 2010;34(1):150-9. https://doi.org/10.1590/S0100-55022010000100018 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022010000100018

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) [Internet] 2011 [cited on XXX XX XXXX]. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Vieira FS. Possibilidades de contribuição do farmacêutico para a promoção da saúde. Ciên Saúde Coletiva 2007;12(1):213-20. https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000100024 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000100024

Silvério MS, Leite ICG. Qualidade das prescrições em município de Minas Gerais: uma abordagem farmacoepidemiológica. Rev Assoc Med Bras 2010;56(6):675-80. https://doi.org/10.1590/S0104-42302010000600016 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-42302010000600016

Cruzeta APS, Dourado ACL, Monteiro MTM, Martins RO, Calegario TA, Galato D. Fatores associados à compreensão da prescrição médica no Sistema Único de Saúde de um município do Sul do Brasil. Ciênc Saúde Coletiva 2013;18(12):3731-7. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013001200029 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013001200029

Silva T, Schenkel EP, Mengue SS. Nível de informação a respeito de medicamentos prescritos a pacientes ambulatoriais de hospital universitário. Cad Saúde Pública 2000;16(2):449-55. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2000000200015 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2000000200015

Farias AD, Cardoso MAA, Medeiros ACD, Belém LF, Simões MOS. Indicadores de prescrição médica nas unidades básicas de Saúde da Família no município de Campina Grande, PB. Rev Bras Epidemiol 2007;10(2):149-56. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2007000200003

Fröhlich SE, Dal Pizzol TS, Mengue SS. Instrumento para avaliação do nível de conhecimento da prescrição na atenção primária. Rev Saúde Pública 2010;44(6):1046-54. https://doi.org/10.1590/S0034-89102010000600009 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102010000600009

Chan FWK, Wong FYY, So WY, Kung K, Wong CKM. How much do elders with chronic conditions know about their medications? BMC Geriatr 2013;13:59. https://doi.org/10.1186/1471-2318-13-59 DOI: https://doi.org/10.1186/1471-2318-13-59

Publicado

2022-12-20

Como Citar

1.
Pereira RB, Sousa EC, Medeiros D da S, Cavalcante MG. Compreensão do paciente idoso sobre sua prescrição médica na Atenção Primária em Saúde na cidade de Fortaleza (CE). Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 20º de dezembro de 2022 [citado 29º de janeiro de 2023];17(44):3075. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3075

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit