Enfrentamento da hanseníase em tempos de COVID-19

uma experiência exitosa de implantação de um sistema de rastreamento em área endêmica do Nordeste

Autores

  • Rômulo Rodrigues de Souza Silva Universidade Federal de Alagoas – Maceió (AL), Brasil.
  • Thais Silva Matos Universidade de Pernambuco – Recife (PE), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7669-2320
  • Tarcísio Fulgêncio Alves da Silva 2Universidade de Pernambuco – Recife (PE), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5982-9954
  • Divanise Suruagy Correia Universidade Federal de Alagoas – Maceió (AL), Brasil.
  • José Roberto Amorim Universidade Federal de Alagoas – Maceió (AL), Brasil.
  • Michael Ferreira Machado Universidade Federal de Alagoas – Maceió (AL), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6538-6408
  • Carolinne de Sales Marques Universidade Federal de Alagoas – Maceió (AL), Brasil.
  • Amanda Karine Barros Ferreira de Araújo Universidade Federal de Alagoas – Maceió (AL), Brasil.
  • Rodrigo Feliciano do Carmo Universidade Federal do Vale do São Francisco – Petrolina (PE), Brasil.
  • Igor Matheus Jambeiro Brandão Universidade Federal do Vale do São Francisco – Petrolina (PE), Brasil.
  • Tânia Rita Moreno de Oliveira Fernandes Universidade Federal do Vale do São Francisco – Petrolina (PE), Brasil.
  • Carlos Dornels Freire de Souza Universidade Federal de Alagoas – Maceió (AL), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7995-1893

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3232

Palavras-chave:

Palavras-Chaves: Hanseníase; Prevalência oculta; Atenção Primária à Saúde.

Resumo

Introdução: A COVID-19 (coronavirus disease 2019) trouxe inúmeros desafios e sobrecarga ao Sistema Único de Saúde (SUS), gerando dificuldades no enfrentamento das outras enfermidades endêmicas e negligenciadas no território brasileiro, entre elas a hanseníase. Objetivo: Relatar a experiência de enfrentamento da prevalência oculta de hanseníase por uma equipe de atenção primária à saúde do interior do estado de Sergipe durante a pandemia de COVID-19. Métodos: O projeto foi desenvolvido entre os meses de setembro de 2020 e janeiro de 2021 e caracterizou-se pela oferta de exame dermatológico aos indivíduos que buscaram atendimento na unidade de saúde do bairro Cidade Nova, em Estância, Sergipe. Confirmado o diagnóstico de hanseníase, foi introduzido o tratamento com esquema de poliquimioterapia da Organização Mundial da Saúde (PQT-OMS) e os contatos foram examinados, respeitando-se as medidas sanitárias de prevenção à contaminação pela COVID-19. Resultados: No período analisado, foram avaliados 235 indivíduos, sendo feitos seis diagnósticos clínicos de hanseníase (2,5%), entre os quais um em menor de 15 anos de idade. No município, durante todo o ano de 2020, registrou-se o total de nove casos novos de hanseníase. Sem o projeto, o coeficiente de detecção de casos novos de hanseníase no município seria de 4,3/100 mil habitantes e, com o projeto, esse coeficiente foi três vezes superior (12,9/100 mil habitantes). Conclusão: A oferta de exame dermatoneurológico durante consultas médicas de rotina em áreas vulneráveis permitiu evidenciar a prevalência oculta de hanseníase no bairro Cidade Nova, Estância. Além disso, ações dessa natureza permitem o diagnóstico precoce, evitando-se a evolução para incapacidades físicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

World Health Organization. Coronavirus disease 2019 (COVID-19): situation report – 51 [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2020 [acessado em 18 mar. 2021]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/331475

Kraemer MU, Yang CH, Gutierrez B, Wu CH, Klein B, Pigott DM, et al. The effect of human mobility and control measures on the COVID-19 epidemic in China. Science 2020;368(6490):493-7. https://doi.org/10.1126/science.abb4218 DOI: https://doi.org/10.1126/science.abb4218

Brasil. Ministério da Saúde. COVID-19 no Brasil [Internet]. 2023 [acessado em 20 jun. 2023]. Disponível em: https://infoms.saude.gov.br/extensions/covid-19_html/covid-19_html.html

World Health Organization. WHO Coronavirus (COVID-19). Dashboard [Internet] [acessado em 18 mar. 2021]. Disponível em: https://covid19.who.int/

Brasil. Ministério da Saúde. Painel Coronavírus. Casos acumulados de COVID-19 por data de notificação [Internet]. 2020 [acessado em 21 ago. 2020]. Disponível em: https://covid.saude.gov.br/.

Teixeira MG, Medina MG, Costa MCN, Barral-Netto M, Carreiro R, Aquino R. Reorganização da atenção primária à saúde para vigilância universal e contenção da COVID-19. Epidemiol Serv Saúde 2020;29(4):e2020494. https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000400015 DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000400015

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Hanseníase [Internet]. Boletim Epidemiológico 2020;nesp:1-51. Acesso em: 21/08/2020. Disponível em: https://www.gov.br/aids/pt-br/centrais-de-conteudo/boletins-epidemiologicos/2020/hanseniase/boletim-hanseniase-2020-web-1.pdf/view

Cruz RCS, Bührer-Sékula S, Penna MLF, Penna GO, Talhari S. Leprosy: current situation, clinical and laboratory aspects, treatment history and perspective of the uniform multidrug therapy for all patients. An Bras Dermatol 2017;92(6):761-73. https://doi.org/10.1590/abd1806-4841.20176724 DOI: https://doi.org/10.1590/abd1806-4841.20176724

Sociedade Brasileira de Hansenologia. Orientações para pessoas atingidas pela hanseníase durante a pandemia COVID-19 [Internet]. 2020 [acessado em 13 ago. 2020]. Disponível em: http://www.sbhansenologia.org.br/release/orientacoes-para-pessoas-atingidas-pela-hanseniase-durante-a-pandemia-covid-19

Dunlop C, Howe A, Li D, Allen LN. The coronavirus outbreak: the central role of primary care in emergency preparedness and response. BJGP Open 2020;4(1):bjgpopen20X101041. https://doi.org/10.3399/bjgpopen20X101041 DOI: https://doi.org/10.3399/bjgpopen20X101041

Farias LABG, Colares MP, Barretoti FKA, Cavalcanti LPG. O papel da atenção primária no combate ao Covid-19: impacto na saúde pública e perspectivas futuras. Rev Bras Med Fam Comunidade 2020;15(42):2455. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)245 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2455

Reigada CLL, Smiderle CASL. Atenção à saúde da mulher durante a pandemia COVID-19: orientações para o trabalho na APS. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2021;16(43):2535. https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2535 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2535

Sarti TD, Lazarini WS, Fontenelle LF, Almeida APSC. Qual o papel da Atenção Primária à Saúde diante da pandemia provocada pela COVID-19? Epidemiol Serv Saude 2020;29(2):e2020166. https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000200024 DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000200024

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Sergipe. Estância [Internet]. 2021 [acessado em 17 abr. 2021]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/se/estancia/panorama

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Sistema de Informações de Agravos de Notificação. Acompanhamento dos dados de hanseníase - Sergipe [Internet]. 2019 [acessado em 14 abr. 2021]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/hanswse.def

Prefeitura Municipal de Estância. Dados municipais. Visão geral [Internet]. 2021 [acessado em 01 abr. 2021]. Disponível em: https://www.estancia.se.gov.br/site/dadosmunicipais

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da atenção básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011 [acessado em 05 maio 2021]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Aprova as Diretrizes para Vigilância, Atenção e Eliminação da Hanseníase como Problema de Saúde Pública, com a finalidade de orientar os gestores e os profissionais dos serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [acessado em 05 maio 2021]. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/fevereiro/04/diretrizes-eliminacao-hanseniase-4fev16-web.pdf

Parmet WE, Sinha MS. Covid-19 – the law and limits of quarantine. N Engl J Med 2020; 382(15):e28. https://doi.org/10.1056/NEJMp2004211 DOI: https://doi.org/10.1056/NEJMp2004211

Werneck GL, Carvalho MS. A pandemia de COVID-19 no Brasil: crônica de uma crise sanitária anunciada. Cad Saúde Pública 2020;36(5):e00068820. https://doi.org/10.1590/0102-311X00068820 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00068820

Lana RM, Coelho FC, Gomes MFC, Cruz OG, Bastos LS, Villela DAM, et al. Emergência do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e o papel de uma vigilância nacional em saúde oportuna e efetiva. Cad Saúde Pública 2020;36(3):e00019620. https://doi.org/10.1590/0102-311X00019620 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00019620

Matos TM, Nascimento VA, Carmo RF, Fernandes TRMO, Souza CDF, Silva TFA. Impact of the COVID-19 pandemic on the diagnosis of new leprosy cases in Northeastern Brazil, 2020. Int J Dermatol 2021;60(8):1003-6. https://doi.org/10.1111/ijd.15705 DOI: https://doi.org/10.1111/ijd.15705

Rios AFM, Lira LSSP, Reis IM, Silva GA. Atenção primária à saúde frente à COVID-19: relato de experiência de um centro de saúde. Enferm Foco 2020;11(1):246-51. DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n1.ESP.3666

Souza CDF, Gois-Santos VT, Correia DS, Martins-Filho PR, Santos VS. The need to strengthen Primary Health Care in Brazil in the context of the COVID-19 pandemic. Braz Oral Res. 2020;34:e047 https://doi.org/10.1590/1807-3107bor-2020.vol34.0047 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-3107bor-2020.vol34.0047

Souza CDF, Leal TC, Paiva JP, Araújo EMCF, Santos FGB. Pseudo eliminação da hanseníase em estado no nordeste brasileiro: análise a partir de regressão por pontos de inflexão e modelo bayesiano empírico local. Rev Epidemiol Controle Infecç 2019;9(1):32-9. https://doi.org/10.17058/reci.v9i1.11649 DOI: https://doi.org/10.17058/reci.v9i1.11649

Souza CDF, Santos FGB. Prevalência da hanseníase, taxa de grau II de incapacidade física e proporção de casos multibacilares: Um paradoxo que evidencia diagnóstico tardio e prevalência oculta? Rev Epidemiol Controle Infecç 2019;9(1):96-9. https://doi.org/10.17058/reci.v9i1.11765 DOI: https://doi.org/10.17058/reci.v9i1.11765

Fernandes TRMO, Pereira AA, Cardoso LS, Alves Filho VP, Rezende Junior LSN, Souza CDF. The hidden prevalence of leprosy: a comparative study between two Brazilian cities. Rev Assoc Med Bras. 2020;66(10):1338-43. https://doi.org/10.1590/1806-9282.66.10.1338 DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9282.66.10.1338

Campiol NL, Cruz GUS, Chiacchio AD. Avaliação dos indicadores epidemiológicos da hanseníase na região norte do Brasil. Revista Amazônia: Science & Health. 2020;8(4):57-69. https://doi.org/10.18606/2318-1419/amazonia.sci.health.v8n4p57-69 DOI: https://doi.org/10.18606/2318-1419/amazonia.sci.health.v8n4p57-69

Rocha MCN, Nobre ML, Garcia LP. Características epidemiológicas da hanseníase nos idosos e comparação com outros grupos etários, Brasil (2016-2018). Cad Saúde Pública 2020;36(9):e00048019. https://doi.org/10.1590/0102/311X00048019 DOI: https://doi.org/10.1590/0102/311x00048019

Lombardi C, Suárez REG. Epidemiologia da hanseníase. In: Talhari S, Neves RG. Hanseníase. 3a ed. Manaus: Gráfica Tropical; 1997. p. 127-36.

Francisco LL, Silva CFG, Paschoal VDA, Nardi SMT. Estimativa da prevalência oculta da hanseníase em município do interior do Estado de São Paulo. Arch Healht Sci 2019;26(2):89-93. https://doi.org/10.17696/2318-3691.26.2.2019.1643 DOI: https://doi.org/10.17696/2318-3691.26.2.2019.1643

Santos VS, Souza CDF, Martins-Filho PRS, Cuevas LE. Leprosy: why does it persist among us?. Expert Rev Anti Infect Ther 2020;18(7):613-5. https://doi.org/10.1080/14787210.2020.1752194 DOI: https://doi.org/10.1080/14787210.2020.1752194

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia prático para operacionalização da campanha nacional de hanseníase, verminoses, tracoma e esquistossomose [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017 [acessado em 21 Jun 2017]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/22/Guia-Pratico-de-Hanseniase-WEB.pdf.

Lima RSK, Oliveira LBP, Gama RS, Ferreira JAG, Grossi MAF, Fairley JK, et al. A importância da busca ativa como estratégia de controle da hanseníase em territórios endêmicos. Hansen Int 2016;41(1-2):55-63.

Souza CDF, Lima RS. Gestão de campanha em saúde pública: relato de Experiência da Campanha Nacional de Hanseníase em Juazeiro-Bahia, em 2014. Boletim do Instituto de Saúde 2015;16(2). [acessado em 6 maio 2021]. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Carlos-Dornels-Freire-Souza/publication/323152887_GESTAO_DE_CAMPANHA_EM_SAUDE_PUBLICA_Relato_de_Experiencia_da_Campanha_Nacional_de_Hanseniase_em_Juazeiro-Bahia_em_2014/links/5a83359445851504fb37e0d6/GESTAO-DE-CAMPANHA-EM-SAUDE-PUBLICA-Relato-de-Experiencia-da-Campanha-Nacional-de-Hanseniase-em-Juazeiro-Bahia-em-2014.pdf

Blank NPC, Freitas BHBM, Bortolini J. Busca ativa de hanseníase em escolas de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Adolesc Saude 2018;15(3):15-26.

Sousa BRM, Moraes FHA, Andrade JS, Lobo ES, Macêdo EA, Pires CAA, et al. Educação em saúde e busca ativa de casos de hanseníase em uma escola pública em Ananindeua, Pará, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade 2013;8(27):143-9. https://doi.org/10.5712/rbmfc8(27)467 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc8(27)467

Silva AR, Matos WB, Silva CCB, Gonçalves EGR. Hanseníase no município de Buriticupu, Estado do Maranhão: busca ativa de casos na população adulta. Rev Soc Bras Med Trop 2010;43(6):691-4. https://doi.org/10.1590/S0037-86822010000600018 DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822010000600018

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilência em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Coordenação-Geral de Vigilância das Doenças em Eliminação. Nota Informativa no 5/2020-CGDE/.DCCI/SVS/MS. Adequação do serviço de saúde para o cuidado às pessoas acometidas pela Hanseníase no contexto da pandemia do COVID-19 no âmbito do Sistema Único de Saúde [Internet]. 2020 [acessado em 8 maio 2021]. Disponível em: https://egestorab.saude.gov.br/image/?file=20200423_N_SEIMS-0014058003-NotaInformativa_5853634222484505678.pdf

Organização Mundial da Saúde. Estratégia global para hanseníase 2016–2020: aceleração rumo a um mundo sem lepra. Nova Deli: Organização Mundial da Saúde; 2016 [acesso em 2021 Abr 15]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/208824/9789290225201-pt.pdf

Silva DM, Sousa MNA. Prevalência de hanseníase no Brasil e os desafios da busca ativa na atenção primária à saúde. Revista Científica Integr@ção 2021;2(1):1-11. ISSN: 2675-2638

Azevedo CC, Quirino TRL, Silva NRB, Machado MF, Souza CDF, Lima LFS. O trabalho do agente comunitário de saúde frente à pandemia da COVID-19. Rev Port Saúde e Sociedade 2020;5(1):1299-314. https://doi.org/10.28998/rpss.v5i1.10406

Publicado

2023-09-01

Como Citar

1.
Silva RR de S, Matos TS, Silva TFA da, Correia DS, Amorim JR, Machado MF, Marques C de S, Araújo AKBF de, Carmo RF do, Brandão IMJ, Fernandes TRM de O, Souza CDF de. Enfrentamento da hanseníase em tempos de COVID-19: uma experiência exitosa de implantação de um sistema de rastreamento em área endêmica do Nordeste. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 1º de setembro de 2023 [citado 18º de julho de 2024];18(45):3232. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3232

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit