Avaliação do rastreio de retinopatia diabética por meio de uma auditoria clínica em uma Unidade de Atenção Primária à Saúde rural no interior de Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3239

Palavras-chave:

Retinopatia Diabética, Complicações do diabetes, Saúde da População Rural, Auditoria clínica, Atenção primária à saúde.

Resumo

Introdução: A retinopatia diabética é uma complicação do diabetes mellitus com grande impacto na saúde, mas seu diagnóstico por oftalmoscopia e a instituição do tratamento precoce comprovadamente reduzem a progressão para a perda visual. No território adscrito pela Unidade de Atenção Primária à Saúde (UAPS) onde realizou-se o presente estudo a equipe médica percebeu uma quantidade significativa de pessoas que não realizam fundo de olho periodicamente. Objetivo: Avaliar a taxa de pessoas adequadamente rastreadas quanto à retinopatia entre os diabéticos tipo 2 dessa localidade rural. Métodos: Este estudo consiste em um relato de experiência da realização de uma auditoria clínica para avaliar a taxa de rastreio de retinopatia entre diabéticos tipo 2 de uma UAPS. Para isso foi gerada uma planilha com os pacientes diabéticos de forma eletrônica pelo prontuário e-SUS, com posterior leitura de prontuário dos últimos dois anos em busca de menção à realização de oftalmoscopia. Resultados: O relatório gerou 3.736 cadastros ativos, dos quais 181 eram diabéticos. Destes, 156 foram selecionados para análise por serem comprovadamente diabéticos tipo 2. A taxa de rastreio nos últimos dois anos foi de 13,4%. Em 61,9% dos casos, a realização de fundoscopia foi realizada na própria UAPS. Conclusão: A auditoria clínica foi uma ferramenta útil para confirmar e delimitar a suspeita de baixa taxa de rastreio de retinopatia diabética. A realização de fundoscopia pelo médico de família e comunidade com treinamento foi uma estratégia que permitiu elevar essa porcentagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

World Health Organization. Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks. Genebra: World Health Organization; 2009.

Savassi LCM, Almeida MM, Floss M, Lima MC. Saúde no caminho da roça. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2018. DOI: https://doi.org/10.7476/9786557080535

International Diabetes Federation. IDF Atlas. 9a ed. Bruxelas: International Diabetes Federation; 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

Triches C, Schaan BA, Gross JL, Azevedo MJ. Complicações macrovasculares do diabetes melito: peculiaridades clínicas, de diagnóstico e manejo. Arq Bras Endocrinol Metab 2009;53(6):698-708. https://doi.org/10.1590/S0004-27302009000600002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0004-27302009000600002

Santos AL, Cecílio HP, Teston EF, Arruda GO, Peternella FM, Marcon SS. Complicações microvasculares em diabéticos Tipo 2 e fatores associados: inquérito telefônico de morbidade autorreferida. Ciênc Saúde Coletiva 2015;20(3):761-70. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232015203.12182014 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015203.12182014

Gregg EW, Sattar N, Ali MK. The changing face of diabetes complications. Lancet Diabetes Endocrinol 2016;4(6):537-47. https://doi.org/10.1016/S2213-8587(16)30010-9 DOI: https://doi.org/10.1016/S2213-8587(16)30010-9

Solomon SD, Chew E, Duh EJ, Sobrin L, Sun JK, VanderBeek BL, et al. Diabetic retinopathy: a position statement by the american diabetes association. Diabetes Care 2017;40(3):412-8. https://doi.org/10.2337/dc16-2641 DOI: https://doi.org/10.2337/dc16-2641

Klein R. Hyperglycemia and microvascular and macrovascular disease in diabetes. Diabetes Care. 1995;18(2):258-68. https://doi.org/10.2337/diacare.18.2.258 DOI: https://doi.org/10.2337/diacare.18.2.258

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da sociedade brasileira de diabetes (2019-2020). São Paulo: AC Farmacêutica; 2019. [acessado em 15 nov. 2020]. Disponível em: https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/DIRETRIZES-COMPLETA-2019-2020.pdf

McCulloch DK. Diabetic retinopathy: screening [internet]. UpToDate 2020. [citado em 24 jan, 2020]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/diabetic-retinopathy-screening

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. 160 p.

American Diabetes Association. Microvascular complications and foot care: standards of Medical Care in Diabetes, 2019. Diabetes Care 2019;42(Suppl. 1):S124-38. https://doi.org/10.2337/dc19-S011 DOI: https://doi.org/10.2337/dc19-S011

Agardh E, Tababat-Khani P. Adopting 3-year screening intervals for sight-threatening retinal vascular lesions in type 2 diabetic subjects without retinopathy. Diabetes Care. 2011;34(6):1318-9. https://doi.org/10.2337/dc10-2308 DOI: https://doi.org/10.2337/dc10-2308

DCCT/EDIC Research Group, Nathan DM, Bebu I, et al. Frequency of Evidence-Based Screening for Retinopathy in Type 1 Diabetes. N Engl J Med. 2017;376(16):1507-16. https://doi.org/10.1056/NEJMoa1612836 DOI: https://doi.org/10.1056/NEJMoa1612836

Tesser CD. Medicalização social (II): limites biomédicos e propostas para a clínica na atenção básica. Interface (Botucatu) 2006;10(20):347-62. https://doi.org/10.1590/S1414-32832006000200006 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832006000200006

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Rastreamento/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Nacional Institute for Clinical Excellence. Principles for best practice in clinical audit. Nice: Radcliffe Medical Press Ltd; 2002. [acessado em 15 nov. 2020]. Disponível em: https://www.nice.org.uk/media/default/About/what-we-do/Into-practice/principles-for-best-practice-in-clinical-audit.pdf

University Hospitals Bristol. NHS Foundation Trust. What is a clinical audit? [Internet]. Bristol: UHBristol Clinical Audit & Effectiveness Team; c2020. [acessado em 15 nov. 2020]. Disponível em: http://www.uhbristol.nhs.uk/media/2978627/1_what_is_clinical_audit_v4.pdf

Castro FAG, Santos ÁO, Reis GVL, Viveiros LB, Torres MH, Oliveira Junior PP. Telemedicina rural e COVID-19: ampliando o acesso onde a distância já era regra. Rev Bras Med Fam Comunidade 2020;15(42):2484. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2484 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2484

Alves AP, Santos RW, Almeida SE, Rocha SP, Loch AC. Retinopatia em pacientes hipertensos e/ou diabéticos em uma unidade de saúde da família. Rev Bras Oftalmol 2014;73(2):108-11. https://doi.org/10.5935/0034-7280.20140024 DOI: https://doi.org/10.5935/0034-7280.20140024

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Currículo baseado em competências para medicina de família e comunidade [Internet]. SBMFC; 2014. [acessado em 24 jan. 2021]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/wp-content/uploads/media/Curriculo%20Baseado%20em%20Competencias(1).pdf

O'Hare JP, Hopper A, Madhaven C, Charny M, Purewell TS, Harney B, et al. Adding retinal photography to screening for diabetic retinopathy: a prospective study in primary care. BMJ. 1996 Mar 16;312(7032):679-82. https://doi.org/10.1136/bmj.312.7032.679 DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.312.7032.679

Romero-Aroca P, Sagarra-Alamo R, Pareja-Rios A, López M. Importance of telemedicine in diabetes care: relationships between family physicians and ophthalmologists. World J Diabetes 2015;6(8):1005-8. https://doi.org/10.4239/wjd.v6.i8.1005 DOI: https://doi.org/10.4239/wjd.v6.i8.1005

Rosses APO, Ben ÂJ, Souza CF, Skortika A, Araújo AL, Carvalho G, et al. Diagnostic performance of retinal digital photography for diabetic retinopathy screening in primary care. Fam Pract 2017;34(5):546-51. https://doi.org/10.1093/fampra/cmx020 DOI: https://doi.org/10.1093/fampra/cmx020

Poli Neto P, Faoro NT, Prado Júnior JC, Pisco LA. Remuneração variável na Atenção Primária à Saúde: relato das experiências de Curitiba e Rio de Janeiro, no Brasil, e de Lisboa, em Portugal. Ciênc Saúde Coletiva [Internet] 2016;21(5):1377-88. http://doi.org/10.1590/1413-81232015215.02212016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015215.02212016

Zermiani TC, Baldani MH, Ditterrich RG. Pagamento por desempenho na atenção primária à saúde em Curitiba-PR: incentivo ao desenvolvimento da qualidade. Soc e Cult 2018;21(4):98-116. http://doi.org/10.5216/sec. v21i2.56313 DOI: https://doi.org/10.5216/sec.v21i2.56313

Publicado

2022-12-22

Como Citar

1.
Oliveira Junior PP de, Castro FAG de. Avaliação do rastreio de retinopatia diabética por meio de uma auditoria clínica em uma Unidade de Atenção Primária à Saúde rural no interior de Minas Gerais. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 22º de dezembro de 2022 [citado 29º de janeiro de 2023];17(44):3239. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3239

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit