As relações sociais de travestis e mulheres transgênero em favela de uma cidade metropolitana brasileira registradas pelo Ecomapa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3079

Palavras-chave:

Transexualidade, Integração Comunitária, Atenção primária à saúde.

Resumo

Introdução: A Organização Mundial da Saúde tem trabalhado com a premissa da equidade com respeito universal pela dignidade humana, assumindo o compromisso de “não deixar ninguém para trás”, e por esse motivo direciona um olhar especial para a população de lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, queer e intersexuais. Sabe-se que a população transgênero é especialmente atingida por diversos estigmas sociais que impactam seu processo de saúde e adoecimento. Entendendo a Atenção Primária à Saúde como espaço primordial para a garantia de direitos dessa população, é necessário que os Centros de Saúde intensifiquem os esforços para acolher essas pessoas; um passo importante pode ser entender como é seu relacionamento familiar e sua inserção comunitária. Objetivo: Auxiliar na construção da visibilidade das representações que as mulheres transgênero e travestis assistidas em um Centro de Saúde têm sobre suas relações sociais. Métodos: Foram entrevistadas as travestis e mulheres transgênero moradoras de comunidade assistida pelo Centro de Saúde. As entrevistas foram feitas em profundidade e com a elaboração de ecomapa, sistematizadas com as participantes e posteriormente enviadas para sua aprovação. Os ecomapas individuais foram sintetizados em um único. Resultados: Todas as cinco travestis e mulheres transgênero que residiam na área foram entrevistadas. A média de idade foi de 27,5 anos. Sobre a autodeclaração de raça/cor, uma é branca, duas são pardas e duas, negras. Duas encontravam-se com vínculo de trabalho formal e três sem ocupação. Quatro apresentavam ensino médio completo e uma, ensino fundamental incompleto, conforme indicado na Tabela 1. Para a maioria das travestis e mulheres trans dessa comunidade, é notável o suporte familiar como ponto de apoio. No que concerne a equipamentos de proteção social, o mais citado foi a Defensoria Pública, uma organização não governamental e o Centro de Referência da Assistência Social. Todas fazem seu acompanhamento no Centro de Saúde, e uma referiu estar mais afastada por não ter demanda. A religiosidade candomblecista também foi fator de suporte para duas das entrevistadas. A maior dificuldade foi relativa à empregabilidade, com relatos de situações de transfobia. Uma das entrevistadas identificou que tem um problema relacionado à drogadição. Conclusões: Ainda há muito a evoluir em políticas públicas que promovam equidade e saúde para as mulheres trans e travestis, especialmente na garantia de cuidados com a saúde, de incentivos à empregabilidade trans e de combate à transfobia, porém as mulheres da comunidade estudada e suas famílias indicam-nos como o acolhimento e o apoio podem ser fatores diferenciais nessas trajetórias de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabriela Persio Gonçalves, Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte – Belo Horizonte (MG), Brazil.

Médica de Família e Comunidade, graduada pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Residência Médica de Medicina de Família e Comunidade pelo Hospital Metropolitano Odilon Behrens (HMOB), concursada na Atenção Primária da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte.

Eloísa Helena de Lima, Universidade Federal de Ouro Preto – Ouro Preto (MG), Brazil.

Possui graduação em Psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas - FUMEC (1992), Mestrado em Psicologia/ Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004), Doutorado em Ciências da Saúde pelo Centro de Pesquisa René Rachou - FIOCRUZ (2013) com período de Doutorado Sanduíche em Antropologia da Saúde pela Universitat Rovira i Virgili - Barcelona/Espanha(2011) . Atualmente é professora adjunta na Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto e colaboradora na função de diretora da EMED-UFOP. Atua como docente no curso de graduação em medicina e no mestrado profissional em saúde da família lecionando disciplinas nas áreas de política, planejamento, gestão e promoção da saúde. 

Referências

Manandhar M, Hawkes S, Buse K, Nosrati E, Magar V. Gender, health and the 2030 agenda for sustainable development. Bull World Health Organ 2018;96(9):644-53. https://doi.org/10.2471/BLT.18.211607. DOI: https://doi.org/10.2471/BLT.18.211607

UNAIDS. Gap report. 2014 [acessado em 21 abr. 2021]. Disponível em: https://www.unaids.org/en/resources/campaigns/2014/2014gapreport/gapreport

Pinto IV, Andrade SSA, Rodrigues LL, Santos MAS, Marinho MMA, Benício LA, et al. Profile of notification of violence against Lesbian, Gay, Bisexual, Transvestite and Transsexual people recorded in the National Information System on Notifiable Diseases, Brazil, 2015-2017. Rev Bras Epidemiol 2020;23(Suppl 1):e200006.SUPL.1. https://doi.org/10.1590/1980-549720200006.supl.1 DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720200006.supl.1

Balzer C, Lagata C, Berredo L. 2,190 murders are only the tip of the iceberg – An introduction to the Trans Murder Monitoring project TMM annual report 2016. TvT Publ Ser [Internet]. 2016 [acessado em 21 abr. 2019]. Disponível em: www.tgeu.orgwww.transrespect.org

Benevides B, Nogueira S. Assassinatos contra travestis e transexuais brasileiras em 2020 [Internet]. 2020 [acessado em 2 maio 2021]. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2020/11/boletim-5-2020-assassinatos-antra.pdf

Brasil. Política nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transsexuais National policy on comprehensive health of lesbians, gays, bisexuals and transssexuals [Internet]. 2012 [acessado em 21 abr. 2019]. Disponível em: www.saude.gov.br/editora

Brasil. Portaria no 2.836, de 1o de dezembro de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a política nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Política Nacional de Saúde Integral LGBT). [Internet]. 2011 [acessado em 8 jun. 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2836_01_12_2011.html

Brasil. Portaria nº 2.803, de 19 de novembro de 2013. Redefine e amplia o processo transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). 2008 [acessado em 21 abr. 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2803_19_11_2013.html

Rogers J, Tesser-Júnior ZC, Kovaleski DF, Moretti-Pires RO. Pessoas Trans na Atenção Primária : análise preliminar da implantação no município de Florianópolis, 2015. 2016 [acessado em 22 set. 2019]. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=265347623008

Agostinho M. Ecomapa. Rev Port Med Geral Fam 2022;23(3):327-30 https://doi.org/10.32385/rpmgf.v23i3.10366

Kaippert I, Anderson MIP, Teixeira DS. Ecomapa comunitário – ferramenta proposta para organização do trabalho com a comunidade. [acessado em 27 mar. 2022]. Disponível em: https://www.cmfc.org.br/brasileiro/article/view/268

Vergueiro V. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes : uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. [dissertacao de mestrado]. Salvador: Universidade Federal da Bahia; 2016.

Torres MA, Modesto RG, Menezes TMC. Por uma educação não transfóbica: reconhecimento e produção de verdades trans na educação. Form Docente [Internet]. 2020;12(24):121-34. https://doi.org/10.31639/rbpfp.v12i24.339 DOI: https://doi.org/10.31639/rbpfp.v12i24.339

Akotirene C. Interseccionalidade. São Paulo: Editora Jandaíra; 2020. 152 p.

Cassalha OC, Casarin ST, Cortes HM, Antonacci MH. Vivências de pessoas transgêneras no atendimento à saúde: metassíntese qualitativa. Res Soc Dev [Internet]. 2020;9(10):e4769108810. http://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8810 DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8810

Publicado

2022-11-11

Como Citar

1.
Gonçalves GP, Lima EH de. As relações sociais de travestis e mulheres transgênero em favela de uma cidade metropolitana brasileira registradas pelo Ecomapa. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 11º de novembro de 2022 [citado 9º de dezembro de 2022];17(44):3079. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3079

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit