Programa Mais Médicos e a medicina científica na perspectiva de Luc Boltanski

Autores

  • Priscila Lube Moraes Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva – Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4980-896X
  • Edson Theodoro dos Santos Neto Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva – Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7351-7719
  • Tatiana Breder Emerich Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva – Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4104-0562
  • Adauto Emmerich Oliveira Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva – Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9679-8592

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3287

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Sistema Único de Saúde, humanização da assistência.

Resumo

Introdução: A implementação do Programa Mais Médicos propiciou uma resposta favorável na redução da desigualdade de acesso à saúde no Brasil. Objetivo: O estudo visou compreender a implantação do Programa Mais Médicos em dois cenários distintos no estado do Espírito Santo demarcados pela situação de extrema pobreza. Métodos: Foram realizadas 23 entrevistas com gestores que atuaram no período de 2013 até o fim de 2016. A técnica de análise de conteúdo foi empregada após a transcrição na íntegra. Resultados: Emergiram quatro categorias do material empírico e os resultados reiteraram a possibilidade de acesso aos serviços médicos com a permanência do profissional nas comunidades. Conclusões: Demonstrou-se a necessidade de políticas de recursos humanos, reforçando que a proximidade do vínculo profissional-comunidade possibilita melhor comunicação, conforme abordado por Luc Boltanski, além de a interação sociocultural reforçar o debate sobre a formação médica brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Edson Theodoro dos Santos Neto , Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva – Vitória (ES), Brasil.

Doutor em Epidemiologia. Professor Adjunto. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Espírito Santo (PPGSC/UFES)

Tatiana Breder Emerich, Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva – Vitória (ES), Brasil.

Doutora em Saúde Coletiva. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Espírito Santo (PPGSC/UFES)

Adauto Emmerich Oliveira, Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva – Vitória (ES), Brasil.

Doutor em Odontologia. Professor associado. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Espírito Santo (PPGSC/UFES)

Referências

Brasil. Lei n.º 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis n. 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e n. 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências [Internet]. Brasília: Diário Oficial da União; 2013. [acessado em 3 abr. 2018]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12871.htm

Tesser CD, Norman AH, Vidal TB. Acesso ao cuidado na Atenção Primária à Saúde brasileira: situação, problemas e estratégias de superação. Saúde Debate 2018;42(Spe 1):361-78. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S125 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s125

Scheffer M, coord. Demografia médica no Brasil 2018 [Internet]. São Paulo: Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP, Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Conselho Federal de Medicina; 2018. [acessado em 20 ago. 2019]. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/files/DemografiaMedica2018%20(3).pdf

Oliveira FP, Vanni T, Pinto HA, Santos JTR, Figueiredo AM, Araújo SQ, et al. “Mais Médicos”: a Brazilian program in an international perspective. Interface (Botucatu) 2015;19(54):623-34. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1142 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1142

Neri M, Soares W. Desigualdade social e saúde no Brasil. Cad Saúde Pública 2002;18(Supl.):S77-87. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2002000700009 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2002000700009

Rocha MPC. A questão cidadania na sociedade da informação. Ci Inf 2000;29(1):40-5. https://doi.org/10.1590/S0100-19652000000100004 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-19652000000100004

Comes Y, Trindade JS, Pessoa VM, Barreto ICHC, Shimizu HE, Dewes D, et al. A implementação do Programa Mais Médicos e a integralidade nas práticas da Estratégia Saúde da família. Ciênc Saúde Colet 2016; 21(9):2729-38. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.15472016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.15472016

Santos W, Comes Y, Pereira LL, Costa AM, Merchan-Hamann E, Santos LMP. Avaliação do Programa Mais Médicos: relato de experiência. Saúde Debate 2019;43(120):256-68. https://doi.org/10.1590/0103-1104201912019 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201912019

Barata RB. Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2009. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575413913

Medeiros M. Medidas de desigualdade e pobreza. Brasília: Universidade de Brasília; 2012.

Euzébios Filho A, Guzzo RSL. Desigualdade social e pobreza: contexto de vida e de sobrevivência. Psicol Soc 2009;21(1):35-44. https://doi.org/10.1590/S0102-71822009000100005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-71822009000100005

Schenkel MA. O papel da política de saúde sobre as desigualdades nas regiões do Brasil. Guaju 2017;3(2):104-21. http://doi.org/10.5380/guaju.v3i2.55105 DOI: https://doi.org/10.5380/guaju.v3i2.55105

Santos JBF, Maciel RHMO, Lessa MGG, Maia ALLN, Guimarães EPA. Médicos estrangeiros no Brasil: a arte do saber olhar, escutar e tocar. Saúde Soc 2016;25(4):1003-16. https://doi.org/10.1590/S0104-12902016163364 DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902016163364

Boltanski L. As classes sociais e o corpo. 3a ed. São Paulo: Paz e Terra; 2004.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Brasil. Portaria nº. 1.369, de 8 de julho de 2013. Dispõe sobre a implementação do projeto Mais Médicos para o Brasil [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2013 [acessado em 29 ago. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/pri1369_08_07_2013.html

Prefeitura Municipal de Brejetuba. Conheça Brejetuba. [acessado em 10 dez. 2019]. Disponível em: https://www.brejetuba.es.gov.br/pagina/ler/1044/conheca-brejetuba

Prefeitura Municipal de Vitória. História de Vitória. [acessado em 10 dez. 2019]. Disponível em: https://www.vitoria.es.gov.br/turista/historia-de-vitoria

Ayres JRCM. Cuidado e reconstrução das práticas de saúde. Interface (Botucatu) 2004;8(14):73-92. https://doi.org/10.1590/S1414-32832004000100005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832004000100005

Campos GWS. Clínica e saúde coletiva compartilhadas: teoria paidéia e reformulação ampliada do trabalho em saúde. In: Campos GWS, Bonfim JRA, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Júnior M, Carvalho YM, org. Tratado de saúde coletiva. 2a ed. São Paulo: Hucitec; 2012. p. 41-80.

Campos GWS, Pereira Júnior N. A atenção primária e o Programa Mais Médicos do Sistema Único de Saúde: conquistas e limites. Ciênc Saúde Coletiva 2016;21(9):2655-63. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.18922016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.18922016

Santos L, Pinto H. A saúde da família de cara nova: a gestão interfederativa do SUS. Campinas: Instituto de Direito Sanitário Aplicado; 2008.

Boltanski L, Chiapello È. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes; 2009.

Santos MLM, Bertussi DC, Kodjaoglanian VL, Merhy EE. O que pode uma política? Problematizando a implementação do Programa Mais Médicos a partir da experiência de uma cidade brasileira. Interface (Botucatu) 2019; 23:e190052. https://doi.org/10.1590/Interface.190052 DOI: https://doi.org/10.1590/interface.190052

Giovanella L. Atenção básica ou atenção primária à saúde? Cad Saúde Pública 2018;34(8):e190052. https://doi.org/10.1590/0102-311X00029818 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00029818

Santos LMP, Costa AM, Girardi SN. Programa Mais Médicos: uma ação efetiva para reduzir iniquidades em saúde. Ciênc Saúde Colet 2015;20(11):3547-52. https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.07252015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.07252015

Arruda CAM, Pessoa MV, Barreto ICHC, Carneiro FF, Comes Y, Trindade JS, et al. Percepções de gestores municipais de saúde sobre o provimento e a atuação dos médicos do Programa Mais Médicos. Interface (Botucatu) 2017;21(Suppl 1):1269-80. https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0235 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0235

Ayres JRCM. Organização das ações de atenção à saúde: modelos e práticas. Saúde Soc 2009;18(Suppl 2):11-23. https://doi.org/10.1590/S0104-12902009000600003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902009000600003

Gadamer HG. Dove si nasconde la salute. Milão: Raffaelo Cortina; 1994.

Brasil. Lei nº. 13.958, de 18 de dezembro de 2019. Institui o Programa Médicos pelo Brasil, no âmbito da atenção primária à saúde no Sistema Único de Saúde (SUS), e autoriza o Poder Executivo federal a instituir serviço social autônomo denominado Agência para o Desenvolvimento da Atenção Primária à Saúde (ADAPS) [Internet]. Brasília: Diário Oficial da União; 2019. [Acessado em 6 mar. 2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Lei/L13958.htm>.

Publicado

2022-12-23

Como Citar

1.
Moraes PL, Santos Neto ET dos, Emerich TB, Oliveira AE. Programa Mais Médicos e a medicina científica na perspectiva de Luc Boltanski. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 23º de dezembro de 2022 [citado 29º de janeiro de 2023];17(44):3287. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3287

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit